ALA 12

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Base Aérea de Santa Cruz)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Santa Cruz
Base aérea
Base Aérea de Santa Cruz
Hangar do Zeppelin na base aérea
IATA: SNZ - ICAO: SBSC
Características
Tipo Militar
Administração Força Aérea Brasileira
Localização Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Inauguração 24 de outubro de 1937 (82 anos)
Coordenadas 22° 55' 58" S 43° 43' 10" O
Altitude 3 m (10 ft)
Mapa
SBSC está localizado em: Brasil
SBSC
Localização do aeroporto no Brasil
Pistas
Cabeceira(s) Comprimento Superfície
05 / 23 2 739  m (8 986 ft) Asfalto
Notas
Dados do DECEA[1]

A ALA 12 (antiga Base Aérea de Santa Cruz - BASC, (IATA: SNZICAO: SBSC), é uma base da Força Aérea Brasileira localizada na região de Santa Cruz, região oeste do município do Rio de Janeiro. Nessa Base Aérea, localiza-se o famoso Hangar do Zeppelin, construído na década de 1930, perfeitamente conservado e em uso como hangar para aeronaves militares de asa fixa.

Criada a 21 de agosto de 1944, a Base Aérea de Santa Cruz - BASC, situada no estado do Rio de Janeiro, é uma das principais bases da Força Aérea Brasileira, sediando não menos do que quatro unidades aéreas: os e esquadrões do , o 1º/16º Grupo de Aviação, o 4º/7º Grupo de Aviação e a 2ª Esquadrilha de Ligação e Observação, bem como uma unidade de controle aerotático, o 1º/1º Grupo de Comunicações e Controle.

A sede da BASC é de grande importância histórica. É situada em terras da antiga Fazenda de Santa Cruz, aonde viveram grande parte de suas vidas o rei de Portugal, D. João VI, e o imperador do Brasil, D. Pedro I. Na década de 30, tornou-se famosa por receber os famosos dirigíveis rígidos "Zeppelin". Com o desejo de estabelecer de forma permanente uma linha aérea ligando a Alemanha ao Brasil, a empresa "Luftschiffbau Zeppelin Gmbh." consultou o governo brasileiro sobre tal possibilidade. Assim foi que em 31 de março de 1934 a companhia alemã foi autorizada a estabelecer tal serviço; dois anos após, foi inaugurado o primeiro aeródromo dedicado à operação de dirigíveis na América do Sul, localizado na Fazenda de Santa Cruz e recebendo o nome deAeroporto Bartolomeu de Gusmão, em honra ao pioneiro brasileiro da aerostação.

Um imponente hangar para abrigar dois dirigíveis foi construído e inaugurado a 26 de dezembro de 1936, na presença do presidente do Brasil, Getúlio Dornelles Vargas e do embaixador da Alemanha, Schmidt Elskop. O hangar tem 270m de comprimento, 50m de largura, 53,58m de altura e pé direiro de 35m. Quatro plataformas rolantes sob o teto foram instaladas, para permitir a manutenção dos dirigíveis. Todas as instalações elétricas do hangar eram seladas, para impedir a ocorrência de um incêndio, devido à alta volatilidade do hidrogênio, gás que sustentava os dirigíveis. Dada sua importância histórica, o hangar foi tombado como patrimônio histórico nacional em 14 de março de 1999.

Além do hangar, que continua em uso até hoje, abrigando as aeronaves da FAB, também foi construído à época uma torre de atracação, de desenho único, telescópica (alcançando alturas de 16m a 21,5m), permitindo operar tanto com o "Graf von Zeppelin"ou com o "Hindenburg".

A destruição do "Hindenburg" devido à uma explosão enquanto estava sendo atracado em Lakehurst, E.U.A., no dia 7 de maio de 1937, causando a morte de 35 dos 97 passageiros, levou à suspensão dos voos dos "zeppelins". Em 12 de fevereiro de 1942, após o rompimento de relações diplomáticas entre o Brasil e a Alemanha, como resultado de acordos diplomáticos dos países americanos, a concessão de operação do aeroporto foi cassada, e sua operação foi transferida ao Ministério da Aeronáutica.

Naquele mesmo ano, o 1º Regimento de Aviação - 1º RAv foi transferido do Campo dos Afonsos para o Aeroporto Bartolomeu de Gusmão, a fim de desempenhar missões de patrulha marítima e escolta de comboios navegando na região. Em 1943, com a decisão do governo brasileiro de enviar uma unidade aérea de combate para participar do esforço aliado na Europa, foi instalada no aeroporto uma unidade de treinamento, com o objetivo de criar uma reserva de pilotos para emprego no teatro de operações europeu.

Durante a guerra, uma unidade de dirigíveis da Marinha dos E.U.A., equipada com os famosos "blimps", foi sediada no aeroporto, realizando missões de patrulha anti-submarina e escolta a comboios no Atlântico Sul.

O 1.º Grupo de Aviação de Caça - 1º GAVCA, subordinado ao 1º RAv, foi criado a 18 de dezembro de 1943 e, após treinamento am Aguadulce, Panamá e em Suffolk Field, E.U.A., chegou à Itália em 6 de outubro de 1944. Um dia antes, foi transferido para o efetivo do 1º RAv o 2º Grupo de Aviação de Caça, unidade criada a 17 de agosto de 1944 em Natal - RN e equipada com os famosos Curtiss P-40 (nas versões E, K-10, K-15 e M). Em 21 de agosto de 1944, o aeroporto passou a denominar-se Base Aérea de Santa Cruz, nome que mantém até os dias de hoje. Ao final do mês de maio de 1945, a BASCsediava também o 1º Grupo de Bombardeio Picado, equipado com os Vultee A-31/A-35 "Vengeance", o qual não chegou a tornar-se operacional.

Após a guerra, a BASC acolheu o 1º GAVCA, vitorioso sobre os céus da Itália, o qual operava aeronaves Republic P-47D Thunderbolt, trazidas dos E.U.A. quando do retorno do 1º GAVCA da campanha na Itália. Os P-47D utilizados pela unidade na Itália foram desmontados e trazidos de navio, passando a equipar o 2º GAVCA, o qual transferiu seus P-40 para o 3º GAVCA, sediado na Base Aérea de Canoas - BACO, no Rio Grande do Sul. Em 1946, o 2º GAVCA passou a operar como unidade de treinamento, responsável pelo Estágio para Seleção de Pilotos de Caça.

Em 1947, com a reorganização das unidades da FAB e conseqüente desativação dosRegimentos de Aviação, a BASC passou a abrigar os e esquadrões do 9º Grupo de Aviação, novas designações dos 1.º GAVCA e 2.º GAVCA. Porém, em 14 de outubro de 1949, o 9º GAV foi redenominado 1º Grupo de Aviação de Caça.

Em 19 de dezembro de 1950 a BASC passou a abrigar o 1.º Esquadrão de Controle e Alarme, unidade de controle aerotático cuja finalidade era apoiar o 1º GAVCA.

Em 6 de fevereiro de 1957 foi criado o 1.º Grupo de Aviação Embarcada, sediado na BASC, o qual foi a unidade da FAB embarcada no porta-aviões "Minas Gerais", da Marinha do Brasil, até a desativação de seus Grumman P-16 Tracker em 1996.

Em 1972, foi criado na BASC o 3.º Esquadrão Misto de Reconhecimento e Ataque - 3º EMRA, o qual foi redesignado 1º/13º Grupo de Aviação em 9 de setembro de 1980, tendo permanecido sediado na BASC até a sua desativação em 3 de maio de 1989.

Em 19 de dezembro de 1976 o Destacamento de Proteção ao Voo de Santa Cruz passou a desempenhar suas atividades de controle de tráfego aéreo na região, integrado ao Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro.

A 11 de setembro de 1985 o 1º ECA foi redesignado como 1º/1º Grupo de Comunicações e Controle.

Em 7 de novembro de 1988 foi ativado na BASC o 1º/16º Grupo de Aviação, primeira unidade da FAB a operar as aeronaves de ataque AMX A-1.

Devido às restrições de espaço físico existentes na Base Aeronaval de São Pedro da Aldeia, foi transferida para a BASC, em 1995, a 2ª Esquadrilha de Ligação e Observação, equipada com aeronaves EMBRAER EMB.312 Tucano e dedicada a operações em conjunto com a Marinha do Brasil.

A 31 de julho de 1999 o 1º GAE foi redenominado como 4º/7º Grupo de Aviação, operando os EMBRAER EMB.111 P-95 Bandeirante Patrulha em missões de patrulha marítima.

Unidades aéreas[editar | editar código-fonte]

Solenidade na Base Aérea de Santa Cruz, em 1976.

Operam na ALA 12 as seguintes unidades da FAB:

1° Grupo de Aviação de Caça (1º GAvCa)[editar | editar código-fonte]

Dividido em 1°/1° GAvCa - Esquadrão Jambock e 2°/1° GAvCa - Esquadrão Pif-Paf, ambos utilizando caças supersônicos F-5E (Northrop F-5E Tiger II) do primeiro lote recebido pela FAB na década de 1970, que estão sendo substituídos por F-5EM (versão modernizada do F-5E efetuada pela Embraer em parceria com a Elbit, de Israel).

3º Esquadrão do 8º Grupo de Aviação (3º/8º GAV)[editar | editar código-fonte]

Esquadrão Puma, com helicópteros H-36 Caracal (Airbus Helicopters H225M).

1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (1º/7º GAV)[editar | editar código-fonte]

Esquadrão Orungan, transferido da ALA 14 (antiga Base Aérea de Salvador) iniciou oficialmente suas operações na ALA 12 (antiga Base Aérea de Santa Cruz) no dia 11/01/2018. Opera as aeronaves P-3AM Orion (Lockheed P-3AM Orion).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1] - Galeria com fotos de F-5E do 1° Grupo de Aviação de Caça.
  • [2] - Galeria com fotos de A-1A do Esquadrão Adelphi.
  • [3] - Galeria com fotos de P-95A de patrulha marítima do Esquadrão Cardeal.
  • [4] - História da FAB na Segunda Guerra Mundial (site não oficial)
  • Perfil de um A-1A (AMX) do Esquadrão Adelphi, Baseado em Santa Cruz)
  • [5] - OPERAÇÃO BLACK BUCK 6 - Uma missão de combate que acabou no Brasil
  • Rotaer Brasil - Manual auxiliar de Rotas

Referências

  1. «Publicação Auxiliar de Rotas Aéreas (ROTAER)» (PDF). Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). 2016. Consultado em 1 de outubro de 2016. Cópia arquivada (PDF) em 1 de outubro de 2016