Jaime Portela de Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Jaime Portela de Melo (em grafia antiga Jayme Portella de Mello) GCA (Pocinhos-PB, 12 de julho de 1911Brasília-DF, 4 de outubro de 1984) foi um militar brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi chefe do Gabinete Militar no governo Costa e Silva, de 15 de março de 1967 a 31 de agosto de 1969, continuando no posto durante o governo da Junta Governativa Provisória de 1969, até 30 de outubro de 1969. Teria sido um dos proponentes da Operação Bandeirante.

Em 2 de março de 1971 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis de Portugal.[1]

Foi principal articulador e organizador do movimento que barrou a ascensão do vice-presidente Pedro Aleixo quando o titular Costa e Silva foi afastado por invalidez provisoriamente, e depois definitivamente.[2] Num primeiro momento, a articulação escondeu do país o estado de saúde de Costa e Silva, com grave crise de isquemia.[2] Depois organizou com os três ministros militares o impedimento da posse de Pedro Aleixo em prol de três regentes: Augusto Rademaker, Aurélio de Lira Tavares e Márcio de Sousa e Melo.[2] Organizou a ida de Aleixo ao Rio de Janeiro para informá-lo que não iria assumir a presidência, depois lhe impediu de retornar a Brasília, com receio que Aleixo conseguisse organizar uma cerimônia de posse.[2]

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Jayme Portella de Mello". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de abril de 2016 
  2. a b c d Gaspari, Elio (2014). A Ditadura Escancarada 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca. 526 páginas. ISBN 978-85-8057-408-1 


Precedido por
Ernesto Geisel
Chefe do Gabinete Militar
1967 — 1969
Sucedido por
João Figueiredo


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.