Afonso Augusto de Albuquerque Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Afonso Augusto de Albuquerque Lima
Nascimento 1909
Fortaleza
Morte 1981 (72 anos)
Recife
Cidadania Brasil

Afonso Augusto de Albuquerque Lima GCC (Fortaleza, 1909Recife, 1981) foi um engenheiro, militar e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Membro da arma de engenharia, participou da Revolução de 1930, reprimiu a Intentona Comunista em 1935 no Recife e participou da Segunda Guerra Mundial no 9° Batalhão de Engenharia de Combate, primeira unidade brasileira a trocar tiros com os alemães.[1] Liderou a construção das estradas Macapá-Clevelândia e Joinville-Curitiba.[1] Era a um só tempo radical nas questões políticas e nacionalista nas questões econômicas.[1]

Participou da criação da Sudene, dirigiu o Departamento Nacional de Obras contra as Secas, chefiou a Divisão de Assuntos Econômicos da Escola Superior de Guerra e foi interventor na Rede Ferroviária Federal, de onde renunciou denunciando a corrupção impune.[1] Erigiu-se como um dos ícones da linha dura no ínicio do Regime Militar, sugerindo o aprofundamento da ditadura.[1]

Foi ministro do Interior no governo Costa e Silva, de 15 de março de 1967 a 27 de janeiro de 1969, usado como plataforma para candidatura presidencial.[1] Saiu do governo brigado com o ministro da Fazenda, Delfim Neto, tendo então assumido a diretoria de Material Bélico do Exército.[1]

A 1 de Fevereiro de 1969 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal.[2]

Em 1969, tentou angariar apoio da maioria dos generais para ser indicado à sucessão de Costa e Silva na presidência da República, mas foi derrotado por Emílio Médici.[3]

Para a sucessão de Médici, era um nome forte, considerado como um chefe militar com boa experiência na administração, politicamente articulado e detentor de popularidade nos escalões inferiores do exército. Pertencente à linha dura, não tinha o apoio do ministro do Exército, Orlando Geisel, a quem coube conduzir a forma de retirá-lo da disputa, abrindo caminho para a futura escolha de seu irmão, Ernesto Geisel. Orlando conseguiu apoio no Alto-Comando do Exército para não promover Albuquerque Lima a general-de-exército, o que era necessário para que não fosse compulsoriamente aposentado, o que por fim aconteceu. A censura, poucos dias antes de sua transferência para a reserva, ordenou que estava proibida qualquer divulgação de qualquer matéria ou entrevista do general ou sobre ele.[4]

Na reserva, foi trabalhar com um cunhado, José Luiz Moreira de Souza, que era um rico empresário.[4] Moreira de Souza era o principal acionista da UEB — União de Empresas Brasileiras S.A., controladora da Ducal Roupas S.A., Independência S.A. Financiamento, Crédito e Investimentos e Confecções Sparta S.A., entre outras, cujos negócios — já em declínio desde o início dos anos 70 — foram encerrados a partir de maio de 1977 devido a uma intervenção do Banco Central.[5]. Não está claro até hoje o papel específico do general Albuquerque Lima na condução dos negócios da UEB por ocasião de sua quebra.

Referências

  1. a b c d e f g Gaspari, Elio (2014). A Ditadura Escancarada 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca. 526 páginas. ISBN 978-85-8057-408-1 
  2. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Afonso de Albuquerque Lima". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 29 de março de 2016 
  3. «Sucessão: como chegar à unidade». Revista Veja. 1º de outubro de 1969. Consultado em 10 de setembro de 2008 
  4. a b Gaspari, Elio. A Ditadura Derrotada, p. 186-7
  5. Revista VEJA. A longa jornada com os pés alheios, 18 de maio de 1977, p. 104-5
Precedido por
Carlos Medeiros Silva
Ministro do Interior do Brasil
1967 — 1969
Sucedido por
José Costa Cavalcanti
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.