Aristides Lobo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o jornalista homônimo do século XX, veja Aristides Lobo (1905-1968).
Aristides Lobo
Nascimento 12 de fevereiro de 1838
Cruz do Espírito Santo
Morte 23 de julho de 1896 (58 anos)
Barbacena
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Político
Constituição brasileira de 1891: página com a assinatura de Aristides Lobo (13ª assinatura). Acervo Arquivo Nacional

Aristides da Silveira Lobo (Cruz do Espírito Santo, 12 de fevereiro de 1838 — Barbacena, 23 de julho de 1896) foi um jurista, político e jornalista republicano e abolicionista brasileiro, ao tempo do Império.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aristides Lobo.jpg

Nascido no Engenho Tabocas, era neto do tenente-coronel Francisco José da Silveira, condenado à morte por participar da Revolução Pernambucana de 1817, e filho de Manuel Lobo de Miranda Henriques e Ana Noberta da Silveira. Nasceu na Paraíba, mas passou uma parte de sua infância em Alagoas, o que confundiu alguns de seus biógrafos.[1]

Após o curso preparatório foi feito no Colégio da Paraíba, ingressou na Faculdade de Direito de Recife, graduando-se em 1859. Chegou a exercer o cargo de promotor público e de juiz (este último em Minas Gerais), mas logo enveredou pela política, filiando-se ao Partido Liberal, tendo sido eleito deputado geral (para o Congresso Nacional do Império) por dois mandatos consecutivos (1864 a 66 e de 1867 a 70), concorrendo por Alagoas.

A 3 de dezembro de 1870 funda, ao lado de Salvador de Mendonça, Lafayette Coutinho, Pedro Soares de Meireles e Flávio Farnense o jornal A República, que passa a defender a mudança do regime, com o fim da monarquia. Neste sentido, é publicado o Manifesto de 1870, pelo Clube Republicano e tem início a maciça propaganda dessas ideias por todo o país, ocupando Aristides Lobo papel de destaque dentre os que mais ardorosamente combatiam pela causa. O jornal é empastelado, três anos depois, mas o curso dos fatos veio culminar com a Proclamação da República, em 1889. Sobre esse fato, escreveu a famosa frase:

O povo assistiu àquilo bestializado, atônito, surpreso, sem conhecer o que significava. Muitos acreditaram seriamente estar vendo uma parada.
— cf. artigo escrito no dia 15, e publicado no Diário Popular de 18 de novembro de 1889.

Formado o governo provisório, Aristides é nomeado ministro do Interior, ocupando o cargo por apenas dois meses, de 15 de novembro de 1889 a 10 de fevereiro de 1890, renunciando por divergir profundamente do Marechal Deodoro da Fonseca. Elege-se, então, deputado federal, participando da constituinte, no mandato de 1891 a 1893 e, em seguida, para o Senado, de 1892 a 1896.

Colaborou em diversos jornais, do Rio de Janeiro, Recife e São Paulo.

Traduziu o Gargântua, de François Rabelais.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Aristides Lobo é considerado um dos "pais" da República brasileira. Em praticamente todas as grandes cidades, existem ruas com seu nome, além de diversos prédios públicos. Nos primórdios da Primeira República chegou a figurar num selo de 10 réis. A Academia Paraibana de Letras dedicou-lhe o patronato de sua Cadeira número 6.

Referências

  1. a b Institucional. «Aristides Lobo». Academia Paraibana de Letras. Consultado em 2 de fevereiro de 2007. Cópia arquivada em 11 de agosto de 2013 
Leitura adicional
  • CASTRO, Oscar de Oliveira. Vultos da Paraíba, Rio de Janeiro, Imprensa Nacional, 1955.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Aristides Lobo

Precedido por
Ministro do Interior do Brasil
1889 — 1890
Sucedido por
Cesário Alvim