Newton de Andrade Cavalcanti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Newton Cavalcanti
Interventor no Rio de Janeiro
Período 7 de novembro a 12 de novembro de 1935
Antecessor Ari Parreiras
Sucessor Protógenes Guimarães
Dados pessoais
Nascimento 23 de outubro de 1885
Palmeira dos Índios, AL
Morte 1965 (80 anos)
Profissão militar

Newton de Andrade Cavalcanti (Palmeira dos Índios, 23 de outubro de 18851965) foi um militar e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Francisco Balbino Cavalcanti e de Rosa de Andrade. Casou-se em 13 de novembro de 1913, no Rio de Janeiro com Maria Eugenia Lagden (1888), filha de Henrique Tavares Lagden e de Maria Adelaide Guimarães.

Militar de carreira, tornou-se Praça a 10 de abril de 1902; passou a Aspirante em 2 de junho de 1909. Em 12 de abril de 1911, foi promovido a 2º Tenente. Em 8 de fevereiro de 1918, foi promovido a 1º tenente. Foi promovido ao posto de capitão, efetivado em 2 de maio de 1922. Promovido, por merecimento, a major, em 29 de novembro de 1828. Estando neste posto, integrou a Missão Indígena e participou ativamente da Revolução de 1930, chefiando um destacamento de paulistas. Com a vitória de Getúlio Vargas, passou a dirigir o Centro de Educação Física do Exército Brasileiro. Foi promovido a tenente-coronel em 13 de outubro de 1931. Chegou ao posto de coronel, por merecimento, em 10 de fevereiro de 1933. No mesmo ano, foi nomeado comandante da 9ª Região Militar, sediada em Mato Grosso.

Foi também chefe da Casa Militar da Presidência da República de 17 de maio a 20 de julho de 1935, e passou a responder pelo comando do 2º Regimento de Infantaria, na cidade do Rio de Janeiro. De agosto a setembro daquele ano, foi nomeado por Getúlio Vargas interventor federal no Mato Grosso, com a função de instalar a Assembléia Constituinte estadual que iria eleger o governador do estado.

Logo depois, em novembro, foi novamente indicado para uma interventoria, agora no estado do Rio de Janeiro, encarregado de presidir as eleições locais e garantir a posse do candidato eleito, Protógenes Pereira Guimarães, ao que ocupou o governo fluminense entre 7 de novembro a 12 de novembro.

Em 28 de novembro de 1935, foi promovido ao posto de General de Brigada. Com simpatias pelo Integralismo, exerceu diversos cargos de comando no Exército, entre eles o de comandante da Vila Militar do Distrito Federal, em 1937, e comandante da 5ª Região Militar (Curitiba), em 1942. Teve participação decisiva na deposição de Getúlio Vargas em 1945.

Chegou a ministro interino da Guerra no governo de Eurico Gaspar Dutra, no ano de 1949. Um ano mais tarde, foi novamente nomeado chefe do Gabinete Militar da Presidência da República, mantendo-se no cargo de 04 de abril de 1950 a 30 de janeiro de 1951. Foi ainda comandante da Zona Militar Sul (precursora do III Exército, atual Comando Militar do Sul) de abril a novembro daquele mesmo ano.

Referências[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Ari Parreiras
Interventor no Rio de Janeiro
7 de novembro a 12 de novembro de 1935
Sucedido por
Protógenes Guimarães
Precedido por
Pantaleão da Silva Pessoa
Chefe do Estado Maior do Governo Provisório
1 de maio a 20 de julho de 1935
Sucedido por
Francisco José Pinto
Precedido por
João Valdetaro do Amorim e Melo
Chefe do Gabinete Militar
4 de abril de 1950 — 30 de janeiro de 1951
Sucedido por
Ciro do Espírito Santo Cardoso


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.