Floriano Peixoto Faria Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde julho de 2011).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Faria Lima
Governador Faria Lima.png
Faria Lima
Governador do  Rio de Janeiro
Período 15 de março de 1975
até 15 de março de 1979
Antecessor(a) Raimundo Padilha
Sucessor(a) Chagas Freitas
Dados pessoais
Nascimento 15 de novembro de 1917
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 9 de julho de 2011 (93 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Partido ARENA
Profissão Militar

Floriano Peixoto Faria Lima, ou simplesmente Faria Lima GCCGCIH (Rio de Janeiro, 15 de novembro de 1917 — Rio de Janeiro, 9 de julho de 2011), foi um militar e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de João Soares Lima, imigrante português que se casou com a capixaba, Castorina Faria Lima. De uma família de cinco irmãos, do qual o seu irmão mais velho, José Vicente Faria Lima foi prefeito de São Paulo. Casou-se com Hilda Faria Lima, tendo gerado uma filha, Regina Maria Faria Lima.

Nascido na cidade do Rio de Janeiro, na época Distrito Federal. Oficial de Marinha, comandou a Escola de Aprendizes Marinheiros de Recife entre os anos de 1956 e 1959. Ocupava o posto de capitão-de-mar-e-guerra, em 1961, quando foi nomeado, no governo de Jânio Quadros, para o cargo de subchefe da Marinha no Gabinete Militar da Presidência da República, exercendo este cargo até a posse de João Goulart.

Foi ainda, no ano de 1967, nomeado adido militar junto às embaixadas do Brasil em Washington e Ottawa, em 1969, ocupando, nos anos seguintes, cargos no Estado-Maior das Forças Armadas e na Petrobras, chegando à presidência da empresa quando da saída de Ernesto Geisel para assumir a Presidência da República.

Foi escolhido por Geisel, em julho de 1974, para assumir o governo do Estado do Rio de Janeiro, quando da fusão deste com o Estado da Guanabara, momento em que se filiou à Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e no qual procurou organizar a vida da unidade federada, que apresentava grandes contrastes entre seu interior e capital.

Seu governo ficou marcado pelo término da primeira etapa das obras do Metrô Rio que foram inauguradas no dia 5 de março de 1979, além do início das obras das Usinas Nucleares de Angra dos Reis.

Ao término do seu governo, no ano de 1979, deixou a vida pública, voltando-se para a iniciativa privada, passando a integrar a diretoria de uma indústria petroquímica.

A 20 de Dezembro de 1977 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e a 28 de Dezembro de 1978 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal.[1]

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu em 9 de julho de 2011 aos 93 anos, no Hospital Naval Marcílio Dias, no Rio de Janeiro, vítima de infecção generalizada. Era vice-almirante reformado.[2][3]

Referências

  1. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Floriano Peixoto Faria Lima". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de abril de 2016 
  2. «Morre no Rio o ex-governador Faria Lima». R7. 10 de julho de 2011. Consultado em 10 de julho de 2011 
  3. «Almirante Faria Lima morre aos 93 anos». JusBrasil. 10 de julho de 2011. Consultado em 20 de junho de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ernesto Geisel
Presidente da Petrobras
1973 – 1974
Sucedido por
Araken de Oliveira
Precedido por
Raimundo Padilha
Governador do Rio de Janeiro
1975 – 1979
Sucedido por
Chagas Freitas
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.