Benedicto Fonseca Moreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Benedicto Fonseca Moreira
27º Presidente da Petrobras
Período 4 de maio de 1992
até 18 de novembro de 1992
Antecessor(a) Ernesto Teixeira Weber
Sucessor(a) Joel Mendes Rennó
Dados pessoais
Nascimento 27 de abril de 1930
Resende, RJ
Morte 5 de agosto de 2021 (91 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Profissão economista

Benedicto Fonseca Moreira (Resende, 27 de abril de 1930Rio de Janeiro, 5 de agosto de 2021) foi um economista brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Colégio Lafayette, no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR), tornando-se segundo-tenente da reserva em 1949, e na Faculdade Nacional de Ciências Econômicas da Universidade do Brasil.[1]

Foi assessor da Secretaria de Agricultura do Rio de Janeiro, Comissão Nacional de Fiscalização e Preços (Cofap) e assistente administrativo da divisão de orçamento da União, do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP).[1]

Em 1954, ingressou no Ministério das Relações Exteriores, onde permaneceu até 1963. Nesse período, lecionou política financeira na Faculdade Nacional de Ciências Econômicas.[1]

Na década de 1960, foi secretário do comércio e secretário-geral da Comissão de Comércio Exterior, do Ministério da Indústria e do Comércio, membro das comissões de Financiamento da Produção, de Seguro de Crédito à Exportação e do Instituto de Açúcar e do Álcool e conselheiro fiscal da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).[1]

Em 1967, tornou-se diretor da Fábrica Nacional de Motores (FNM).[1]

Ocupou o cargo de diretor da Carteira de Comércio Exterior (Cacex) e do Conselho Diretor do Banco do Brasil, foi membro do Conselho Nacional do Comércio Exterior (Concex), foi secretário-geral e vice-presidente da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).[1]

Entre 1979 e 1983 foi membro do Conselho Monetário Nacional e, entre 1980 e 1981, presidente da Fundação José Bonifácio, da UFRJ.[1]

Em maio de 1992, iniciou o mandato no cargo de presidência da Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras). Em novembro de 1992, deixou a Petrobras.[1]

Foi presidência do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI), entre 1993 e 1994.[1]

A 11 de Abril de 1972 foi feito Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.[2]

Referências

  1. a b c d e f g h i j «MOREIRA, BENEDITO FONSECA». FGV-CPDOC. Consultado em 6 de agosto de 2021 
  2. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Benedito Moreira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ernesto Teixeira Weber
Presidente da Petrobras
1992
Sucedido por
Joel Mendes Rennó
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.