Integralismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Integralismo (desambiguação).

Em política, integralismo ou integrismo é o conjunto de conceitos teóricos e práticas políticas que defendem uma ordem social e política totalmente integrada, baseando-se na convergência de tradições políticas, culturais, religiosas e nacionais de um determinado Estado ou outra entidade política.[1][2][3] Algumas formas de integralismo estão focadas em alcançar integração política e social, assim como unidade (uniformidade) nacional ou étnica, enquanto outras formas são mais focadas em alcançar unidade religiosa e cultural.[2][3] Na história política e social dos séculos XIX e XX, o integralismo esteve muitas vezes relacionado com o tradicionalismo e a movimentos políticos similares de direita, mas também foi adotado por vários movimentos centristas como uma ferramenta de integração política, nacional e cultural.[4]

Como um movimento político tradicionalista, o integralismo surgiu das polêmicas discussões internas da Igreja Católica no final do século XIX e início do século XX, especialmente na França.[5] O termo integralista foi usado como adjetivo para descrever aqueles que se opunham aos "modernistas filosóficos-catolicistas", que procuravam criar uma síntese entre a teologia cristã e a filosofia liberal da modernidade secular. Os defensores do integralismo pregavam que toda ação social e política deveria ser baseada na fé católica e rejeitavam a separação entre Igreja e Estado, argumentando que o catolicismo deveria ser proclamado a religião do Estado.[6] Discussões contemporâneas dentro da Igreja Católica a respeito do integralismo foram renovadas com críticas ao liberalismo.[7][8]

No Brasil, o catolicismo influenciou o movimento político do integralismo entre 1932 e 1937, sendo este considerado um braço político e fascista da Igreja Católica.[9][10] Em Portugal, o Integralismo Lusitano foi um movimento político surgido em 1914, de carácter monárquico, católico, nacionalista e antiliberal, que se opunha tanto à democracia republicana de 1910 como à monarquia constitucional de 1820. Defendia o regresso a uma monarquia tradicional, nacionalista e antiparlamentar, na qual o monarca seria o chefe de Estado e concentraria em si as funções governativas e executivas.[11] O termo integralismo também tem sido utilizado para se referir aos fundamentalismos protestantes e/ou islâmicos.[12]

História e ideais[editar | editar código-fonte]

O integralismo católico é uma tendência antipluralista do catolicismo, tendo emergido no século XIX em Portugal, Espanha, França, Itália e România, visava afirmar uma interpretação de base católica a toda ação política e social, e minimizar ou eliminar quaisquer atores ideológicos concorrentes, como o humanismo secular e o liberalismo.[13] Além disso, o integralismo católico não apoia a criação de um novo "Estado Católico" autônomo, tampouco o erastianismo (galicanismo no contexto francês). Pelo contrário, apoia a subordinação do Estado aos princípios morais do catolicismo. Dessa forma, rejeita separar moralidade e Estado, favorecendo o catolicismo como a religião proclamada oficial pelo Estado.[6] Este advoga pelo ensino sobre a necessidade da subordinação do Estado, assim como papas medievais Papa Gregório VII e Papa Bonifácio VIII, além da subordinação do poder temporal ao poder espiritual. Ainda assim, o integralismo católico, em sentido estrito, surgiu como uma reação contra as mudanças políticas e culturais que se seguiram ao Iluminismo e à Revolução Francesa.[6] O integralismo católico atingiu sua forma "clássica" a partir de uma reação contra o modernismo, insistindo que o poder político deve guiar o homem ao seu último fim, rejeitando a separação liberal entre a política e os fins da vida humana.[14] Pode-se dizer que o integralismo é meramente a continuação moderna da concepção católica tradicional das relações Igreja-Estado elucidada pelo Papa Gelásio I e exposta ao longo dos séculos até o Sílabo dos Erros, que condenou a ideia de que a separação entre Igreja e Estado é um bem moral.

O papado do século XIX desafiou o crescimento do liberalismo (e sua doutrina da soberania popular), bem como novos métodos e teorias científicas e históricas (que se pensava ameaçar o status quo da revelação cristã). O Papa Pio IX condenou uma série de ideias iluministas e liberais ao publicar o Sílabo dos Erros. Já o termo integralismo foi aplicado, pela primeira vez, a um partido político espanhol fundado em 1890, que baseou seu programa no Sílabo.[6] Entretanto, o termo não se tornou popular até o papado de Pio X (que durou de 1903 a 1914), na ocasião da condenação papal do modernismo em 1907, em que os "catholiques intégraux", encorajados por Pio X, procuraram e expuseram qualquer co-religioso que suspeitassem de modernismo ou liberalismo, de onde surgem as palavras intégrisme (integrismo) e intégralisme (integralismo). Uma importante organização integralista foi a Sodalitium Pianum, conhecida na França como La Sapinière ("plantação de abetos"), fundada em 1909 por Umberto Benigni.[6]

O integralismo católico sofreu um declínio após o Segundo Concílio do Vaticano (1962), devido à falta de apoio da hierarquia católica; durante esse tempo, outras ideias foram propostas sobre a relação entre a Igreja e o Estado. No entanto, até mesmo o Segundo Concílio do Vaticano finalmente se aliou ao entendimento integralista, afirmando em Dignitatis humanae que o Concílio "deixa intacto o ensino tradicional do dever que o Estado deve à Igreja", ou seja, o reconhecimento da Igreja como a religião do Estado, a menos que isso prejudique o bem comum. Ainda assim, o documento também afirmou a liberdade de consciência pessoal e a liberdade religiosa; no auge do período pós-conciliar, estas se tornaram o foco do discurso teológico, com a exclusão do ensino tradicional das relações igreja-estado. Ainda no período pós-conciliar, o integralismo católico passou a ser apoiado principalmente por católicos tradicionalistas, como os associados à Sociedade de São Pio X e a várias organizações católicas leigas. Nos últimos anos, entretanto, uma renovação do integralismo católico foi observada entre a geração mais jovem de católicos.[15]

Alguns acadêmicos traçaram paralelos entre o integralismo católico e uma visão defendida por uma minoria nas igrejas reformadas, o reconstrucionismo cristão.[16][17] No National Catholic Reporter, Joshua J. McElwee afirmou que tanto os integralistas católicos quanto os reconstrucionistas cristãos reformados criaram uma aliança ecumênica não tradicional com o objetivo de estabelecer um "tipo de estado teocrático".[18][19] Outros acadêmicos traçaram, também, paralelos entre o integralismo e o fascismo[20], em especial o integralismo italiano[21][22] e o integralismo brasileiro,[9][10][23][24][25][26] tendo-se cunhado o termo fascismo clerical.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Integralismo no Brasil
Gustavo Barroso, um dos principais líderes do integralismo no Brasil, abertamente antissemita[27]

O integralismo brasileiro surge nos anos 1930. Seus primórdios datam da viagem de Plínio Salgado, escritor e jornalista que futuramente fundaria a Ação Integralista Brasileira, à Europa, onde tem contato com o fascismo italiano, tendo ficado vivamente impressionado e escrito cartas a alguns companheiros sobre a possibilidade da criação de um movimento no Brasil em moldes similares.[24] Diferentemente do seu inspirador francês e português, este era republicano – embora tenha sido também predominantemente inspirado pela Doutrina Social da Igreja Católica.[9] No estudo historiográfico atual, debate-se se o integralismo brasileiro foi uma cópia dos movimentos fascistas na Europa ou se foi um movimento tipicamente brasileiro com características fascistas.[9][10][24][25][28][29] É consenso, porém, que o integralismo brasileiro compartilha de diversas características do fascismo europeu, como as vestimentas, métodos de organização, o ativismo e em especial a ideologia do movimento integralista,[30] além da relação de seus líderes com o racismo e o antissemitismo.[27][31] Alguns pesquisadores argumentam, ainda, que "o Integralismo Brasileiro foi, sim, manifestação local do fascismo internacional, sendo este entendido em sentido amplo, isto é, como um movimento autoritário, antiliberal e antissocialista e com ritualística própria".[32][33]

Manchete no Jornal do Povo satirizando os membros da AIB: "Um integralista não corre: vôa..."

Batalha da Praça da Sé[editar | editar código-fonte]

A revoada dos galinhas verdes, como ficou conhecida, ocorreu em 07 de outubro de 1934. A Ação Integralista Brasileira (AIB), na oportunidade dos dois anos do Manifesto Integralista, convocara um comício popular. A Frente Única Antifascista, o Partido Comunista Brasileiro, e demais setores antifascistas da sociedade, como sindicatos, comunistas e anarquistas, convocaram contramanifestação para o mesmo dia, e planos foram elaborados para deter o avanço do integralismo. O conflito armado estourou e resultou na debandada do comício integralista, além de sete mortes e trinta feridos. Ainda hoje, o conflito é considerado uma das maiores demonstrações antifascistas no Brasil.[34][35]

A relação com Getúlio Vargas e a tentativa de golpe[editar | editar código-fonte]

Por parte do período em que Getúlio Vargas esteve no poder (1930-1945), o integralismo brasileiro exercia forte influência e, temporariamente, serviu de base do Governo Vargas.[23][36][37] Entretanto, em razão de discordâncias políticas, o integralismo rompe com Vargas; e em Dezembro de 1937, Vargas publica o Decreto-lei nº 37, que extinguia as agremiações políticas em todo o país – e, consequentemente, a AIB. Como retaliação, integrantes milicianos da AIB organizaram para Maio de 1938 o que ficou conhecido como Levante Integralista. O Levante falhou e os integralistas foram derrotados sem muita dificuldade, isso resultou em cerca de 1.500 encarceramentos e o exílio de Plínio Salgado para Portugal. Com isso, o movimento integralista no Brasil perde força e se debanda.[38] Entretanto, por diversas ocasiões os integralistas tentam estabelecer uma reaproximação com Vargas, interpretadas como uma postura subordinada.[37]


Contemporaneidade[editar | editar código-fonte]

Atualmente, a organização dos novos integralistas se dá nacionalmente através da internet e a independência de alguns novos integralistas é disputada por grupos internos, que defendem para si a "posse da verdade doutrinária".[39] Em dezembro de 2019, uma série de reportagens relataram as reorganizações dos grupos neointegralistas[40] na conjuntura da política de extrema-direita e do bolsonarismo,[41] notoriamente após um ataque realizado ao Porta dos Fundos por um grupo autodeclarado integralista.[42][43][44][45][46]

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Integralismo Lusitano

O integralismo em Portugal foi inicialmente uma reação ao anticlericalismo da 1.ª República Portuguesa implantada em 1910. O municipalismo e o sindicalismo de inspiração católica constituem a matriz. A ideologia defende a proteção dos valores nacionais (ex: passado histórico, tradição, cultura, costumes, religião), e a cooperação das diferentes classes sociais para atingir a harmonia e a união social. Atualmente engloba pessoas de quase todas as religiões.

O integralismo, no caso lusitano, defendeu a monarquia, a liberdade sindical e corporativa, e a livre competição entre grupos econômicos e empresas. A doutrina económica não era porém a política liberal partidocrática (aquela que aceita a existência de partidos políticos apenas na gestão da governação), defendendo antes o organicismo e o municipalismo. O integralismo opôs-se à luta de classes e às greves, sendo também contrário aos sindicatos estatais como os da Itália fascista da década de 1930. Como forma de resolver os conflitos laborais, defendia o recurso aos tribunais de trabalho.

Em Portugal, os críticos e adversários, como Raul Proença e Carlos Ferrão, associaram as ideias integralistas às da Acção Francesa de Charles Maurras. As ideias maurrasianas influenciaram muitos políticos na época, como por exemplo António de Oliveira Salazar, fundador do Estado Novo.

Os integralistas lusos, mais tarde, demarcaram-se do "maurrasianismo".[47] e do salazarismo, a quem inclusivamente este último combateram, sofrendo alguns deles a deportação (Hipólito Raposo) e a prisão (idem, Francisco Rolão Preto)[48]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARAÚJO, Ricardo Benzaquen de. Totalitarismo e revolução: o integralismo de Plínio Salgado. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.
  • CHASIN, Jean. O Integralismo de Plínio Salgado: forma de regressividade no capitalismo hipertardio. São Paulo: Ciências Humanas, 1978.
  • CHAUÍ, Marilena. Apontamentos para uma crítica da Ação Integralista Brasileira. In: CHAUÍ, Marilena; FRANCO, Maria S. Carvalho. Ideologia e mobilização popular. Rio de Janeiro: CEDEC/Paz e Terra, 1978.
  • FIGUEIRA, Guilherme Jorge. As eleições de 1955: Ensaio sobre a participação de Plínio Salgado nas eleições presidenciais. Revista do Arquivo, Rio Claro-SP. n. 11, p. 60-63, jun. 2013. Disponível em: [1]. Acesso em 10.01.2014.
  • MAIO, Marcos Chor; CYTRYNOWICZ, Roney. Ação Integralista Brasileira: um movimento fascista no Brasil (1932-1938). In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida. O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. (O Brasil republicano, v. 2).
  • SANTANA, Márcio Santos de. O Integralismo, as novas gerações e o problema da consciência histórica. Esboços, v. 18, p. 213-232, 2011. Disponível em: [2]. Acesso em 10.01.2014.
  • SILVA, Helio. 1938: terrorismo em Campo Verde. O Ciclo Vargas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.
  • TRINDADE, Hélgio. Integralismo (O fascismo brasileiro na década de 30). São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1974.
  • TRINDADE, Hélgio. Integralismo, em Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: FGV/CPDOC, 2001.
  • VASCONCELLOS, Gilberto. A ideologia curupira: análise do discurso integralista. São Paulo: Brasiliense, 1977.
  • VICTOR, Rogério Lustosa. Getúlio Vargas e o Integralismo: histórias de pescador. Artigo. Disponível em: http://www.usp.br/ran/ojs/index.php/angelusnovus/article/view/129 Acesso em: 01/02/2018.
  • VICTOR, Rogério Lustosa. O integralismo nas águas do Lete: história, memória e esquecimento. Ficha informativa de dissertação de mestrado. Disponível em: https://pos.historia.ufg.br/n/20553-2004-rogerio-lustosa-victor Acesso em: 01/02/2018
  • VICTOR, Rogério Lustosa. O labirinto integralista: o PRP e o conflito de memórias (1938 – 1962). Tese de doutoramento. Disponível em: https://pos.historia.ufg.br/up/113/o/Rog%C3%A9rio_Lustosa_Victor.pdf Acesso em: 01/02/2018.

Referências

  1. Jeffries, Vincent (1 de julho de 2003). «The Nature of Integralism». Catholic Social Science Review. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  2. a b Poulat, Emile (1969). «« Modernisme » et « Intégrisme ». Du concept polémique à l'irénisme critique». Archives de Sciences Sociales des Religions. 27 (1): 1–28. doi:10.3406/assr.1969.2644 
  3. a b Poulat, Emile (1968). «Intégrisme». Encyclopaedia Universalis. 8. [S.l.]: Encyclopaedia Universalis. pp. 1076–1079. 
  4. Jensen, Mark (1 de maio de 2005). «The Integralist Objection to Political Liberalism». Social Theory and Practice. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  5. Jeffries, Vincent (1 de julho de 2003). «The Nature of Integralism». Catholic Social Science Review. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  6. a b c d e Krogt, C. van der (1992). «Catholic Fundamentalism or Catholic Integralism?». To Strive and not to Yield: Essays in Honour of Colin Brown. Wellington: The Department of World Religions, Victoria University. pp. 123–135. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  7. «'Weird Catholic Twitter' offers a reminder of Catholic complexity». John L. Allen Jr. Crux. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  8. O.Cist, Edmund Waldstein. «What Is Integralism Today?». Church Life Journal (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  9. a b c d Williams, Margaret Todaro (1974). «Integralism and the Brazilian Catholic Church». The Hispanic American Historical Review. 54 (3): 431–452. ISSN 0018-2168. doi:10.2307/2512932. The more dramatic aspects of Integralism, such as its violence and its fascist trappings [...] have obscured the fact that Integralism often acted, although implicitly, as a political arm of the Catholic Church. [...] Their search for a 'third way,' an effort not yet sufficiently investigated or appreciated, often led them to espouse modified versions of European fascism. 
  10. a b c Bertonha, João Fábio (2000). «Between Sigma and Fascio: An Analysis of the Relationship between Italian Fascism and Brazilian Integralism». Luso-Brazilian Review. 37 (1): 93–105. ISSN 0024-7413 
  11. «Integralismo Lusitano». Infopédia, Enciclopédia de Língua Portuguesa da Porto Editora. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  12. Shepard, William (1 de outubro de 1987). «'Fundamentalism' Christian and Islamic». Religion. 17 (4): 355–378. ISSN 0048-721X. doi:10.1016/0048-721X(87)90059-5. Patrick J. Ryan has suggested the term 'integralism' for the Iranian phenomena, by analogy with the Roman Catholic movement by that name and largely because of the role of the 'ulamã' ('Islamic Fundamentalism: a Questionable Category', America, December 29, 1984, pp . 437-440), and this suggestion has some merit. 
  13. Kertzer, David I. (1980). Comrades and Christians: Religion and Political Struggle in Communist Italy. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 101–102. 302 páginas 
  14. admin (3 de setembro de 2018). «O integralismo em três frases.». The Josias (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  15. Douthat, Ross (8 de outubro de 2016). «Opinion | Among the Post-Liberals». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  16. Spadaro, Antonio; Figueroa, Marcelo (13 de julho de 2017). «Evangelical Fundamentalism and Catholic Integralism: A surprising ecumenism». La Civiltà Cattolica. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  17. Glatz, Carol (13 de julho de 2017). «Journal: Strip religious garb, fundamentalist tones from political power». Catholic News Service. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  18. McElwee, Joshua J. (13 de julho de 2017). «Italian Jesuit magazine criticizes political attitudes of some US Catholics» (em inglês). National Catholic Reporter. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  19. Faggioli, Massimo (18 de julho de 2017). «Why Should We Read Spadaro on 'Catholic Integralism'? | Commonweal Magazine». Commonweal Magazine. Consultado em 29 de dezembro de 2019 
  20. Payne, Stanley G. (1995). A History of Fascism, 1914-1945 (em inglês). [S.l.]: UCL Press. ISBN 978-1-85728-595-6 
  21. Holmes, Douglas R. (2000). Integral Europe: fast-capitalism, multiculturalism, neo-fascism. Princeton: Princeton University Press 
  22. Gingrich, André; Banks, Marcus (2006). Neo-nationalism in Europe and Beyond: Perspectives from Social Anthropology (em inglês). [S.l.]: Berghahn Books. ISBN 978-1-84545-190-5 
  23. a b Williams, Margaret Todaro (1974). «The Politicization of the Brazilian Catholic Church: The Catholic Electoral League». Journal of Interamerican Studies and World Affairs (em inglês). 16 (3): 301–325. ISSN 0022-1937. doi:10.2307/174888 
  24. a b c Trindade, Hélgio (1974). Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. São Paulo: Difusão Européia do Livro 
  25. a b Bertonha, João Fábio (00/2001). «Entre Mussolini e Plínio Salgado: o Fascismo italiano, o Integralismo e o problema dos descendentes de italianos no Brasil». Revista Brasileira de História. 21 (40): 85–104. ISSN 0102-0188. doi:10.1590/S0102-01882001000100005  Verifique data em: |data= (ajuda)
  26. Hilton, Stanley E. (1972). «Ação Integralista Brasileira: Fascism in Brazil, 1932-1938». Luso-Brazilian Review. 9 (2): 3–29. ISSN 0024-7413 
  27. a b Carneiro, Maria Luiza Tucci (30 de dezembro de 1994). «O pensamento antisse­mita de Gustavo Barroso». Revista de História (129-131): 279–281. ISSN 2316-9141. doi:10.11606/issn.2316-9141.v0i129-131p279-281  soft hyphen character character in |titulo= at position 21 (ajuda)
  28. Hilton, Stanley E. (1972). «Ação Integralista Brasileira: Fascism in Brazil, 1932-1938». Luso-Brazilian Review. 9 (2): 3–29. ISSN 0024-7413 
  29. Leandro Pereira Gonçalves (2014). «The Integralism of Plínio Salgado: Luso-Brazilian Relations». Portuguese Studies. 30 (1). 67 páginas. doi:10.5699/portstudies.30.1.0067 
  30. Cazetta, Felipe Azevedo (2010). «Integralismo e Fascismos: exposição entre diferenças e semelhança». Temporalidades - Revista Discente do Programa de Pós-graduação em História da UFMG. Frente à riqueza de símbolos, rituais e uniformes, além da postura ideológica nacionalista e de anti-esquerda ser sincrônica à eclosão dos fascismos na Europa a comparação com os mesmos, torna-se inevitável. 
  31. Marie Declercq, Felipe Pessanha (21 de fevereiro de 2019). «O integralismo brasileiro nunca deixou de existir». Vice. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  32. Dotta, Renato Alencar (2003). O Integralismo e os Trabalhadores: as relações entre a AIB, os Sindicatos e os Trabalhadores através do Jornal "Acção". São Paulo: Universidade de São Paulo. p. 13 
  33. Lima, Marcelo Alves de Paula. «Em guarda contra as altas finanças: o pensamento de Gottfried Feder e Gustavo Barroso em perspectiva comparada (1919-1939)». O fascismo é geralmente compreendido como uma forma de dominação com um partido único de massa hierarquicamente organizado. Igualmente característicos do fascismo são o culto a um líder, a exaltação da coletividade nacional (colocada acima dos interesses individuais e de classe), o anticomunismo, o antiliberalismo, o corporativismo, a mobilização das massas, a violência contra toda forma de oposição, o controle dos meios de comunicação por parte do Estado, um aparelho de propaganda e um elevado dirigismo estatal na economia que não viola a propriedade privada. (p. 64) 
  34. Abramo, Fulvio (2014). A revoada dos galinhas verdes: uma história da luta contra o fascismo no Brasil. São Paulo: Veneta. ISBN 978-85-63137-29-6. OCLC 915855025 
  35. Castro, Ricardo Figueiredo de; Castro, Ricardo Figueiredo de (2002). «A Frente Única Antifascista (FUA) e o antifascismo no Brasil (1933-1934)». Topoi (Rio de Janeiro). 3 (5): 354–388. ISSN 2237-101X. doi:10.1590/2237-101X0030050015 
  36. Williams, Margaret Todaro (1 de outubro de 1976). «Church and State in Vargas's Brazil: The Politics of Cooperation». Journal of Church and State (em inglês). 18 (3): 443–462. ISSN 0021-969X. doi:10.1093/jcs/18.3.443 
  37. a b Calil, Gilberto (2010). «Os integralistas frente ao Estado Novo: euforia, decepção e subordinação». Locus: revista de história 
  38. CPDOC. «Anos de Incerteza (1930 - 1937) > Ação Integralista Brasileira (AIB)». Fundação Getúlio Vargas 
  39. Carneiro, Márcia Regina da Silva Ramos (2010). «O sigma na atualidade». Locus: revista de História 
  40. Fucs, José (15 de dezembro de 2019). «Integralistas estão de volta e resgatam camisas verdes - Política». Estadão. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  41. Betim, Felipe (29 de dezembro de 2019). «Do bolsonarismo ao integralismo, como a extrema direita se organiza na Internet». EL PAÍS. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  42. Rossini, Maria Clara. «O que foi (e ainda é) o integralismo brasileiro?». Superinteressante. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  43. «Afinal, o que é integralismo?». Revista Fórum. 26 de dezembro de 2019. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  44. «O ataque à Porta dos Fundos e a ameaça da volta do integralismo». ISTOÉ Independente. 27 de dezembro de 2019. Consultado em 30 de dezembro de 2019 
  45. Senra - @ricksenra, Ricardo (27 de dezembro de 2019). «'Integralismo se fragmentou em pequenos grupos neofascistas', diz biógrafo de Plínio Salgado» (em inglês) 
  46. «Suspeito de ataque ao Porta dos Fundos foi para a Rússia antes de mandado de prisão – Jovem Pan». Jovem Pan. 2 de janeiro de 2020. Consultado em 11 de janeiro de 2020 
  47. José Hipólito Raposo, Dois Nacionalismos - L'Action française e o Integralismo Lusitano, Lisboa, Férin, 1929.
  48. José Manuel Quintas, Filhos de Ramires - As origens do Integralismo Lusitano, Lisboa, Editorial Nova Ática, pp. 17-18.