Jean-Baptiste, Conde de Villèle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O Conde de Villèle
Primeiro-Ministro da França França
Período 14 de dezembro de 1821
a 4 de janeiro de 1828
Monarcas Luís XVIII (1821–1824)
Carlos X (1824–1828)
Antecessor(a) O Duque de Richelieu
Sucessor(a) O Visconde de Martignac
Dados pessoais
Nome completo Jean-Baptiste Guillaume Joseph Marie Anne Séraphin
Nascimento 14 de abril de 1773
Toulouse, Reino da França França
Morte 13 de março de 1854 (80 anos)
Toulouse, Segundo Império Francês França
Partido Ultra-realista

Jean-Baptiste Guillaume Joseph Marie Anne Séraphin, Conde de Villèle (Toulouse, 14 de abril de 1773 – Toulouse, 13 de março de 1854) foi um estadista francês. Várias vezes primeiro-ministro, ele foi um líder da facção ultra-monarquista durante a Restauração Bourbon.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Ele nasceu em Toulouse, França, e foi criado para ir para a marinha. Ele se juntou ao "Bayonnaise" em Brest em julho de 1788. Serviu nas Índias Ocidentais e Orientais, Preso na Ilha de Bourbon (hoje Reunião) sob o Terror, ele foi libertado pela Reação Termidoriana (julho de 1794). Ele adquiriu algumas propriedades na ilha, e em 1799 casou-se com a filha de M. Desbassyns de Richemont, cujas propriedades ele administrava. Seu aprendizado para a política foi servido na Assembleia Colonial de Bourbon, onde lutou com sucesso para preservar a colônia das consequências da interferência perpétua das autoridades em Paris.e, por outro lado, para evitar que descontentes locais apelem para a proteção dos ingleses.[1]

A chegada do general Decaen, nomeado por Napoleão Bonaparte em 1802, restaurou a segurança da ilha e, cinco anos depois, Villèle, que já havia acumulado uma grande fortuna, voltou para a França. Ele foi prefeito de sua comuna e membro do conselho de Haute-Garonne sob o Império.[1]

A Restauração Bourbon (1815–1830)[editar | editar código-fonte]

Na Restauração Bourbon de 1814, ele imediatamente declarou os princípios monarquistas. Ele foi prefeito de Toulouse em 1814–15 e deputado pela Haute-Garonne na ultra-monarquista Chambre introuvable de 1815.[1]

Villèle, que antes da promulgação da carta havia escrito algumas Observations sur le projet de constitution, opondo-se a ela por ser de caráter democrático demais, naturalmente tomou seu lugar na extrema direita com os ultrarealistas. Na nova Câmara de 1816, o partido de Villèle estava em minoria, mas sua autoridade pessoal aumentou. Ele era considerado pelos ministerialistas como o menos irracional de seu partido e pelos "ultras" como o mais seguro de seus líderes.[1]

De acordo com a lei eleitoral de 1817, o Abade Grégoire, que popularmente teria votado a favor da morte de Luís XVI da França na convenção, foi admitido na Câmara dos Deputados. O Partido Conservador ganhou força com o alarme gerado por este incidente e ainda mais com o choque causado pelo assassinato do duque de Berry, O duque de Richelieu foi obrigado a admitir no gabinete dois dos chefes dos "ultras", Villèle e Corbière, Villèle renunciou em um ano, mas com a queda de Richelieu no final de 1821 ele se tornou o verdadeiro chefe do novo gabinete, do qual era ministro das finanças.[1]

Embora não fosse um cortesão, foi apoiado na corte por Sosthene de la Rochefoucauld e Madame du Cayla e, em 1822, Luís XVIII deu-lhe o título de conde e o nomeou formalmente primeiro-ministro. Ele imediatamente começou a amordaçar a oposição por meio de rígidas leis de imprensa, e a descoberta de conspirações liberais menores proporcionou uma desculpa para mais repressão. Forçado contra sua vontade a interferir na Espanha por Mathieu de Montmorency e Chateaubriand, ele conseguiu colher algum crédito para a monarquia com a campanha bem-sucedida de 1823.[1]

Nesse ínterim, ele consolidou o poder real persuadindo Luís XVIII a inundar a maioria liberal na câmara alta com a nomeação de 27 novos pares; ele aproveitou a popularidade temporária da monarquia após a campanha espanhola para convocar uma nova Câmara dos Deputados. Essa nova e obediente legislatura, à qual apenas dezenove liberais foram devolvidos, transformou-se em um parlamento septenário, proporcionando assim tempo, pensava-se, para restaurar alguma parte do antigo regime. Os planos de Villèle foram auxiliados pela morte de Luís XVIII e a ascensão de seu irmão, Carlos X, um crente convicto da monarquia absoluta. A administração financeira prudente desde 1815 tornou possível a conversão dos títulos do Estado de 5 para 3%. Propôs-se utilizar o dinheiro liberado por esta operação para indenizar em um bilhão de francos ( Le milliard des emigrés) os emigrados pela perda de suas terras na Revolução; também foi proposto restaurar seus antigos privilégios para as congregações religiosas.[1]

Ambas as proposições foram, com algumas restrições, garantidas. O sacrilégio tornou-se um crime punível com a morte com a Lei Anti-Sacrilégio de 1825 (Loi contre le blasphème), e o ministério estava preparando uma lei para alterar a lei da herança igual, e assim criar novamente as grandes propriedades. Essas medidas geraram violenta oposição no país, que uma nova e rigorosa lei de imprensa, apelidada de "lei da justiça e do amor", não conseguiu reprimir. Os pares rejeitaram a lei da herança e a lei de imprensa; foi necessário dissolver a Guarda Nacional; e em novembro de 1827 setenta e seis novos pares foram criados, e foi possível recorrer a uma eleição geral. A nova Câmara mostrou-se hostil a Villèle, que renunciou para abrir caminho para o ministério moderado de Martignac, que durou pouco.[1]

O novo ministério fez da mudança de Villèle para a Câmara alta uma condição para assumir o cargo, e ele não mais tomou parte nos negócios públicos. Na época de sua morte, ele havia avançado até 1816 com suas memórias, que foram concluídas com a correspondência de sua família como Mémoires et correspondance du comte de Villèle (Paris, 5 vols., 1887-90).[1]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g h i Chisholm, Hugh, ed. (1911). "Villèle, Jean Baptiste Guillaume Marie Anne Séraphin, Comte de". Encyclopædia Britannica. 28 (11th ed.). Cambridge University Press. pp. 79–80

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Duque de Richelieu
Primeiro-ministro da França
18211828
Sucedido por
Visconde de Martignac