Jules de Polignac

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jules de Polignac
Primeiro-Ministro da França
Período 8 de agosto de 1829
a 29 de julho de 1830
Monarca Carlos X
Antecessor(a) O Visconde de Martignac
Sucessor(a) Jacques Laffitte
Dados pessoais
Nome completo Jules Auguste Armand Marie
Nascimento 14 de maio de 1780
Versalhes, Ilha de França,
Reino da França França
Morte 2 de março de 1847 (66 anos)
Saint-Germain-en-Laye, Ilha de França, Monarquia de Julho França
Progenitores Mãe: Yolande de Polastron
Pai: Jules, 1º Duque de Polignac
Prêmio(s) Ordem de São Luís
Ordem da Legião de Honra
Ordem do Espírito Santo
Ordem dos Santos Maurício e Lázaro
Esposas Barbara Campbell (1816–1819)
Charlotte de Choiseu (1824–1847)
Filhos Armand, Seyna-Camille, Alphonse, Ludovic, Yolande, Camille, Edmond
Partido Ultra-realista
Religião Catolicismo

Jules Auguste Armand Marie, 3° Duque de Polignac (178029 de Março de 1847)[1] então Príncipe de Polignac, e brevemente 3º Duque de Polignac em 1847, era um francês estadista e político ultra-monarquista após a Revolução. Ele serviu como primeiro-ministro sob Carlos X, pouco antes da Revolução de julho de 1830, que derrubou a Casa de Bourbon.[2]

Brasão da Casa de Polignac

Juventude[editar | editar código-fonte]

Retrato de Júlio de Polignac durante o Primeiro Império

Nascido em Versalhes, Júlio era o filho mais novo de Júlio, primeiro duque de Polignac, e de Gabrielle de Polastron, confidente e favorita da rainha Maria Antonieta. Devido à posição privilegiada de sua mãe, o jovem Júlio foi criado no ambiente da corte de Versalhes, onde sua família ocupava uma luxuosa suíte de treze quartos. Sua irmã, Aglaé, casou-se com o duque de Guîche ainda jovem, ajudando a consolidar a posição da família Polignac como um dos líderes da alta sociedade em Versalhes.

Com a eclosão da Revolução Francesa em 1789, a mãe de Jules e seu círculo foram forçados a fugir para o exterior devido a ameaças contra suas vidas. Ela havia sido uma das defensoras mais consistentes do absolutismo e legou essas simpatias políticas ao filho após sua morte em 1793.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Retornando à França, então governada por Napoleão Bonaparte, Júlio continuou em sua zelosa lealdade à família real exilada. Em 1804, um ano após a morte de sua irmã, Júlio foi implicado na conspiração de Cadoudal e Pichegru para assassinar Bonaparte e ficou preso até 1813. Após a restauração dos Bourbons, ele foi recompensado com várias honras e cargos. Ele ocupou vários cargos, recebeu do papa o título de "Príncipe" em 1820 e, em 1823, o rei Luís XVIII o nomeou embaixador na Grã-Bretanha. Um ano depois, o ex-amigo de sua mãe subiu ao trono como o rei Carlos X. As simpatias políticas de Polignac não se alteraram e ele foi um dos ultra-realistas mais conspícuos durante a era da Restauração.

Na época, corria o boato de que Polignac apoiava políticas ultra-monarquistas porque pensava que estava recebendo inspiração da Virgem Maria. No entanto, há pouca evidência histórica para essa história. Não há menção a essa motivação nas memórias pessoais de Polignac ou nas memórias do tribunal da Restauração.

Em 8 de agosto de 1829, Carlos X o nomeou para o ministério das relações exteriores e, em novembro seguinte, Polignac tornou-se presidente do conselho, efetivamente o político mais poderoso da França. Sua nomeação foi considerada um passo para derrubar a constituição e Polignac, com outros ministros, foi considerado responsável pela decisão de emitir as Quatro Ordenações, que foram a causa imediata da revolução de julho de 1830.

Após a eclosão da revolta, ele fugiu, vagando por algum tempo entre as regiões selvagens da Normandia antes de ser preso em Granville. Em seu julgamento perante a Câmara dos Pares, ele foi condenado e sentenciado à prisão "perpétua" no château em Ham. Mas ele se beneficiou da anistia de 1836, quando sua sentença foi comutada para o exílio. Durante seu cativeiro, ele escreveu Considerations politiques (1832). Posteriormente, ele passou vários anos no exílio na Inglaterra antes de ser autorizado a retornar à França, com a condição de nunca mais morar em Paris.

De acordo com o Legacies of British Slave-Ownership da University College London, de Polignac recebeu um pagamento como comerciante de escravos após a Lei de Abolição da Escravatura de 1833 com a Lei de Compensação de Escravos de 1837. O governo britânico fez um empréstimo de £ 15 milhões (no valor de £ 1,43 bilhões em 2021[3]) com juros de Nathan Mayer Rothschild e Moses Montefiore, que foi posteriormente pago pelos contribuintes britânicos (terminando em 2015). de Polignac estava associado a três reivindicações diferentes, ele possuía 628 escravos em São Vicente e Granadinas e recebeu um pagamento de £ 15 765 na época (no valor de £ 1,51 milhão em 2021[3]).[4] Embora um "estrangeiro", de Polignac tinha conexões no Império Britânico devido a sua esposa escocesa, Barbara Campbell (1788-1819), filha de Duncan Campbell de Ardnave.

De seu segundo casamento com Maria-Charlotte, Júlio de Polignac teve sete filhos, incluindo o príncipe Ludovic de Polignac (1827–1904), um tenente-coronel do exército francês que participou da colonização da Argélia; Príncipe Camille Armand Jules Marie de Polignac (1832–1913), major-general do Exército Confederado durante a Guerra Civil Americana; e o príncipe Edmond de Polignac (1834–1901), um compositor, teórico musical e proponente da escala octatônica.

Jules morreu em St. Germain em 1847 devido aos efeitos de sua prisão. Cerca de um mês antes, ele havia assumido o título de duque de Polignac após a morte de seu irmão mais velho, Armand, que morrera sem filhos.[5]

O conde Pierre de Polignac, mais tarde príncipe Pierre, duque de Valentinois (pai de Rainier III de Mônaco e, portanto, um ancestral de toda a família principesca atual) é descendente de um ramo diferente e cadete da família Polignac, que tem apenas a posição oficial. Pierre era o filho mais novo, descendente do filho mais novo do primeiro duque de Polignac.[5]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • W. Schlésinger, Les femmes du XVIIIe siècle: La duchesse de Polignac et son temps (Paris, 1889)
  • Michael St. John Packe, refere-se a Polignac como "malandro" em sua "Vida de John Stuart Mill".

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Prince Auguste Jules Armand Marie de Polignac». Center for the Study of the Legacies of British Slavery. Consultado em 2 de julho de 2021 
  2. a b «Jules-Armand, prince de Polignac | French statesman». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 14 de julho de 2021 
  3. a b Os números da informação do UK Retail Price Index são baseados em dados de Clark, Gregory (2017). "O RPI anual e ganhos médios para a Grã-Bretanha, 1209 até o presente (nova série)". MeasuringWorth measuringworth.com
  4. «Prince Auguste Jules Armand Marie de Polignac». University College London  Retrieved on 20 March 2019.
  5. a b «Jules-Armand, prince de Polignac | French statesman». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 25 de junho de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre um nobre é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Visconde de Martignac
Primeiro-ministro da França
1829 - 1830
Sucedido por
Jacques Laffitte