Alexandre Millerand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alexandre Millerand
12º Presidente da França
Período 23 de setembro de 1920
a 13 de junho de 1924
Primeiro-ministro
Antecessor Paul Deschanel
Sucessor Gaston Doumergue
Co-Príncipe de Andorra
Período 23 de setembro de 1920
a 13 de junho de 1924
Co-Príncipe Justí Guitart i Vilardebó
Antecessor Paul Deschanel
Justí Guitart i Vilardebó
Sucessor Gaston Doumergue
Justí Guitart i Vilardebó
Primeiro-Ministro da França
Período 20 de janeiro de 1920
a 24 de setembro de 1920
Presidente Paul Deschanel
Antecessor Georges Clemenceau
Sucessor Georges Leygues
Ministro da Guerra
Período 26 de agosto de 1914
a 29 de outubro de 1915
Presidente Raymond Poincaré
Antecessor Adolphe Messimy
Sucessor Joseph Gallieni
Período 14 de janeiro de 1912
a 12 de janeiro de 1913
Presidente Armand Fallières
Antecessor Adolphe Messimy
Sucessor Albert Lebrun
Dados pessoais
Nascimento 10 de fevereiro de 1859
Paris, Ilha de França,
França
Morte 7 de abril de 1943 (84 anos)
Versalhes, Ilha de França,
França Ocupada
Progenitores Mãe: Mélanie Caen
Pai: Jean François Millerand
Alma mater Universidade de Paris
Esposa Jeanne Levayer (1898–1943)
Partido Socialistas Independentes (1885–1911)
Republicano Socialista (1911–1920)
Independente (1920–1940)
Religião Agnosticismo
Profissão Advogado
Jornalista

Alexandre Millerand (Paris, 10 de fevereiro de 1859Versalhes, 7 de abril de 1943) foi um político francês.[1] Ocupou o cargo de primeiro-ministro da França, entre 20 de janeiro de 1920 a 23 de setembro de 1920 e de Presidente da República Francesa entre 23 de setembro de 1920 e 13 de junho de 1924. Sua participação no gabinete de Waldeck-Rousseau no início do século 20, ao lado do Marquês de Galliffet que dirigiu a repressão à Comuna de Paris de 1871, gerou um debate na Seção Francesa da Internacional dos Trabalhadores (SFIO) e na Segunda Internacional sobre a participação dos socialistas nos governos burgueses.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ativismo precoce[editar | editar código-fonte]

Nascido em Paris, foi eleito Secrétaire da Conférence des avocats du barreau de Paris. Ele fez sua reputação por meio de sua defesa, na companhia de Georges Laguerre, de Ernest Roche e Duc-Quercy, os instigadores da greve em Decazeville em 1883. Ele então ocupou o lugar de Laguerre no jornal de Georges Clemenceau, La Justice. Ele foi um maçom[2] entre 1883 e 1905.

Ele foi eleito para a Câmara dos Deputados pelo departamento de Seine em 1885 como Socialista Radical. Ele foi associado a Clemenceau e Camille Pelletan como árbitro na greve de Carmaux (1892). Há muito ele era ouvido na Câmara em questões de legislação social e, depois que os escândalos do Panamá desacreditaram tantos políticos, sua influência cresceu.

Ele era o chefe da facção Socialista Independente, um grupo que então reunia sessenta membros. Até 1896, ele editou seu órgão na imprensa, La Petite République. Seu programa incluía a propriedade coletiva dos meios de produção e a associação internacional do trabalho.

Ministro do governo[editar | editar código-fonte]

Em junho de 1899, ele ingressou no gabinete de "defesa republicana" de Pierre Waldeck-Rousseau como Ministro do Comércio. Em contraste com seu ativismo anterior, ele agora se limitava a reformas práticas, dedicando sua atenção à melhoria da marinha mercante, ao desenvolvimento do comércio, da educação técnica, do sistema postal e à melhoria das condições de trabalho.. As questões trabalhistas foram confiadas a um departamento separado, a Direction du Travail, e o escritório de pensões e seguros também foi elevado à categoria de "direção".

Em 1902, ele não se juntou ao colega socialista independente Jean Jaurès na formação do Parti Socialiste Français, mas em 1907 formou o pequeno Partido Socialista Independente, que se tornou o Partido Republicano-Socialista (PRS) em 1911. Sua influência na extrema esquerda já havia declinado, pois dizia-se que seu afastamento da verdadeira tradição marxista havia desintegrado o movimento.

Em 1909/1910, foi Ministro das Obras Públicas, Correios e Telégrafos.

Como ministro do Trabalho, foi responsável pela introdução de um amplo conjunto de reformas, incluindo a redução da jornada máxima de trabalho de 11 para 10 horas em 1904, a introdução da jornada de trabalho de 8 horas para os funcionários dos correios, a prescrição de horas máximas e salários mínimos por todos os trabalhos realizados pelas autoridades públicas, a inclusão de representantes dos trabalhadores no Conseil supérieur de travail, o estabelecimento de tribunais de arbitragem e inspetores do trabalho e a criação de uma seção do trabalho dentro de seu Ministério do Comércio para resolver o problema do seguro social.

A introdução de representantes sindicais no Conselho Superior do Trabalho, a organização de conselhos locais do trabalho e as instruções aos inspetores de fábrica para se comunicarem com os conselhos dos sindicatos foram concessões valiosas ao trabalho. Ele garantiu ainda a aplicação rigorosa de leis anteriores elaboradas para a proteção da classe trabalhadora. Seu nome foi especialmente associado a um projeto de estabelecimento de pensões para idosos, que se tornou lei em 1905. Em 1898, ele se tornou editor de La Lanterne.

Milleranc serviu duas vezes como Ministro da Guerra, primeiro de 1912 a 1913 e novamente, durante os primeiros estágios da Primeira Guerra Mundial, de 1914 a 1915.

Primeiro ministro[editar | editar código-fonte]

Millerand continuou a se mover para a direita, sendo nomeado primeiro-ministro pelo presidente conservador Paul Deschanel. Durante seu tempo como primeiro-ministro, um decreto de fevereiro de 1920 introduziu a jornada de oito horas para os marinheiros.

Presidência e anos posteriores[editar | editar código-fonte]

Sepultura de Millerand

Quando Deschanel teve que renunciar mais tarde em 1920 devido ao seu transtorno mental, Millerand emergiu como um candidato de compromisso para presidente entre o Bloco Nacional e os remanescentes do Bloco de Gauches. Millerand nomeou Georges Leygues, um político com uma longa carreira de cargos ministeriais, como Primeiro-Ministro e tentou fortalecer os poderes executivos da Presidência. Essa medida encontrou resistência na Câmara dos Deputados e no Senado francês, e Millerand foi forçado a nomear uma figura mais forte, Aristide Briand. A nomeação de Briand foi bem recebida pela esquerda e pela direita, embora os socialistas e a ala esquerda do Partido Radical não tenham aderido ao seu governo.

No entanto, Millerand demitiu Briand depois de apenas um ano e nomeou o republicano conservador Raymond Poincaré.

Millerand foi acusado de favorecer os conservadores, apesar da tradicional neutralidade dos presidentes franceses e da composição da legislatura. Em 14 de julho de 1922, Millerand escapou de uma tentativa de assassinato de Gustave Bouvet, um jovem anarquista francês. Dois anos depois, Millerand renunciou em face do conflito crescente entre a legislatura eleita e o gabinete do presidente, após a vitória do Cartel des Gauches. Gaston Doumergue, que era o presidente do Senado na época, foi escolhido para substituir Millerand.

Millerand morreu em 1943 em Versalhes e foi enterrado no cemitério de Passy. Ele foi premiado com a Ordem da Estrela de Karađorđe da Sérvia.[3]

Ministério de Millerand, 20 de janeiro de 1920 - 24 de setembro de 1920[editar | editar código-fonte]

  • Alexandre Millerand - Presidente do Conselho e Ministro das Relações Exteriores
  • André Joseph Lefèvre - Ministro da Guerra
  • Théodore Steeg - Ministro do Interior
  • Frédéric François-Marsal - Ministro das Finanças
  • Paul Jourdain - Ministro do Trabalho
  • Gustave L'Hopiteau - Ministro da Justiça
  • Adolphe Landry - Ministro da Marinha
  • André Honnorat - Ministro da Instrução Pública e Belas Artes
  • André Maginot - Ministro da Guerra, Pensões, Subsídios e Subsídios
  • Joseph Ricard - Ministro da Agricultura
  • Albert Sarraut - Ministro das Colônias
  • Yves Le Trocquer - Ministro das Obras Públicas
  • Auguste Isaac - Ministro do Comércio e Indústria
  • Émile Ogier - Ministro das Regiões Libertadas

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Sowerine, Charles (2009). France since 1870: Culture, Politics and Society 2nd ed. [S.l.]: Palgrave Macmillan 
  • Cobban, Alfred (1990). A History Of Modern France 1871-1962. 3. [S.l.]: Penguin Books 
  • The Encyclopædia Britannica: a dictionary of arts, sciences, literature and general information, Volume 31 by Hugh Chisholm

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alexandre Millerand

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Alexandre Millerand» (em francês). data.bnf.fr. Consultado em 20 de maio de 2020 
  2. Initiated in ""L'Amitiée Lodge"" on may 21st of 1883 (Histoire de la Franc-maçonnerie en France - Faucher and Ricker 1967).
  3. Acović, Dragomir (2012). Slava i čast: Odlikovanja među Srbima, Srbi među odlikovanjima. Belgrade: Službeni Glasnik. 643 páginas 

Precedido por
Georges Clemenceau
Primeiro-ministro da França
1920
Sucedido por
Georges Leygues
Precedido por
Paul Deschanel
Presidente da França
1920 - 1924
Sucedido por
Gaston Doumergue
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.