Jules Grévy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jules Grévy
Presidente da França
Período 30 de janeiro de 1879
a 2 de dezembro de 1887
Primeiro-ministro
Antecessor(a) Patrice de Mac-Mahon
Sucessor(a) Marie François Sadi Carnot
Co-Príncipe de Andorra
Período 30 de janeiro de 1879
a 2 de dezembro de 1887
Co-Príncipe Salvador Casañas y Pagés
Antecessor(a) Patrice de Mac-Mahon
Josep Caixal i Estradé
Sucessor(a) Marie François Sadi Carnot
Salvador Casañas y Pagés
Dados pessoais
Nome completo François Paul Jules Grévy
Nascimento 15 de agosto de 1807
Mont-sous-Vaudrey, Franco-Condado, França
Morte 9 de setembro de 1891 (84 anos)
Mont-sous-Vaudrey, Franco-Condado, França
Alma mater Universidade de Paris
Esposa Coralie Fraisse (1848–1891)
Partido Republicano Oportunista
Religião Deísmo
Profissão Advogado

François Paul Jules Grévy (Mont-sous-Vaudrey, 15 de agosto de 1807Mont-sous-Vaudrey 9 de setembro de 1891) foi o presidente de França de 1879 até 1887, durante a Terceira República Francesa.[1] Era um advogado e político francês, e foi um dos os líderes da facção republicana moderada. Dado que seus antecessores foram monarquistas que tentaram sem sucesso restaurar a monarquia francesa, Grévy é considerado o primeiro verdadeiro presidente republicano da França.[2][3]

Nascido em uma pequena cidade nas montanhas do Jura, Grévy inicialmente seguiu uma carreira jurídica em Paris antes de se voltar para o ativismo republicano. Iniciou sua carreira política como representante na Assembleia Nacional da Segunda República Francesa, onde se tornou conhecido por sua oposição a Luís Napoleão Bonaparte e como defensor de menor autoridade no poder executivo. Após o golpe de estado de Bonaparte em 1851, ele deixou a vida política

Ele voltou à proeminência após a queda do Segundo Império Francês e o restabelecimento do regime republicano. Depois de ocupar altos cargos na Assembleia Nacional e na Câmara dos Deputados, Grévy foi eleito presidente da França em 1879. Eleito para um segundo mandato em 1885, foi forçado a renunciar dois anos depois devido a um escândalo político envolvendo seu filho lei, embora o próprio Grévy não estivesse implicado. Seus quase nove anos como presidente são vistos como a consolidação da Terceira República Francesa.[4]

Presidente[editar | editar código-fonte]

Ao longo de sua presidência, Grévy procurou minimizar seus poderes, preferindo uma legislatura forte.[4] Em 6 de fevereiro de 1879, logo após a posse, fez um discurso perante as Câmaras onde expôs sua visão do papel do Presidente: “Sujeito com sinceridade à grande lei do regime parlamentar, nunca entrarei na batalha contra desejos nacionais expressos por seus órgãos institucionais”. Essa interpretação do poder limitado do cargo influenciou a maioria dos presidentes posteriores da Terceira República.[5] Na política externa, ele lutou por relações pacíficas, particularmente com o Império Alemão, resistindo às demandas revanchistas de uma retribuição pela derrota desastrosa na Guerra Franco-Prussiana, e se opôs a expansão colonial.[4] Entre as políticas internas, sua presidência foi marcada por reformas anticlericalistas, particularmente sob o governo de seu primeiro-ministro Charles de Freycinet.[5]

Grévy de Léon Bonnat, 1880

Em 28 de dezembro de 1885, Grévy foi eleito presidente da República por mais sete anos. Dois anos depois, no entanto, em dezembro de 1887, ele foi obrigado a renunciar devido a um escândalo político que começou depois que seu genro, Daniel Wilson, foi encontrado vendendo prêmios da Legião de Honra. Embora o próprio Grévy não estivesse implicado no esquema, ele era indiretamente responsável pelo mau uso que seu parente havia feito do acesso às instalações do Elysée.[6] Sob pressão da Câmara dos Deputados e do Senado, Grévy renunciou ao cargo em 2 de dezembro e dirigiu uma última mensagem às duas câmaras, na qual finalizou dizendo "meu dever e meu direito seria resistir, sabedoria e patriotismo mande-me ceder". Este assunto político foi o primeiro a alimentar a opinião antimaçônica na França.[7]

Ele escreveu Discours politiques et judiciaires ("Discursos políticos e judiciais") em dois volumes em 1888.[8] Grévy morreu em sua cidade natal, Mont-sous-Vaudrey, em 9 de setembro de 1891, após um edema pulmonar. Seu funeral oficial foi realizado em 14 de setembro.

Referências

  1. La Ilustración española y americana. 1871. p. 160.
  2. Bennett, Heather Marlene (2013). Long Live the Revolutions: Fighting for France's Political Future in the Long Wake of the Commune, 1871-1880. Col: Publicly Accessible Penn Dissertations. [S.l.]: University of Pennsylvania. p. 263 
  3. «Jules Grevy». World Presidents DB. 2017 
  4. a b c «Jules Grévy». Encyclopædia Britannica. Consultado em 26 de maio de 2021 
  5. a b «Jules Grévy». elysee.fr (em inglês). Consultado em 10 de agosto de 2021 
  6. Rochefort, Henri. "The Adventures of My Life, vol. 2" pp315-318
  7. Dictionnaire universelle de la Franc-Maçonnerie (Marc de Jode, Monique Cara and Jean-Marc Cara, ed. Larousse, 2011)
  8. Discours politiques et judiciaires, rapports et messages accompagnes de notices historiques et l'ricédis d'une introduction par L. Delabrousse (2 vols., 1888)

Precedido por
Patrice de Mac-Mahon
Presidente da França
1879 - 1887
Sucedido por
Marie François Sadi Carnot
Ícone de esboço Este artigo sobre um político francês é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.