Jean-Baptiste Jourdan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jean-Baptiste Jourdan
Dados pessoais
Nascimento 29 de abril de 1762
Limoges, França
Morte 23 de novembro de 1833 (71 anos)
Paris, França
Vida militar
País França
Anos de serviço 1778 – 1813
Hierarquia Marechal do Império
Unidade Cavalaria, Infantaria
Batalhas
Honrarias Grande Águia da Legião de Honra
Cavaleiro da Ordem de São Luís
Comendador da Ordem do Espírito Santo
Nome inscrito no Arco do Triunfo

Jean-Baptiste Jourdan, 1.º Conde Jourdan (Limoges, 29 de Abril de 1762 – Paris, 23 de Novembro de 1833), foi um comandante militar francês que serviu durante as Guerras Revolucionárias Francesas e as Guerras Napoleônicas. Ele foi feito Marechal do Império pelo Imperador Napoleão I em 1804. Ele também foi um político jacobino durante a fase do Diretório da Revolução Francesa, servindo como membro do Conselho dos Quinhentos entre 1797 e 1799.

Um dos comandantes mais bem sucedidos do Exército Revolucionário Francês, Jourdan é mais lembrado na Revolução por levar os franceses a uma vitória decisiva sobre a Primeira Coalizão na Batalha de Fleurus, durante a campanha de Flandres. Sob o Império, ele foi recompensado por Napoleão com o título de Marechal e continuou a ocupar missões militares, mas sofreu uma grande derrota na Batalha de Vitória, que resultou na perda permanente da Espanha pelo Império. Em 1815 ele se reconciliou com a Restauração Bourbon, e mais tarde apoiou a Revolução de Julho e serviu em seus últimos anos como governador do Hôtel des Invalides.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um cirurgião, ingressou no exército francês aos 16 anos e participou da guerra de independência americana enquadrada no regimento francês. Retornando à França em 1782, casou-se e estabeleceu-se como comerciante de seda em Limoges.

Ele se alistou novamente em 1789 como capitão da Guarda Nacional e foi eleito tenente-coronel do 2º batalhão da Haute-Vienne que foi colocado no exército do Norte. Participou da campanha belga sob o comando do general Dumouriez, combatendo em Jemappes (6 de novembro de 1792) e em Neerwinden (18 de março de 1793) e, também distinguido em combates esporádicos perto de Namur, foi promovido no mesmo ano a primeiro general de brigada (maio 27) e depois geral de divisão (30 de junho).[1][2][3][4]

General e político da Revolução[editar | editar código-fonte]

Ferido na Batalha de Hondschoote enquanto atacava as trincheiras inimigas, ele foi chamado por Lazare Carnot para substituir o general Jean Nicolas Houchard no comando das Ardenas e dos exércitos do Norte e em 16 de outubro de 1793 obteve uma brilhante vitória sobre as tropas austríacas do príncipe de Coburg em Wattignies. Opondo-se ao plano do Comitê de Saúde Pública, que queria retomar a iniciativa contra os austríacos, Jourdan foi chamado de volta a Paris.

Aqui ele explicou que o exército, composto principalmente por recrutas sem experiência e até armas e equipamentos, não seria capaz de enfrentar uma campanha no inverno, propondo o adiamento da ofensiva para a primavera seguinte. O Comitê aceitou as explicações, mas não esqueceu a oposição de Jourdan e na primavera o substituiu no comando por Jean-Charles Pichegru. De fato, sua prisão também foi solicitada, mas a oposição dos representantes do povo ao exército lhe rendeu a liberdade, mas não pôde poupá-lo de sua demissão em janeiro de 1794, então retomou sua atividade mercantil. Mas já na primavera daquele ano ele foi chamado de volta ao serviço e colocado no comando do exército de Mosela. Arlon foi ordenado a cruzar as Ardenas e reunir um corpo de 40 000 na frente de Charleroi, na ala direita do Exército do Norte. Realizado de forma brilhante, seu exército tornou-se o exército do Sambre-et-Meuse.[1][2][3][4]

Tendo cruzado o Sambre com o exército, em 26 de junho de 1794, ele trouxe uma brilhante vitória em Fleurus sobre as tropas austríacas de Coburg e Beaulieu, vencendo também os confrontos menores subsequentes de Ourthe e Arvaille em 18 de setembro e novamente o de La Roèr nos 2 seguintes. Outubro. Ele foi então capaz de retomar as praças de Landrecies, Le Quesnoy, Valenciennes e Condé e depois conquistou Charleroi, Namur, Juliers e Maastricht chegando a Klevee em Koblenz. Em 7 de junho de 1795 conquistou a fortaleza de Luxemburgo (a partir dessa data, embora oficialmente apenas dois anos depois, Luxemburgo fará parte do território francês até a queda de Napoleão Bonaparte).

Então começou o avanço em colaboração com o exército do Norte sob as ordens de Pichegru. Depois de cruzar o Reno no início de setembro, Jourdan tomou posse de Düsseldorf, enquanto o Clerfait permaneceu ao norte do rio Lahn, recuando para além do Main, mas Pichegru hesitou em aproveitá-lo, limitando-se a trazer um corpo de 10 000 homens para Heidelberg, onde ele foi imediatamente dominado pelas tropas do Clerfait, que, tranquilizados pela expectativa do oponente e receberam reforços do exército austríaco do Alto Reno, passaram a linha de neutralidade sobre Frankfurte manobrou para cercar o exército do Sambre e Meuse no triângulo entre o Lahn, o Main e Reno. Isso forçou Jourdan a recuar, mas em 11 de outubro ele foi derrotado pelo conde de Clerfait em Höchst e teve que se restabelecer na margem esquerda do Reno e assinar um armistício com o Clerfait para o período de inverno.[1][2][3][4]

Na primavera de 1796, começou a campanha que deveria ter fechado a Áustria em um vício: Napoleão atacaria do sul através da Itália, enquanto os exércitos de Jourdan e Moreau (que havia substituído Pichegru) atacariam do oeste através do Reno. Voltando às hostilidades e retornando à margem esquerda do Reno, Jourdan ocupou Frankfurt e foi até Regensburg. Aqui o arquiduque da Áustria Charles o derrotou em Amberg e Würzburgforçando-o a cruzar novamente o Reno. Incapaz de reconhecer os erros cometidos ao impor a conduta militar aos seus generais, Jourdan atuou como bode expiatório e não foi mais usado por alguns anos. Apresentando-se como candidato nas eleições para o departamento de Alta Vienne, foi eleito em março de 1797 para o Conselho dos Quinhentos, tornando-se posteriormente seu presidente e depois secretário. Durante este período, ele formulou as normas de 1798 para o recrutamento obrigatório, mais tarde chamado de Lei Jourdan-Delbrel.[5]

Em setembro daquele ano voltou ao exército e recebeu o comando do Exército do Danúbio, com apenas 38 000 homens, com a ordem, pelo Diretório, de atacar novamente, mas em 25 de março de 1799 foi derrotado pelo arquiduque Carlos da Áustria-Teschen em Stockach, no comando de um exército de força quase dobrada, o que também forçou Moreau a recuar. Desonrado, amargurado e doente, Jourdan deixou o comando para o general Massena em 10 de abril e retomou a atividade política. Reeleito em maio para o Conselho dos Quinhentos, tentou em vão opor-se ao golpe de Estado de 18 de Brumário (9 de novembro de 1799) e por isso foi excluído por Bonaparte do corpo legislativo e forçado a residir compulsoriamente na baixa Charante.[1][2][3][4]

O período do Império[editar | editar código-fonte]

No entanto, Napoleão logo o chamou de volta ao serviço e em junho de 1800 o nomeou inspetor da infantaria e cavalaria, então embaixador na República Cisalpina, administrador geral do Piemonte e conselheiro de estado. Em janeiro de 1803 foi eleito candidato conservador no Senado para o colégio de Haute-Vienne e depois nomeado comandante-em-chefe do exército da Itália. Em maio do ano seguinte foi nomeado Marechal da França e agraciado com o Grande Cordão da Legião de Honra.

Ele foi um dos marechais maçons.[6]

Em 26 de maio de 1805 participou da coroação de Napoleão Rei da Itália, onde teve a honra de usar a espada durante a cerimônia como símbolo das honras de Carlos Magno. Mais tarde foi substituído no comando do exército novamente por Massena, que reclamou com Napoleão que em 1806 o enviou a Nápoles como governador da cidade, onde se vinculou a Giuseppe Bonaparte, que seguiu na Espanha em 1808 como conselheiro militar.

Desgostoso, ele pediu para ser chamado de volta à França e ficou satisfeito no final de 1809. Aqui ele viveu tranquilamente com sua família até que Napoleão, determinado a trazer a guerra para a Rússia, ordenou que ele voltasse para a Espanha ao lado de seu irmão. Após a retirada de Madri e a derrota dos franceses na Batalha de Vitória por Sir Arthur Wellesley em 20 de junho de 1813, Jourdan retirou-se novamente para a França. Aqui foi nomeado comandante da 19ª divisão militar no ano seguinte, comando que foi reconfirmado com o advento da Restauração.[1][2][3][4]

A Restauração[editar | editar código-fonte]

Durante a segunda restauração em 1815 foi nomeado presidente do Tribunal Militar, mas quando foi chamado para julgar o marechal Ney declarou-se incompetente para julgá-lo. No ano seguinte, recebeu o comando da sétima divisão militar e, em 1819, Luís XVIII o chamou para a Câmara dos Pares. Em 1830 dedicou-se com entusiasmo à Revolução de Julho e foi Ministro dos Negócios Estrangeiros durante alguns meses, após os quais se tornou Governador do Hôtel des Invalides onde passou os últimos anos e onde foi sepultado.

Referências

  1. a b c d e Connelly, Owen, Blundering to Glory: Napoleon's Military Campaigns SR Books, 1999, ISBN 0-8420-2780-7.
  2. a b c d e Glover, Michael. "Jourdan: The True Patriot". Chandler, David (ed.). Napoleon's Marshals. New York: Macmillan, 1987. ISBN 0-02-905930-5
  3. a b c d e Macdonell, A. G. Napoleon and His Marshals Prion, 1997, ISBN 1-85375-222-3.
  4. a b c d e Este artigo incorpora texto (em inglês) da Encyclopædia Britannica (11.ª edição), publicação em domínio público.
  5. La legge prescriveva l'obbligo per tutti i francesi maschi dai 20 ai 25 anni di età di prestare servizio militare per una durata di 5 anni
  6. «Les franc-maçons de la Grande Armée». www.histoire-pour-tous.fr (em francês). Consultado em 23 de julho de 2022 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Elting, John R. Swords Around a Throne: Napoleon's Grande Armée Weidenfeld & Nicholson, 1997, ISBN 0-02-909501-8.
  • Humble, Richard Napoleon's Peninsular marshals;: A reassessment Taplinger Pub., 1975, ISBN 0-8008-5465-9.
  • Liddell-Hart, B. H. Strategy. NY: Praeger Publishers, 1967.
  • Smith, Digby. The Napoleonic Wars Data Book. London: Greenhill, 1998. ISBN 1-85367-276-9

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.