Primeira República Francesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
République Française
República Francesa
Royal Standard of the King of France.svg
 
Austrian Low Countries Flag.svg
1792 – 1804 Flag of France.svg

Bandeira de França

Bandeira

Lema nacional
Liberté, Égalité, Fraternité ou la Mort
"Liberdade, Igualdade, Fraternidade ou a morte"
Hino nacional
"A Marselhesa"
Localização de França
França em 1801
Continente Europa
Região Europa Ocidental
País França, Bélgica, Alemanha, Países Baixos, Luxemburgo, Suíça
Capital Paris
Língua oficial Francês
Governo República diretória autoritária
Presidente da Convenção Nacional
 • 1792 Philippe Rühl (primeiro)
 • 1795 Jean Génissieu (último)
Presidente do Diretório
 • 1793 Georges Danton (primeiro)
 • 1795 Jean de Cambacérès (último)
Primeiro Cônsul
 • 1799–1804 Napoleão Bonaparte
Legislatura Parlamento
 - Câmara superior Conselho dos Anciões (1795–1799)
 - Câmara inferior Convenção Nacional (1792–1795)
Conselho dos Quinhentos (1795–1799)
História
 • 14 de julho de 1789 Tomada da Bastilha e início da Revolução Francesa
 • 21 de setembro de 1792 Deposição de Luís XVI
 • 6 de abril de 1793 Instauração do Comitê de Salvação Pública e início do Reino do Terror
 • 27 de julho de 1794 Reação Termidora
 • 9 de novembro de 1799 Golpe de 18 de brumário
 • 18 de maio de 1804 Napoleão Bonaparte proclamado imperador
Moeda Libra, franco, assignat

A Primeira República Francesa foi proclamada pelo povo francês a 21 de setembro de 1792, como resultado da Revolução Francesa e da abolição da monarquia francesa. Isto pressagiou uma nova era de governos republicanos na Europa. Seu principal líder foi Robespierre, que inaugurou o Terror, que matou entre 40 000 e 50 000 pessoas,[1] com o 18 de brumário o Primeira República foi extinta nascendo assim o Primeiro Império Francês.[2]

O Fim da monarquia na França[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: História da França

Sob a Convenção Nacional, que estava no poder antes da proclamação da Primeira República, a França começou a guerra com a Prússia e Áustria. Em junho de 1792, o duque de Brunswick, general comandante do exército austro-prussiano, emitiu o seu Manifesto de Brunswick, em que ameaçava a destruição de Paris se alguma coisa acontecesse ao rei Luís XVI. Com os exércitos da Prússia a aproximarem-se da cidade de Paris, o pânico generalizado manifesto pelas ruas estourou. Cidadãos invadiram o Palácio das Tulherias, matando 600 dos soldados da Guarda Suíça do Rei e insistindo sobre a remoção do rei.[3] Um medo renovado da ação anti-revolucionária levou a mais violência e, na primeira semana de setembro de 1792, uma multidão de parisienses invadiram prisões da cidade, matando mais de metade dos presos. Estes não somente incluiam nobres, clérigos e presos políticos, mas também inúmeros criminosos comuns, como prostitutas e pequenos ladrões. Muitos assassinados foram estuprados e esfaqueados até a morte. Isso ficara conhecido como o Massacre de Setembro.[4]

A Convenção Nacional[editar | editar código-fonte]

Como resultado do aumento da violência pública e da instabilidade política da monarquia constitucional, um grupo de seis membros da Assembléia Legislativa da França foi atribuída a tarefa de supervisionar as eleições. A Convenção resultante foi fundada com o duplo objetivo de abolir a monarquia e redigir uma nova Constituição. O primeiro ato da Convenção foi o estabelecimento da Primeira República Francesa e oficialmente a deposição rei. O Rei, foi posteriormente levado a julgamento por crimes de alta traição em dezembro de 1792. Em 16 de janeiro de 1793 ele foi considerado culpado e, em 21 de Janeiro, ele foi guilhotinado.[5]

Durante todo o inverno de 1792 e a primavera de 1793, Paris foi atormentada por distúrbios alimentares e a fome em massa. A nova convenção pouco fez para remediar o problema até o final da primavera de 1793, ocupada em assuntos de guerra. Finalmente, em 6 de abril de 1793, a Convenção criou a Comissão de Segurança Pública, liderado por Maximilien Robespierre, e foi dada uma tarefa monumental: "Para lidar com os movimentos radicais dos Enragés, escassez de alimentos e revoltas, a revolta na Vendeia e na Bretanha, a recente derrota de seus exércitos, e do abandono de seu comandante general."[6]

Apesar do crescente descontentamento com o Congresso Nacional como um órgão governante, em junho, a Convenção elaborou a Constituição de 1793, que foi ratificada pelo voto popular no início de agosto de 1793. No entanto, o Comitê de Segurança Pública foi visto como uma "emergência" do governo, e os direitos garantidos pela Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão e da nova Constituição foram suspensas sob seu controle. O Comitê realizou milhares de execuções contra supostos inimigos da jovem República, a tal ponto que a guilhotina passou a ser conhecida como "a navalha nacional", porque ela parecia estar caindo em todo mundo.[7] As leis do Comitê e as políticas levou a revolução para níveis sem precedentes, que introduziu o calendário revolucionário civil em 1793, fechou igrejas em torno de Paris como parte de um movimento de descristianização, julgou e executou Maria Antonieta, e instituiu a Lei dos suspeitos, entre outras. Sob a liderança de Robespierre, os membros das várias facções e grupos revolucionários foram executados, incluindo o Hébertistas e o Dantonistas, muitos dos quais eram amigos pessoais de Robespierre.

Os esforços de guerra foram melhorando para a França em 1794, devido em parte à excelência militar de Napoleão Bonaparte. Muitos na Convenção Nacional estava chamando para um retorno à normalização, mas Robespierre discordou. Entre as execuções em massa, o medo da população, e a instituição do Festival da Razão, em meados de 1794, houve "um grande entusiasmo para acabar com o terror, [mas] ninguém conseguiu descobrir como fazê-lo... A única coisa que acabaria com o terror, e, aparentemente, a única coisa que todos pudessem concordar, foi a queda de Robespierre". Robespierre foi preso em 27 de Julho e executado em 28 de julho de 1794 sem julgamento.

O Diretório[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Robespierre, o clube jacobino foi fechado e os sobreviventes de Bordeaux foram reintegrados. Em agosto, o Congresso Nacional aprovou a Constituição de 1795. Eles restabeleciam a liberdade de culto, começou a libertar um grande número de prisioneiros, e o mais importante, deu início as eleições para um novo órgão legislativo. Em 03 de novembro de 1795, o Diretório foi criado. Sob esse sistema, a França foi conduzida por um parlamento bicameral, que consiste em uma câmara superior chamada de Conselho de Anciãos (250 membros) e uma câmara inferior chamado de Conselho de cinco centenas (com 500 membros) e um Executivo de cinco membros chamado Diretório. Devido à instabilidade interna e desastres militares franceses em 1798 e em 1799, o Diretório só durou quatro anos.[8]

O Consulado[editar | editar código-fonte]

O período conhecido como o Consulado começou com o golpe de Estado de 18 de Brumário, em 1799. Os membros do Diretório planejaram o golpe, indicando claramente a falta do poder do Diretório. Napoleão Bonaparte foi um co-conspirador no golpe e tornou-se chefe do governo, como primeiro cônsul. Ele viria a proclamar-se imperador e efetivamente pôr termo à Primeira República Francesa, dando início ao Primeiro Império Francês.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Primeira República Francesa

Referências

  1. Cotrim, Gilberto (2010). História Global Volume 2 [S.l.: s.n.] p. 152. ISBN 978-85-02-09420-8. 
  2. Censer, Jack R. and Hunt, Lynn. Liberty, Equality, Fraternity: Exploring the French Revolution. University Park, Pennsylvania: Pennsylvania State University Press, 2004.
  3. Censer, Jack R. and Hunt, Lynn. Liberty, Equality, Fraternity: Exploring the French Revolution. University Park, Pennsylvania: Pennsylvania State University Press, 2004.
  4. Doyle, William. The Oxford History of The French Revolution. Oxford: Oxford University Press, 1989. pp 191–192.
  5. Doyle, William. The Oxford History of the French Revolution. Oxford: Oxford University Press, 1989. pp 196.
  6. The French Revolution [videorecording] : liberté, egalité, fraternité, a hitler Jr. is born in blood / produced & directed by Doug Shultz ; written by Doug Shultz, Hilary Sio, Thomas Emil. [New York, N.Y.] : History Channel : Distributed in the U.S. by New Video, c2005.
  7. Jack R. Censer and Lynn Hunt, ed., 2001. Liberty, Equality, and Fraternity: Exploring the French Revolution(American Social History Productions, Inc.); Timeline
  8. J.E. Sandrock: "Bank notes of the French Revolution" and First Republic
Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.