Batalha de Rivoli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Rivoli
Guerras Napoleónicas
Napoleon at the Battle of Rivoli.jpg
Napoleão em Rivoli, por Felix Philipoteaux (1845)
Data 14-15 de Janeiro de 1797
Local Rivoli Veronesse, Itália
Desfecho Decisiva vitória francesa.
Beligerantes
Flag of France (1794–1815, 1830–1958).svg França Banner of the Holy Roman Emperor with haloes (1400-1806).svg Áustria
Comandantes
Napoleão Bonaparte Jozsef Alvinczi
Peter Quasdanovich
Forças
23 000 28 000
Baixas
3 200-5 000 12 000-14 000

A Batalha de Rivoli (1415 de Janeiro de 1797) foi uma vitória-chave na primeira campanha francesa na Itália contra a Áustria. Os 23.000 franceses de Napoleão Bonaparte derrotaram um ataque de 28.000 austríacos sob as ordens do general Alvinczy, finalizando a quarta e última tentativa da Áustria para socorrer sua fortaleza sitiada de Mantua. Além do mais, Rivoli demonstrou o brilhantismo de Napoleão e levou à ocupação francesa da Itália setentrional.

Início[editar | editar código-fonte]

O plano de Alvinczy era subjugar o General Barthélemy Joubert nas Montanhas a leste do Lago Garda com a concentração de cinco colunas separadas e assim obter acesso ao campo aberto ao Norte de Mantua onde poderia derrotar facilmente o pequeno exército de Napoleão na Itália. No entanto, com Joubert detido, Napoleão foi capaz de trazer elementos da divisão de André Masséna e de formar uma linha defensiva em terreno favorável ao Norte de Rivoli em Trambasore Heights. A batalha seria um disputa entre as tentativas de Alvinczi de reunir suas colunas separadas e a chegada de reforços franceses.

A batalha[editar | editar código-fonte]

A manhã do dia 14 viu combates ferozes através da Trambasore Heights. Uma outra coluna austríaca, sob o comando do Princepe Heinrich de Reuss-Plauen, tentou jogar o flanco direito francês contra o desfiladeiro de Rivoli. Às 11 horas, as coisas estavam bastante ruins para Napoleão: dragões austríacos haviam forçado seu caminho através do desfiladeiro, outra coluna, sob o comando do Coronel Franz Lusignan, tinha cortado sua retirada pelo sul e Alvinczi estava no Trambasore Heights exortando seus batalhões vitoriosos a seguirem, embora eles ainda não estivessem preparados para combater em terreno acidentado.

Com uma série de ações os franceses conseguiram aproveitar esse erro crucial. Bonaparte, Joubert, e Louis Alexandre Berthier comandaram um bem coordenado ataque. Uma bateria de 15 armas liquidou os Dragões, enquanto 2 colunas de infantaria apoiadas pela cavalaria comandada por Charles Leclerc e Antoine Lasalle se dirigirm uma para o desfiladeiro e outra para Trambasore Heights. Os austríacos do desfiladeiro fugiram depois que seus próprios dragões foram lançados sobre eles em pânico. Da mesma forma aconteceu com a infantaria nos Trambasore Heights. Por fim a coluna sul de Lusignan matou 3000 soldados.

Resultados[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte Joubert conduziu com sucesso uma perseguição a Alvinczi, destruindo todas as suas colunas, os sobreviventes fugiram em direção ao Vale do Rio Adige, em total confusão. A vitória de Rivoli foi a maior vitória de Bonaparte naquela época. Os Franceses sofreram 2.200 mortes e 1.000 feridos ou capturados, enquanto os austríacos sofreram 4.000 mortes, mais de 8.000 feridos ou capturados, além de 8 canhões roubados.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História Militar é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.



O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha de Rivoli