Maria Luísa de Áustria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Luísa
Arquiduquesa da Áustria
Retrato por François Gérard, 1810
Imperatriz Consorte dos Franceses
1º Reinado 1 de abril de 1810
a 6 de abril de 1814
Predecessora Josefina de Beauharnais
2º Reinado 20 de março de 1815
a 22 de junho de 1815
Sucessora Maria Teresa de França
 
Cônjuge Napoleão Bonaparte (1810–1821)
Adam Albert von Neipperg (1821–1829)
Charles-René de Bombelles (1834–1847)
Descendência Napoleão II de França
Albertina von Neipperg
Guilherme Alberto von Neipperg
Matilde von Neipperg
Casa Habsburgo-Lorena (nascimento)
Bonaparte (casamento)
Nome completo
Maria Luísa Leopoldina Francisca Teresa Josefa Lúcia
Nascimento 12 de dezembro de 1791
  Palácio Imperial de Hofburg, Viena, Áustria, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 17 de dezembro de 1847 (56 anos)
  Parma, Ducado de Parma
Enterro Cripta Imperial, Viena, Áustria
Pai Francisco I da Áustria
Mãe Maria Teresa da Sicília
Religião Catolicismo

Maria Luísa de Áustria (Viena, 12 de dezembro de 1791Parma, 17 de dezembro de 1847), foi a segunda esposa de Napoleão Bonaparte e Imperatriz dos Franceses de 1810 a 1814, posição que voltou a ocupar por poucos meses em 1815 (20 de março a 22 de junho) e Rainha da Itália de 1810 a 1814. Era filha do imperador Francisco I da Áustria e Maria Teresa da Sicília, casou-se com Napoleão, que não tivera de Josefina de Beauharnais um herdeiro para seu trono. Ela era irmã de D. Maria Leopoldina de Áustria, que se casaria com D. Pedro I/IV imperador do Brasil e rei de Portugal.

Maria Luísa casou-se com Napoleão Bonaparte em 11 de março de 1810, quando tinha dezoito anos de idade. Seu pai tinha a intenção de aproximar as relações políticas entre o Império Austríaco e o Império Francês através da união matrimonial. Napoleão, por sua vez, via na Casa de Habsburgo, uma tradicional casa real, uma chance de validar seu poder na Europa. O casamento foi realizado em Viena por procuração em 11 de março de 1810 e em pessoa em St. Cloud o civil e no Louvre o religioso, em 2 de abril de 1810. Tiveram apenas um filho, o futuro Napoleão II.

Quando Napoleão foi exilado para a ilha de Elba, Maria Luísa e o filho mudaram-se para a Áustria mas Maria Luísa conservou o título de Imperatriz dos Franceses.

Forçada a se afastar do filho, tornou-se Duquesa de Parma, Placência e Guastalla de 1814 a 1847. Deixou o filho em Viena e se mudou para Parma com seu ajudante de ordens, o general conde Adam Albert von Neipperg, do qual teve vários filhos, casando-se com ele em Parma secretamente, em 1821 ou 1822, depois da morte de Napoleão.

Ao enviuvar de Neipperg em 1829, ainda se casou em terceiras núpcias, de novo secretamente, com Charles-René de Bombelles, nascido em Paris em 1785 e morto em 1856, de família italiana estabelecida na França desde o século XVI e na Áustria desde o século XVIII. Grão-Mestre de cerimônias da corte austríaca, era filho do Marquês de Bombelles e de Angelique de Mackau, e viúvo de Mlle. de Cavanagh, de quem tivera dois filhos. Maria Luísa faleceu no ano de 1847 aos 56 anos.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa Leopoldina Francisca Teresa Josefa Lúcia de Habsburgo-Lorena, nasceu em dezembro de 1791 como a filha mais velha do imperador Francisco I da Áustria e sua segunda esposa, Maria Teresa da Sicília, filha de Fernando I das Duas Sicílias. Ela era sobrinha-neta da rainha francesa Maria Antonieta. Seus pais lhe deram uma educação esmerada.

Maria Luísa falava alemão, mas também fluentemente inglês, espanhol, italiano (seu pai, o imperador nasceu em Florença e sua mãe em Nápoles), latim e francês.

Casamento com Napoleão[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa e o Rei de Roma, por François Gérard em 1813

Em 1809, o imperador francês Napoleão se separou de sua primeira esposa, Josefina de Beauharnais, que não lhe dera um herdeiro ao trono. Ele foi em busca de uma mulher de sangue real para garantir a sobrevivência de sua dinastia. Sua primeira escolha foi a grã-duquesa Ana Pavlovna da Rússia (a irmã mais nova do czar Alexandre I da Rússia), mas sua proposta foi rejeitada. Possivelmente por sugestão do eminente diplomata austríaco Metternich, os olhos de Napoleão caíram sobre a filha do imperador austríaco Maria Luísa, descendente de uma das famílias mais antigas da Europa. O pai da noiva concordou com o casamento, porque esperava dessa forma fortalecer os laços entre o Império austríaco e o recém-criado Império Francês. Maria Luísa cooperou, mas considerou como um sacrifício pessoal. O casamento ocorreu em 11 de março de 1810. Um ano depois, em 20 de março de 1811, Maria Luísa deu à luz seu sucessor há muito desejado: Napoleão II (1811-1832), que recebeu o título de "Rei de Roma".

Napoleão teria argumentado que preferia Maria Luísa à sua primeira esposa, Josefina, não porque ele a amasse mais que a Josefina, mas porque ela o respeitava, diferente de Josefina, que teve diversos casos extraconjugais.

Imperatriz dos Franceses[editar | editar código-fonte]

Durante a ausência de Napoleão em 1812, 1813 e 1814 (quando ele estava na Campanha da Rússia e durante sua Campanha na Alemanha), Maria Luísa atuou como regente em Paris. Após a primeira queda de Napoleão em 1814, ela retornou a Viena, onde foi recebida de braços abertos pela população e por sua própria família. Ela não respondeu aos pedidos de Napoleão para segui-lo até Elba. Também durante o segundo reinado de Napoleão, o chamado Governo dos Cem Dias, ela permaneceu em Viena, apesar dos renovados convites de Napoleão para juntar-se a ele. Após sua queda em 1814, ele nunca mais a viu.

Duquesa de Parma[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa

Depois que Napoleão renunciou ao seu trono em abril de 1814, Maria Luísa fugiu com seu filho para Blois, e depois seguiu para Viena. O Tratado de Fontainebleau (1814) estabeleceu que Maria Luísa poderia manter seu título imperial. O tratado também fez dela a governante dos ducados Parma, Placência e Guastalla, com seu filho como herdeiro. Durante o Congresso de Viena em 1815, no entanto, esses arranjos foram revisados, após o que Maria Luísa se tornou apenas Duquesa de Parma. Seu reinado terminaria quando ela morresse e a sucessão fosse proibida por um parente. Aqueles que eventualmente assumissem o título seriam anunciados em uma data posterior. Em 1817, foi decidido que os ducados pertenceriam a um membro da Casa de Bourbon. Somente em 1844 foi estabelecido que o Ducado de Guastalla seria tomado pelo Duque de Módena.

Maria Luísa em 1847

Em 7 de setembro de 1821, quatro meses após a morte de Napoleão, Maria Luísa em Parma contraiu um casamento morganático com seu amante, o conde Adam Adalbert de Neipperg, com quem ela já tinha dois filhos. Uma filha nasceu no mesmo ano do casamento com Neipperg.

Juntamente com Neipperg, Maria Luísa Parma governou Parma seguindo uma postura relativamente liberal. Depois que Neipperg morreu em 1829, o ministro Josef von Werklein, no entanto, tomou uma direção mais reacionária. Uma revolta em Parma, em 1831, foi esmagada pelas tropas austríacas e von Werklein teve que retornar a Viena.

Em 17 de fevereiro de 1834, Maria Luísa se casou novamente com o conde Charles-René de Bombelles. Este foi também um casamento morganático, em que as crianças não podiam herdar o Ducado de Parma.

Em 1847, ela morreu de inflamação pleural. O Ducado de Parma e Placência retornou à chefia da Casa de Bourbon-Parma, não apenas pela ausência de sucessores legais do trono, mas também pelas provisões do Congresso de Viena.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa casou-se três vezes:

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Títulos, estilos e honras[editar | editar código-fonte]

Monograma imperial de Maria Luísa

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 12 de dezembro de 1791 – 11 de agosto de 1804: Sua Alteza Imperial e Real, a arquiduquesa Maria Luísa, princesa de Hungria e Boêmia
  • 11 de agosto de 1804 – 1 de abril de 1810: Sua Alteza Imperial e Real, Princesa Imperial e arquiduquesa da Áustria
  • 1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814: Sua Majestade Imperial e Real, a Imperatriz dos Franceses, Rainha da Itália
  • 20 de março de 1815 – 22 de junho de 1815: Sua Majestade Imperial e Real, a Imperatriz dos Franceses, Rainha da Itália
  • 22 de junho de 1815 – 17 de dezembro de 1847: Sua Majestade, Princesa Imperial e arquiduquesa da Áustria, Duquesa de Parma, Placência e Guastalla

Honras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Almanacco per le provincie soggette all' imperiale regio governo di Venezia (em italiano). [S.l.: s.n.] 1842. Consultado em 31 de octubre de 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Manuale del regno lombardo-veneto per l' anno (em italiano). [S.l.]: Imperiale regia stamperia. Consultado em 27 de febrero de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Luísa de Áustria
Maria Luísa de Áustria
Casa de Habsburgo-Lorena
Ramo da Casa de Habsburgo
12 de dezembro de 1791 – 17 de dezembro de 1847
Precedida por
Josefina de Beauharnais
Blason de Marie-Louise d'Autriche, Impératrice des Français.svg
Imperatriz Consorte dos Franceses
1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814
Sucedida por
Vacante
Coat of arms of the Kingdom of Italy (1805-1814), round shield version.svg
Rainha Consorte da Itália
1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814
Sucedida por
Margarida de Saboia
Precedida por
Vacante
Blason de Marie-Louise d'Autriche, Impératrice des Français.svg
Imperatriz Consorte dos Franceses
20 de março de 1815 – 22 de junho de 1815
Sucedida por
Maria Teresa Carlota de França
Precedida por
Primeiro Império Francês
Coat of arms of the Duchy of Parma under Maria Luigia of Austria.svg
Duquesa de Parma, Placência e Guastalla
11 de abril de 1814 – 17 de dezembro de 1847
Sucedida por
Carlos II (Parma e Placência)
Francisco V (Guastalla)