Maria Luísa de Áustria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Luísa
Arquiduquesa da Áustria
Imperatriz Consorte dos Franceses
Retrato por François Gérard, 1810
Imperatriz Consorte da França
1º Reinado 1 de abril de 1810
a 6 de abril de 1814
Predecessora Josefina de Beauharnais
2º Reinado 20 de março de 1815
a 22 de junho de 1815
Sucessora Maria Teresa de França
 
Cônjuge Napoleão Bonaparte (1810–1821)
Adam Albert von Neipperg (1821–1829)
Charles-René de Bombelles (1834–1847)
Descendência Napoleão II de França
Albertina von Neipperg
Guilherme Alberto von Neipperg
Matilde von Neipperg
Casa Habsburgo-Lorena (nascimento)
Bonaparte (casamento)
Nome completo
Maria Luísa Leopoldina Francisca Teresa Josefa Lúcia
Nascimento 12 de dezembro de 1791
  Palácio Imperial de Hofburg, Viena, Áustria, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 17 de dezembro de 1847 (56 anos)
  Parma, Ducado de Parma
Enterro Cripta Imperial, Viena, Áustria
Pai Francisco I da Áustria
Mãe Maria Teresa da Sicília
Religião Catolicismo

Maria Luísa de Áustria (Viena, 12 de dezembro de 1791Parma, 17 de dezembro de 1847), foi a segunda esposa de Napoleão Bonaparte e Imperatriz da França de 1810 a 1814, posição que voltou a ocupar por poucos meses em 1815 (20 de março a 22 de junho) e Rainha da Itália de 1810 a 1814. Era filha do imperador Francisco I da Áustria e Maria Teresa da Sicília, casou-se com Napoleão, que não tivera de Josefina de Beauharnais um herdeiro para seu trono. Ela era irmã de D. Maria Leopoldina de Áustria, que se casaria com D. Pedro I/IV imperador do Brasil e rei de Portugal.

Maria Luísa casou-se com Napoleão Bonaparte em 11 de março de 1810, quando tinha dezoito anos de idade. Seu pai tinha a intenção de aproximar as relações políticas entre o Império Austríaco e o Império Francês através da união matrimonial. Napoleão, por sua vez, via na Casa de Habsburgo, uma tradicional casa real, uma chance de validar seu poder na Europa. O casamento foi realizado em Viena por procuração em 11 de março de 1810 e em pessoa em St. Cloud o civil e no Louvre o religioso, em 2 de abril de 1810. Tiveram apenas um filho, o futuro Napoleão II.

Quando Napoleão foi exilado para a ilha de Elba, Maria Luísa e o filho mudaram-se para a Áustria mas Maria Luísa conservou o título de Imperatriz dos Franceses.

Forçada a se afastar do filho, tornou-se Duquesa de Parma, Placência e Guastalla de 1814 a 1847. Deixou o filho em Viena e se mudou para Parma com seu ajudante de ordens, o general conde Adam Albert von Neipperg, do qual teve vários filhos, casando-se com ele em Parma secretamente, em 1821 ou 1822, depois da morte de Napoleão.

Ao enviuvar de Neipperg em 1829, ainda se casou em terceiras núpcias, de novo secretamente, com Charles-René de Bombelles, nascido em Paris em 1785 e morto em 1856, de família italiana estabelecida na França desde o século XVI e na Áustria desde o século XVIII. Grão-Mestre de cerimônias da corte austríaca, era filho do Marquês de Bombelles e de Angelique de Mackau, e viúvo de Mlle. de Cavanagh, de quem tivera dois filhos. Maria Luísa faleceu no ano de 1847 aos 56 anos.

Início de vida[editar | editar código-fonte]

A arquiduquesa Maria Luísa da Áustria (que recebeu o nome batismal em latim de Maria Ludovica Leopoldina Francisca Theresa Josepha Lucia) nasceu no Palácio de Hofburg em Viena pouco antes da meia-noite em 12 de dezembro de 1791, primeira filha do arquiduque Francisco da Áustria e sua segunda esposa, Maria Teresa de Nápoles e Sicília. Ela recebeu o nome de sua avó, Maria Luísa, imperatriz romana. Seu pai tornou- se Sacro Imperador Romano um ano depois como Francisco II. Maria Luísa era bisneta da imperatriz Maria Teresa através de seus pais, como primos de primeiro grau. Ela também era neta materna da Rainha Maria Carolina de Nápoles, irmã favorita de Maria Antonieta.

Os anos de formação de Maria Luísa foram durante um período de conflito entre a França e sua família. Ela foi criada para detestar idéias francesas. Maria Luísa foi influenciada por sua avó Maria Carolina, que desprezava a Revolução Francesa, que acabou causando a morte de sua irmã, Maria Antonieta. O Reino de Nápoles de Maria Carolina também entrou em conflito direto com as forças francesas lideradas por Napoleão Bonaparte. A Guerra da Terceira Coalizão levou a Áustria à beira da ruína, o que aumentou o ressentimento de Maria Luísa em relação a Napoleão [1]. A família imperial foi forçada a fugir de Viena em 1805. Maria Luísa refugiou-se na Hungria e depois na Galiza antes de retornar a Viena em 1806. Seu pai renunciou ao título de Sacro Imperador Romano, mas permaneceu Imperador da Áustria.

Para torná-la mais casável, seus pais a ensinaram em vários idiomas. Além de seu alemão nativo, ela se tornou fluente em inglês, francês, italiano, latim e espanhol.

Em 1807, quando Maria tinha 15 anos, sua mãe morreu após sofrer um aborto. Menos de um ano depois, o imperador Francisco se casou com sua prima em primeiro grau Maria Luísa de Austria-Este, que era quatro anos mais velha que Maria Luísa. No entanto, Maria assumiu um papel materno em relação à sua enteada. Ela também era amarga com os franceses, que haviam privado seu pai do ducado de Modena [2].

Outra guerra eclodiu entre a França e a Áustria em 1809, que resultou em derrota para os austríacos novamente. A família Imperial teve que fugir de Viena novamente antes que a cidade se rendesse em 12 de maio. Sua jornada foi dificultada pelo mau tempo, e eles chegaram a Buda "molhados e quase esgotados pelo cansaço".

Procuração para o Casamento[editar | editar código-fonte]

Retrato em 1812 por Robert Lefèvre.

Maria Luísa foi casada por procuração com Napoleão em 11 de março de 1810 na Igreja Agostiniana, em Viena. Napoleão foi representado pelo arquiduque Carlos, o tio da noiva. Segundo o embaixador francês, o casamento "foi celebrado com uma magnificência que seria difícil de superar, ao lado do qual nem as mencionadas festividades brilhantes que o precederam". Tornou-se imperatriz dos franceses e rainha da Itália.

Maria Luísa partiu de Viena em 13 de março, provavelmente esperando nunca voltar. Ao chegar na França, ela foi colocada sob custódia da irmã de Napoleão, que a submeteu a um antigo ritual simbólico. A tradição ditava que uma noiva real que chegasse à França não guardaria nada de sua terra natal, principalmente suas roupas. Consequentemente, Maria Luísa foi despida de seu vestido, espartilho, meias e camisa, deixando-a completamente nua. A irmã de Napoleão então fez o adolescente nu tomar banho. Ela foi vestida com roupas de noiva francesas. Maria Antonieta havia sido submetida a um ritual semelhante quando chegou à França em 1770. Ela conheceu Napoleão pela primeira vez em 27 de março em Compiègne, comentando com ele: "Você é muito mais bonito que o seu retrato".

O casamento civil foi realizado na igreja de Saint Joseph em 1 de abril de 1810. No dia seguinte, Napoleão e Maria fizeram a viagem a Paris no ônibus da coroação. A cavalaria da Guarda Imperial liderou a procissão, seguida pelo arauto e depois pelas carruagens. Os marechais da França cavalgavam de cada lado, perto das portas das carruagens. A procissão chegou ao Palácio das Tulherias, e o casal imperial foi até a capela do Salon Carré (no Louvre) para a cerimônia religiosa do casamento. A cerimônia foi conduzida pelo cardeal Joseph Fesch, Grande Almoner da França e tio de Napoleão. Uma marcha nupcial foi composta para a ocasião por Ferdinando Paer.

As celebrações elaboradas continuaram a ser realizadas em maio e junho de 1810. Estas incluíram uma bola, uma máscara, uma batalha marítima no Sena e uma exibição de fogos de artifício criados por Claude-Fortuné Ruggieri, para 4.000 pessoas.

Por esse casamento, Napoleão tornou-se o sobrinho-neto de Luís XVI e Maria Antonieta.

Casamento com Napoleão[editar | editar código-fonte]

A vida como imperatriz[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa era uma esposa obediente e se estabeleceu rapidamente na corte francesa. Ela desenvolveu uma estreita amizade com sua Première dame d'honneur, a duquesa de Montebello, enquanto a maioria dos assuntos diários era tratada por sua dona de arte Jeanne Charlotte du Luçay. Napoleão observou inicialmente que "havia casado com um útero" com um assessor, mas o relacionamento deles logo cresceu. Ele "não poupou esforços" para agradá-la e afirmou em um ponto que preferia Maria Luísa sua primeira esposa Joséphine; enquanto ele amava Joséphine e, embora afirmasse que Joséphine continuava sendo seu melhor amigo, mesmo após o divórcio amigável, ele não a respeitava, enquanto que com Maria havia "Nunca mentira, nunca dívida", presumivelmente uma referência ao boato de Joséphine. casos extraconjugais e reputação como gastadora [3]. Maria Luísa escreveu ao pai: "Garanto-lhe, querido papai, que as pessoas fizeram grande injustiça ao imperador. Quanto melhor o conhece, melhor o aprecia e o ama". No entanto, o casamento não ocorreu sem tensão; Napoleão às vezes comentava com os assessores que Maria era muito tímida, comparada à Josephine extrovertida e apaixonada, com quem ele permaneceu em contato próximo, perturbando Maria Luísa.

A empolgação em torno do casamento deu início a um período de paz e amizade entre a França e a Áustria, que estivera em guerra nas últimas duas décadas. O povo de Viena, que odiava Napoleão apenas alguns meses antes, foi subitamente elogiado pelo imperador francês. Cartas lisonjeiras foram enviadas entre Napoleão e o imperador Francisco, Maria Luísa de Áustria-Este e o arquiduque Carlos durante as festividades do casamento [4].

Em ocasiões públicas, Maria Luísa falou pouco devido à reserva e timidez, que alguns observadores confundiram com arrogância.Ela era considerada uma mulher virtuosa e nunca interferiu na política. Em particular, ela era educada e gentil.

Nascimento do primeiro filho[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa e o Rei de Roma, por François Gérard em 1813

Maria Luísa engravidou em julho de 1810 e deu à luz um filho em 20 de março de 1811. O menino Napoleão François Joseph Charles Bonaparte recebeu o título de rei de Roma, de acordo com a prática em que o herdeiro aparente ao Sacro Império Romano foi chamado o rei dos romanos. Napoleão ficou encantado com o fato de sua esposa ter sobrevivido à provação e disse: "Eu preferia nunca ter mais filhos do que vê-la sofrer tanto novamente".

Maria Luísa era devotada ao filho; ela o trazia todas as manhãs e o visitava em seu apartamento durante o dia.

Reacender da guerra[editar | editar código-fonte]

Imperatriz Maria Luísa dos franceses em roupas de Estado, por François Gérard, c.1812.

Em maio de 1812, um mês antes da invasão francesa da Rússia, Maria Luísa acompanhou Napoleão a Dresden, onde conheceu seu pai e madrasta. O imperador Francisco disse a Napoleão que podia contar com a Áustria para o "triunfo da causa comum", uma referência à guerra iminente. Uma rivalidade menor começou a se desenvolver entre Maria Luísa e a Imperatriz da Áustria, que estava com ciúmes por ter sido surpreendida pela aparência da enteada. Foi também em Dresden, onde ela conheceu o conde Adam Albert von Neipperg pela primeira vez. Napoleão deixou Dresden em 29 de maio para assumir o comando do seu exército.

Maria Luísa então viajou para Praga, onde passou algumas semanas com a família imperial austríaca, antes de retornar a Saint Cloud em 18 de julho. Ela manteve contato com Napoleão durante toda a guerra. A invasão da Rússia terminou desastrosamente para a França. Mais da metade do Grande Armée foi destruída pelos ataques russos de inverno e guerrilha. Após o fracassado golpe de Malet em outubro de 1812, Napoleão apressou seu retorno à França e se reuniu com sua esposa na noite de 18 de dezembro.

Exílio de Napoleão[editar | editar código-fonte]

Napoleão abdicou do trono em 11 de abril de 1814 em Fontainebleau [5]. O Tratado de Fontainebleau o exilou em Elba, permitiu a Maria manter sua posição e estilo imperiais e a tornou governante dos ducados de Parma, Piacenza e Guastalla, com seu filho como herdeiro. Este arranjo foi posteriormente revisto no Congresso de Viena.

Maria Luísa foi fortemente dissuadida de se reunir com o marido por seus conselheiros, que relataram que Napoleão ficou perturbado pela tristeza pela morte de Joséphine. Em 16 de abril, seu pai chegou a Blois para encontrá-la. A conselho do imperador Francisco, Maria Luísa partiu de Rambouillet com seu filho para Viena em 23 de abril. Em Viena, ela ficou em Schönbrunn, onde recebia visitas frequentes de suas irmãs, mas raramente de seu pai e madrasta. Ela conheceu sua avó, Maria Carolina, que desaprovava o fato de abandonar o marido. Angustiada por ser vista como uma esposa sem coração e mãe indiferente, escreveu em 9 de agosto de 1814: "Estou em uma posição muito infeliz e crítica; devo ser muito prudente em minha conduta. Há momentos em que esse pensamento me distrai que eu acho que a melhor coisa que eu poderia fazer seria morrer ".

Imperatriz dos Franceses[editar | editar código-fonte]

Durante a ausência de Napoleão em 1812, 1813 e 1814 (quando ele estava na Campanha da Rússia e durante sua Campanha na Alemanha), Maria Luísa atuou como regente em Paris. Após a primeira queda de Napoleão em 1814, ela retornou a Viena, onde foi recebida de braços abertos pela população e por sua própria família. Ela não respondeu aos pedidos de Napoleão para segui-lo até Elba. Também durante o segundo reinado de Napoleão, o chamado Governo dos Cem Dias, ela permaneceu em Viena, apesar dos renovados convites de Napoleão para juntar-se a ele. Após sua queda em 1814, ele nunca mais a viu.

Duquesa de Parma[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa

Depois que Napoleão renunciou ao seu trono em abril de 1814, Maria Luísa fugiu com seu filho para Blois, e depois seguiu para Viena. O Tratado de Fontainebleau (1814) estabeleceu que Maria Luísa poderia manter seu título imperial. O tratado também fez dela a governante dos ducados Parma, Placência e Guastalla, com seu filho como herdeiro. Durante o Congresso de Viena em 1815, no entanto, esses arranjos foram revisados, após o que Maria Luísa se tornou apenas Duquesa de Parma. Seu reinado terminaria quando ela morresse e a sucessão fosse proibida por um parente. Aqueles que eventualmente assumissem o título seriam anunciados em uma data posterior. Em 1817, foi decidido que os ducados pertenceriam a um membro da Casa de Bourbon. Somente em 1844 foi estabelecido que o Ducado de Guastalla seria tomado pelo Duque de Módena.

Em 7 de setembro de 1821, quatro meses após a morte de Napoleão, Maria Luísa em Parma contraiu um casamento morganático com seu amante, o conde Adam Adalbert de Neipperg, com quem ela já tinha dois filhos. Uma filha nasceu no mesmo ano do casamento com Neipperg.

Juntamente com Neipperg, Maria Luísa Parma governou Parma seguindo uma postura relativamente liberal. Depois que Neipperg morreu em 1829, o ministro Josef von Werklein, no entanto, tomou uma direção mais reacionária. Uma revolta em Parma, em 1831, foi esmagada pelas tropas austríacas e von Werklein teve que retornar a Viena.

Em 17 de fevereiro de 1834, Maria Luísa se casou novamente com o conde Charles-René de Bombelles. Este foi também um casamento morganático, em que as crianças não podiam herdar o Ducado de Parma.

Em 1847, ela morreu de inflamação pleural. O Ducado de Parma e Placência retornou à chefia da Casa de Bourbon-Parma, não apenas pela ausência de sucessores legais do trono, mas também pelas provisões do Congresso de Viena.

Morte[editar | editar código-fonte]

Maria Luísa em 1847.

Em 1839, Maria Luísa disse que sua felicidade estava "no consolo que meus corajosos filhos podem me dar e no esforço de obedecer, tanto quanto minha fraca força, aos deveres que Deus me impõe" . O resto de sua vida é relativamente calmo: Maria está cercada pelo carinho de sua família, um marido que a respeita e filhos que a amam.

A gentrificação econômica e social que ocorre sob o governo de Maria começa a dar frutos pouco antes das revoluções de 1848. Por causa dessas posições liberais, a eleição do Pio IX provoca demonstrações de entusiasmo, até em Parma, enquanto a presença austríaca é cada vez mais disputada. Até a duquesa, embora amada durante seus trinta anos de governo, se sente tratada com mais frieza do que antes. Em junho, os tumultos foram firmemente reprimidos por Bombelles. Em 9 de dezembro de 1847 Maria, com idade precoce, acusa violentas dores no peito, que pioram à noite e são acompanhadas de calafrios e febre. No entanto, a duquesa preside o Conselho e depois se retira dizendo em italiano: "Adeus, meus amigos". Em 12 de dezembro, aniversário de cinquenta e seis anos, ela parece se recuperar, mas sua condição piora novamente. A cidade inteira é atingida pela dor e em frente ao palácio, uma grande multidão se reúne. Ela pede extrema unção e os últimos sacramentos, depois lê sua vontade: nomeia seu primo, o arquiduque Leopoldo (filho de seu tio Rainier, vice-rei da Lombardia-Veneto), o único legado. O marido, a filha e o genro estão perto dela, o filho está ausente, ele serve como oficial em uma guarnição austríaca. Seus dois filhos ilegítimos não podem herdar, cada um deles receber 300.000 florins e itens pessoais.

No dia de sua morte, ela é perfeitamente lúcida; por volta do meio-dia de 17 de dezembro de 1847, depois de vomitar várias vezes, adormece em paz para não acordar. Às dezessete horas ela morreu. O médico diz como a causa da morte de um pleurisia reumatóide. O corpo é embalsamado pelo Dr. Giuseppe Rossi, o homem que, trinta anos antes, havia criado seus dois filhos. Na véspera de Natal, o enterro é comemorado. Marechal de Campo Joseph Radetzky, comandante das tropas austríacas na Itália, em Parma envia um esquadrão de hussardos austríacos como Guarda de Honra.

Acompanhada por esses soldados, a ex-imperatriz dos franceses e duquesa de Parma começou sua última viagem a Viena. A duquesa foi colocado no capuchinha cripta em Viena. Seus irmãos e irmãs, participaram sues irmãos Maria Clementina, Princesa de Salerno, Fernando I, imperador da Áustria e Francisco Carlos, Arquiduque da Áustria.

O título de Duque de Parma e Plaisance vai para o príncipe Carlos II de Parma, neto do último Bourbon reinando antes de Maria, e o de Duque de Guastalla vai para o duque Francisco V de Modena.

Casamentos e descendência[editar | editar código-fonte]

  1. Napoleão II de França (1811–1832), morreu solteiro e sem descendência.
  1. Albertina von Neipperg (1817–1867), casou-se com Luigi Sanvitale, conde de Fontanellato;
  2. Guilherme Alberto, Príncipe de Montenuovo (1819–1895), casado com a condessa Juliana Batthyány von Németújvár;
  3. Matilde von Neipperg (1821–1822), morreu na infância.
  • De seu terceiro casamento com Charles-René de Bombelles, não tiveram filhos.

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Títulos, estilos e honras[editar | editar código-fonte]

Monograma imperial de Maria Luísa

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 12 de dezembro de 1791 – 11 de agosto de 1804: Sua Alteza Imperial e Real, a arquiduquesa Maria Luísa, princesa de Hungria e Boêmia
  • 11 de agosto de 1804 – 1 de abril de 1810: Sua Alteza Imperial e Real, Princesa Imperial e arquiduquesa da Áustria
  • 1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814: Sua Majestade Imperial e Real, a Imperatriz dos Franceses, Rainha da Itália
  • 20 de março de 1815 – 22 de junho de 1815: Sua Majestade Imperial e Real, a Imperatriz dos Franceses, Rainha da Itália
  • 22 de junho de 1815 – 17 de dezembro de 1847: Sua Majestade, Princesa Imperial e arquiduquesa da Áustria, Duquesa de Parma, Placência e Guastalla

Honras[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «1810 : Napoléon épouse Marie-Louise, mariage politique et idylle romanesque». www.canalacademie.com. Consultado em 21 de setembro de 2019 
  2. «Portale dedicato alla Storia di Parma e a Parma nella Storia, a cura dell'Istituzione delle Biblioteche di Parma ::: Dizionario biografico: Abati-Adorno». web.archive.org. 14 de março de 2012. Consultado em 21 de setembro de 2019 
  3. «Marie-Louise et Napoléon à Compiègne». napoleon.org (em francês). Consultado em 21 de setembro de 2019 
  4. Durand, Sophie Cohondet (1886). Napoleon and Marie-Louise, 1810-1814: A Memoir (em inglês). [S.l.]: S. Low, Marston, Searle & Rivington 
  5. [https://www.herodote.net/6_avril_1814-evenement-18140406.php «6 avril 1814 - Abdication et adieux de Napol�on Ier - Herodote.net»]. www.herodote.net. Consultado em 21 de setembro de 2019  replacement character character in |titulo= at position 45 (ajuda)
  6. Almanacco per le provincie soggette all' imperiale regio governo di Venezia (em italiano). [S.l.: s.n.] 1842. Consultado em 31 de octubre de 2017  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  7. Manuale del regno lombardo-veneto per l' anno (em italiano). [S.l.]: Imperiale regia stamperia. Consultado em 27 de febrero de 2018  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Luísa de Áustria
Maria Luísa de Áustria
Casa de Habsburgo-Lorena
Ramo da Casa de Habsburgo
12 de dezembro de 1791 – 17 de dezembro de 1847
Precedida por
Josefina de Beauharnais
Blason de Marie-Louise d'Autriche, Impératrice des Français.svg
Imperatriz Consorte da França
1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814
Sucedida por
Vacante
Coat of arms of the Kingdom of Italy (1805-1814), round shield version.svg
Rainha Consorte da Itália
1 de abril de 1810 – 6 de abril de 1814
Sucedida por
Margarida de Saboia
Precedida por
Vacante
Blason de Marie-Louise d'Autriche, Impératrice des Français.svg
Imperatriz Consorte dos Franceses
20 de março de 1815 – 22 de junho de 1815
Sucedida por
Maria Teresa Carlota de França
Precedida por
Primeiro Império Francês
Coat of arms of the Duchy of Parma under Maria Luigia of Austria.svg
Duquesa de Parma, Placência e Guastalla
11 de abril de 1814 – 17 de dezembro de 1847
Sucedida por
Carlos II (Parma e Placência)
Francisco V (Guastalla)