Ana, Duquesa da Bretanha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ana da Bretanha
Ana por Jean Bourdichon, no Livro de horas chamado Grandes Heures d'Anne de Bretagne.
Duquesa da Bretanha
Reinado 9 de setembro de 14889 de janeiro de 1514
Coroação 10 de fevereiro de 1489 em Rennes
Rainha consorte de França
Reinado 6 de dezembro de 14917 de abril de 1498
Coroação 8 de fevereiro de 1492 na Basílica de Saint-Denis
Rainha consorte de França
Reinado 9 de janeiro de 14999 de janeiro de 1514
Coroação 18 de novembro de 1504 na Basílica de Saint-Denis
 
Cônjuge Maximiliano I do Sacro Império Romano-Germânico
Carlos VIII de França
Luís XII de França
Descendência Carlos Orlando
Cláudia
Renata
Casa Montfort
Habsburgo
Valois
Nascimento 25 de janeiro de 1477
  Nantes, Bretanha
Morte 9 de janeiro de 1514 (36 anos)
  Blois, França
Enterro Basílica de Saint-Denis, Ilha-de-França
Pai Francisco II
Mãe Margarida de Foix
Brasão

Anna de Bretanha (25 de janeiro de 14779 de janeiro de 1514), (em francês: Ana de Bretagne; Língua bretã: Anna Vreizh) foi a Duquesa titular da Bretanha, de 1488 até sua morte e rainha consorte e por duas vezes rainha consorte da França entre 1491 a 1498 e de 1499 até sua morte. Ela foi a única na França a ter o título de rainha consorte duas vezes Durante as Guerras Italianas, Ana também se tornou rainha consorte de Nápoles, na Itália (1501-1504) e duquesa consorte de Milão (1499-1500/1500-1512).

Ana foi criada em Nantes, durante uma série de conflitos onde o rei da França buscou afirmar sua suserania sobre a Bretanha. Era filha e única herdeira do duque Francis II da Bretanha, e de Margarida de Foix. Sendo assim, Ana era neta, por via materna, dos reis de Navarra, Leonor I de Navarra e Gastão IV. Quando seu pai morreu, em 1488, tornou-se duquesa da Bretanha, condessa de Nantes, Monfort e Richmond (na Inglaterra), e viscondessa de Limoges. Era tida como a mulher mais rica da Europa.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Ana era a única filha de Francisco e Margarida que sobreviveu à infância(sua irmã, Isabel, morreu em 1490, com 12 anos). Tradicionalmente, ela foi criada como a herdeira de Ducado. Foi educada pelo poeta Jean Meschinot.

Antes da Guerra de sucessão bretã, a Bretanha operava de acordo com uma semi Lei sálica, no caso, uma mulher poderia herdar o trono apenas se a linhagem masculina tivesse se extinguido. Porém, a guerra terminou com o Tratado de Guérande, que declarava que na ausência de um herdeiro da Casa de Montfort, os herdeiros de Joana, Duquesa de Bretanha sucederiam. Quando Ana nasceu, seu pai era o único homem restante dos Montfort. Durante o século, o acordo foi violado e reinterpretado múltiplas vezes. Por isso, para garantir a sucessão da filha, o Duque a teve oficialmente reconhecida como a herdeira em 1486. Contudo, a questão de casamento continuou a ser uma questão diplomática. Francis não tinha a intenção de deixar a França absorver a Bretanha em seu território. Dessa forma, ele procurou casar Anne com um marido em uma posição capaz de resistir aos franceses.

Em 1480, Anne foi oficialmente prometida em casamento a Eduardo, Príncipe de Gales, filho de Eduardo IV, porém, após a morte do pai, ele desapareceu. Outros pretendentes incluíam Maximiliano I, Sacro Imperador Romano-Germânico (viúvo de Maria, Duquesa da Borgonha), Alan de Albret, Jean de Charlon (Príncipe de Orange) e o casado Luís, Duque d'Orleães.

Em 1488, os exércitos de Francis II foram derrotados na Batalha de Saint-Aubin-du-Cormier, acabando com a Guerra Louca(la Guerre Folle) entre França e Bretanha. No Tratado de Sablé, o Duque foi forçado a aceitar cláusulas estipulando que suas filhas se casariam sem a aprovação do rei francês. Logo depois, ele morreu em 9 de setembro de 1488, ao cair de seu cavalo. Anne tornou-se Duquesa, e a Bretanha entrou em sua última Guerra contra os franceses.

Duquesa da Bretanha[editar | editar código-fonte]

Necessitando de alguém que pudesse manter a independência do Ducado em relação a França, Ana casou-se com Maximiliano I, em Rennes, por procuração em 19 de dezembro de 1490, com Anne recebendo o título de Rainha dos Romanos, o que causou sérias consequências. Os franceses consideraram isso uma séria provocação, pois não foi aprovado o casamento pelo rei, e pior, Maximiliano era um inimigo da França que agora controlava a Bretanha. O casamento também ocorreu em má hora pois os Habsburgo estavam ocupados na Hungria para prestar atenção à Bretanha, e os Castile estavam lutando em Granada. A primavera de 1491 trouxe novos sucessos pelo general Luís II de la Trémoille e, Carlos VIII de França fechando o cerco em Rennes.

Após Maximiliano ter falhado em ajudar a esposa, Rennes caiu e Ana ficou noiva de Carlos VIII. Então, escoltada pelo seu exército (ostensivamente, para mostrar que ela consentiu de boa vontade com o casamento), Ana foi para Langeais para se casar. Apesar dos protestos diplomáticos da Áustria, alegando que o casamento era inválido porque era contra a vontade da noiva, que ela já era casada legalmente com Maximiliano, e por último, que Carlos estava legalmente noivo da filha de Maximiliano, Margarida de Áustria, Ana celebrou seu segundo casamento com Carlos VIII no Castelo de Langeais em 6 de dezembro de 1491.

A união foi consequentemente validada pelo Papa Inocêncio VIII em 15 de fevereiro de 1492. O contrato do casamento previa que o cônjuge que vivesse mais que o outro iria reter possessão da Bretanha. Também estabelecia que caso o rei morresse sem herdeiros masculinos, Anne iria casar-se com o seu sucessor, assegurando assim ao rei francês uma segunda chance de anexar a Bretanha.

Rainha de França[editar | editar código-fonte]

Casamento com Carlos VIII, Castelo de Langeais

Ana conseguiu negociar um contrato justo antes de se casar com Carlos, pois ele declarava que o segundo filho, menino ou menina, iria herdar o Ducado da Bretanha.[1] Seu segundo casamento começou mal, pois eles viviam separados. Ela foi coroada Rainha da França em 8 de fevereiro de 1492, na Basílica de Saint-Denis. Ela foi proibida pelo marido de usar o título de Duquesa da Bretanha, o que se tornou motivo de disputa entre os dois. Enquanto seu marido lutava na Itália, a regência foi exercida por sua irmã, Anne da França. Grávida durante a maior parte de sua vida, Anne viveu nos castelos de Amboise, Loches e Plessis ou nas cidades de Lyon, Grenoble ou Moulins(quando o rei estava na Itália). Ela foi brevemente Rainha da Sicília e Rainha de Jerusalém com a conquista de Nápoles por Carlos.

O casamento produziu sete filhos que não sobreviveram á infância. Apenas o primeiro Carlos Orlando, Delfim da França, sobreviveu. Uma criança saudável e inteligente, ele era adorado pelos pais, que sofreram muito quando ele morreu de sarampo. Carlos nasceu depois e viveu menos de um mês. Francisco e Ana morreram logo após o nascimento e três nasceram mortos. Tais tragédias causaram muitas dores à Anne, que orou por um filho após a morte de Francisco.

Havia um círculo de poetas na corte de Ana,entre eles o italiano humanista Publio Fausto Andrelini que espalhou o New Learning(Novo conhecimento) na França.

Viuvez e Terceiro Casamento[editar | editar código-fonte]

Quando o rei morreu em 1498, Ana tinha apenas 21 anos e nenhum filho vivo. De acordo com a lei, era obrigada a casar-se com Luís II, porém, ele já estava casado com Joana de Valois, Duquesa de Berry, filha de Luís XI de França e irmã de Carlos VIII. Em 19 de augusto de 1498, em Étampes,Anne concordou em se casar com ele,caso ele conseguisse a anulação do casamento com Joana em até um ano. O primeiro casamento de Luís foi anulado pelo Papa Alexandre VI antes do final do ano.

Durante esse meio tempo, ela retornou à Bretanha, em outubro de 1498. Ela restaurou Felipe de Montauban à chancelaria do Ducado, nomeou Jean de Châlon, como Tenente Hereditário, reuniu os Estados da Bretanha, e ordenou produção de moedas carregando o seu nome. Ela também viajou pelo Ducado, e fez triunfantes entradas às cidades, sendo recebida ricamente por seus vassalos.

Quando Anne se casou em 8 de janeiro de 1499, ela já era uma mulher, uma Rainha viúva, e estava determinada a garantir que seus direitos de herdeira fossem reconhecidos. Apesar de seu novo marido exercer o poder na Bretanha, ela carregava formalmente o título de Duquesa e tomava decisões.

Ela arranjou o casamento de sua filha Claúdia, com Carlos de Áustria em 1501, para reforçar a aliança Franco-Espanhola e fortalecer o sucesso francês nas guerras italianas. Luís dissolveu o noivado quando se tornou claro que não teria um herdeiro homem. Então, noivou Claúdia com Francisco I de França. Ana, preocupada com a independência bretã, recusou até a morte sancionar o casamento.

Morte[editar | editar código-fonte]

Relicário do coração de Ana.

Ana morreu no Castelo de Blois em 9 de janeiro de 1514 em decorrência de pedra no rins. Foi enterrada em Saint-Denis, tendo o enterro durado 40 dias, o que inspirou os funerais de nobres franceses do século XVIII. Duas missas foram lidas pela Ordem Franciscana e pela Ordem Dominicana.

De acordo com o seu testamento, o coração de Ana foi colocado em um relicário de ouro, transportado para Nantes e depositado na tumba de seus pais na capela dos freis do Carmo.

Características[editar | editar código-fonte]

Ana era uma mulher altamente inteligente que passou a maior parte do seu tempo na administração da Bretanha. Ela era descrita como astuta, orgulhosa e altiva.[2] Ela garantiu a autonomia da Bretanha, e a preservação do Ducado de fora da França.

Ana era benfeitora das artes e gostava de música. É provável que a Tapeçaria A caçada do unicórnio em exibição no Museu Cloisters foi ordenada por ela para celebrar seu casamento com Luís XII.[3] De suas Iluminuras existentes o mais famoso é o Livro de horas Grandes horas de Anna da Bretanha. Ela também patrocinou livros e seus artistas.

Ela era uma mãe devotada, passando o maior tempo possível com eles. Ana mandou um livro de horas ser feito para seu filho, Carlos Orlando, para ensiná-lo como rezar, e para servir como um guia para seu futuro papel como rei, o que não aconteceu, pois ele morreu em 1495. De acordo com Pierre de Brantôme, Ana expandiu o número de empregados na sua corte, principalmente jovens mulheres, formando uma escola preparatória para mulheres em idade para casar, além de ter a companhia de 100 cavalheiros bretões na corte. Essas inovações influenciou mais tarde as cortes francesas.

Ao casar-se com Carlos VIII, Ana era uma garota nova e de bochechas rosadas. Com o fim da união, com pouco mais de 20 anos e depois de 7 gravidezes e nenhum filho que tenha sobrevivido, era uma mulher pálida e abatida. Ao fim da vida, aos 36 anos, engravidado por 16 vezes e com sete natimortos, apenas dois sobreviveram à infância.

Ana como rainha recebe um livro, pintura por Jean Perréal.

Filhos[editar | editar código-fonte]

Seu casamento com Carlos VIII de França produziu sete gestações:

  • Carlos Orlando, Delfim da França (11 de outubro de 1492 - 16 de dezembro de 1495). Seu único filho saudável, ele morreu de sarampo quando tinha três anos de idade. Enterrado na Catedral de Tours.
  • Francisco (agosto de 1493). Ana ficou grávida no final de 1492 / início de 1493, mas viajou com o marido de castelo em castelo; Entrou em trabalho de parto durante uma viagem na floresta de Courcelles, e a criança era prematura e morta. Enterrado em Notre-Dame de Cléry.
  • Filha natimorta (março de 1494). Em sua terceira gravidez, Ana evitou viajar (em vez disso, residindo em Amboise, perto do delfim). No entanto, em fevereiro de 1494, acompanhou o rei a Lyon, onde se preparava para partir para as guerras italianas. Depois de chegar em 15 de março, ela participou de todas as cerimônias; o estresse da ocasião fez com que ela entrasse em trabalho de parto prematuro, e a criança era natimorta.
  • Filha natimorta (março de 1495). Ela havia engravidado novamente no final de 1494, mas perdeu a criança logo depois.
  • Carlos, Delfim da França (8 de setembro de 1496 - 2 de outubro de 1496). Sua morte levou Ana a se retirar temporariamente para Moulins em desespero. Enterrado na Catedral de Tours.
  • Francisco, Delfim da França (julho de 1497). Morreu várias horas após o seu nascimento, enterrado na Catedral de Tours.
  • Ana da França (20 de março de 1498). Ela morreu no mesmo dia do seu nascimento no Château Real de Plessis-lèz-Tours. Enterrada na Catedral de Tours.

Seu casamento com Luís XII da França produziu pelo menos mais nove gestações:

Simbolismo cultural[editar | editar código-fonte]

Quando estava viva, a propaganda de Carlos VII e Luís XII introduziram Ana como uma rainha perfeita, um símbolo de união e paz entre a França e a Bretanha. Nos séculos seguintes, historiadores e a cultura popular as vezes a apresentavam de diferentes maneiras, atribuindo-lhe características físicas e psicológicas não suportadas por evidência histórica.

Em 1991, o 500° aniversário de Ana da Bretanha e de Carlos VIII de França foi celebrado em Langeais.

Precedida por:
Francisco II
Armas do Ducado da Bretanha
Duquesa da Bretanha

9 de setembro de 14889 de janeiro de 1514
com Carlos II (1491-1498)
com Luís I (1499-1514)
Sucedida por:
Cláudia I
Precedida por:
Carlota de Saboia
Rainha da França
Blason Anne de Bretagne (1476-1514) Reine de France.svg

6 de dezembro de 14917 de abril de 1498
Sucedida por:
Joana de Valois
Precedida por:
Joana de Valois
Rainha da França
Blason Anne de Bretagne (1476-1514) Reine de France.svg

9 de janeiro de 14999 de janeiro de 1514
Sucedida por:
Maria Tudor

Referências

  1. http://fr.wikisource.org/wiki/Contrat_de_mariage_entre_Anne_de_Bretagne_et_Louis_XII
  2. De La Warr, Constance, A Twice Crowned Queen: Anne of Brittany, p.41.
  3. "Tapestry in the Renaissance: Art and Magnificence". The Metropolitan Museum of Art. Archived from the original on 10 February 2008. Retrieved 9 January 2008.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ana, Duquesa da Bretanha