Fontainebleau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fontainebleau
  Comuna francesa França  
O Palácio de Fontainebleau
O Palácio de Fontainebleau
Símbolos
Brasão de armas de Fontainebleau
Brasão de armas
Gentílico Bellifontains
Localização
Fontainebleau está localizado em: França
Fontainebleau
Localização de Fontainebleau na França
Coordenadas 48° 24' N 2° 42' E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Seine-et-Marne.svg Sena e Marna
Administração
Prefeito Frédéric Valletoux
Características geográficas
Área total 172,68 km²
População total (2018) [1] 15 862 hab.
Densidade 91,9 hab./km²
Código Postal 77300
Código INSEE 77186
Sítio fontainebleau.fr

Fontainebleau é uma cidade na França, antiga sede do departamento Seine-et-Marne, na região administrativa da Ilha de França, na França. Sua população é de 14 637 habitantes.[2][3][4][5]

Dá-se o nome de Escola de Fontainebleau a um grupo de artistas animados pelos italianos que Francisco I de França contratara para decorar o Castelo de Fontainebleau, os quais tiveram como seguidores Jean Goujon, Jean Cousin, Antoine Caron.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Transportes ferroviários[editar | editar código-fonte]

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Fontainebleau é atestada nas formas latinizadas Fons Bleaudi, Fons Bliaudi, Fons Blaadi dos séculos XII e XIII, Fontem blahaud em 1137, Fontaine belle eau no século XVI (etimologia popular)[6], Fontainebleau ou de outra forma Fontaine belle eau em 1630[6], e sob a latinização fantasista Fons Bellaqueus no século XVII, à origem do gentílico Bellifontain.

Este é um composto medieval em Fontaine- "fonte, ribeirão", termo derivado do galo-romano FONTANA, seguido pelo nome pessoal germânico Blitwald[7].

Durante a Revolução Francesa, a comuna portou os nomes de Fontaine-la-Montagne e de Fontaine-le-Vallon[8].

História[editar | editar código-fonte]

Em 2012, uma aldeia gaulesa que dataria entre 30 e 250 anos antes da nossa era foi trazida à luz durante a manutenção de uma das praças do Château de Fontainebleau, continuando a ocupação do local pelo menos até depois do período carolíngio, mas a primeira menção ao próprio castelo data de 1137: era então um castelo fortificado usado como pavilhão de caça na floresta de "Bieria" (assim se chamava a floresta de Fontainebleau, talvez do XI séc. século até recentemente – Jean-Baptiste Colbert ainda usava este nome em um documento datado de 1664 – porque um bando de guerreiros dinamarqueses liderados por um certo “Bier” ficou lá, cometendo exações na região, talvez durante ou após o quarto cerco de Paris pelos vikings, em 885-887).

Uma capela foi integrada ao castelo e consagrada em 1169 por Thomas Becket, arcebispo de Canterbury, então exilado na França.

São Luís, que muito apreciava o lugar, chamava-o de “seus desertos”, mandou construir junto ao castelo um convento-hospital, dirigido por monges.

Philippe le Bel nasceu no castelo em 1268 e morreu lá em 1314.

Filipe VI selou um tratado lá com João I da Boêmia: este último, honrando o contrato, lutou contra os ingleses na Batalha de Crécy e perdeu a vida lá.

No entanto, o local não passava de uma aldeia até 1528, quando Francisco I, retornando à França depois de passar um ano em cativeiro na Espanha (depois de sua derrota em Pavia em 1525), decidiu construir um palácio inspirado nos que viu na Itália , e apelou a artistas italianos de renome: o castelo desaparece – resta a torre de menagem, remodelada, uma construção maciça em forma de quadrado, que margeia o "Pátio Oval".

A cidade – assim como  Avon – rapidamente aproveitou as repetidas visitas da Corte e dos reis, acolhendo rapidamente restaurantes e pousadas cujos quartos são alugados a preços exorbitantes.

Quando a Corte não está em Fontainebleau, a cidade continua viva graças a constantes obras de embelezamento, do castelo e da cidade: ali vivem trabalhadores e artistas durante todo o ano.

Depois de Francisco I, outro de seus grandes benfeitores foi Henrique IV: a partir de 1594 ele ficou lá todos os anos, embelezando e ampliando o castelo, cavando o Grande Canal, traçando estradas e caminhos na floresta para facilitar as viagens, especialmente em dias de caça.

O futuro Francisco II nasceu em Fontainebleau em 1544, o futuro Henrique III em 1551, o futuro Luís XIII em 1601, assim como várias princesas e altas figuras, incluindo Louis Victoire Lux de Montmorin-Saint-Hérem, que acabou assassinado em Paris durante os massacres de setembro de 1792.

A cidade era o deleite de Elisabeth-Charlotte da Baviera – Princesa Palatina – e tinha cerca de 7.000 habitantes no século XVII. Abrigava então cerca de trinta mansões particulares construídas para grandes senhores, como a de “Grand Ferrara” – da qual apenas o portão de entrada permanece hoje – residência de Hippolyte d'Este.

Em 1661, um cavalo fugitivo derrubou e arrastou seu cavaleiro várias dezenas de metros em alta velocidade, um de seus pés preso em um estribo. O sieur Dauberon invocou Notre-Dame, seu cavalo parou. Em 1690 foi construída uma primeira capela no local do milagre – denominada “Notre-Dame de Bon Secours”, ali se estabeleceu uma peregrinação anual –, arrasada em 1793 pelos revolucionários, reconstruída em 1821 por iniciativa de Marie-Thérèse de France . A peregrinação ainda existe.

Em 18 de outubro de 1685, Luís XIV assinou o Édito de Fontainebleau, mais conhecido como "Revogação do Édito de Nantes", que levou muitos protestantes ao exílio, mas pôs fim às constantes tensões no reino entre católicos e reformados.

Mandou também construir um conjunto excepcional de piscinas e fontes, de que restam apenas vagos vestígios, na “grande pradaria” que corre parcialmente ao longo do “grande canal”.

Em 5 de setembro de 1725, Luís XV e Maria Leszczynska se casaram no castelo.

Tendo sempre os habitantes beneficiado da realeza, que os enriqueceu, a Revolução não deixou aqui memórias marcantes, a não ser a destruição da capela.

O Império vai acordar esta cidade sonolenta: Napoleão I se muda para o castelo e o renova. Antigos casarões também são restaurados, e alguns são transformados em hotéis turísticos, como o "Águia Negra". Os quartéis são construídos para abrigar os regimentos hussardos da Guarda Imperial, e também é criada uma escola militar, que será transferida para Saint-Cyr-l'École e depois para Coëtquidant (Guer).

Em 29 de outubro de 1807, Manuel Godoy, chanceler do rei da Espanha Carlos IV, e Napoleão assinaram o Tratado de Fontainebleau, que autorizava a passagem de tropas francesas pelo território espanhol para invadir Portugal.

Em 20 de junho de 1812, o Papa Pio VII chegou ao castelo: excomungou o imperador em 10 de junho de 1809, foi preso na noite de 5 para 6 de julho de 1809 e colocado sob vigilância em Savona, antes de ser levado para Fontainebleau. Ele é acompanhado pelo médico-cirurgião Balthazard Claraz, e voluntariamente permaneceu preso pelos dezenove meses que durou seu cativeiro: de 20 de junho de 1812 a 23 de janeiro de 1814 o papa nunca saiu de seu apartamento.

Reconstrução durante o bicentenário das Despedidas de Napoleão em Fontainebleau, 20 de abril de 2014. Napoleão desce a escadaria em ferradura do Château de Fontainebleau.

Em 20 de abril de 1814, Napoleão, logo após sua primeira abdicação, despediu-se de sua guarda, - os famosos grognards -, no pátio do Cavalo Branco - que desde então se tornou "Cour des Adieux" -: o momento era, segundo para as testemunhas, muito comovente. Duas crianças da cidade o seguirão durante seus dois exílios: os irmãos Archambault.

Após a queda do Primeiro Império, o castelo ainda foi habitado em linhas pontilhadas por Napoleão III, de 1856 a 1869: em 15 e 16 de dezembro de 1856 recebeu o Príncipe Real da Prússia, o futuro Guilherme I.

Em 1845, foi construído um presídio na cidade, que foi fechado em janeiro de 1990.

Um total de 34 soberanos, de Luís VI le Gros a Napoleão III, permaneceram em Fontainebleau ao longo de sete séculos. Entre os séculos XVI e XVIII, todos os reis, de Francisco I a Luís XV, ali realizaram grandes obras (demolição – reconstrução – ampliação – embelezamento) daí o caráter algo “heterogêneo” mas ainda assim harmonioso da arquitetura do castelo.

Hoje, a cidade e seu castelo são visitados durante todo o ano por turistas de todo o mundo.    

A cidade é servida por ferrovia desde 1849 (linha Paris - Lyon), com o comissionamento da estação Fontainebleau - Avon.

De 29 de junho a 1º de julho de 1895, uma grande competição nacional foi organizada em Fontainebleau para manobras de carros de bombeiros com manobras de ambulâncias e resgate de feridos. Esta competição atraiu 140 empresas. Nesta ocasião, ocorreu a assembléia geral do Sindicato Departamental de Bombeiros de Seine-et-Marne.

Em 8 de maio de 1913, o rei Alfonso XIII da Espanha fez uma visita oficial a Paris. Ele foi recebido em Fontainebleau pelo Presidente da República, Raymond Poincaré, que notavelmente lhe mostrou o castelo. O rei, sem abdicar, exilou-se na França e chegou à cidade vizinha de Avon com sua família e se instalou no Hôtel "Le Savoy".

Tropas e tanques americanos perto de Fontainebleau durante a Libertação.

Em julho e agosto de 1946, a cidade sediou a conferência franco-vietnamita em Fontainebleau para encontrar uma solução para o conflito da Indochina: foi um fracasso.

Fontainebleau, fiel à sua tradição militar, manteve-se por muito tempo uma cidade de guarnição: foi o quartel-general das forças aliadas na Europa Central (Allied Force Center, AFCENT), forças terrestres (LANDCENT) e forças aéreas (AIRCENT) da OTAN de 1949 a 1967.

A cidade abriga atualmente uma importante escola de negócios que lhe confere uma reputação internacional: INSEAD, bem como um anexo da École des Mines de Paris.

Educação[editar | editar código-fonte]

Nesta cidade está localizado o centro de pesquisa em administração INSEAD um dos mais respeitados no mundo e colocado como o 1º melhor MBA em 2016 segundo o jornal inglês Financial Times.[9]

Fontainebleau teve uma rede de tramway de 1896 a 1953. Se vê um aqui na Grande Rue no início do século XX.

População e sociedade[editar | editar código-fonte]

Fontainebleau tem uma população de 16 000 e 34 000 pela aglomeração que é formada principalmente por Avon, cidade vizinha onde se encontra particularmente a estação de trem. A população é estável desde o fim do século XIX, somente Avon que considerou um aumento.

Em 2011, a comunidade contava 14 708 habitantes. A evolução do número de habitantes é conhecida através do censo da população efetuados dentro da comunidade depois de 1793.

Geminação[editar | editar código-fonte]

Cultura Local e Patrimônio[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Populations légales 2018. Recensement de la population Régions, départements, arrondissements, cantons et communes». www.insee.fr (em francês). INSEE. 28 de dezembro de 2020. Consultado em 13 de abril de 2021 
  2. «Résultats du recensement de la population - 2008» (em francês). Recensement INSEE. Consultado em 10 de agosto de 2012. Arquivado do original em 7 de julho de 2012 
  3. «Résultats du recensement de la population - 2008 Population; Indicateurs démographiques» (em francês). Recensement INSEE. Consultado em 10 de agosto de 2012  [ligação inativa]
  4. «Populations légales 2008 de la commune» (em francês). INSEE. Consultado em 10 de agosto de 2012 
  5. «Annuaire des communes et epci de france» (em francês). Association des Maires de France. Consultado em 10 de agosto de 2012 
  6. a b Marianne Mulon, Noms de lieux d’Île-de-France, Bonneton, Paris, 1997, ISBN 2862532207.
  7. Albert Dauzat, Charles Rostaing (1979). Dictionnaire étymologique des noms de lieu en France (em francês). Paris: Librairie Guénégaud. ISBN 2-85023-076-6. 295b .
  8. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Cassini
  9. http://rankings.ft.com/businessschoolrankings/insead
  10. p. 17.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.