Juramento do Jogo da Péla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Em 20 de junho de 1789, os membros do Terceiro Estado francês fizeram o juramento do jogo da péla(PT) ou juramento da quadra de tênis(BR) (em francês: Serment du Jeu de Paume), votando "para não se separar e se reunir onde for necessário, até que a Constituição do reino seja estabelecida". Foi um evento crucial na Revolução Francesa. Os Estados-Gerais foram chamados para tratar da crise fiscal e agrícola do país, mas ficaram atolados em questões de representação imediatamente após a reunião em maio de 1789, principalmente se votariam por ordem ou por cabeça (o que aumentaria o poder do o Terceiro Estado, visto que superavam em número os outros dois estados por uma grande margem).

Em 17 de junho, o Terceiro Estado passou a se autodenominar Assembleia Nacional, liderada por Honoré Gabriel Riqueti, Conde de Mirabeau.[1] Na manhã de 20 de junho, os deputados ficaram chocados ao descobrir que a porta da câmara estava trancada e guardada por soldados. Eles temeram imediatamente o pior e ficaram ansiosos com a iminência de um ataque real do rei Luís XVI, portanto, por sugestão de um de seus membros Joseph-Ignace Guillotin,[2] os deputados se reuniram em um tribunal interno de jeu de paume [ fr ] no distrito de Saint-Louis [ fr ] da cidade de Versalhes, perto do Palácio de Versalhes. Lá, 576 dos 577 membros do Terceiro Estado fizeram um juramento coletivo de "não se separar e se reunir onde quer que as circunstâncias o exijam, até que a constituição do reino seja estabelecida".[3] A única pessoa que não aderiu ao juramento foi Joseph Martin-Dauch de Castelnaudary, que executaria apenas as decisões tomadas pelo monarca.[4]


Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Antes da Revolução, a sociedade francesa - além da realeza - era dividida em três partes. O Primeiro Estado compreendia o clero; o segundo estado era a nobreza. O resto da França - cerca de 98% da população - era o Terceiro Estado, que variava de mercadores urbanos muito ricos a agricultores rurais empobrecidos. Os três estados se reuniam raramente na Estates General, uma assembleia legislativa.[5]

Juramento[editar | editar código-fonte]

Os temores dos deputados, mesmo que errados, eram razoáveis ​​e a importância do juramento vai muito além do seu contexto.[6] O juramento foi um ato revolucionário e uma afirmação de que a autoridade política derivava do povo e de seus representantes, e não da monarquia. A solidariedade deles obrigou Luís XVI a ordenar ao clero e à nobreza que se juntassem ao Terceiro Estado na Assembleia Nacional para dar a ilusão de que ele controlava a Assembleia Nacional. Este juramento foi vital para o Terceiro Estado como um protesto que levou a mais poder nos Estados Gerais e em todos os órgãos governamentais daí em diante.

Uma tradução em português do juramento diz:

A Assembleia Nacional,

Considerando que foi chamado para estabelecer a constituição do reino, para trazer a regeneração da ordem pública e para manter os verdadeiros princípios da monarquia; nada pode impedi-lo de continuar suas deliberações em qualquer lugar onde seja forçado a se estabelecer; e, finalmente, a Assembleia Nacional existe onde seus membros estão reunidos.

Decreta que todos os membros desta Assembleia imediatamente fazem um juramento solene de nunca se separar e se reunir onde quer que as circunstâncias o exijam, até que a constituição do reino seja estabelecida e fixada em bases sólidas; e que dito juramento tendo sido feito, todos os membros e cada um individualmente confirmam esta resolução inabalável com sua assinatura.

Juramos nunca nos separar da Assembleia Nacional e nos reunir onde quer que as circunstâncias o exijam, até que a constituição do reino seja redigida e fixada em bases sólidas.[7]

Significado e consequências[editar | editar código-fonte]

O Juramento significou pela primeira vez que os cidadãos franceses se opuseram formalmente a Luís XVI. A recusa da Assembleia Nacional em recuar forçou o rei a fazer concessões. O Juramento também inspirou uma ampla variedade de atividades revolucionárias nos meses seguintes, variando de tumultos no interior da França a novos apelos por uma constituição escrita. Reforçou a força da Assembleia e, embora o rei tentasse impedir o seu efeito, Luís foi forçado a ceder e, em 27 de junho de 1789, solicitou formalmente que a votação ocorresse com base na contagem de cabeças, não no poder de cada estado.[8] O juramento da quadra de tênis (20 de junho de 1789) precedeu a abolição do feudalismo (4 de agosto de 1789) e a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (26 de agosto de 1789).

Referências

  1. Doyle, William (1990). The Oxford History of the French Revolution. [S.l.]: Oxford University Press. p. 105. ISBN 978-0192852212 
  2. Donegan, Ciaran F. (1990). «Dr Guillotin – reformer and humanitarian». Journal of the Royal Society of Medicine. 83 (10): 637–639. doi:10.1177/014107689008301014 
  3. Thompson, Marshall Putnam (1914). «The Fifth Musketeer: The Marquis de la Fayette». Proceedings of the Bunker Hilll Monument Association at the annual meeting. [S.l.: s.n.] p. 50. Consultado em 10 de fevereiro de 2011 
  4. Hanson, Paul R. (2004). Historical Dictionary of the French Revolution. Lanham, MD: Scarecrow Press. ISBN 9780810850521 
  5. «Estates-General | Definition, Meeting, & History». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 18 de junho de 2021 
  6. Osen, James L. (1995). Royalist Political Thought during the French Revolution. Westport, CT: Greenwood Publishing Group. ISBN 9780313294419 
  7. «The Tennis Court Oath, June 1789» (PDF). Consultado em 14 de setembro de 2019 
  8. Hanson, Paul R. (2015). Dicionário histórico da Revolução Francesa (segunda edição). Rowman e Littlefield. p. 118 . ISBN 9780810878914
Ícone de esboço Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.