Arlindo Veiga dos Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Arlindo Veiga dos Santos (Itu, 12 de fevereiro de 19021978) foi um intelectual, poeta, escritor e líder político brasileiro.[1]

Nascido Arlindo José da Veiga Cabral dos Santos, de origem humilde, iniciou seus estudos, em escolas católicas. Ainda adolescente, revelou talento literário e jornalístico, tanto escrevendo poesias quanto colaborando em algumas publicações. Por problemas financeiros da família, transferiu-se para São Paulo, onde fez curso universitário na Faculdade de Filosofia e Letras de São Paulo. Nesta instituição, concluiu o curso de Filosofia e Letras, em 1926.[2]

Fundou e presidiu a Ação Imperial Patrianovista Brasileira, uma organização monarquista que teve inserção em vários estados brasileiros, entre as décadas de 1930 e 1960; e a Frente Negra Brasileira (1931-1937). Sendo esta última uma das maiores lideranças da população afro-brasileira na primeira metade do século XX. Foi muito influenciado pelo catolicismo conservador e pelo integralismo português, além de ter tido contatos com o integralistas brasileiros como Plinio Salgado, embora não tenha chegado a fazer parte desse grupo.Também dirigiu os jornais Pátria Nova, O Bibliófilo e os semanários Mensageiros da Paz e O Século.[3]

Arlindo também foi professor de latim, inglês, português, história, sociologia e filosofia. Lecionou em faculdades privadas como a Faculdade São Bento e a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, tendo por princípio ideológico recusado qualquer cargo público, por ser monarquista e ser contra a republica, como quando recusou o convite para ser secretário de educação de São Paulo em 1930.[4]

Publicou diversos trabalhos como: Para a ordem nova, Eco do Redentor, A lírica de Luiz Gama, O Problema Operário e a Justiça Social, Brasil, província de El Rei, Sentimento de Fé e Incenso de minha miséria, De Nóbrega e outros patrícios. O seu livro Amar... e amor depois recebeu a Menção Honrosa da Academia Brasileira de Letras, em 1923. Publicou, também, outras obras de cunho político, social, lírico e ligado à questão racial.[5][6]

Seu talento intelectual foi reconhecido internacionalmente, recebendo uma série de diplomas honoríficos, dentre os quais merecem destaque: membro do Instituto de Direito Social da Academia Brasileira de Ciências Sociais e Políticas, membro da Sociedade Geográfica Brasileira, membro da Association de Poetes de Langue Française, membro honorário vitalício, na qualidade de fellow da American International Academy, de Nova York; dignidade e honra da Estrela e Cruz de Academic Honor; membro de honra da Légion des Volsntaires du Sang, de Paris; sócio de honra da Associazione Internazionale Insigniti Ordini Cavallereschi, de Palermo, Itália.[7][8]

Referências

  1. «150.164.100.248/literafro/data1/autores/34/dados1.pdf» (PDF). 150.164.100.248. Consultado em 2015-07-04. 
  2. «O cavaleiro negro: Arlindo Veiga dos Santos e a Frente Ne... - 14/10935-0». www.bv.fapesp.br. Consultado em 2015-07-04. 
  3. «inauthor:%22Arlindo VEIGA DOS SANTOS%22 - Pesquisa Google». www.google.com.br. Consultado em 2015-07-04. 
  4. «"DEUS, PÁTRIA, FAMILIA...MONARQUIA: AÇÃO IMPERIAL PATRIONOVISTA E AÇÃO INTEGRALISTA BRASILEIRA - CHOQUES E CONSONÂNCIAS"». www.tempopresente.org. Consultado em 2015-07-04. 
  5. «IMPRENSA NEGRA». www2.assis.unesp.br. Consultado em 2015-07-04. 
  6. «Livros por Arlindo Veiga dos Santos na Estante Virtual». Estante Virtual. Consultado em 2015-07-04. 
  7. «A FRENTE NEGRA BRASILEIRA, NASCIDA NA CAPITAL PAULISTA EM 1931, FOI UM DIFERENCIAL PARA OS NEGROS BRASILEIROS. - CULTNE.com.br - Acervo Digital de Cultura Negra». CULTNE.com.br - Acervo Digital de Cultura Negra. Consultado em 2015-07-04. 
  8. Risério, Antonio (2007). A utopia brasileira e os movimentos negros Editora 34 [S.l.] ISBN 9788573263855. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.