Raimundo de Farias Brito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Farias Brito" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Farias Brito (desambiguação).
Farias Brito
Filosofia do século XX
Farias Brito no Pará em 1905
Nome completo Raimundo de Farias Brito
Escola/Tradição: Espiritualismo[nota 1]
Data de nascimento: 24 de julho de 1862
Local: São Benedito
Morte 16 de janeiro de 1917 (54 anos)
Local: Rio de Janeiro
Principais interesses: Conhecimento
filosofia
epistemologia
ética
religião
Trabalhos notáveis O Mundo Interior
Influências: Espinoza
Kant
Henri Bergson
Assinatura: Assinatura de Raymundo de Farias Brito.svg

Raimundo de Farias Brito (São Benedito, 24 de julho de 1862Rio de Janeiro, 16 de janeiro de 1917) foi um escritor e filósofo brasileiro, sendo considerado como um dos maiores nomes do pensamento filosófico do país e autor de uma das mais completas obras filosóficas produzidas originalmente no Brasil, em que identificou os planos do conhecimento e do ser, voltando dogmaticamente à metafísica tradicional, de caráter espiritualista.

Vida[editar | editar código-fonte]

Filho de Marcolino José de Brito e Eugênia Alves de Farias, fez seus primeiros estudos na cidade de Sobral, todavia, devido à seca, teve de mudar-se com a família para Fortaleza, onde completou o curso secundário no Liceu do Ceará. Formou-se em direito na Faculdade de Direito do Recife, onde foi aluno de Tobias Barreto, obtendo o título de bacharel em 1884.

Atuou como promotor e, por duas vezes, como secretário no governo do estado do Ceará. Mais tarde transferiu-se para o estado do Pará, onde lecionou na Faculdade de Direito de Belém do Pará (1902-1909) e trabalhou como advogado e promotor. Tido como autor de prestígio, mudou-se para o Rio de Janeiro (1909) e venceu o concurso para a cátedra de lógica do Colégio Pedro II. Mas, à época, a lei previa que o Presidente da República escolheria o catedrático entre os dois primeiros classificados no concurso. Graças à intercessão de amigos, o segundo colocado, Euclides da Cunha, foi nomeado. Porém, este último foi alvo de occisão num crime passional, tendo exercido o magistério durante poucos dias no Pedro II. Assim, com a morte do autor de "Os Sertões", Farias Brito acabaria ocupando o cargo em questão, exercendo-o pelo resto da vida. É patrono da cadeira número 31 (trinta e um) da Academia Cearense de Letras. Foi maçom, sendo filiado à Loja Porangaba nº 2, fundadora da Grande Loja Maçônica do Ceará.[4]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

A grande preocupação filosófica de Farias Brito sempre foi o combate ao materialismo e suas vertentes, afirmando, em contrário, uma cosmovisão espiritualista.[5] Para ele, espírito é "a energia que sente e conhece, e se manifesta, em nós mesmos, como consciência, e é capaz, pelos nossos órgãos, de sentir, pensar e agir".[6] O espiritualismo, nesse contexto, é entendido como a filosofia "que considera o espírito a realidade verdadeira e suprema, sendo a matéria, no mais rigoroso sentido da palavra, uma criação daquela realidade suprema, ou devendo explicar-se como manifestação exterior do desenvolvimento mesmo do espírito".[1]

Partindo desse ideal espiritualista, o filósofo cearense passou por diferentes fases. Carlos Lopes de Mattos argumenta que as duas grandes fases de Farias Brito são a do monismo panteísta, acentuado principalmente em "Finalidade do mundo", e a do pluralismo teísta, que atinge o ápice na obra "O mundo interior". Na primeira fase, Brito sustenta poder compreender a realidade através da substância única, que é a luz, manifestando-se sob duas faces: a natureza e a consciência.[7] Ele se expressa assim: "A natureza é Deus representado, a luz é Deus em sua essência e a consciência é Deus percebido". Nesse percurso, ele chega a afirmar que a consciência é a coisa em si, manifestando-se o cosmos como o seu fenômeno. Na fase final, Brito renega o monismo e concebe uma causa primária pessoal de onde todas as coisas são criadas, Deus, que é a coisa-em-si por excelência, sendo o espírito humano uma realidade secundária e todos os seres uma ideia divina, de modo que os corpos são fenômenos do pensamento divino. Isso o leva a identificar a metafísica à psicologia, mas uma psicologia "supercientífica" e transcendente, definida como "ciência do espírito".[8][6]

Em sua fase definitiva, Brito adotava uma teoria realista e pluralista. Assim, afirmava a dualidade real da consciência e do mundo e a multiplicidade das substâncias.[5]

Farias Brito foi sempre um filósofo moderno, com poucos conhecimentos sobre a filosofia antiga e medieval.[3] Isso leva Tejada a afirmar que o pensamento de Brito seria amplamente beneficiado pela leitura de Tomás de Aquino, do qual sempre aceitou, inconscientemente, muitos postulados. Para ele, a situação seria similar à de Rudolf von Ihering, que dizia ter perdido a chance de se poupar de muitas fadigas anteriores com a simples leitura da Suma Teológica.[9] Mattos discorda, sustentando que, devido aos seus hábitos mentais, Brito dificilmente seria abalado pela leitura de Santo Tomás e descartando a hipótese de uma conversão escolaśtica.[5] Para Sanson, Brito professava uma filosofia estoica. Tanto ele quanto Tejada afirmam a brasilidade típica do pensamento britiano, que teria guiado os principais aspectos da sua filosofia.[3]

Ética[editar | editar código-fonte]

Brito apresenta um conceito pessimista do homem, que tenderia naturalmente para o mal. Porém, o homem é, também, regenerável. Nesse caminho, ele se envolve na luta entre o chamado da consciência e os instintos da natureza, sendo tanto mais perfeito quanto menos sacrifica suas convicções às conveniências, através do próprio esforço. Por isso, o homem é espiritualmente livre a escolher entre as convicções e as conveniências. A ética britiana, baseada na busca pela verdade e voltada ao aprimoramento do homem, é resumida em dois preceitos: fazer o bem e não fazer o mal. O filósofo apresentava uma visão prática da religião, entendida como governo da lei moral, definida pela filosofia. Nesse sentido, o fim prático da atividade filosófica é a moral. Apesar disso, Tejada afirma que, em suas doutrinas morais, Brito é "o moralista escolástico que (jamais soube) repetia as desconhecidas doutrinas escolásticas".[9]

Farias Brito.JPG

Política[editar | editar código-fonte]

Farias Brito foi um crítico veemente da Revolução Francesa, do liberalismo, do individualismo, da democracia e do socialismo. Ele acusava o liberalismo de ser o pai do socialismo e do positivismo. Logo em "A Filosofia moderna", Brito argumenta: "Em primeiro lugar, o lema fundamental que chegou a ser considerado como a mais gloriosa conquista da revolução, de todo se desmoralizou, tornando-se patente que nunca a desigualdade de condição entre os homens chegou a tomar tão vastas proporções como nas democracias. Que os homens não são iguais demonstra-o o complicado sistema das hierarquias sociais. Que não são livres demonstra-o a variada combinação de laços e sujeições a que estão subordinados. Que não são irmãos demonstra-o o espetáculo cotidiano da exploração do homem pelo homem. Depois, se a questão era fazer cessar em política toda e qualquer espécie de absolutismo, acontece que nem isto chegou a conseguir a Revolução, porquanto se a democracia foi o resultado legítimo da Revolução, é uma verdade que ao absolutismo do Papa e dos reis, sucedeu nas democracias o absolutismo dos capitalistas banqueiros, mil vezes mais destestável".[10] Para ele, a Revolução Francesa destruiu todas as crenças tradicionais, não deixando nada em troca, assim entregando o povo, "sem ideal e sem fé, exclusivamente ao império das paixões desordenadas". Isso gerou a anarquia.[11]

Farias Brito atribui a causa do caos social e político moderno à ignorância do destino moral humano, ao esquecimento dos deveres humanos com o sofrimento de seus semelhantes, à perda da simpatia devido ao predomínio absoluto do egoísmo, ao aniquilamento do sentimento de solidariedade devido à morte das religiões tradicionais e, sobretudo, à vitória do materialismo.[10]

Em "A Filosofia moderna", Brito analisa três correntes sociais: a ditadura científica de Comte, o naturalismo individualista de Spencer e o socialismo coletivista de Marx. Ele vincula todas essas doutrinas a um "laço comum": "é a preocupação de só se considerar como positivamente verificado o que pode ser explicado mecanicamente: é o prejuízo mecânico que leva a explicar tudo, quer na natureza, quer na sociedade, só por forças fisicoquímicas, considerando-se como desnecessária e mesmo condenando-se como absurda, a concepção de uma verdade superior, como princípio regulador do mecanismo do mundo". Ao mesmo tempo em que classifica o individualismo de "vizinho da anarquia", Brito acusa o socialismo de "fazer dos indivíduos máquinas que o Estado move". Comentando Bakunin, o filósofo chama o anarquismo de "um caso de verdadeira loucura política, a mais estranha e incompreensível das vertigens, a mais dolorosa e inexplicável explosão do desespero" e, ao mesmo tempo, "um ideal inatingível".[10]

Apesar de seu convicto anticomunismo, Brito argumentava a necessidade de uma reforma que constituísse a sociedade de modo a assegurar, a cada um, a "fácil conquista do pão". Essa reforma, contudo, deveria ser feita através de uma "grande ideia moral", fugindo à lógica materialista do "interesse". Para ele, o interesse material sempre conduz à desagregação e ao conflito. Assim, a sociedade deve ser reformada, eliminando as injustiças, mas "não pela luta e pelo ódio, o que em si mesmo envolve uma contradição nos termos, mas pela convicção e o amor". Contra a tese socialista de que "a questão social deve ser resolvida politicamente, em nome do interesse", Brito argumenta que "a questão social deve ser resolvida religiosamente, em nome de uma ideia". Esses princípios morais regeneradores deveriam ser buscados na filosofia.[10] E, abrindo sua obra, ele bradava: "Quero dirigir, aos pequenos e aos humildes, palavras de conforto; quero levantar contra os tiranos a espada da justiça".

Tejada, um dos principais representantes do tradicionalismo carlista espanhol, afirma que a reação política britiana é "inconscientemente tradicionalista", tendo o filósofo realizado uma "análise racionalista com consequências tradicionais". Em seguida, ele aponta Farias Brito como "o maior pensador político do primeiro século do Brasil independente" e sua obra como o "ponto de partida para uma interpretação do nacionalismo brasileiro".[12] Farias Brito foi uma das influências mais importantes do integralismo brasileiro, segundo seu fundador, Plínio Salgado.[13]

Religião[editar | editar código-fonte]

De início, Farias Brito era adepto de um panenteísmo, conforme o qual as coisas produzidas por Deus subsistiriam imanentes na realidade divina fundamental. Com o passar do tempo, começou a afirmar um Deus pessoal e criador, de cujo pensamento nasce o cosmos. Para ele, Deus é a causa e explicação de todo ser, que nele existe, vive e se move. Assim, o espírito humano também é apenas um efeito do Espírito Divino, à qual é ligada e da qual depende.[5] Francisco Elías de Tejada afirma que, em seu exemplar pessoal de "A Filosofia como Atividade Permanente do Espírito Humano", em posse de Leonardo Van Acker, Farias Brito teria substituído a afirmação de que Deus é o movimento perpétuo por "a fonte perpétua do movimento", acrescentando, logo adiante, a seguinte observação: "E se é permitido distinguir a ordem do mundo e a de Deus, deve-se em todo caso reconhecer que uma coisa reflete a outra".[14] Em "O mundo interior", Brito assinala seu entendimento de Deus como o nous de Anaxágoras, o primeiro motor imóvel de Aristóteles e o "homem-medida de todas as coisas" de Pitágoras.[15]

Apesar de, mesmo em "O mundo interior", de 1914, o filósofo ter continuado pregando a criação de uma nova religião, natural e prática, Tejada entendeu, nesse direcionamento teísta de sua filosofia, uma aproximação ao cristianismo, chegando a afirmar sobre ele: "católico pelos desejos do coração, faleceu quando estava prestes a sê-lo pelas razões do cérebro". Jackson de Figueiredo, seu maior discípulo, dizia que Brito foi um grande crente que em toda a vida ignorou o seu próprio cristianismo íntimo.[16] De fato, o filósofo sempre manteve para sua família um lar cristão, tendo consumado seu matrimônio na Igreja Católica e batizado todos os filhos. Brito permitia à esposa a frequência nos Sacramentos, e contemplou com muita felicidade a Primeira Comunhão das filhas. Ele costumava pedir às filhas que lhe recitassem o Credo em voz alta. Seu livro favorito era a Imitação de Cristo, de Tomás de Kempis, e mantinha, na sala de visitas, um quadro do Sagrado Coração de Jesus. Uma de suas filhas relata tê-lo visto frequentemente parado, de pé, meditando de frente a um oratório em seu quarto, principalmente nas horas mais difíceis. Nesse oratório, através de uma vidraça, via-se o Cristo pregado à Cruz, a Virgem Maria, São José, Santo Antônio e outras imagens. Jonathas Serrano diz ter ouvido de fonte segura que, certa vez, Farias Brito deixou escapar: "Papai, por que você é tão bom assim?...".[17]

Obras[editar | editar código-fonte]

A obra filosófica de Farias Brito compõe-se de duas trilogias:

  • Finalidade do mundo
A Filosofia como Atividade Permanente do Espírito Humano (1895)
A Filosofia Moderna (1899)
Evolução e Relatividade (1905)
  • Ensaios sobre a Filosofia do Espírito
A Verdade como Regra das Ações (1905)
A Base Física do Espírito (1912)
O Mundo Interior (1914)

Homenagens póstumas[editar | editar código-fonte]

Estátua em São Benedito.
  • Em Fortaleza nomeou-se o Colégio Farias Brito, fundado por Ari de Sá Cavalcante, no antigo Colégio São João, em Fortaleza. O colégio veio a tornar-se a rede de ensino particular Farias Brito que atua nos ensinos fundamental, médio e superior e, seguindo os ideais de seu patrono, ensina filosofia a partir da 1ª série do Ensino Fundamental, quando seus alunos aprendem filosofia antes de saberem ler.
  • Para homenageá-lo, o município cearense de Quixará passou a ser denominado Farias Brito.
  • Em Manaus, a Secretaria de Educação, através da Coordenadoria Distrital I, tem a Escola Estadual Farias Brito, localizada entre os bairros do Centro e Praça 14 de Janeiro.
  • Em São Benedito nomeou-se uma escola pública administrada pelo estado localizada próximo ao centro da cidade. A casa onde nasceu é até hoje conservada.

Notas de rodapé[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Brito 2006, p. 333-334
  2. Tejada 1952, p. 55
  3. a b c Sanson 1984, pp. 141-145
  4. MAGALHÃES, Zelito Nunes (2008). História da Maçonaria no Ceará. Fortaleza: Grande Loja Maçônica do Estado do Ceará. 248 páginas 
  5. a b c d Mattos 1962, pp. 122-133
  6. a b Brito 2006, p. 85
  7. Mattos 1962, pp. 43-47
  8. Mattos 1962, pp. 111-120
  9. a b Tejada 1952, pp. 113-123
  10. a b c d Brito 2012, p. 20-47
  11. Brito 2006b, pp. 82-83.
  12. Tejada 1952, pp. 128-148.
  13. Salgado, Plínio. «Os fundamentos doutrinários». Frente Integralista Brasileira. Consultado em 16 de maio de 2020 
  14. Tejada 1952, pp. 73-88.
  15. Brito 2006, p. 290.
  16. Tejada 1952, pp. 93-108.
  17. Serrano 1939, pp. 261-263.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brito, Farias (2006). O Mundo Interior (PDF). Brasília: Senado Federal 
  • Brito, Farias (2006). A base física do Espírito (PDF). Brasília: Senado Federal 
  • Brito, Farias (2012). A Filosofia moderna (PDF). Brasília: Senado Federal 
  • Mattos, Carlos Lopes (1962). O pensamento de Farias Brito. São Paulo: Herder 
  • Serrano, Jonathas (1939). Farias Brito: o homem e a obra. [S.l.]: Companhia Editora Nacional 
  • Tejada, Francisco Elías (1952). As doutrinas políticas de Farias Brito. São Paulo: Leia 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia
Crystal Clear app Login Manager.png
A Wikipédia possui o
Portal de Biografias


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "nota", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="nota"/> correspondente