Leonardo Van Acker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2017). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Leonardo Van Acker
Nascimento 16 de janeiro de 1896
Bruges
Morte 1986 (90 anos)
São Paulo
Cidadania Bélgica
Ocupação filósofo

Leonardo Van Acker (Bélgica, 1896 - São Paulo, 1986) foi um filósofo belga-brasileiro considerado um dos maiores expoentes da filosofia brasileira do século XX.[carece de fontes?]

Vida[editar | editar código-fonte]

Leonardo Van Acker, nasceu na Bélgica, em 1896, radicando-se no Brasil na década de vinte, para onde foi substituir o Monsenhor Carlos Sentroul (1876-1933) na Faculdade de São Bento.[1] A faculdade beneditina foi assistida desde sua fundação pela Universidade de Louvain, onde Van Acker fez a sua formação e era professor.[1] Embora muito bem sucedido no magistério, onde conseguiu fazer muitos discípulos, notadamente a partir da integração desta faculdade à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo em 1946, nas décadas de trinta e quarenta teve muitos atritos com a liderança católica ligada ao Centro Dom Vital. Sendo um espírito aberto, na linha fixada por sua Universidade de origem, discordava da adesão cega à filosofia de Maritain e o desapreço pelas outras vertentes.[1] Com a criação do Instituto Brasileiro de Filosofia, em 1949, logo integrou-se ao seu trabalho, participando da diretoria e ali promovendo cursos livres.[1] Destacou-se pelo seu conhecimento da filosofia de Tomás de Aquino e Henri Bergson. Com a evidência de que a politização, de caráter pendular, da liderança católica nada tinha de filosófica, o entendimento da filosofia católica proposto por Van Acker passa a ser extremamente valorizado. Entre outros prêmios e honrarias, recebeu o prestigioso prêmio da Fundação Bunge, em 1963, por sua destacada carreira acadêmica e produção bibliográfica. Faleceu em São Paulo em 1986.

Informação sobre a Premiação da Fundação Bunge[editar | editar código-fonte]

Área: Ciências Humanas e Sociais - Filosofia Ano: 1963 Prêmio: Fundação Bunge

Síntese: Um dos pioneiros do ensino de filosofia no Brasil, Leonardo Van  Acker (1896-1986) dedicou quase quarenta anos de sua vida acadêmica às  atividades didáticas, nas quais se destacou pelo rigor  metodológico. Foi professor das faculdades de filosofia São Bento e  Sedes Sapientiae, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, e  membro fundador do Instituto Brasileiro de Filosofia, em São  Paulo. Profundo conhecedor das filosofias contemporâneas e com sólida  formação nos clássicos gregos e alemães, era sobretudo um seguidor de São Tomás de Aquino. Vários livros, ensaios e artigos compõem a produção  acadêmica de Van Acker, e muitos de seus escritos ainda permanecem  inéditos. Em Reflexões sobre a objetividade da filosofia, ele  demonstra a autonomia e o objetivo autêntico do conhecimento filosófico.  Outro livro de sua autoria, A filosofia bergsoniana, é considerado  um dos mais completos exames críticos do pensamento de Bergson já  produzidos no Brasil. Vários dos representantes das correntes filosóficas  contemporâneas consideram definitivos os juízos emitidos por Van Acker.  Sua contribuição intelectual também pode ser testemunhada pelos estudos  especiais que desenvolveu para congressos nacionais e  internacionais.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Curso de filosofia do direito. (Separata da Revista da Universidade Católica de São Paulo).
  • Introdução à filosofia-lógica. São Paulo : Saraiva, 1932. 322 p.
  • Filosofia e educação de S. Tomás de Aquino. São Paulo : Odeon, 1935. (Em colaboração com Maria Ignez de Moraes Cardim).
  • A filosofia Bergsoniana. São Paulo : Martins, 1959. 200 p.
  • Elementos de lógica clássica formal e material. 2. ed. completamente reformulada. São Paulo : Revista da PUC, 1971. 216 p.
  • A filosofia contemporânea. São Paulo : Convívio, 1981. 193 p. (Biblioteca do pensamento brasileiro, Textos, 1).
  • O tomismo e pensamento contemporâneo. Prefácio Miguel Reale. São Paulo : Convívio, 1983. 238 p.

Estudos sobre o autor[editar | editar código-fonte]

  • BIBLIOGRAFIA de Leonardo Van Acker. Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. 36, n. 145, p. 56-62, jan./mar. 1987.
  • CAMPOS, Arruda. Tomismo e neotomismo no Brasil. São Paulo : Grijalbo, 1968. p. 125-129.
  • _____. Leonardo Van Acker. (1896-1986). Convivium, São Paulo, v. 25, n. 4, p. 327-330, jul./ago. 1986.
  • DAMANTE, Hélio. Leonardo Van Acker. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 2 ago. 1986.
  • FERRAZ, Esther de Figueiredo. Professor doutor Leonardo Van Acker. Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. 35, n. 143, p. 242-245, jul./set. 1986.
  • LADUSÃNS, Stanislavs. Rumos da filosofia atual no Brasil; em auto-retratos. São Paulo : Loyola, 1976. p. 371-380.
  • MATTOS, Carlos Lopes de. Van Acker, Leonardo. Elementos de lógica clássica , formal e material. 2. ed. São Paulo, 216 p. Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. 22, n. 87, p. 369-371, jul./set. 1972.
  • MELO, Gladstone Chaves de. O pensamento filosófico no Brasil. Carta Mensal, Rio de Janeiro, v. 16, n. 202, p. 39-53, 1972.
  • PADOVANI, Humberto et al. História da filosofia. 2. ed. São Paulo : Melhoramentos, 1956. p. 495.
  • PAIM, Antonio. História das idéias filosóficas no Brasil. 5. ed. Londrina : Ed. UEL, 1997. p. 703-706.
  • REALE, Miguel. Prefácio. In : VAN ACKER, Leonardo. O tomismo e o pensamento contemporâneo. São Paulo : Convívio, 1983. xiv-238 p.
  • _____. Leonardo Van Acker (1896-1986). Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo, v. 35, n. 143, p. 1-2, jul./set. 1986.
  • SILVA, Antonio de Resende. O tomismo aberto de Van Acker. Um instrumento heurístico do saber contemporâneo. Rio de Janeiro : PUC, 1977. 177 p. (Tese de mestrado).
  • SOUZA, José Pedro Galvão de. Leonardo Van Acker e a renovação da filosofia do direito. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 21 ago. 1986.
  • VILLAÇA, Antonio Carlos. O pensamento católico no Brasil. Rio de Janeiro : Zahar, 1975. p. 165.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]