Jules Amédée Barbey d'Aurevilly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jules Amédée Barbey d'Aurevilly
Nascimento 2 de novembro de 1808
Saint-Sauveur-le-Vicomte
Morte 23 de abril de 1889 (80 anos)
Paris
Sepultamento Saint-Sauveur-le-Vicomte
Cidadania França
Irmão(s) Léon Barbey d'Aurevilly
Alma mater
  • Collège Stanislas de Paris
  • Universidade de Caen
Ocupação jornalista, ensaísta, romancista, poeta, crítico literário, escritor, historiador
Obras destacadas Les Diaboliques, Une vieille maîtresse, The Bewitched, The Story Without a Name
Movimento estético realismo literário, sobrenatural, dândi
Religião Igreja Católica
Assinatura
Barbey signature2.jpg

Jules Amédée Barbey d'Aurevilly (Saint-Sauveur-le-Vicomte, 2 de Novembro de 1808Paris, 23 de Abril de 1889) foi uma romancista e contista francês. Ele se especializou em contos de mistério que exploravam motivações ocultas e sugeriam o mal, sem se preocupar explicitamente com nada sobrenatural. Ele teve uma influência decisiva em escritores como Auguste Villiers de l'Isle-Adam, Henry James, Leon Bloy e Marcel Proust.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jules-Amédée Barbey - o d'Aurevilly foi uma herança posterior de um tio sem filhos - nasceu em Saint-Sauveur-le-Vicomte, Manche, na Baixa Normandia. Em 1827 foi para o Collège Stanislas de Paris. Depois de obter seu bacharelado em 1829, ele foi para a Universidade de Caen estudar direito, graduando-se três anos depois. Quando jovem, ele era um liberal e ateu,[2]  e seus primeiros escritos apresentam a religião como algo que se intromete nos assuntos humanos apenas para complicar e perverter as coisas.[3][4] No início da década de 1840, no entanto, ele começou a frequentar a comunidade católica e legitimista salão da Baronesa Amaury de Maistre, sobrinha de Joseph de Maistre. Em 1846 ele se converteu ao catolicismo romano.

Seus maiores sucessos como escritor literário datam de 1852 em diante, quando se tornou um crítico literário influente no jornal bonapartista Le Pays, ajudando a reabilitar Balzac e promovendo efetivamente Stendhal, Flaubert, e Baudelaire. Paul Bourget descreve Barbey como um idealista, que buscou e encontrou em seu trabalho um refúgio do mundo comum incompatível. Jules Lemaître, um crítico menos simpático, achava que os crimes extraordinários de seus heróis e heroínas, suas opiniões reacionárias, seu dandismo e esnobismo eram uma caricatura do byronismo.

Amada pelos decadentes do fin-de-siècle, Barbey d'Aurevilly continua sendo um exemplo dos extremos do romantismo tardio. Barbey d'Aurevilly sustentou fortes opiniões católicas,[5][6] ainda escreveu sobre assuntos picantes, uma contradição aparentemente mais perturbadora para os ingleses do que para os próprios franceses. Barbey d'Aurevilly também era conhecido por ter construído sua própria persona como um dândi, adotando um estilo aristocrático e insinuando um passado misterioso, embora sua ascendência fosse nobreza burguesa provinciana e sua juventude relativamente monótona. Inspirado pelo caráter e ambiente de Valognes, ele definiu suas obras na aristocracia da Normandia. Embora ele próprio não usasse o dialeto normando, seu exemplo encorajou o renascimento da literatura vernácula em sua região natal.

Jules-Amédée Barbey d'Aurevilly morreu em Paris e foi enterrado no cimetière du Montparnasse. Em 1926, seus restos mortais foram transferidos para o cemitério de Saint-Sauveur-le-Vicomte.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Ficção

  • Le Cachet d’Onyx (1831).
  • Léa (1832).
  • L'Amour Impossible (1841).
  • La Bague d’Annibal (1842).
  • Une vieille maîtresse (A Former Mistress, 1851)[a]
  • L'Ensorcelée (The Bewitched, 1852; um episódio da revolta monarquista entre os camponeses normandos contra a primeira república).
  • Le Chevalier Des Touches (1863)
  • Un Prêtre Marié (1864)
  • Les Diaboliques (The She-Devils, 1874; uma coleção de contos , cada um dos quais relata a história de uma mulher que comete um ato de violência ou vingança, ou outro crime).
  • Une Histoire sans Nom (A história sem nome, 1882).
  • Ce qui ne Meurt Pas (What Never Dies, 1884).

Ensaios e críticas

  • Á Rebours (1884), in Le Constitutionnel, 28 July 1884.
  • Du Dandysme et de Georges Brummel (1845).
  • Les Prophètes du Passé (1851).
  • Les Oeuvres et les Hommes (1860–1909).
  • Les Quarante Médaillons de l'Académie (1864).
  • Les Ridicules du Temps (1883).
  • Pensées Détachées (1889).
  • Fragments sur les Femmes (1889).
  • Polémiques d'hier (1889).
  • Dernières Polémiques (1891).
  • Goethe et Diderot (1913).
  • L'Europe des Écrivains (2000).
  • Le Traité de la Princesse ou la Princesse Maltraitée (2012).

Poesia

  • Ode aux Héros des Thermopyles (1825).
  • Poussières (1854).
  • Amaïdée (1889).
  • Rythmes Oubliés (1897).


Suas obras completas são publicadas em dois volumes da Bibliothèque de la Pléiade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jean Canu, Barbey d'Aurevilly, 1945
  • Roger Besus, Barbey d'Aurevilly, 1958
  • Catherine Boschian-Campaner, Barbey d'Aurevilly, Paris, Seguier, 1989
  • Jean-Pierre Thiollet, Barbey d'Aurevilly, 2006 ; Carré d'Art : Byron, Barbey d'Aurevilly, Dali, Hallier, 2008

Referências

  1. «Jules-Amédée Barbey d'Aurevilly | French author and critic». Encyclopedia Britannica (em inglês) 
  2. Robinson-Weber, Anne-Gaëlle (2000). "Présentation de l'Auteur." In: Jules Barbey d'Aurevilly, Les Diaboliques, Paris: Bréal, pp. 15–17.
  3. Rousselot, Marguerite (2002). "Une Vieille Maitresse, Roman d'un Jules Barbey d'Aurevilly a-religieux ou Converti?". In: Roman et Religion en France (1813–1866). Paris: ed. Honoré Champion.
  4. Rudwin, Maximilian J. (1921). "The Satanism of Barbey d’Aurevilly," The Open Court, Vol. XXXV, No. 2, pp. 83–90.
  5. Guérard, Albert Leon (1913). "The Gospel of Authority – Barbey d’Aurevilly and Veuillot." In: French Prophets of Yesterday. London: T. Fisher Unwin, pp. 43–49.
  6. Beum, Robert (1907). "Ultra-Royalism Revisited: An Annotaded Bibliography," Modern Age, Vol. 39, No. 3, pp. 311–312.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.


Erro de citação: Existem etiquetas <ref> para um grupo chamado "lower-alpha", mas não foi encontrada nenhuma etiqueta <references group="lower-alpha"/> correspondente