Louis Édouard Pie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Louis-Édouard-François-Désiré Pie
Cardeal da Igreja Católica
Bispo de Poitiers
Cardeal Pie
Atividade eclesiástica
Diocese Diocese de Poitiers
Predecessor André-Joseph Guitton
Sucessor Jacques-Edne-Henri-Philadelphe Bellot des Minières
Mandato 18491880
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 25 de maio de 1839
Catedral de Chartres
por Claude-Hippolyte Clausel de Montals
Nomeação episcopal 28 de setembro de 1849
Ordenação episcopal 25 de novembro de 1849
Catedral de Chartres
por Claude-Hippolyte Clausel de Montals
Cardinalato
Criação 12 de maio de 1879
por Papa Leão XIII
Ordem cardeal-presbítero
Título Santa Maria della Vittoria
Lema Ego Tuus sum
Dados pessoais
Nascimento Pontgouin
26 de setembro de 1815
Morte Angoulême
18 de maio de 1880 (64 anos)
Nacionalidade francês
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Louis-Édouard-François-Désiré Pie (Pontgouin, 26 de setembro de 1815 - Angulema, 18 de maio de 1880) foi um bispo e cardeal francês ultramontano, destacado defensor da doutrina do reinado social de Jesus Cristo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu no seio de uma família pobre, mas piedosa, da região de Beauce. Seu pai era ferreiro e sua mãe uma humilde camponesa. Quando ainda não tinha cumprido oito anos, faleceu seu pai, pelo que a família passou grandes dificuldades econômicas e o jovem Édouard recolhia estrume para a fogo. Aos dez anos entrou de acólito na paróquia e o cura tomou-o baixo sua proteção e começou a dar-lhe lições de latim, com o fim de orientar-lhe ao seminário.[1] Cursou seus primeiros passos na carreira eclesiástica e nos estudos teológicos no Seminário do Santo Suplício, em Paris, depois do qual foi ordenado sacerdote em 1839, e celebrou sua primeira missa no dia da Trindade.[2]

Foi nomeado vigário geral de Monsenhor Clausel de Montais, bispo de Chartres, e em 1849 o papa Pio IX preconizou-lhe bispo de Poitiers no Consistório de 28 de setembro, quando contava com 34 anos de idade.[2]

Consagrado em 25 de novembro, fez sua entrada em Poitiers em 8 de dezembro, festa da Imaculada Conceição. Seu devoção à Virgem Maria fez-lhe tomar por lema: Tuus sum ego («Eu sou teu»).[2]

Segundo a Revista religiosa O Século Futuro, distinguiu-se «por seu zelo ardente por restaurar tudo em Cristo», pelo que chegou a ser qualificado de novo Hilário. Contribuiu muito a fazer que se conferisse a Santo Hilário, e mais tarde a São Francisco de Sales, o título de Doutor da Igreja.[2]

Em notáveis escritos defendeu a doutrina católica íntegra e combateu infatigavelmente o naturalismo e o liberalismo em suas múltiplas variedades. Trabalhou para voltar à celebração dos concílios provinciais, cujos decretos executou conforme ao espírito que os tinha inspirado, e estendeu os estatutos que tinham preparado vinte e quatro sínodos diocesanos.[3]

Ameaçado com o rigor do poder civil, não deixou de defender os direitos da Igreja e da Santa Sé. Com apostólica liberdade e com palavras que se fizeram célebres, estigmatizou aos que favoreceram a invasão dos Estados Pontifícios.[4]

Erigiu grande número de paróquias, consagrou cento e vinte e uma igrejas e conferiu a dignidade episcopal a quatro de seus sacerdotes. Também foi solícito com os seminários, os colégios, os hospitais e as casas de órfãos.[4]

Fundou assim mesmo, com o nome de Oblatos de Santo Hilário, uma congregação diocesana de presbíteros auxiliares, para cumprir as diferentes funções do ministério eclesiástico. Fez vir a sua diocese muitas famílias religiosas, e foi seu protetor e pai até o ponto de que, sem ser monge, ele mesmo mereceu ser chamado «o amigo devotíssimo dos monges».[4]

No Concílio Ecumênico do Vaticano I participou de maneira preponderante na definição da doutrina católica a respeito de Deus, da Igreja, da autoridade e da infalibilidade do Soberano Pontífice, pelo que um biógrafo católico seu disse dele que tinha fechado o caminho «a todos os sofismas do erro».[4]

Por suas qualidades e méritos, atingiu a honra da púrpura pelo Papa Leão XIII, que lhe criou cardeal-presbítero da igreja romana de Santa Maria da Victoria, no Consistório de 12 de maio de 1879.[4]

Em política foi marcadamente antiliberal e ultramontano. Muito amigo de Louis Veuillot,[1] foi partidário do legitimismo francês, ocupando a presidência em muitos de seus atos. Também apoiou aos carlistas espanhóis exilados na França. O Conde de Chambord queria-o como a um pai e manteve assim mesmo amizade com o Duque de Madri, que lhe chamou para batizar a suas filhas. Segundo o carlista Conde de Kenty, o movimento católico francês girava ao seu redor.[5]

Governou a Igreja em Poitiers trinta anos, cinco meses e vinte e três dias, e morreu no palácio episcopal de Angulema aos 65 anos de idade, o 18 de maio de 1880.[4]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]