Sílabo dos erros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Sílabo dos Erros de Nossa Época (Syllabus Errorum, em latim) foi promulgado pelo Papa Pio IX, em 1864. O documento contém oitenta pontos, ou opiniões consideradas erradas pela autoridade da Igreja. Foi publicado como apêndice da encíclica Quanta cura. Uma de suas proposições condenadas diz: "O Pontífice Romano pode e deve se reconciliar e chegar a um acordo com o progresso, o liberalismo e a cultura moderna".

Antero de Quental, em 1865, faria uma paradoxal defesa do documento, dedicada "A todos os Católicos sinceros e convictos. A todos os Hereges sinceros e convictos. Testemunho de boa fé".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CARVALHO, Joaquim de. A evolução espiritual de Antero. Ensaio breve de interpretação. Lisboa: Separata da Seara Nova, 1929. link.
  • MARTINS, António Manuel. Recepção em Portugal das Encíclicas sobre o Liberalismo: Mirari Vos, Quanta Cura e Immortale Dei. Lusitania Sacra 1 (1989): 41-80. link.
  • PIUS PP. IX. Quanta cura. Romae, 1864. link.
  • QUENTAL, Antero de. Defesa da carta encyclica de Sua Santidade Pio IX contra a chamada opinião liberal. Considerações sobre este documento por... Coimbra: Imprensa Litteraria, 1865. In-4.º, 31 p.