Valor Econômico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o conceito de valor em economia, veja Valor (economia).
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Fontes primárias, ou com conflitos de interesse, não são adequadas para verbetes enciclopédicos. Ajude a incluir referências.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas em seu conteúdo. Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes fiáveis e independentes.
Valor Econômico
Slogan Seu melhor investimento
Editor Vera Brandimarte
Frequência Segunda a sexta-feira
Circulação 62 mil (impresso: 40 mil, digital 22 mil)
Categoria Notícias, economia, finanças, investimentos
País  Brasil
Idioma português
Formato Standard[1]
Fundação 2 de maio de 2000
Baseada em São Paulo, São Paulo
valor.com.br

Valor Econômico é um jornal de economia, finanças e negócios brasileiro, criado a partir de uma parceira entre os grupos Folha e Globo, respectivamente responsáveis por também publicar os jornais Folha de S.Paulo e O Globo. O periódico teve a sua primeira edição publicada em 2 de maio de 2000. Foi lançado para concorrer com a Gazeta Mercantil, que sucumbiu em uma crise financeira no fim de 2009.[2][3] De outubro de 2009 a julho de 2015, enfrentou outro concorrente: o Brasil Econômico, lançado pelo grupo português Ongoing.[3]

Após mais de 15 anos de parceria, a participação do Grupo Folha no jornal foi vendida para o Grupo Globo, que anunciou a aquisição em 13 de setembro de 2016.[4][5] A mudança societária fez com que o Grupo Globo se tornasse a única empresa que mantém a publicação.[4][5] O negócio deve ainda passar por aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).[4][5]. Cada uma das empresas detinham 50% de participação no negócio, que previa em contrato que caso uma das empresas oferecesse uma oferta pela parte da outra, a que cobrisse a oferta ficaria com o jornal.[6] A Folha fez uma oferta e não conseguiu superar a feita pela Globo, que foi avaliada em R$ 20 milhões.[6]

O jornal circula de segunda a sexta-feira e, atualmente, estabelece a marca dos 62 mil exemplares vendidos. O número estimado de leitores fica em torno de 163 mil.[carece de fontes?]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O jornal aborta principalmente informações e notícias sobre Economia, finanças e empreendedorismo, dividindo os temas mais específicos em cadernos relacionados. Um total de cadernos estão atualmente em circulação nacional, enquanto um possui apenas circulação regional (restrito a SP, RJ e Brasília). Diferente dos demais, o caderno "EU & Fim de Semana" tem saída apenas às sextas-feiras.

Cadernos[editar | editar código-fonte]

  • Caderno A: Agrega notícias e análises sobre macroeconomia, política nacional e internacional, além de acolunas.
  • Caderno B - Empresas: Agrega notícias e análises sobre o setor empresarial, sobretudo no Brasil; mas também inclui matérias traduzidas do The Wall Street Journal.
  • Caderno C - Finanças: Agrega dados de movimentações e tendências financeiras nacionais e internacionais, incluindo tabelas de câmbio, juros, taxas e fundos de investimento.
  • Caderno D - EU & Investimentos: Agrega informações sobre o mercado de capitais, companhias abertas e opções de investimento.
  • Caderno E Legislação & Tributos: Agrega notícias, análises e informações sobre questões nacionais de jurisdição empresarial e tributação.
  • Caderno EU & Fim de semana: Publica entrevistas e matérias sobre arte, cultura, economia, política, ciências, dentre outros assuntos.

Anuários[editar | editar código-fonte]

O Valor Econômico publica, anualmente, artigos sobre carreira, setores econômicos e o cenário empresarial, normalmente incluindo listas ou rankings. São eles:

  • Valor1000: Resultante de estudos realizados pela FGV e analisados pela Serasa Experian[carece de fontes?], trata-se de uma análise de 25 setores da economia brasileira; assim como as 1000 maiores empresas do país, as 50 maiores por região, os 100 maiores bancos e as 250 maiores holdings.
  • Valor Grandes Grupos: Informações sobre as maiores organizações empresariais do país, incluindo rankings e organogramas acionários
  • Valor Carreira: Pesquisa desenvolvida pela Hewitt Associates [carece de fontes?] com relação a carreira profissional de pessoas em diferentes países.
  • Executivo de Valor: Os maiores executivos em ao menos 20 setores da economia brasileira.
  • Multinacionais Brasileiras: Análise das organizações multinacionais brasileiras que possuem maior atividade global, com ranking das empresas com maior presença no exterior.

Revistas Valor[editar | editar código-fonte]

As publicações em revista do Valor Econômico apresentam análises e estudos sobre alguns setores da economia brasileira. São elas:

  • ValorInveste: É publicada mensalmente com informações que incluem panoramas mensais de investimentos, opções de aplicação financeira e dicas de consumo alternativo. Além de algumas seções sobre lazer, turismo etc.
  • Valor Estados: Contém pesquisas e artigos sobre o cenário econômico, perspectivas futuras, e informações sobre oportunidades de investimento em cada estado brasileiro.
  • Valor Setorial: Publica artigos sobre estratégias do setor empresarial, competitividade mercadológica e notícias sobre desafios de diferentes setores da economia brasileira.
  • Valor Especial: Publica análises de temas diversos em destaque na sociedade e procura expor de que forma esses fatos impactam na economia e se suscitam tendências de investimentos.
  • Valor Financeiro: Publica artigos e pesquisas sobre particularidades de setores econômicos do Brasil, como bancos de investimento, financeiras, leasing, seguradoras, empresas de previdência, distribuidoras e corretoras.

Plataforma digital[editar | editar código-fonte]

O Valor Econômico tem presença considerável nos meios digitais, disponibilizando aplicativos desenvolvidos para iPhone, Blackberry, iPad e Android.

Referências

  1. «Valor econômico». Folha da manhã, Glogo 
  2. «'Gazeta Mercantil' pode circular pela última vez nesta sexta». "Uma crise nas finanças da empresa em 2003 fez com que o jornal fosse assumido pela CBM". G1. 29 de maio de 2009. Consultado em 2 de outubro de 2018 
  3. a b Estadão Conteúdo (14 de setembro de 2016). «Globo passa a deter 100% do 'Valor'». A Tarde. Consultado em 14 de setembro de 2016 
  4. a b c «Grupo Globo compra participação do Grupo Folha no 'Valor Econômico'». O Globo. 13 de setembro de 2016. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  5. a b c Luiz Gustavo Pacete (13 de setembro de 2016). «Globo e Folha criaram ícone econômico». Meio&Mensagem. Consultado em 13 de setembro de 2016 
  6. a b «Globo pagou 20 milhões de reais pela participação da Folha no Valor Econômico». Radar On-line. Veja.com. 13 de setembro de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]