Valor Econômico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o conceito de valor em economia, veja Valor (economia).
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde outubro de 2011).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas.

Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes válidas. Utilize o campo de resumo para uma breve explicação das alterações e, se achar necessário, apresente mais detalhes na página de discussão.

Valor Econômico
Slogan Seu melhor investimento
Editor Vera Brandimarte
Frequência Segunda a sexta-feira
Circulação 62 mil (impresso: 40 mil, digital 22 mil)
Categoria Notícias, economia, finanças, investimentos
País  Brasil
Idioma português
Formato Standard[1]
Fundação 2 de maio de 2000
Baseada em São Paulo, São Paulo
valor.com.br

Valor Econômico é um jornal de economia, finanças e negócios brasileiro, criado a partir de uma parceira entre os grupos Folha e Globo, respectivamente responsáveis por também publicar os jornais Folha de S.Paulo e O Globo. O periódico teve a sua primeira edição publicada em 2 de maio de 2000. Foi lançado para concorrer com a Gazeta Mercantil, que sucumbiu em uma crise financeira no fim de 2009.[2][3] De outubro de 2009 a julho de 2015, enfrentou outro concorrente: o Brasil Econômico, lançado pelo grupo português Ongoing.[3]

Após mais de 15 anos de parceria, a participação do Grupo Folha no jornal foi vendida para o Grupo Globo, que anunciou a aquisição em 13 de setembro de 2016.[4][5] A mudança societária fez com que o Grupo Globo se tornasse a única empresa que mantém a publicação.[4][5] O negócio deve ainda passar por aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).[4][5]. Cada uma das empresas detinham 50% de participação no negócio, que previa em contrato que caso uma das empresas oferecesse uma oferta pela parte da outra, a que cobrisse a oferta ficaria com o jornal.[6] A Folha fez uma oferta e não conseguiu superar a feita pela Globo, que foi avaliada em R$ 20 milhões.[6]

O jornal circula de segunda a sexta-feira e, atualmente, estabelece a marca dos 62 mil exemplares vendidos. O número estimado de leitores fica em torno de 163 mil.[carece de fontes?]

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O jornal aborta principalmente informações e notícias sobre Economia, finanças e empreendedorismo, dividindo os temas mais específicos em cadernos relacionados. Um total de cadernos estão atualmente em circulação nacional, enquanto um possui apenas circulação regional (restrito a SP, RJ e Brasília). Diferente dos demais, o caderno "EU & Fim de Semana" tem saída apenas às sextas-feiras.

Cadernos[editar | editar código-fonte]

  • Caderno A: Agrega notícias e análises sobre macroeconomia, política nacional e internacional, além de acolunas.
  • Caderno B - Empresas: Agrega notícias e análises sobre o setor empresarial, sobretudo no Brasil; mas também inclui matérias traduzidas do The Wall Street Journal.
  • Caderno C - Finanças: Agrega dados de movimentações e tendências financeiras nacionais e internacionais, incluindo tabelas de câmbio, juros, taxas e fundos de investimento.
  • Caderno D - EU & Investimentos: Agrega informações sobre o mercado de capitais, companhias abertas e opções de investimento.
  • Caderno E Legislação & Tributos: Agrega notícias, análises e informações sobre questões nacionais de jurisdição empresarial e tributação.
  • Caderno EU & Fim de semana: Publica entrevistas e matérias sobre arte, cultura, economia, política, ciências, dentre outros assuntos.

Anuários[editar | editar código-fonte]

O Valor Econômico publica, anualmente, artigos sobre carreira, setores econômicos e o cenário empresarial, normalmente incluindo listas ou rankings. São eles:

  • Valor1000: Resultante de estudos realizados pela FGV e analisados pela Serasa Experian[carece de fontes?], trata-se de uma análise de 25 setores da economia brasileira; assim como as 1000 maiores empresas do país, as 50 maiores por região, os 100 maiores bancos e as 250 maiores holdings.
  • Valor Grandes Grupos: Informações sobre as maiores organizações empresariais do país, incluindo rankings e organogramas acionários
  • Valor Carreira: Pesquisa desenvolvida pela Hewitt Associates [carece de fontes?] com relação a carreira profissional de pessoas em diferentes países.
  • Executivo de Valor: Os maiores executivos em ao menos 20 setores da economia brasileira.
  • Multinacionais Brasileiras: Análise das organizações multinacionais brasileiras que possuem maior atividade global, com ranking das empresas com maior presença no exterior.

Revistas Valor[editar | editar código-fonte]

As publicações em revista do Valor Econômico apresentam análises e estudos sobre alguns setores da economia brasileira. São elas:

  • ValorInveste: É publicada mensalmente com informações que incluem panoramas mensais de investimentos, opções de aplicação financeira e dicas de consumo alternativo. Além de algumas seções sobre lazer, turismo etc.
  • Valor Estados: Contém pesquisas e artigos sobre o cenário econômico, perspectivas futuras, e informações sobre oportunidades de investimento em cada estado brasileiro.
  • Valor Setorial: Publica artigos sobre estratégias do setor empresarial, competitividade mercadológica e notícias sobre desafios de diferentes setores da economia brasileira.
  • Valor Especial: Publica análises de temas diversos em destaque na sociedade e procura expor de que forma esses fatos impactam na economia e se suscitam tendências de investimentos.
  • Valor Financeiro: Publica artigos e pesquisas sobre particularidades de setores econômicos do Brasil, como bancos de investimento, financeiras, leasing, seguradoras, empresas de previdência, distribuidoras e corretoras.

Plataforma digital[editar | editar código-fonte]

O Valor Econômico tem presença considerável nos meios digitais, disponibilizando aplicativos desenvolvidos para iPhone, Blackberry, iPad e Android.

Referências

  1. «Valor econômico». Folha da manhã, Glogo 
  2. «'Gazeta Mercantil' pode circular pela última vez nesta sexta». "Uma crise nas finanças da empresa em 2003 fez com que o jornal fosse assumido pela CBM". G1. 29 de maio de 2009. Consultado em 2 de outubro de 2018. 
  3. a b Estadão Conteúdo (14 de setembro de 2016). «Globo passa a deter 100% do 'Valor'». A Tarde. Consultado em 14 de setembro de 2016. 
  4. a b c «Grupo Globo compra participação do Grupo Folha no 'Valor Econômico'». O Globo. 13 de setembro de 2016. Consultado em 13 de setembro de 2016. 
  5. a b c Luiz Gustavo Pacete (13 de setembro de 2016). «Globo e Folha criaram ícone econômico». Meio&Mensagem. Consultado em 13 de setembro de 2016. 
  6. a b «Globo pagou 20 milhões de reais pela participação da Folha no Valor Econômico». Radar On-line. Veja.com. 13 de setembro de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]