Diário de S. Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o também extinto jornal "Diário de São Paulo" lançado em 1929, veja Diários Associados.
Diário de S. Paulo
Capa da edição publicada em 23 de janeiro de 2018 (última edição pelo grupo Cereja Comunicação Digital)
Periodicidade diária
Formato tabloide
Sede São Paulo, SP
País Brasil
Slogan A força de São Paulo
Fundação 8 de novembro de 1884 (136 anos) como Diário Popular

23 de setembro de 2001 (19 anos)

Fundador(es) José Maria Lisboa
Américo de Campos
Proprietário 1º José Maria Lisboa e seus herdeiros (1884-1988)

Orestes Quércia (1988-2001)

Infoglobo (2001-2009)

Traffic (2009-2013)

5º Cereja Comunicação Digital (2013-2018)

6º Kléber Moreira (2019 -)

Página oficial Diário de S. Paulo

Diário de S. Paulo é um jornal brasileiro publicado na cidade de São Paulo. Até 2001 chamou-se Diário Popular. Atualmente, circula somente em versão digital.

História[editar | editar código-fonte]

Após fundar e trabalhar como diretor e redator do Correio Paulistano por quase vinte anos, Américo de Campos juntou-se a a seus colegas do Correio José Maria Lisboa e Rangel Pestana para fundar A Província de S.Paulo, em 1875. Em 1884, Campos e Lisboa foram demitidos pelo novo sócio da Província João Alberto Salles (1857-1904),[1] após protestarem contra a nova política editorial imposta por Salles, notadamente antilusitana.[2]

No fim de 1884, Campos e Lisboa fundaram o Diário Popular, com o apoio financeiro de Antônio Bento, abolicionista e dono do Jornal do Commercio de São Paulo, Hipólito Junior e Aristides Lobo.[3] Seu nome foi inspirado no homônimo português, e seus fundadores preconizaram sua linha editorial no primeiro número:

"[…] Não temos programa; nada valem compromissos que podem falhar, e ademais são conhecidas as ideias dos fundadores do Diário Popular e que suas individualidades valem bem um programa. A longa prática dos homens e das coisas nos ensinou a precisa independência e moderação, que será a norma das discussões em que nos empenharmos. Serão atendidas e dadas à publicidade todas as reclamações justas e feita por pessoa competente. Daremos franca inserção a artigos científicos, literários e políticos de reconhecido merecimento. A parte ineditorial será franca a todas as opiniões, exigindo-se, como de costume, responsabilidade do autor e moralidade nos escritos. Não aceitaremos "testas de ferro".

Américo de Campos

José Maria Lisboa
— Trecho do primeiro editorial do Diário Popular de 8 de novembro de 1884, republicado pelo Correio Paulistano em 11 de novembro de 1884.[4]
Capa do Diário sobre a Proclamação da República.

A primeira sede do jornal, na Rua da Imperatriz, abrigou diversos encontros entre políticos do fim do século 19, que debatiam ideias abolicionistas e republicanas.[5]

Originalmente um vespertino (o primeiro de São Paulo), caracterizava-se por ser um jornal de pequenos anúncios para pequenos negócios.[5] O balcão de publicidade costumava ficar lotado de pessoas, que escreviam seus próprios anúncios.[5] Tinha, por isso, uma tiragem razoável e, consequentemente, uma situação financeira sólida.[5][6]Dado o seu caráter "popular", era procurado para receber e intermediar donativos para as camadas mais pobres e acabou se engajando em diversas campanhas assistenciais.[7]

Após a Proclamação da República do Brasil, da qual era defensor, o jornal angariou grande popularidade. Aristides Lobo foi nomeado ministro do Interior do governo provisório,[8] Américo de Campos foi nomeado cônsul brasileiro para o Reino da Itália e José Maria Lisboa foi eleito deputado estadual por São Paulo.[9] Enquanto Lobo e Campos deixaram o jornal, voltando-se para a carreira política, Lisboa renunciou ao cargo e tornou-se o único dono do Diário Popular.

A partir de 1965, o jornal tornou-se um matutino e também passou a sair aos domingos. Três anos depois, em dezembro de 1968, lançou um novo vespertino, para concorrer com o Jornal Tarde, que havia sido lançado em 1966.[5] Chamado Popular da Tarde, era vinculado ao Diário Popular, especializado em esportes e circularia até novembro de 1988.

A aquisição por Quércia[editar | editar código-fonte]

O Diário entrou na década de 1980 à venda. Numa primeira tentativa, seus proprietários desistiram do negócio.[10] Em 1987, a situação financeira era crítica. Ao mesmo tempo, o governo do estado de São Paulo passou a realizar cada vez mais investimentos em publicidade no jornal. Em outubro de 1987, uma reportagem de O Estado de S. Paulo indicou que o Diário recebeu 11,1% dos gastos de publicidade do governo paulista naquele ano, ficando em terceiro lugar, atrás do próprio Estado, com 12,6%, e da Folha de S.Paulo, com 19,1%.[11]

Em maio de 1988, Rodrigo Lisboa Soares, bisneto de José Maria Lisboa, o fundador, anunciou a venda do Diário para Ary Carvalho, proprietário do jornal carioca O Dia, por 244 milhões de cruzados. No entanto, nos bastidores, corriam boatos de que o verdadeiro comprador era o governador de São Paulo, Orestes Quércia.[12][13] Este negou a compra do jornal até deixar a cargo público, em março de 1991, quando anunciou ter adquirido 30% do controle acionário do jornal naquele ano.[14] Na década de 2000, Quércia apresentou nova versão, de que havia adquirido o jornal em 1988, em sociedade com Carvalho.[15] Entre 1995 e 1998, o grupo de Quércia investiu 35 milhões de reais em um novo parque gráfico para o Diário.[16]

Infoglobo e anos finais[editar | editar código-fonte]

Em 2001, foi adquirido pela Infoglobo, empresa das Organizações Globo, proprietária também dos jornais O Globo e Extra. O grupo queria um jornal na região de São Paulo e mudou o título do veículo para Diário de S. Paulo,[17] mesmo nome de jornais lançados, em 1865[2][18] e em 1929, este por Assis Chateaubriand e que pertencia aos Diários Associados. A Infoglobo apresentou uma nova linha editorial para o jornal, menos popular e policial.

Em 15 de outubro de 2009, o empresário J. Hawilla, proprietário da rede de jornais Bom Dia, da empresa de marketing esportivo Traffic e da TV TEM, adquiriu o jornal, assim como o parque gráfico, localizado em Osasco.[19] Em 2 de setembro de 2013, a Traffic vendeu o controle acionário do jornal para o grupo Cereja Comunicação Digital.[20]

Após atravessar problemas financeiros e administrativos com a nova gestão, o jornal teve sua falência decretada pela 2.ª Vara de Falências de São Paulo, em 23 de janeiro de 2018,[21] saindo de circulação a versão impressa e o portal online.

Em outubro de 2019, o empresário Kléber Moreira anunciou a compra do título da Editora Cereja (detentora dos direitos) por trinta mil reais,[22] e reativou o periódico, nas versões online e impressa.[23][24]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Dicionário de Ruas. «Rua João Alberto Salles». Arquivo Histórico Municipal- Secretaria Municipal da Cultura de São Paulo. Consultado em 5 de junho de 2021 
  2. a b José Alfredo Vidigal Pontes. «Cronologia histórica do Grupo Estado». Estadão. Consultado em 6 de junho de 2021 
  3. Luís Sartorelli Bóvo (8 de novembro de 1965). «Diário Popular — um patrimônio histórico». São Paulo: Diário Popular. Diário Popular (29 763): 8.º caderno, p. 2 
  4. «"Diário Popular"». Correio Paulistano, Ano XXXI, edição 8470, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 11 de novembro de 1884. Consultado em 5 de junho de 2021 
  5. a b c d e «'Diário Popular' cancela festa: é o seu preito». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (29 151): 37. 9 de novembro de 1969. ISSN 1516-2931. Consultado em 5 de janeiro de 2019 
  6. Afonso Antonio de Freitas (1915). «A imprensa periódica de São Paulo desde os seus primórdios em 1823 até 1914, p.290». Biblioteca Digital da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Consultado em 13 de junho de 2021 
  7. «Associação dos Pequeninos Pobres». Folha da Manhã, ano IX, edição 2975, página 1. 10 de abril de 1934. Consultado em 13 de junho de 2021 
  8. Senado Federal do Brasil. «Aristides Lobo». Internet Archive. Consultado em 6 de junho de 2021 
  9. «1ª Legislatura -1891/1892 (Deputados Constituintes)». Assembleia Legislativa de São Paulo. Consultado em 6 de junho de 2021 
  10. Joyce Pascowitch (23 de maio de 1988). «Quase lá». Folha de S.Paulo, ano 68, edição 21600, Ilustrada, página A32. Consultado em 9 de junho de 2021 
  11. «Milionária propaganda do governador». São Paulo: S.A. O Estado de S. Paulo. O Estado de S. Paulo (34 561): 6. 28 de outubro de 1987. ISSN 1516-2931. Consultado em 9 de junho de 2021 
  12. «Dono do Dia compra jornal em São Paulo». Tribuna da Imprensa, ano XXXVIII, edição 11913, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 24 de maio de 1988. Consultado em 9 de junho de 2021 
  13. Hélio Fernandes (16 de junho de 1988). «Coluna de Hélio Fernandes». Tribuna da Imprensa, ano XXXVIII, edição 11933, página 9/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 9 de junho de 2021 
  14. «Quércia amplia seu controle na mídia de SP». Tribuna da Imprensa, ano XL, edição 12698, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 12 de maio de 1991. Consultado em 9 de junho de 2021 
  15. Luiz Antonio de Paula (2008). «As sete mortes do Diário Popular: 117 anos de um jornal à procura de identidade, p. 166». Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Consultado em 9 de junho de 2021 
  16. Alex Solnik e Orípedes Ribeiro (25 de julho de 1998). «Diário Popular:um veterano de cara nova». Manchete, ano 47 edição 2416, páginas 112 e 113/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 9 de junho de 2021 
  17. Conforme http://www.diariosassociados.com.br/linhadotempo/decada20.html, acessado em 08/12/2010
  18. «Edição nº7». Diário de S.Paulo, ano I, edição, 7, página 1/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 8 de agosto de 1865. Consultado em 6 de junho de 2021 
  19. «J. Hawilla compra Diário de S.Paulo» (PDF). Consultado em 7 de maio de 2010. Cópia arquivada (PDF) em 18 de dezembro de 2011 
  20. «Traffic vende o controle do Diário de S. Paulo e da Rede Bom Dia de Comunicação». Consultado em 11 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2013 
  21. Estadão Conteúdo (25 de janeiro de 2018). «Justiça decreta a falência do 'Diário de SP'». Istoé. Consultado em 25 de janeiro de 2018 
  22. Ivan Martínez-Vargas (8 de outubro de 2019). «Ex-candidato endividado compra Diário de S.Paulo por R$ 30 mil em parcelas». Folha. Consultado em 27 de novembro de 2019 
  23. Jornal Diário de S. Paulo anuncia retorno de sua versão impressa Portal Poder 360 - acessado em 2 de dezembro de 2019
  24. Diário de S. Paulo retoma atividades com plágios Portal Comunique-se - acessado em 2 de dezembro de 2019
  25. Esso (9 de dezembro de 1987). «Anúncio dos Vencedores do Prêmio Esso 1987». Jornal do Brasil, ano XCVII, edição 245, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 6 de junho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.