Arroio do Sal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Arroio do Sal
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Aniversário 25 de abril
Fundação 25 de abril de 1988 (29 anos)[1]
Gentílico arroio-salense[1]
Prefeito(a) Affonso Flavio Angst (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Arroio do Sal
Localização de Arroio do Sal no Rio Grande do Sul
Arroio do Sal está localizado em: Brasil
Arroio do Sal
Localização de Arroio do Sal no Brasil
29° 33' 03" S 49° 53' 20" O29° 33' 03" S 49° 53' 20" O
Unidade federativa  Rio Grande do Sul
Mesorregião Metropolitana de Porto Alegre IBGE/2008 [2]
Microrregião Osório IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Torres, Terra de Areia, Capão da Canoa, Lagoa Itapeva
Distância até a capital 175 km
Características geográficas
Área 120,939 km² [3]
População 8 921 hab. Censo IBGE/2016[4]
Densidade 73,76 hab./km²
Altitude 6 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,813 muito alto PNUD/2000 [5]
PIB R$ 74 671,635 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 10 503,82 IBGE/2008[6]
Página oficial

Arroio do Sal é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul, localizado junto ao Oceano Atlântico, fazendo parte do litoral norte do estado.

História[editar | editar código-fonte]

O município emancipou-se de Torres em 22 de abril de 1988.[1]

No início do Século XVII, navegantes espanhóis e portugueses deram início à exploração do Rio Grande do Sul e encontraram três principais grupos indígenas: Tupi-Guarani, Jês ou Tapuias e Pampeanos. Os Carijós, que habitavam os litorais gaúcho e catarinense, integravam o Tupi-Guarani. A presença deles em Arroio do Sal é comprovada através de evidências arqueológicas como cacos de cerâmicas e sambaquis.

Vale ressaltar que todo o Litoral Norte do Estado fez parte de sesmarias, ou seja, lotes de terras incultas ou abandonadas, que os reis cediam a quem se dispusesse a cultivá-las. Ao longo do tempo, elas foram compradas e vendidas até a área ser dividida em três latifúndios: o do norte recebeu o nome de Sítio Itapeva, o do centro de Estância do Meio e o do Sul de Sítio do Inácio.

Essas sesmarias, somada a mais uma doada em Torres, formaram quase 70 municípios ao longo dos séculos XIX e XX. A primeira região habitada de Arroio do Sal foi a Estância do Meio, que era subdividido em: Raizeira, Estância do Meio, Três Arroios e Figueiras. Tanto que, de acordo com o Mapa Estatístico das Propriedades do RS de 1846, a Estância do Meio contava com 17 propriedades.

Essas comunidades viviam do cultivo agrícola, do gado e da pesca realizada na Lagoa Itapeva, que geralmente era feita nas épocas de enchente e à noite. Até meados de 1920 os habitantes de Estância do Meio não tinham o costume de ir até o mar. À distância, de cerca de seis quilômetros, e as dificuldades eram grandes. O trecho era compreendido de matos, imensas dunas, inúmeros arroios e terrenos alagadiços.

Quando um morador se aventurou a chegar até a beira-mar, descobriu que lá havia peixe em abundância e com diversidade, além do marisco. Assim, a notícia se espalhou e outros moradores também passaram a fazer o trajeto e com mais freqüência.  Só que a ida e volta demandava muito tempo, tornando-se mais fácil acampar no local, então, os moradores de Estância do Meio passaram a construir cabanas onde ficavam por até 15 dias.

Por volta de 1939 e 1940, com o andamento da II Guerra Mundial o sal ficou escasso e alguns habitantes da Costa da Lagoa, se deslocavam até às margens do arroio, junto à figueira, para fabricar sal, retirando água do mar, em quantidade suficiente para suas necessidades. Por volta de 1939, um tropeiro vindo de Santa Catarina construiu uma moradia bem próxima aos cômoros, tornando-se o primeiro morador efetivo de Arroio do Sal.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude de 29º33'05" sul e a uma longitude de 49º53'20" oeste, estando a uma altitude de 6 metros. Sua população fixa foi estimada em 2016 em 8.921 habitantes. A população temporária na alta estação de veraneio alcança cerca de 100.000 habitantes. Possui uma área de 111,0 km².

Localizado a cerca de 30 km ao sul de Torres e 30 km ao norte de Capão da Canoa, o balneário está aproximadamente na metade do litoral norte do estado, distando 175 km de Porto Alegre, com a qual se conecta pelas estradas BR 101 e BR 290. O município é servido ainda pela RS-389, a Estrada do Mar, que liga Arroio do Sal a Torres, Capão da Canoa e Osório.

Nos seus 27 quilômetros de costa com o oceano Atlântico, Arroio do Sal abriga 60 balneários, entre eles a sede Arroio do Sal, Areias Brancas, Praia Pérola, ao lado, Bom Jesus, Figueirinha, Rondinha, São Pedro e Balneário Atlântico.

Turismo e lazer[editar | editar código-fonte]

Além das 48 praias, o município oferece diversos esportes marítimos e da areia, como vela, pesca, surf, jetski, windsurf, paddle e futebol, entre muitas outras modalidades.

Para o lazer, o município oferece atrações naturais e construídas como:

Carnaval de Rua[editar | editar código-fonte]

O município também é conhecido pelo seu Carnaval de rua, que é considerado o maior e melhor do Litoral Norte Gaúcho.

Hoje o Carnaval de Arroio do Sal conta com 6 escolas e 2 blocos, além do tradicional Gaiola das Loucas, segundo o livro "Arroio do Sal, crônicas de uma cidade", as primeiras manifestações carnavalescas na praia aconteceram logo no início do século XIX, mas o mais antigo de que se tem conhecimento é o Cordão do Já te atendo, de 1946.

Nos anos 50 se iniciam os carnavais de salão da SAAS (Sociedade dos Amigos de Arroio do Sal), em 1974 começam os desfiles de rua na cidade, e em 1987 a SAAS assume o carnaval de rua, em 1990 a SAAS divide a realização do Carnaval com a Prefeitura Municipal e em 1991 o carnaval passa definitivamente as mãos da Prefeitura.

Entre as entidades mais antigas que ainda estão em atividade, listam se:

  • CAMAS (Clube dos Amigos Malandros de Arroio do Sal) - 1978
  • Gigantes da Orla - 1982
  • Haja Saco - 1985
  • Saímos Sem Querê - 1987

CARNAVAIS[editar | editar código-fonte]

ANO CAMPEÃ TEMA ENREDO
1987 Gigantes da Orla Mar
1988 Saímos Sem Querê Tema Político
1989 Gigantes da Orla
1990 Gigantes da Orla Gigantes homenageia a colonização italiana
1991 Saímos Sem Querê Espacial
1992 Saímos Sem Querê Mulher
1993 Saímos Sem Querê Magia do Sete
1994 Saímos Sem Querê Mar
1995 Saímos Sem Querê Paixão do Povo Brasileiro
1996 Gigantes da Orla
2003 Gigantes da Orla
2004 Haja Saco Luau
2005 Saímos Sem Querê Maracutaia
2006 Saímos Sem Querê Vaidade
2007 CAMAS Saravá quero sambar!
2008 CAMAS Imigração Italiana
2009 CAMAS Circo
2010 Saímos Sem Querê Jogo
2011 Saímos Sem Querê Isto ou Aquilo
2012 Saímos Sem Querê Festas Populares
2013 Gigantes da Orla A magia da pintura facial
2014 Camas De Maria Fumaça o Camas sobe a serra e faz a festa
2015 Gigantes da Orla Perfume cheiro de feitiço pelo ar
2016 Desfiles Participativos
2017

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Histórico de Arroio do Sal no site do IBGE
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  4. «Censo Populacional 2016». Censo Populacional 2016. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2016. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.