Marau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Maraú.


Marau
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Marau
Bandeira
Brasão de armas de Marau
Brasão de armas
Hino
Gentílico marauense
Localização
Localização de Marau no Rio Grande do Sul
Localização de Marau no Rio Grande do Sul
Marau está localizado em: Brasil
Marau
Localização de Marau no Brasil
Mapa de Marau
Coordenadas 28° 26' 56" S 52° 12' O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Municípios limítrofes Passo Fundo, Ernestina, Nicolau Vergueiro, Ibirapuitã, Camargo, Santo Antônio do Palma, Vila Maria e Gentil
Distância até a capital 265 km
História
Fundação 28 de fevereiro de 1955 (64 anos)
Administração
Prefeito(a) Iura Kurtz (PMDB)
Características geográficas
Área total [1] 649,300 km²
População total (estimativa IBGE/2019[2]) 44 161 hab.
Densidade 68,01 hab./km²
Clima Temperado
Altitude 571 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 99150-000
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [3]) 0,83 muito alto
PIB (IBGE/2008[4]) R$ 1 107 505,890 mil
PIB per capita (IBGE/2008[4]) R$ 30 849,75

Marau é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

Marau faz parte da região do Rio Grande do Sul que foi colonizada por italianos, tendo eles se dedicado à agricultura e suinocultura.

O município deve seu nome à trágica história de um cacique bravio, de nome Maraú que, conforme a historiografia, percorria a Serra Geral em busca de alimento, frente a um bando de índios coroados. Estas excursões nem sempre foram pacíficas e há registros de saques a lavouras e mortandade de brancos. Também não eram de paz aqueles tempos em que os gaúchos - tropeiros e soldados da fronteira - e os estancieiros mobilizavam-se em torno dos ideais farroupilhas, mantendo a República Rio-Grandense. Além disso, o perigo representado pela presença de índios na região era um empecilho à vinda de mão-de-obra européia em imigração patrocinada pelo Império e já bem sucedida no caso dos alemães.

Nesse contexto, o extermínio do bando chefiado pelo temido cacique Marau era inevitável. Por volta de 1840, acusados de trucidar dois moradores da aldeia Passo Fundo das Missões, os índios foram perseguidos por uma escolta que atravessou o rio Capingüi e, às margens de um arroio, depois chamado de Mortandade, travaram a primeira batalha. Ainda no encalço dos índios fugitivos, a expedição prosseguiu em direção ao sudeste, exterminando o bando às margens de um rio maior. Esse batismo de sangue nomeou-o de rio Marau e com o mesmo nome também passou a ser chamada a região adjacente, povoada por caboclos.

Marau foi, durante muito tempo, apenas território para tropeio de gado. Depois, a Coroa distribuiu sesmarias para que os tropeiros e os militares se estabelecessem em estâncias. A vinda de alguns imigrantes das mais diversas pátrias fez surgir os primeiros núcleos populacionais, um denominado de Tope e o outro, de Marau. Este recebeu as primeiras famílias de imigrantes italianos por volta de 1904 e, mais tarde, tornou-se a sede do 5º Distrito de Passo Fundo, criado em 1916.

A vila e a zona rural desenvolveram-se com o trabalho árduo dos colonizadores, descendentes dos imigrantes italianos oriundos das regiões do Vêneto, Lombardia e Trentino, mas foi fundamental o estímulo dos frades capuchinhos, assistentes espirituais dos marauenses a partir de 1934.

Até a década de 1960, a agricultura de Marau manteve um caráter de subsistência, mas a criação de suínos já se transformara em atividade comercial desde a década de 1920, fomentada pelo frigorífico Borella e Cia Ltda. que, através de seus produtos, tornou a vila conhecida no mercado nacional.

Na década de 1970, a instalação de agências bancárias, o cooperativismo agrícola e a mecanização da lavoura alteraram radicalmente o perfil da produção marauense, voltando-a maciçamente para a monocultura. Entretanto, a crise no setor verificada na década de 1980, provocou não somente um grande êxodo rural, mas uma nova mudança na atividade. Hoje, beneficiada pelo terraceamento do solo, a agricultura volta-se para a diversificação de produtos e na pecuária ganham relevo a produção de leite e a avicultura, atendendo à demanda das indústrias de alimentos instaladas em Marau e na região. Ao todo, a agropecuária reúne mais de 1.700 estabelecimentos e ocupa o segundo lugar em valor adicionado no município.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 28º26'57" sul e a uma longitude 52º12'00" oeste, estando a uma altitude de 571 metros. Possui uma área de 649,300 km² e sua população estimada em 2019 é de 44 161[2] habitantes.

Economia[editar | editar código-fonte]

Nas duas últimas décadas, o parque industrial de Marau ganhou um impulso extraordinário, especialmente nos setores de alimentos, couros, metal-mecânico e equipamentos para avicultura e suinocultura, onde nos setores acima destacam-se as empresas Grupo Perdigão, Fuga Couros,Metasa e a americana GSI Group.

Atualmente, Marau se destaca como pólo industrial no cenário estadual, nacional e internacional, com cerca de 200 empresas, entre elas, 12 empresas de grande porte, totalizando mais de 6.500 empregos. Os demais empregos são oferecidos por cerca de 860 estabelecimentos comerciais e mais de 1.300 estabelecimentos do setor de prestação de serviços.

O desenvolvimento econômico modificou a demografia de Marau: de 25.216 habitantes registrados em 1996, o município passou a 33.378 habitantes em 2007.

Marau tem a característica mais marcante de seu desenvolvimento, que é a diversidade em todas as áreas, oriunda da vocação empreendedora de seu povo. Marau preserva em seu nome o passado indígena do Brasil e a memória das batalhas humanas pela ocupação de espaços, batalhas muitas vezes cruéis e quase sempre condenadas ao esquecimento.

Educação[editar | editar código-fonte]

O município conta com 36 escolas (16 pré-escolas, 17 de ensino fundamental e 3 de ensino médio). Possui duas instituição privada de ensino superior, sendo elas, a FABE - Faculdade de Administração da Associação Brasiliense de Educação e a Faculdade CESURG.

Saúde[editar | editar código-fonte]

A cidade conta com dois hospitais, o Hospital Cristo Redentor e o Hospital São Lucas. Estão disponíveis à população vários postos do Programa Saúde da Família (PSF), onde uma equipe está sempre à disposição para a realização de procedimentos básicos de saúde. Em casos mais complexos, a comunidade conta com o Pronto Atendimento 24 Horas e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), anexo ao HCR, além de entidades conveniadas ao SUS e outros convênios. Marau conta ainda com um moderno Centro de Diagnóstico anexo ao Hospital São Lucas.

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. a b «Estimativa populacional 2019 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2019. Consultado em 3 de setembro de 2019 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.