Porto Vera Cruz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Vera Cruz (Rio Grande do Sul).
Município de Porto Vera Cruz
Vista aérea de Porto Vera Cruz.

Vista aérea de Porto Vera Cruz.
Bandeira de Porto Vera Cruz
Brasão de Porto Vera Cruz
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 20 de março de 1992 (27 anos)
Gentílico porto-vera-cruzense
Prefeito(a) Delfor Barbieri[1] (PMDB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Porto Vera Cruz
Localização de Porto Vera Cruz no Rio Grande do Sul
Porto Vera Cruz está localizado em: Brasil
Porto Vera Cruz
Localização de Porto Vera Cruz no Brasil
27° 44' 09" S 54° 54' 03" O27° 44' 09" S 54° 54' 03" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Noroeste Rio-grandense IBGE/2008 [2]
Microrregião Santa Rosa IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Alecrim, Santo Cristo, Porto Lucena e Panambí  Argentina
Distância até a capital 546 km
Características geográficas
Área 114,420 km² IBGE/2018[3]
População 1 415 hab. est. IBGE/2018[3]
Densidade 12,37 hab./km²
Altitude 168[4] m
Clima subtropical úmido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,690 médio IBGE/2010[5]
PIB R$ 30 928,77 mil IBGE/2016[6]
PIB per capita R$ 18 150,69 IBGE/2016[6]
Página oficial
Prefeitura www.portoveracruz.rs.gov.br
Câmara camaraportoveracruz.rs.gov.br

Porto Vera Cruz é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul, localizado na mesorregião Noroeste Rio-grandense e na microrregião de Santa Rosa, a uma latitude de 27º44'09'' sul e a uma longitude de 54º54'03'' oeste, estando a uma altitude de 168 metros. Sua população estimada em 2018 era de 1 415 habitantes para uma área de 114,420 km². O município está localizado às margens do Rio Uruguai, que constitui a fronteira entre o Brasil e a cidade argentina de Panambí. Seu principal acesso é pela estrada RS-575.

Com uma taxa de urbanização da ordem de 24%,[7] o município contava, em 2009, com apenas um estabelecimento de saúde, vinculado ao Sistema Único de Saúde. Em 2010, seu Índice de Desenvolvimento Humano era de 0,690, considerado médio pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), cujas componentes eram de 0,661 para a renda, 0,827 para a longevidade, e 0,600 para a educação.[7]

Foi palco da Batalha de M'Bororé, confronto entre índios e bandeirantes paulistas, uma importante batalha fluvial na história do Brasil e da Argentina, pois evitou que a região compreendida entre os Rios Uruguai e Paraná, que atualmente pertence à Argentina, se tornasse território brasileiro.

História[editar | editar código-fonte]

Povoamento[editar | editar código-fonte]

Segundo evidências arqueológicas de destroços e outros objetos indígenas encontrados, em 1906, em localidades como Linha Roncador, Linha Borboleta e Lajeado Bugre, os primeiros habitantes da região foram índios guaranis que viviam às margens do Rio Uruguai.[8]

A colonização da região que viria a compor o atual município por descendentes europeus começou por volta de 1910, sendo relatado que os primeiros habitantes vieram através do Rio Uruguai, em função de atividades comerciais. Os novos moradores do território desmataram partes da região para construir ranchos. Entre a década de 1920 e de 1940, houve o maior afluxo de colonos na região, cujas etnias eram, majoritariamente, alemã, italiana, polonesa e russa. Além disso, pessoas vindas da Argentina também se fixaram nesta zona fronteiriça entre os dois países.[8]

Em 1943, com a expansão do comércio no atual território do município, habitantes oriundos dos municípios de Cerro Largo, Santo Cristo e, posteriormente, Santa Rosa chegaram ao município. Dentre tais habitantes, destacaram-se a chegada das famílias Andrade, Fandalin, Mieth, Marotis, Hilleshein, Schmitt, Adams, Dhein, Petrazzini, Barbosa, Pedroso, Seimetz e Rigo. O primeiro comerciante da região foi Pedro Andrade, membro da família de mesmo nome. Com a chegada do padre à região, fundou-se, em 1944, a sociedade religiosa denominada Capela Santa Cruz. A sede de tal sociedade era próxima à escola da comunidade, cujo primeiro professor foi Bandeira Marotis, por volta de 1947. Nessa época, houve a mudança, por parte dos moradores, do nome da localidade, que mudou de Lajeado Cafundó para Vera Cruz, sendo posteriormente alterada para Porto Vera Cruz, nome atual do município.[8]

Formação administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 1990, iniciou-se o movimento pela emancipação política e administrativa da região. Através da Lei nº 9588, de 20 de março de 1992, houve a criação do novo município, cuja instalação ocorreu em 1º de janeiro de 1993. Com isso, a área que compõe o município foi desmembrada de outros três municípios: Porto Lucena, Alecrim e Santo Cristo.[8]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Aduana argentina na fronteira física, criada pelo Rio Uruguai, entre Panambí e Porto Vera Cruz.

Localiza-se a uma a uma latitude de 27º44'09'' sul e a uma longitude de 54º54'03'' oeste, estando a uma altitude de 168 metros. Possui uma área de 114,420 km² e sua população estimada em 2018 de 1 415 habitantes.

É um município banhado pelas águas do rio Uruguai fazendo fronteira fluvial com a Argentina.

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia é marcada pela agricultura familiar e pesca no rio Uruguai, que exerce grande importância para o município devido à presença do porto fluvial da cidade.

Em 2016, o Produto Interno Bruto de Estrela Velha era de 30 928 770 reais. No mesmo ano, a maior parcela do PIB era devida aos serviços públicos de administração, defesa, seguridade social, educação e saúde, com um valor bruto adicionado de 12,1 milhões de reais. Em seguida, com o valor próximo de 11,9 milhões, estava o setor da agropecuária. O setor de serviços da esfera privada ficou em terceiro lugar, agregando cerca de 5,24 milhões de reais. A menor parcela do PIB deveu-se à indústria, que gerou apenas 905 mil reais para o município.[6] Abaixo está a série histórica do PIB do município, de 1999 a 2016:

Evolução do PIB de Porto Vera Cruz[6]

(em milhões de reais)

Setor primário[editar | editar código-fonte]

Residência rural em Porto Vera Cruz.
Vaca em cenário rural do município.

A área total de estabelecimentos agropecuários, em 2017, era de 9 516,06 hectares, dividos entre 494 estabelecimentos rurais. Os principais produtos cultivados em lavoura permanente são banana, laranja, tangerina, uva, manga e limão. Em lavouras temporárias, também são cultivados moranga, alho, amendoim, aveia, batata-inglesa, cana-de-açúcar, feijão, fumo, mandioca, melancia, melão, milho e soja. Em maquinário, havia 75 tratores, 27 semeadeiras e 7 colheitadeiras, além de 13 máquinas do tipo adubadeira e/ou do tipo de distribuidora de calcário. Quanto à pecuária, os principais rebanhos à época eram de suínos, bovinos e galináceos, com 7257, 10885 e 17579 cabeças, respectivamente.[9]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

Educação básica[editar | editar código-fonte]

Constituição Federal de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) determinam que os municípios devem gerir e organizar seu respectivo sistema de ensino. A constituição reserva também 25% da receita dos municípios, resultante de impostos e transferências, para a educação.[10][11] Entre as ações do poder público na educação, existem vários projetos dedicados a sanar deficiências em pontos particulares. Em 2017, o município contava com uma escola municipal de ensino pré-escolar, com 1 docente e 19 matrículas; três escolas de ensino fundamental, sendo uma municipal com 52 matrículas, e duas estaduais com 102 matrículas; e uma escola estadual de ensino médio, com 9 docentes e 41 matrículas.[12]

Educação de Porto Vera Cruz em números (2017)[12]
Nível Matrículas Docentes Escolas (total)
Ensino pré-escolar 19 1 1
Ensino fundamental 154 [nota 1] 3
Ensino médio 41 9 1

Em 2007, quando foi feita a primeira medição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) em Porto Vera Cruz, o indicador possuía os valores de 4,6 para os anos iniciais do ensino fundamental e 3,8 para os anos finais do ensino fundamental. Para os anos finais do ensino fundamental, o índice foi de 4,6 em 2009, de 3,8 em 2011, e de 4,9 em 2017, dez anos depois da primeira medição. O IDEB para os anos finais ficou acima da meta estabelecida para o município somente em 2009. A única escola de ensino médio do município, a Escola Estadual de Ensino Médio Tamandaré, teve seu IDEB como sendo 4,6 em 2017, sendo a meta estabelecida para 2019 de 5,1.[13] O fator "educação" do IDH no município atingiu em 2010 a marca de 0,600[7] - patamar considerado médio, de acordo com os padrões do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD)[14] - enquanto que a taxa de analfabetismo, indicada pelo último censo demográfico do IBGE, em 2010, foi de 9,20% para a população municipal com mais de 25 anos de idade.[7]

Educação superior[editar | editar código-fonte]

Em Porto Vera Cruz, há procura de cursos do ensino superior como direito, ciências contábeis, pedagogia, recursos humanos, serviço social, educação física, engenharia civil, licenciatura em matemática, técnico em enfermagem, administração, entre outros. Devido à falta de instituições que ofereçam tais cursos, estudantes têm que se deslocar pendularmente até a cidade de Santa Rosa, onde há campi de universidades como do Instituto Federal Farroupilha e da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. A Secretaria Municipal de Educação e Cultura oferece ajuda com o transporte para os estudantes.[15]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Ficheiro:Mapa de Porto Vera Cruz.png
Mapa urbano de Porto Vera Cruz mostrando a estrada RS-575, principal acesso à cidade.

A principal via de acesso terrestre é a RS-575.[16][17] Estando às margens do Rio Uruguai, o mesmo pode ser atravessado, conectando a cidade brasileira à cidade argentina de Panambí.

A frota municipal no ano de 2016 era de 820 veículos, sendo 429 automóveis, 16 caminhões, 4 caminhões trator, 94 caminhonetes, 23 camionetas, 4 micro-ônibus, 215 motocicletas, 4 motonetas, 10 ônibus, 4 utilitários e 17 outros tipos de veículos.[18] O órgão responsável pela gestão do transporte rodoviário no estado do Rio Grande do Sul é o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem - DAER, uma autarquia estadual fundada em 1937.[19] Entre suas competências estão o planejamento rodoviário, expedição de normas rodoviárias, construção, operação e conservação de rodovias, e o policiamento de trânsito rodoviário.[19]

Saúde[editar | editar código-fonte]

Até 2009, o município contava apenas com uma unidade ambulatorial do Sistema Único de Saúde (SUS), com especialidades médicas básicas e atendimento odontológico.[20] O município conta com veículo de transporte de pacientes, adquirido pela prefeitura.[21]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Localizado na fronteira da região Noroeste Rio-Grandense com a cidade argentina de Panambí, o município brasileiro possui recursos a serem explorados pela atividade turística, destacando-se o ecoturismo, além das seguintes atrações:[22]

  • Salto do Roncador: queda d'água com cerca de três metros de altura presente no Rio Uruguai, estendendo-se por 1,8 km. Ponto conhecido pelo barulho produzido pela queda d'água;[23]
  • Corredeira do Chico Alferez;
  • Paredão de Pedras;
  • Ilha dos Bugres.

Os principais eventos que ocorrem em Porto Vera Cruz são:[22]

  • Festa de Nossa Senhora dos Navegantes, com procissão e passeio de lancha, promovida pela Igreja Católica e apoiada pela Prefeitura Municipal;
  • A Semana do Município, com as tradicionais Festa do Dourado e Feira Municipal, promovida pela prefeitura municipal, sendo que no ano de 2014 houve a 1ª Expo Port;
  • O Jantar do Peixe, com preparo de vários pratos a base de peixe, promovido pela associação dos pescadores com apoio da Emater/Ascar e da Prefeitura;
  • A Semana Farroupilha;
  • Festa das Etnias, cujo propósito é resgatar as principais culturas que compõem etnicamente a população, como a italiana, alemã e polonesa.

Feriados[editar | editar código-fonte]

Assim como outros municípios do Rio Grande do Sul, são celebrados os feriados nacionais 1º de janeiro (Confraternização Universal), 21 de abril (Tiradentes), 1º de maio (Dia do Trabalho), 7 de setembro (Independência do Brasil), 12 de outubro (Nossa Senhora Aparecida), 2 de novembro (Finados), 15 de novembro (Proclamação da República) e 25 de dezembro (Natal)[24] e o feriado estadual de 20 de setembro (Revolução Farroupilha).[25]

Notas

  1. Não está disponível o número de docentes do ensino fundamental na fonte utilizada

Referências

  1. «PORTO VERA CRUZ». Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul. 2 de outubro de 2016. Consultado em 9 de janeiro de 2017 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. a b «Panorama de Porto Vera Cruz, RS». IBGE. Consultado em 4 de maio de 2019 
  4. «MUNICÍPIO DE PORTO VERA CRUZ». Cidade Brasil. Consultado em 21 de maio de 2019 
  5. «IDH de Porto Vera Cruz, RS». IBGE. Consultado em 4 de maio de 2019 
  6. a b c d «PIB de Porto Vera Cruz, RS». IBGE. Consultado em 4 de maio de 2019 
  7. a b c d «Porto Vera Cruz, RS». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Consultado em 6 de maio de 2019 
  8. a b c d «Histórico de Porto Vera Cruz, RS». IBGE. Consultado em 4 de maio de 2019 
  9. Cidades - IBGE (2017). «Censo Agropecuário». Consultado em 8 de maio de 2019 
  10. «Constituicao-Compilado». www.planalto.gov.br. Consultado em 6 de maio de 2019 
  11. Meta, Grupo. «Municípios devem gastar no mínimo 25% dos seus orçamentos com Educação - Reportagens TPE - Todos Pela Educação». Todos Pela Educação. Consultado em 6 de maio de 2019 
  12. a b Cidades - IBGE (2017). «Ensino, matrículas, docentes e rede escolar 2017». Consultado em 4 de maio de 2019 
  13. «IDEB - INEP». Consultado em 4 de maio de 2019 
  14. «O Atlas FAQ - Perguntas Frequentes». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Consultado em 6 de maio de 2019 
  15. Secretaria Municipal de Educação 2015, p. 31
  16. «Mapa Rodoviário 2015» (PDF). Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Rio Grande do Sul. Consultado em 6 de maio de 2019 
  17. «Deslizamento de terra bloqueia principal acesso a Porto Vera Cruz». G1. Consultado em 6 de maio de 2019 
  18. «Frota de Estrela Velha, RS». Consultado em 12 de fevereiro de 2019 
  19. a b «Quem Somos - DAER-RS». www.daer.rs.gov.br (em Por). Consultado em 6 de maio de 2019 
  20. Cidades - IBGE (2009). «Serviços de Saúde». Consultado em 8 de maio de 2019 
  21. «Saúde recebe veículo novo». Prefeitura Municipal de Porto Vera Cruz. 24 de julho de 2018. Consultado em 21 de maio de 2019 
  22. a b Secretaria Municipal de Educação 2015, p. 23-24
  23. «Conheça as atrações do Salto do Roncador, na fronteira com a Argentina». GaúchaZH. Consultado em 6 de maio de 2019 
  24. Feriados Nacionais de 2017. SuaPesquisa.Com, acesso 27 jan 2017
  25. Feriados 2011. Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas do Estado do Rio Grande do Sul, acesso 11 mar 2011

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.