Santa Helena (Paraná)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Santa Helena
  Município do Brasil  
Pôr-do-Sol visto do Condomínio Marinas
Pôr-do-Sol visto do Condomínio Marinas
Símbolos
Bandeira de Santa Helena
Bandeira
Brasão de armas de Santa Helena
Brasão de armas
Hino
Gentílico santa-helenense
Localização
Localização de Santa Helena no Paraná
Localização de Santa Helena no Paraná
Santa Helena está localizado em: Brasil
Santa Helena
Localização de Santa Helena no Brasil
Mapa de Santa Helena
Coordenadas 24° 51' 36" S 54° 19' 58" O
País Brasil
Unidade federativa Paraná
Região metropolitana Região Metropolitana de Toledo
Municípios limítrofes Entre Rios do Oeste, Missal, Diamante d'Oeste e São José das Palmeiras
Distância até a capital 617[1] km
História
Fundação 26 de maio de 1967 (55 anos)
Administração
Prefeito(a) Evandro Miguel Grade[2] (PSD, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total IBGE/2020[3] 754,701 km²
População total (estimativa IBGE/2021[4]) 27 036 hab.
Densidade 35,8 hab./km²
Clima subtropical (Cfa)
Altitude 258 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000[5]) 0,799 alto
PIB (IBGE/2018[6]) R$ 934 315,60 mil
PIB per capita (IBGE/2018[6]) R$ 35 652,74

Santa Helena é um município brasileiro do estado do Paraná. Santa Helena esta a uma altitude de 258 metros e fica no centro da Costa Oeste do Paraná, às margens do lago de Itaipu. Na formação deste lago, a cidade teve tomado um terço de seu território. Foi nesta ocasião que passou a ser conhecida como Terra das Águas.

Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2021, era de 27 036 habitantes.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Período Pré-Colonial[editar | editar código-fonte]

A região sudoeste do estado do Paraná começou a ser ocupada por grupos de caçadores-coletores a alguns milênios atrás. Segundo datação por carbono 14 obtida no sítio Ouro Verde I, localizado no município de Boa Esperança do Iguaçu, os mais antigos indícios da presença ameríndia na região correspondem a 9040 +- 400 anos Antes do Presente[7]. Esses primeiros habitantes da área compreendida pelos rios Paraná e Iguaçu provavelmente viviam em um clima mais seco e frio do que o atual, quando uma vegetação típica de campos se sobrepunha às florestas subtropicais de períodos mais recentes. Produziam diversos tipos de ferramentas de pedra, tais como raspadores, percutores e pontas de projétil geralmente associados à Tradição Umbu[8][9][10]. Quando o clima se tornou mais quente e os ambientes de floresta tornaram-se mais comuns em todo o atual oeste do Paraná, novas ferramentas foram produzidas pelos grupos que habitavam essa região, sendo estas tradicionalmente atribuídas à Tradição Humaitá[7][11]. Apesar desses primeiros habitantes da região certamente produzirem artefatos em ossos de animais, couro, fibras vegetais e madeira, a rápida decomposição desses materiais faz com que raramente sejam encontrados em sítios arqueológicos.

Em Santa Helena, vestígios dessas primeiras ocupações humanas no vale do rio Paraná foram encontrados em pelo menos 9 sítios arqueológicos. São eles: Brejo Seco[12], Córrego Caminho Verde 1[13], Córrego Caminho Verde 2[14], Córrego Caminho Verde 3[15], Córrego Lajeado 2[16], São Francisco Falso 3[17], São Francisco Falso 4[18], São Francisco Falso 5[19] e Corredeira[20].

Entre 4.000 e 2.500 anos atrás, teve início a migração de grupos indígenas ceramistas para o atual sudoeste do Paraná[9]. Vindos do Planalto Central, esses ancestrais dos povos Kaingang e Xokleng gradualmente assimilaram (ou expulsaram) as populações que habitavam a região, introduzindo a cerâmica e o cultivo do milho e da mandioca[7]. As aldeias eram normalmente compostas por casas subterrâneas, estruturas provavelmente construídas para enfrentar o clima frio dos vales e campos do Brasil Meridional, além de montículos feitos em terra para sepultamento dos mortos[21][22][23]. Também é atribuído à essas populações o manejo de diversas espécies de palmeiras e pinheiros, incluindo a araucária, sendo o pinhão um alimento importante na dieta dessas populações[9]. Em Santa Helena, remanescentes materiais relacionados a esses grupos foram identificados nos sítios Córrego Lageado 1[24], Rio São Vicente Chico[25] e Santa Helena[26].

Pelo vale do Paraná e seus afluentes também se expandiram os ancestrais dos atuais Guarani e demais povos falantes do tronco linguístico tupi-guarani, deixando diversos vestígios de sua presença no que posteriormente veio a ser o município de Santa Helena. Ocorrida a cerca de 2.000 anos atrás, a migração desses grupos sobre territórios até então ocupados por povos certamente ocasionou diversos conflitos[9]. Em Santa Helena, pelo menos 18 sítios arqueológicos contam com artefatos associados à Tradição Tupiguarani, o que sugere que a região foi intensamente habitada por Guaranis e outros grupos indígenas aparentados[27][28][29][30][31][32][33][34][35][36][37][38][39][40][41][42][43][44].Por sua vez, as datações radiocarbônicas obtidas nos sítios Lagoa Seca (1625 +- 60 AP), São Francisco Falso 1 (700 +- 55 AP) e Cafezal 2 (590 +- 55 AP), todos localizados em Santa Helena, confirmam a presença dessas populações nessa parte do vale do rio Paraná até praticamente a chegada dos europeus na América do Sul[45][46][47].

Colonização Europeia (séculos XVI-XIX)[editar | editar código-fonte]

As fontes escritas produzidas pelos espanhóis ao longo dos séculos XVI e XVII, período em que estes ocuparam o norte e oeste do Paraná, de fato atestam a presença considerável de ameríndios relacionados aos grupos Jê e Tupi-Guarani[48]. É o caso da expedição de Álvar Núñez Cabeza de Vaca, que atravessou boa parte desse território ainda na primeira metade do século XVI. Segundo o relato produzido por esse explorador castelhano, toda a área próxima a foz do rio Iguaçu era ocupada por aldeias Guaranis, os quais provavelmente já tinham tido algum contato com expedições portuguesas entre as décadas de 1520 e 1530[49]. Dentre as diversas populações chamadas genericamente de Guaranis pelos colonizadores, há relatos da presença de grupos como os Mimos, Chiques, Cheripas e Chiringuanás na região do atual município de Santa Helena[50].

A partir da segunda metade do século XVI, contudo, o contato crescente com colonizadores portugueses e espanhóis acabou por desestruturar as sociedades indígenas que habitavam as margens do rio Paraná. Doenças como gripe e varíola, até então inexistentes no continente americano, assim como as guerras e expedições militares europeias com o objetivo de conquistar territórios e capturar indígenas, diminuíram drasticamente as populações Guaranis[51]. Segundo consta, um dos resultados desse processo foi a reocupação de parte desses territórios por populações Kaingang e Xokleng a partir do século XVII, já que o sudoeste paranaense não foi ocupado de forma permanente pelas Coroas de Portugal e Espanha durante todo o período colonial[52].

No século XIX, por sua vez, há registro da presença esparsa de argentinos e paraguaios na margem esquerda do rio Paraná, quase sempre envolvidos com a extração de madeira e erva-mate. Além disso, embora não existissem centros urbanos, pequenos sítios e ranchos eram habitados por famílias de origem mestiça, fruto da interação de séculos entre europeus e ameríndios no sudoeste do Paraná. Esses ranchos frequentemente se localizavam nas proximidades de caminhos e rios utilizados no escoamento da madeira e erva-mate, sendo voltados tanto para a agricultura de subsistência quanto para eventuais trocas e vendas com viajantes[53]. Vestígios dessa discreta ocupação das terras entre os rios Paraná e Iguaçu foram identificados no sítio Uru, em Santa Helena, na forma de cerâmicas que uniam técnicas de produção indígena e europeia[54].

Fundação de Santa Helena (séculos XIX-XX)[editar | editar código-fonte]

Assim, a partir de meados do século XIX, a colonização do sul e oeste do Paraná foi baseada na exploração da madeira e da erva-mate. Esse trabalho era realizado principalmente por estrangeiros oriundos da Argentina e Paraguai, denominados de peão ou mensus, termo que remete a forma como era realizado o pagamento (mensal) por seu trabalho. Essa forma de exploração era chamada de "obrages" [55][56]. Apoiando-se na ausência virtual de controles fronteiriços e de núcleos habitacionais significativos, as “obrages” eram baseadas numa intensa exploração desses trabalhadores. Dentre os vários empresários donos de “obrages”, ganhou destaque a figura de Domingos Barthe, imigrante francês radicado na Argentina desde a década de 1860[57].

Segundo consta, no atual município de Santa Helena se localizava a sede dos empreendimentos de Barthe em terras brasileiras, sendo nomeada justamente “Central Barthe”. Conectada por caminhos e trilhas aos diversos pontos de exploração madeireira e ervateira, a Central Barthe também operava portos na margem esquerda do rio Paraná, a partir dos quais eram exportadas as cargas. Fundado em 1858, esse porto teria sido batizado de Santa Helena devido à devoção de Domingos Barthe por essa santa[50][58]. O contexto econômico aproveitado pelos donos de “obrages” só passaria por alterações significativas a partir da criação de colônias militares brasileiras às margens do rio Paraná e Iguaçu, durante os últimos anos do século XIX e primeiras décadas do XX[59]. De acordo com algumas fontes, o porto e a “Central Barthes” se mantiveram em funcionamento até a década de 1930[55][56].

Com o declínio progressivo da exploração da erva-mate ao longo da primeira metade do século XX, diversos problemas econômicos se abateram sobre as “obrages” enquanto modelo de negócio. Para além desses problemas econômicos e administrativos das “obrages”, a desestruturação das operações da empresa de Domingos Barthe também foi impulsionada pela passagem da Coluna Prestes pelo oeste paranaense, entre os anos de 1924 e 1925. Um dos episódios que simbolizam a tensão entre os tenentistas e os capatazes e administradores de “obrages” foi a destruição de uma ponte, localizada sobre o rio São Francisco Falso, a qual havia sido construída pela empresa de Domingos Barthe[50].

A chegada de colonos gaúchos e catarinenses à região também dataria da década de 1920, constituindo um núcleo pequeno denominado Santa Helena Velha, nas proximidades do rio Paraná. Em geral, se dedicavam a uma agricultura de baixa intensidade, voltada predominantemente para a subsistência, embora também atuassem na exploração eventual de madeira e erva-mate, tendo em vista a rentabilidade que essas atividades ainda geravam[50]. De acordo com algumas fontes, esses colonos chegavam principalmente através das Colonizadoras Alegretti e Meyer, Annes & Cia. Essas empresas colonizadoras recebiam incentivos do governo para trazer famílias que viessem morar na região. Os principais atrativos para esses colonos eram as terras férteis e de baixo preço existentes e a oportunidade de aumentar seus rendimentos[55][56]. Em sua maioria eram descendentes de italianos, alemães e poloneses, e, de início, se estabeleceram em pequenas propriedades. Em Santa Helena Velha há um memorial a esses pioneiros, a maioria pertencentes às seguintes famílias: Ferri, Prati, Gallo, Furlanetto, Tafarell, Thomé, Bertoncini, Fantinel, Bortolini, Noro, Cristófoli, Basso, Federizzi, Galeano, Paredes, Nadai, Nichetti, Fochezatto, Martinez, Agostini, Cattani, Chielli, Zanetti, Coppini, Colombelli, Pedretti e Castelli.[55][56]

Algumas décadas mais tarde, já nos anos 1950, a empresa Imobiliária Agrícola Madalozzo Ltda. adquiriu parte das terras que outrora pertenceram a Domingos Barthe, parte de um processo mais amplo de colonização ocorrido em todo o Oeste e Norte do Paraná nesse período. Contudo, a empresa não conseguiu convencer os moradores de Santa Helena Velha a venderem suas terras, o que a obrigou a constituir o núcleo urbano em área cerca de 11 quilômetros para norte[50].

Em virtude do estabelecimento do núcleo urbano, Santa Helena cresceu de forma rápida já em sua primeira década de existência, sendo posteriormente transformada em distrito do município de Medianeira. Em 1967, por força da Lei Estadual n° 5.497 de 3 de fevereiro daquele ano, Santa Helena foi emancipada, abarcando terras antes pertencentes tanto ao já citado município de Medianeira quanto Marechal Cândido Rondon[50]. O primeiro prefeito do novo município foi Arnaldo Weisseimer, sendo Paulo Sinval Prates o primeiro presidente da Câmara de Vereadores.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Por se localizar às margens do Lago de Itaipu, Santa Helena conta com um grande potencial turístico, que juntamente com a agricultura e a atividade industrial compõe o PIB da cidade. Durante a temporada de verão a cidade recebe aproximadamente 10 mil pessoas, grande parte proveniente dos países vizinhos Argentina e Paraguai. Os principais pontos turísticos de Santa Helena são:

Lago de Itaipu[editar | editar código-fonte]

Lago artificial que surgiu pelo represamento das águas do Rio Paraná quando da construção da Itaipu Binacional, em 1982. É um dos maiores lagos do mundo[carece de fontes?], com 29 milhões de metros cúbicos e 20 km de extensão em linha reta. Abriga diversas espécies em extinção e, na água, peixes nativos criados para compensar o desequilíbrio causado pela formação do lago. Possui diversas praias em suas margens e é palco de diversas competições e esportes náuticos.

Base Náutica[editar | editar código-fonte]

Com 1987mª de área construída, possui marina, deque, garagens de barcos, área para realização de eventos. A estrutura foi construída em 1997 para os Jogos Mundiais da Natureza, em um espaço de 116 hectares de área verde às margens do lago de Itaipu. No farol de 25 metros de altura, se tem uma visão de toda a cidade e parte do lago de Itaipu.

Morro dos Sete Pecados[editar | editar código-fonte]

É o segundo ponto mais alto do município, de onde se pode observar a paisagem do Lago Itaipu e de seu entorno. Um ponto natural de observação.

Refúgio Biológico de Santa Helena[editar | editar código-fonte]

Um istmo, com área total de 142,1 km , é uma unidade de conservação ambiental, que existia exemplares representativos da flora. A reserva foi oficialmente criada pela Itaipu Binacional no ano de 1984, com o objetivo principal de resgatar a fauna, por ocasião da formação do reservatório do lago de Itaipu e proteger. Propicia os estudos e pesquisas dos componentes naturais da região. O refúgio foi reflorestado pela Itaipu em 1981 tendo sido cultivadas 46 espécies, sendo 27 nativas. Ainda possui plantas distintas das matas nativas da região. A reserva abriga uma abundância de espécies da flora e fauna, inclusive espécies em risco de extinção. As estruturas existentes no espaço são as trilhas interpretativas com identificação de algumas plantas utilizadas para educação ambiental e recreação, e uma torre com 42 metros de altura, para observação do parque, de acesso restrito.

Balneário de Santa Helena[editar | editar código-fonte]

Área de lazer localizado às margens do Lago Itaipu, com 86 hectares , arborizada e bem cuidada. O espaço tem uma excelente infraestrutura de quiosques, churrasqueiras, tobogã, quadras poli esportivas, local para acampamento com barracas e trailer, lanchonetes, sanitários, galpões para realização de eventos (festas, exposições, festivais, entre outros) e área para estacionamento. É possível também praticar esportes náuticos, pesca esportiva e caminhadas no calçadão a beira da praia fluvial com 950 metros de orla. Todo o espaço interno encontra-se identificado com sinalização de uso turístico.

Praia Nova

Pesca Esportiva[editar | editar código-fonte]

Em Santa Helena, existem Curvinas e o Tucunaré, além de outras espécies típicas para pescaria esportiva.

Memorial Coluna Prestes[editar | editar código-fonte]

Na passagem da Coluna Prestes pela cidade, em 1925, uma ponte foi queimada para impedir a passagem das tropas legalistas. A ponte foi construída em 1900 e suas ruínas continuam lá, como patrimônio histórico do município, conhecido como “Ruínas da Ponte Queimada”. Próximo à ponte um monumento homenageia as tropas de Luís Carlos Prestes, considerado o “cavaleiro da esperança”. A escultura foi projetada em 1996 por Oscar Niemeyer.

Cristo Esplendor[editar | editar código-fonte]

Um monumento religioso contempla a grande religiosidade da comunidade de Santa Helena. A estátua de Jesus Cristo foi iniciada em 1999, no mandato do prefeito Silom Schimt, com previsão para ser inaugurada no ano de 2000 pois Santa Helena completaria 33 anos, a idade de Cristo; mas devido a inúmeros atrasos de ordem de planejamento, sua inauguração foi em 31 de dezembro de 2004, no último dia de mandato do então prefeito. O local possui capela para as orações e uma réplica de 1 metro de altura no seu interior. A estátua tem 12 metros de altura. É a maior estátua de bronze da América Latina[carece de fontes?]. Conta com rampa, para auxiliar a subida dos visitantes e fiéis.

Referências

  1. «Distâncias entre a cidade de Curitiba e todas as cidades do interior paranaense». EmSampa. Consultado em 22 de setembro de 2017 
  2. Zado sera oficiado Site O Presente - acessado em 14 de maio de 2018
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2020). «Área da unidade territorial - 2020». Consultado em 12 de setembro de 2021 
  4. a b «Estimativa populacional 2021 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2021. Consultado em 28 de agosto de 2021 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2018». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 12 de setembro de 2021 
  7. a b c Parellada, Cláudia Inês (2008). «Revisão dos sítios arqueológicos com mais de seis mil anos BP no Paraná: discussões geoarqueológicas». Fundação Museu do Homem Americano. FUNDHAMentos. VII: 118–135. Consultado em 26 de abril de 2022 
  8. Prous, André (1992). Arqueologia Brasileira. Brasília: Universidade de Brasília. ISBN 8523003169 
  9. a b c d Noelli, Francisco (2000). «A Ocupação Humana na Região Sul do Brasil: Arqueologia, Debates e Perspectivas 1872-2000». Universidade de São Paulo. Revista USP. II (44): 218-269. Consultado em 26 de abril de 2022 
  10. Okumura, Mercedes; Araújo, Astolfo (2013). «Pontas bifaciais no Brasil Meridional: caracterização estatística das formas e suas implicações culturais». Universidade de São Paulo. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia (23): 111–127. Consultado em 26 de abril de 2022 
  11. Dias, Adriana; Hoeltz, Sirlei (2010). «Indústrias Líticas em Contexto: o problema Humaitá na Arqueologia Sul-Brasileira». Sociedade de Arqueologia Brasileira. Revista de Arqueologia. 23 (2): 40–67. Consultado em 26 de abril de 2022 
  12. «Brejo Seco». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  13. «Córrego Caminho Verde 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  14. «Córrego Caminho Verde 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  15. «Córrego Caminho Verde 3». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  16. «Córrego Lajeado 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  17. «São Francisco Falso 3». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 
  18. «São Francisco Falso 4». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 
  19. «São Francisco Falso 5». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 
  20. «Corredeira». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 
  21. Prous, André (2006). O Brasil antes dos brasileiros: A pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. pp. 49–54. ISBN 8571109206 
  22. Reis, Maria José (2007). A Problemática Arqueológica das Estruturas Subterrâneas no Planalto Catarinense. Erechim: Editora Habilis 
  23. Araújo, Astolfo (2007). «A tradição cerâmica Itararé-Taquara: características, área de ocorrência e algumas hipóteses sobre a expansão dos grupos Jê no sudeste do Brasil». Sociedade de Arqueologia Brasileira. Revista de Arqueologia. 20 (1): 9–38. Consultado em 26 de abril de 2022 
  24. «Sítio Córrego Lageado 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  25. «Sítio Rio São Vicente Chico». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  26. «Sítio Santa Helena». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional 
  27. «Córrego do Meio 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  28. «Córrego do Meio 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 26 de abril de 2022 
  29. «Lajeado Progresso». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  30. «Fazenda Caburé 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 26 de abril de 2022 
  31. «Fazenda Caburé 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  32. «São Francisco Falso 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  33. «São Francisco Falso 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  34. «Trigal 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  35. «Carretão». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  36. «Cafezal 1». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  37. «Trigal 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  38. «Lagoa Seca». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  39. «Porto Verde». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  40. «Sítio da Mata». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  41. «Rio Dois Irmãos». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  42. «Areal 1». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Consultado em 26 de abril de 2022 
  43. «Areal 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  44. «Cafezal 2». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  45. Chmyz, Igor (1983). Projeto arqueológico Itaipu (1975-1983). Curitiba: Convênio Itaipu/IPHAN 
  46. Gregório de Souza, Jonas; Alcaina Mateos, Jonas; Madella, Marco (2020). «Archaeological Expansions in Tropical South America during the Late Holocene: Assessing the Role of Demic Diffusion». Public LIbrary of Science. PLOS ONE. 4 (15). doi:10.1371/journal.pone.0232367. Consultado em 26 de abril de 2022 
  47. Bueno, Lucas; Gilson, Simon-Pierre. «BRC14database Project». Brazilian Radiocarbon Database. Consultado em 26 de abril de 2022 
  48. Parellada, Cláudia Inês (2009). «O Paraná Espanhol: cidades e missões jesuíticas no Guairá». In: Graça, Rosemeire Odahara. Missões: conquistando almas e territórios. Curitiba: Imprensa Oficial. pp. 59–80 
  49. Cabeza de Vaca, Álvar Nuñez (1999). Naufrágios & Comentários. Porto Alegre: LP&M. pp. 124–126. ISBN 8525409537 
  50. a b c d e f «Cidades. Santa Helena. História & Fotos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 26 de abril de 2022 
  51. Monteiro, John (1998). «Os Guarani e a História do Brasil Meridional Séculos XVI-XVII». In: da Cunha, Manuela. História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras. pp. 475–498. ISBN 8571642605 
  52. Bogoni, Saul (2008). O Discurso de Resistência e Revide em Conquista Espiritual (1639), de Antonio Ruiz de Montoya: Ação e Reação Jesuítica e Indígena na Colonização Ibérica da Região do Guairá (Dissertação de Mestrado em Letras). Maringá: Universidade Estadual de Maringá. Consultado em 26 de abril de 2022 
  53. Pfluck, Lia Dorotéa (2016). «Os Caminhos pelo Oeste do Paraná, entre os Séculos XIX e XX, a Busca pelo Ensino de Geografia». Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Perspectiva Geográfica. 11 (15): 192. Consultado em 26 de abril de 2022 
  54. «Sítio Uru». Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 26 de abril de 2022 
  55. a b c d Colodel, Jose Augusto. Obrages e Companhias Colonizadoras: Santa Helena na História do Oeste Paranaense até 1960.Santa Helena/PR: Prefeitura Municipal,1988.inserir
  56. a b c d Sterchile, Adriela. Aspectos da história das instituições escolares de Santa Helena. Cascavel/PR: 2006
  57. Alcaráz, Alberto Daniel (2019). La empresa Domingo Barthe: Extractivismo yerbatero-maderero em la Fronteira Alto Paranaense 1870-1930. Posadas/ARG: Prometeo Libros. ISBN 9789875749436 
  58. Pfluck, Lia Dorotéa (2016). «Os Caminhos pelo Oeste do Paraná, entre os Séculos XIX e XX, a Busca pelo Ensino de Geografia». Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Perspectiva Geográfica. 11 (15): 190. Consultado em 22 de abril de 2022 
  59. Myskiw, Antonio Marcos (2009). A Fronteira como Destino de Viagem: A Colônia Militar de Foz do Iguaçu (1888/1907) (Tese de Doutorado em História). Niteroi: Universidade Federal Fluminense. Consultado em 26 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Paraná é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.