Oriximiná

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Oriximiná
"Princesa de Trombetas"
Vista da cidade a partir do rio Trombetas

Vista da cidade a partir do rio Trombetas
Bandeira de Oriximiná
Brasão de Oriximiná
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 9 de junho de 1894[1]
Gentílico oriximinaense[1]
Prefeito(a) Antonio Odinelio Tavares da Silva (PR)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Oriximiná
Localização de Oriximiná no Pará
Oriximiná está localizado em: Brasil
Oriximiná
Localização de Oriximiná no Brasil
01° 45' 57" S 55° 51' 57" O01° 45' 57" S 55° 51' 57" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Baixo Amazonas IBGE/2008 [2]
Microrregião Óbidos IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Óbidos, Caroebe (RR). Nhamundá (AM), Faro, Terra Santa e Juruti.
Distância até a capital 818,465 km
Características geográficas
Área 107 602,99 km² (BR: 4º)[3]
População 71 078 hab. IBGE/2017[4]
Densidade 0,66 hab./km²
Altitude 46 m
Clima Equatorial (Am)
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,623 médio PNUD/2010[5]
PIB R$ 1 726 841 mil (PA: 12º) – IBGE/2015[6]
PIB per capita R$ 25 017,98 IBGE/2015[6]

Oriximiná é um município brasileiro do estado do Pará, pertencente à Mesorregião do Baixo Amazonas.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome Oriximiná é de origem indígena, de procedência tupi, significando "o macho da abelha", o zangão. No entanto, frei Protásio Frinckel, conhecedor da região e de seus diversos núcleos de habitantes primitivos, inclina-se pela derivação de Eruzu-M'Na que significa "muitas praias".

Geografia[editar | editar código-fonte]

Serra do Acaraí, no extremo norte do município, uma área de cobertura vegetal praticamente intacta.

A sede municipal localiza-se na latitude 01º45'56" sul e na longitude 55º51'58" oeste, estando a uma altitude de 46 metros acima do nível do mar.[7][8] Com 107.602,99 quilômetros quadrados de extensão territorial, o município é maior em área que países como Portugal, Áustria e Coreia do Sul. É o segundo maior município em área do estado do Pará, sendo superado apenas pelo município de Altamira (161.445,91 km²).[8][9] Limita-se com dois estados brasileiros (Roraima e Amazonas) e com dois países (Guiana e Suriname).

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município dispõe de grandes e caudalosos cursos d'água, sendo que os principais são os rios: Trombetas, que banha a sede do município pelo lado esquerdo; Amazonas, que delineia a fronteira sul do município; Erepecuru, importante afluente pela margem esquerda e que serve de limite natural com o município de Óbidos; Nhamundá, que serve de limite natural para fronteira do estado do Pará com estado do Amazonas, e; Cuminá, importante acesso ao extremo norte do município e a algumas comunidades quilombolas. Outros rios são o Acapu, Cachorro, Mapuera e o Cachoeiri.

Muitos lagos naturais compõem a hidrografia do município, sendo os principais: Sapucuá, Paru, Iripixi, Caipuru, Abuí, Maria-Pixí, Salgado, Ururiá e Batata; este último sendo um dos mais importantes, dada sua extensão, volume de água, acesso, navegabilidade e expressão econômica.

As quedas d'água da Porteira (com grande potencial hídrico), Chuvisco e Ventilado (com grande potencial turístico), Pancada, Vira-Mundo e São Pedro formam grandes paisagens naturais. Vale destacar as cachoeiras do Jatuarana, com relativa proximidade da sede do município, e as cachoeiras da região do Jamaracaru.

Patrimônio natural[editar | editar código-fonte]

As principais áreas de preservação ambiental, que estão parcialmente ou em sua totalidade na área municipal, são:

  • Área Indígena Nhamundá-Mapuera, abrangendo os municípios de Oriximiná e Faro, com 8 454 quilômetros quadrados;
  • Área Indígena Trombetas-Mapuera, contígua à Área Nhamundá-Mapuera, com superfície de 39 704,18 quilômetros quadrados e um perímetro de 1 562 quilômetros;
  • Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, com 27 000 quilômetros quadrados;
  • Reserva Biológica do Rio Trombetas, com 3 850 quilômetros quadrados.

História[editar | editar código-fonte]

Por volta de 1815, escravos fugidos das fazendas e cidades do Baixo Amazonas refugiaram-se entre as comunidades indígenas da região, formando quilombos.[10]

O desbravamento da região por parte dos europeus se deu a partir de 1877 por ação do padre José Nicolino de Sousa, nascido no município de Faro a partir de ascendência indígena. O padre fundou uma povoação na região, denominando-a Uruã-Tapera ou Mura-Tapera (embora registros indiquem que Uruá-Tapera já existia antes na re),[11] que, através da Lei nº 1 288, de 11 de dezembro de 1886, foi elevada à categoria de freguesia, com o nome de Santo Antônio do Uruá-Tapera, por Joaquim da Costa Barradas, presidente da então província do Grão-Pará e desembargador do Maranhão.

Atualmente, as comunidades indígenas e quilombolas da região buscam o reconhecimento oficial de seus territórios tradicionais.[12][13]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

Porto da Vila de Porto Trombetas.

O município de Oriximiná é servido por uma ferrovia, a Estrada de Ferro Trombetas, que funciona basicamente para o transporte de cargas das Minas do Saracá V, Saracá W e Bela Cruz para o Porto Fluvial de Porto Trombetas.

Oriximiná é servida pelo Aeroporto de Oriximiná, localizado a 8 quilômetros do centro da cidade, e pelo Aeroporto de Porto Trombetas, localizado no distrito de Porto Trombetas, servindo a população que reside e trabalha para a Mineração Rio do Norte, ambos tendo somente voos particulares.

Dada as características da região, cortada por grandes rios, e praticamente carente de rodovias, o transporte fluvial é o mais usado para locomoção de pessoas e cargas. O principal terminal de passageiros do município fica no Porto de Oriximiná, de onde partem embarcações diariamente com destino à Santarém e Óbidos.

O transporte terrestre é feito pelas rodovias PA-254 e PA-439, que dá acesso à comunidades rurais do município. Pelo Plano Nacional de Rodovias, o município deveria ser cortado de norte a sul pela BR-163, sendo que até 2018 somente o trecho entre o distrito de Cachoeira Porteira e a BR-210 (Perimetral Norte) foi aberto, mas desde a década de 1970 não recebe manutenção.[14]

Educação[editar | editar código-fonte]

Em 1975 foi instalada no município de Oriximiná a Unidade Avançada José Veríssimo (UAJV), filial pertencente à Universidade Federal Fluminense (UFF), após se estabelecer primeiramente na cidade de Óbidos dois anos antes.[15]

A unidade tem, como objetivo principal, desenvolver atividades de extensão, ensino e pesquisa. Atualmente, são desenvolvidas as seguintes atividades: gerenciamento de um hospital público local, atuação preventiva na área de saúde, programas de educação esportiva, assessoramento às comunidades na área de meio ambiente e implantação de sistemas agroflorestais.

Outra instituição com campus no município é a Universidade Federal do Oeste do Pará, ofertando as graduações em ciências biológicas e conservação e sistemas de informação.

Economia[editar | editar código-fonte]

A principal atividade econômica do município de Oriximiná corresponde a indústria extrativa mineral, abrigando a maior produtora de bauxita do Brasil com 18 milhões de toneladas anual (2016). Segundo o Ministério de Minas e Energia, Oriximiná possui a maior quantidade de reservas conhecidas no Brasil. Na década de 1960 foram descobertas grandes reservas de bauxita na região norte do Brasil, devido ao incentivo de pesquisas que visavam aumentar o suprimento de bauxita majoritariamente para o mercado internacional. Com isso, em 1967 foi confirmado a descoberta da bauxita de valor comercial às margens do Rio Trombetas através da Aluminas, subordinada da maior empresa de alumínio do Canadá Aluminium Limited of Canada (ALCAN). O interesse da ALCAN pela bauxita Amazônica está amplamente ligado com as mudanças políticas ocorridas no país em 1964, a independência da Guiana em 1966 e a crise energética de 1970.[16]

A queda do preço do alumínio em 1971 inviabilizou os planos de instalação de novas minas pela ALCAN. Portanto, em 1972, a ALCAN juntamente com a Vale do Rio Doce, que representava o governo brasileiro, começaram as negociações com a intenção de prosseguir com a continuidade da implementação do projeto, o que culminou na criação de uma joint venture formada pela coligação de oito empresas sob o controle da Vale e da ALCAN em 1974, vigorosamente relacionado com o capital japonês.[17] Desse modo, nota-se o grande interesse da exploração para o mercado externo. O estabelecimento da empresa Mineração Rio do Norte (MRN) concretizou a exploração das jazidas de bauxita em Trombetas, o chamado “Projeto Trombetas”, o que acarretou mudanças drásticas em uma região que até aquele momento a principal atividade consistia em agricultura de subsistência e extrativismo, por ser habitada por variados grupos quilombolas[18]. Em 1979, iniciaram-se as atividades de lavra, o que configurou o fim da implantação do Projeto Trombetas. A capacidade inicial de produção era de 3,35 Mt por ano, ao decorrer do tempo houve o crescimento significativo da capacidade de produção em virtude de uma alta demanda de mercado e da alta aceitação nas refinarias estrangeiras. Com a finalidade de atender à crescente demanda externa e o mercado interno foi construído do complexo Bauxita-Alumínio, que envolvia os estados do Pará e do Maranhão.[19]

A importância da Mineração Rio Norte no sentido econômico é imensurável, pelos cálculos da empresa, ainda há bauxita a ser extraída até por volta de 2050 e a própria empresa tem um planejamento de controlar o impacto ambiental causado por essa extração, estando dentro desse planejamento o replantio do mesmo numero de hectares que é desmatado em prol da extração[20]. Do inicio do século XXI e até mais recentemente, a movimentação econômica para o município com base em minério e indústria proveniente para suprir as demandas do setor mineral tem alcançado cerca de metade do PIB do mesmo.[21]

Além do fator do peso econômico e do fator de compensação ambiental a empresa também trata de manter um ideal de Responsabilidade Social Empresarial com incentivos a Educação e a Saúde o que traz benefícios a longo prazo para região, benefícios esses que serão colhidos até mesmo quando a extração de bauxita terminar. Um dado importante a ser ressaltado é que Oriximiná teve um salto em seu IDH de 0,64 em 1991 para 0,72 em 2000 e outro dado é a manutenção de Oriximiná como o maior PIB da região do Baixo Amazonas.

Para concluir, existe uma discrepância no principal fator econômico quando o município é dividido em suas duas sub-regiões, a de Porto Trombetas e a de Cachoeira Porteira. Essas sub-regiões são respectivamente caracterizadas por uma ser extremamente ligada a mineração e a outra ter como fator econômico predominante agricultura familiar.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Administrativamente o município está subdividido em três distritos:[22]

  • Distrito Sede (Cidade de Oriximiná);
  • Distrito de Porto Trombetas (sediado na vila homônima);
  • Distrito de Cachoeira Porteira (sediado na vila quilombola homônima).

Referências

  1. a b «Oriximiná» (PDF). IBGE. Consultado em 26 de abril de 2011. 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  4. «Estimativas de população» (PDF). Estimativas de população. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2017. Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 21 de setembro de 2013. 
  6. a b «PIB dos Municípios - base de dados 2010-2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 23 de dezembro de 2017. 
  7. «Estado Pará, Município de Oriximiná». IBGE. 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  8. a b «Oriximiná, Pará - PA.». IBGE. 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  9. «Estado Pará, Município de Oriximiná». IBGE. 2015. Consultado em 22 de fevereiro de 2016. 
  10. «Entre águas bravas e mansas. Índios & quilombolas em Oriximiná». L Monde Diplomatique Brasil. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. 
  11. giãoEntre o Mito e a História: o Padre que Nasceu Índio e a História de Oriximiná. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/bgoeldi/v10n1/1981-8122-bgoeldi-10-1-047.pdf. Acesso em 25 de novembro de 2015.
  12. 'Le Monde Diplomatique Brasil. Disponível em http://www.diplomatique.org.br/acervo.php?id=3150. Acesso em 25 de novembro de 2015.
  13. «A comunidade quilombola de Cachoeira Porteira recebera título de domínio coletivo». Nova Cartografia Social da Amazônia. 27 de fevereiro de 2018 
  14. «Comunidade quilombola de Cachoeira Porteira (PA) define procedimentos de consulta prévia». Procuradoria da República no Pará. 2 de agosto de 2013 
  15. «espocabode.com.br/»  UFF: 40 Anos de Oriximiná
  16. MACHADO, Maria Helena Rocha; MACHADO, Raymundo Campos. Implantação do Projeto Trombetas na Amazônia: de 1962 à 1972. 2007.
  17. ARAÚJO, Luciana Mara Gonçalves. Reflexos Econômicos da Mineração de Bauxita no Baixo Amazonas. TEXTOS E DEBATES. Boa vista, 2010.
  18. TRINDADE, Barreto. Terceirização e Impacto sobre as Relações de Trabalho na Indústria Extrativa Mineral: o caso da Mineração Rio do Norte. Belém, 1998.
  19. OLIVIERI, Renata Damico; ARAUJO, Eliane Rocha. Extração da bauxita afeta sociedade e ambiente em Oriximiná (PA). Banco de dados Recursos Minerais e Territórios: impactos humanos, socioambientais e econômicos. Rio de Janeiro, 2014.
  20. «Isto é Trombetas, onde a floresta range, uiva e chia.». Folha de S. Paulo. 16 de junho de 2003. Consultado em 22 de maio de 2018. 
  21. SANTOS, Daniel; VERÍSSIMO, Adalberto; SOZINHO, Thiago. Calha Norte Sustentável: Situação Atual e Perspectivas. Belém, 2013.
  22. Wanzeler, Raimundo Tomé de Oliveira. (12 de dezembro de 2016). Resolução nº 06, de 12 de dezembro de 2016: “Dispõe sobre a revisão da Lei Orgânica do Município de Oriximiná-PA, e dá outras providências (PDF). Oriximiná: Câmara Municipal de Oriximiná 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Oriximiná
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.