BR-163

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde abril de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
BR-163
País
Identificador  BR-163 
Tipo Rodovia Longitudinal
Extensão 3470 km
Extremos
 • Norte:
 • Sul:

Pelotão Especial de Fronteira de Tiriós, Pará
Tenente Portela, Rio Grande do Sul
Trecho da BR-163.svg BR-163
Interseções BR-230, BR-364, BR-070, BR-262, BR-060, BR-267, BR-463, BR-272, BR-369, BR-277, BR-280, BR-282, BR-472
Concessionária Rota do Oeste (trecho mato-grossense)

CCR MSVia (trecho sul mato-grossense)

Norte
< Pelotão Especial de Fronteira de Tiriós, PA
BR-163.svg
BR-163
Sul
Tenente Portela, RS >
Rodovias do Brasil

A BR-163 é uma rodovia longitudinal do Brasil. Possui 3470 km de extensão e liga atualmente Tenente Portela, no Rio Grande do Sul, a Santarém, no Pará.

É uma rodovia que integra o Sul ao Centro-Oeste e Norte do Brasil. Possui fundamental importância para o escoamento da produção da parte paraense da Região Norte e norte da Região Centro-Oeste do Brasil. Em 20 de março de 2014, dois trechos da rodovia foram entregues a iniciativa privada por meio de concessões de 30 anos, como parte da terceira etapa do Programa de Investimentos em Logística do Governo Federal, lançado em 2012. São eles o trecho que atravessa o estado do Mato Grosso e o trecho que atravessa o estado do Mato Grosso do Sul. Desde 2009 a BR-163 conta com o policiamento de mais 340 agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a qual já conta com bases espalhadas pela rodovia, além das que estão em fase de construção para receber os novos policiais. Estima-se que até 80% da estrada está re-pavimentada.[1]

Grande parte da rodovia não é pavimentada no estado do Pará, sendo a maior parte pavimentada na área urbana da cidade de Santarém até a cidade de Rurópolis. Até o ano de 2017, obras de pavimentação ainda estavam em andamento na rodovia.

Trajeto[editar | editar código-fonte]

BR-163
Trecho de nome Cuiabá-Santarém
BR-163 entre Cuiabá e Santa Catarina (trecho São Miguel do Oeste SC - Tenente Portela RS está sob concessão estadual)
Cidade de Dourados, importante entroncamento da BR-163
Cidade de Cascavel (Paraná), outro importante entroncamento da BR-163
Trecho da BR-163 que coincide com os das BR-070 e BR-364, perto de Cuiabá, no Mato Grosso.

Liga os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Pará. De Tenente Portela-RS até Cascavel-PR possui pista simples, com largura de 6,6m e acostamento reduzido. Esse trecho está em fase de alargamento. A partir de Cascavel em direção norte, a rodovia dá acesso também para Ponta Porã, Porto Murtinho (acessos para o Paraguai) e Corumbá (acesso para a Bolívia). A Cuiabá-Santarém (com 1780 km total) liga a capital do Mato Grosso, Cuiabá, a Santarém, no Pará. Essa rodovia compreende os seguintes trechos:

No Pará[editar | editar código-fonte]

No estado do Pará a rodovia atravessa uma das regiões mais ricas do país em recursos naturais e potencial econômico, sendo marcada pela presença de importantes biomas brasileiros, como a Floresta Amazônica, o Cerrado e as áreas de transição entre eles, além de bacias hidrográficas importantes, como a do Amazonas, do Xingu e Teles Pires-Tapajós. No lado norte do Rio Amazonas, também existem os trechos entre Alenquer e a localidade de Onças, em Oriximiná, além do trecho entre a Cachoeira Porteira, no Rio Trombetas, e o final da rodovia, logo após o entroncamento com a BR-210, também em Oriximiná. Este último trecho possui um total de 233 km e está entre os trechos rodoviários mais isolados do Brasil, e um local com um dos maiores índices pluviométricos.

Em Mato Grosso[editar | editar código-fonte]

Desflorestamento em 2014

Em 20 de março de 2014, a Concessionária Rota do Oeste, empresa da Odebrecht TransPort, assumiu a concessão da BR-163 no trecho Mato Grosso. Ao longo dos 30 anos de concessão, é de responsabilidade da Rota do Oeste a duplicação dos 453,6 km de pistas simples – os outros 400 km são de responsabilidade do DNIT - devendo ser construídos novos trevos, pontes, viadutos e entroncamentos [2]. A rodovia é a principal rota de escoamento da safra de grãos do Estado, que é o principal produtor nacional.

Mato Grosso do Sul[editar | editar código-fonte]

Em 2014, a rodovia foi privatizada no trecho Mato Grosso do Sul, sendo que o Grupo CCR venceu o leilão de concessão e irá operar todo trecho através da CCR MSVia[3] por 30 anos, iniciando a obra de duplicação nesse trecho. A rodovia tem papel fundamental no comércio, no turismo e principalmente na logística de transporte da agroindústria, pois é o principal corredor de exportação do estado do Mato Grosso do Sul para atingir os portos dos estados do Paraná e Santa Catarina. A rodovia dá acesso também para Ponta Porã, Porto Murtinho (acessos para o Paraguai) e Corumbá (acesso para a Bolívia).

No Paraná[editar | editar código-fonte]

No estado do Paraná a rodovia passa por importantes cidades como Cascavel e Toledo. Trecho que está em fase de duplicação.

Em Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

No estado de Santa Catarina a rodovia ganha o status de centro rodoviário escoador do Brasil, mais notadamente a partir de São Miguel do Oeste.

No Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

No estado do Rio Grande do Sul possui o menor trecho da BR-163 atendendo apenas três municípios. Único estado que esta rodovia não tem status centralizador.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma rodovia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.