Francisco das Chagas Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Francisco das Chagas Santos
Nascimento 17 de setembro de 1763
Rio de Janeiro
Morte 12 de outubro de 1840 (77 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Militar, político

Francisco das Chagas Santos (Rio de Janeiro, 17 de setembro de 1763 — Rio de Janeiro, 12 de outubro de 1840) foi um militar e político brasileiro.

Filho de Antônio Manuel dos Santos, depois de completos seus estudos primários no Brasil, seguiu com seu pai para Coimbra, onde ingressou no Real Colégio dos Nobres e dedicou-se aos estudos das ciências exatas.

Com a renovação dos litígios sobre a demarcação de fronteira entre Espanha e Portugal, incluindo suas colônias, como engenheiro do Exército Português foi para a comissão chefiada pelo governador do Rio Grande do Sul, Sebastião Xavier da Veiga Cabral da Câmara. A comissão chegou ao Rio de Janeiro em 1781, onde passou três anos se preparando e reunindo material. Finalmente em janeiro de 1784 partiu para o Chuí, onde encontrou a comissão espanhola. Devido aos seus bons trabalhos foi promovido a capitão, chegou a chefe da comissão limítrofe em 10 de outubro de 1805, já tenente-coronel.

Foi indicado comandante dos povos da missões e alocado em São Luiz Gonzaga, onde era o quartel general, depois transferiu este para São Borja, sendo em 1813 promovido a brigadeiro. Em 1816 defendeu a cidade dos ataques de José Artigas, sendo liberado em 3 de outubro pelas forças de José de Abreu. Em 1818 foi promovido a marechal de campo e recebeu a comenda da Imperial Ordem de Avis.

Em 1821 foi transferido para o comando da vila de Rio Grande sendo em 1823 comandante das Armas da província de São Paulo.

Foi membro da primeira Assembleia Constituinte do Brasil em 1829.[carece de fontes?] Foi comandante de armas da corte em 1830 e 1831. Reformado em 1832, mudou-se com a família para Porto Alegre. Com o início da Revolução Farroupilha, auxiliou na defesa da cidade, sendo depois nomeado presidente da província do Rio Grande do Sul em 1837, tendo ao final de alguns meses seguido para a corte.

Foi membro da Sociedade Promotora da Indústria Rio-grandense de Rio Grande. Foi nomeado oficial da Imperial Ordem do Cruzeiro e comendador da Imperial Ordem da Rosa.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SILVA, Alfredo P.M., Os Generais do Exército Brasileiro, 1822 a 1889, M. Orosco & Co., Rio de Janeiro, 1906, vol. 1, 949 pp.
  • KLAFKE, Álvaro Antônio, O Império na Província: construção do Estado Nacional nas páginas de O Propagador da Indústria Rio-Grandense, UFRGS, Porto Alegre, 2006

Ver também[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Américo Cabral de Melo
Presidente da província do Rio Grande do Sul
1837
Sucedido por
Feliciano Nunes Pires


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.