Pinhal Grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Pinhal Grande
"Pinhal"
Bandeira de Pinhal Grande
Brasão de Pinhal Grande
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 20 de Março
Fundação 20 de março de 1992 (27 anos)
Gentílico pinhal-grandense
Prefeito(a) Luiz Antonio Burin (PSD)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Pinhal Grande
Localização de Pinhal Grande no Rio Grande do Sul
Pinhal Grande está localizado em: Brasil
Pinhal Grande
Localização de Pinhal Grande no Brasil
29° 21' 00" S 53° 19' 52" O29° 21' 00" S 53° 19' 52" O
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Mesorregião Centro Ocidental Rio-grandense IBGE/2008
Microrregião Santiago IBGE/2008
Municípios limítrofes Júlio de Castilhos, Nova Palma, Estrela Velha e Ibarama
Distância até a capital 320 km
Características geográficas
Área 477,126 km² [1]
População 4 552 hab. est. IBGE/2016[2]
Densidade 9,54 hab./km²
Altitude 394 m
Clima subtropical Cfa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,678 médio PNUD/2010 [3]
PIB R$ 111 522,217 mil IBGE/2008[4]
PIB per capita R$ 24 254,51 IBGE/2008[4]

Pinhal Grande é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul. O município integra a quarta colônia de imigração italiana e hoje é composto por descendentes de italianos, portugueses e espanhóis.[5]

A vegetação nativa, especificamente a mata de pinhais ou araucária (Araucaria angustifolia), deu nome a Pinhal Grande.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A história registra que diversas tribos indígenas viveram nesta região, entre elas os Tapes. Os jesuítas foram os primeiros homens brancos a chegar à região de Pinhal Grande, para catequizar os índios e atuar na criação de gado utilizando-os como mão de obra. O domínio português intensificou a exploração destas terras. Séculos depois, por volta de 1813, o curitibano João Gonçalves Padilha e seu irmão, José Maria Gonçalves Padilha, realizavam o comércio de potros, cavalos e muares entre esta região e São Paulo.[5]

O município de Pinhal Grande foi criado pela lei orgânica municipal nº 9600 de 20 de março de 1992, emancipando-se de Júlio de Castilhos.[5]

Política[editar | editar código-fonte]

Presidentes da Câmara de Vereadores:

  • Célio José Garlet, PDT (1993)
  • Antonio Domingos Barbieri, PDS (1994)
  • Darci Ferreira dos Santos, PDT (1995)
  • Pio Scapin, PDS (1996)
  • Célio José Garlet, PDT (1997)
  • Roque João Cargnin, PPB (1998)
  • Euzébio dos Santos, PDT (1999)
  • Nilvo Antonio Lago, PPB (2000)
  • Célio José Garlet, PDT (2001)
  • Euzébio dos Santos, PDT (2002)
  • Darci Ferreira dos Santos, PDT (2003)
  • Ademar Voss PDT, (2004)
  • Célio José Garlet, PDT (2005)
  • Euzébio dos Santos, PDT (2006)
  • Celito Tadeu Cocco, PTB (2007)
  • Ademar Voss, PDT (2008)
  • Pio Scapin, PP (2009)
  • Joanilso Antonio Dalmolin, PT (2010)
  • Laurindo Gabriel Hoppe, PP (2011)
  • Ademar Voss, PSDB (2012)
  • Célio José Garlet, PDT (2013)
  • Zica Vírus, PDT (2014)
  • Adilio José Batistela, PDT (2015)
  • Darci Ferreira dos Santos, PDT (2016)

Economia[editar | editar código-fonte]

Destaca-se, em Pinhal Grande, o potencial hidrelétrico fornecido pelo Rio Jacuí que forma a divisa natural do município a seus vizinhos. Em suas fronteiras estão instaladas duas usinas hidrelétricas de grande porte: a Usina Hidrelétrica Itaúba, na divisa com o município de Estrela Velha; e a Usina Hidrelétrica Dona Francisca, na divisa com o município de Dona Francisca.

A economia de Pinhal Grande está baseada nas atividades primárias da agricultura e da pecuária, que se desenvolvem nas mais de 800 propriedades rurais do município. Os principais produtos cultivados são a soja, o milho, o feijão, o fumo, a aveia e a mandioca. Na pecuária, destaca-se a criação de gado bovino. A piscicultura é um setor em desenvolvimento, baseado na criação de jundiás e carpas chinesas. A produção de vinho atinge a cifra de 200 mil garrafas por safra. A fabricação de cachaça e garapa da cana-de-açúcar também se destaca. O setor industrial conta com fábrica de embutido, de esquadrias e de móveis, além da indústria de laticínios Parlacto, que produz queijos e manteigas. No que diz respeito a população, cerca de 70% dela está localizada no campo; os 30% restantes estão concentrados na sede urbana do município.[5]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Pinhal Grande possui algumas opções peculiares de turismo, dentre os quais se destacam o ecoturismo por fazendas e destinos conhecidos pela beleza natural. Um destes locais de destaque é a cascata Toca do Tigre a apenas 11 km da cidade.

Outra opção de turismo clássico é a bela igreja matriz da cidade, construída em estilo gótico que mantém sua imponência até os dias atuais. O Moinho Rubim, um moinho de pedras bastante antigo também é destaque, a apenas 1 km do centro da cidade.

Está em construção[6] a rodovia RS 149 que será a primeira ligação asfáltica que o município terá e o conectará por 28,7 km ao município vizinho de Nova Palma, dando acesso a vários municípios da Quarta Colônia e ao pólo educacional e de serviços de Santa Maria.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 29º20'46" sul e a uma longitude 53º18'24" oeste, estando a uma altitude média de 394 metros. Sua população estimada em 2004 era de 5 031 habitantes.

Possui uma área de 477,39 km², localizada na região do Planalto Médio. O relevo é composto de gramíneas e mata nativa, destacando-se o pinheiro (Aracuaria angustifolia).[5]

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

No Rio Jacuí, está a Usina Hidrelétrica Itaúba, considerada a maior usina instalada ao longo desse rio, com quatro geradores e 500 megawatts totais de potência. Localizada na divisa de Pinhal Grande com o município de Estrela Velha, a barragem foi construída entre 1972 e 1978. Sua inauguração oficial ocorreu no dia 9 de novembro de 1978. A usina possui 97 metros de altura e uma área alagada de 13.800 quilômetros quadrados.[5]

A outra hidrelétrica dividida pelo município é a Usina Hidrelétrica Dona Francisca com potência efetiva aproximada de 125 MW. Esta entrou em operação dia 5 de fevereiro de 2001.

Referências

  1. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Estimativas populacionais para os municípios e para as Unidades da Federação brasileiros em 01.07.2016» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 25 de junho de 2017 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. a b c d e f g «Pinhal Grande, RS - História». IBGE. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  6. Claudemir Pereira (1 de outubro de 2009). «Inicia pavimentação da RS 149, entre Pinhal Grande e Nova Palma». Claudemir Pereira. Consultado em 29 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.