Colégios Militares do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Sistema Colégio Militar do Brasil (SCMB) é formado por 14 colégios militares[1]. Encontra-se sob o controle da Diretoria de Educação Preparatória e Assistencial (DEPA), por sua vez subordinada ao Departamento de Educação e Cultura do Exército (DECEX), anteriormente Departamento de Ensino e Pesquisa (DEP). O SCMB é um subsistema de ensino do Exército Brasileiro. Seu objetivo é promover grande parte da Educação Básica (Ensino Fundamental II e Médio). Seu corpo discente é formado por dependentes de militares, que sofrem os reflexos das obrigações profissionais dos pais em razão das peculiaridades da carreira, e são atendidos de forma preparatória e assistencial, regida por regulamento próprio, e por alunos que prestaram concurso público. Os concursos são realizados, anualmente, para o 6º ano do ensino fundamental à 1ª série do ensino médio. A cada ano, concorrem, em média, 22 mil candidatos, entre dependentes de militares e civis.[2]

Composição[editar | editar código-fonte]

Atualmente o sistema é composto pelos seguintes estabelecimentos de ensino[3]:

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Entrada do Colégio Militar do Rio de Janeiro

Corpo Docente[editar | editar código-fonte]

Professor ministrando aula no CMRJ.



O corpo docente permanente dos colégios é composto por docentes civis e militares que juntos integram o Magistério do Exército. Os militares fazem parte do Quadro Complementar de Oficiais do Magistério (QCO). São profissionais licenciados por universidades civis que após a conclusão da graduação prestaram concurso público para ingressarem como oficiais de carreira do Exército Brasileiro.

Há ainda professores temporários que ministram aula nos colégios militares. Estes profissionais são divididos em dois grupos principais: Os Oficiais Técnico Temporários (OTT) e os Prestadores de Tarefa por Tempo Certo (PTTC). Ainda há grupos de baixa percentagem como os professores em comissão.


Uniformes dos colégios militares[editar | editar código-fonte]

Desfile dos alunos em Salvador (Bahia) com o Uniforme de Gala (1ªA/CM).

Os uniformes utilizados nos Colégios Militares são:

Uniforme de Gala[5][editar | editar código-fonte]

  • Uniforme de Gala (1ªA/CM) é o uniforme utilizado em ocasiões e datas especiais. Utilizado regularmente nas atividades cívico-militares ao início e ao final do ano letivo, além dos aniversários de fundação de cada colégio e no dia da Independência do Brasil (7 de Setembro). O uniforme é composto por:
  • Túnica ou jaqueta branca;
  • Calça ou saia garança (para meninas, com meia calça branca);
  • Sapatos pretos ou coturno; e
  • Boina.

Quando utilizado em Guarda de Honra usa-se barretina, charlateiras e polainas.

Uniforme Garança[5][editar | editar código-fonte]

  • Uniforme Garança é utilizado em ocasiões especiais, porém um pouco mais casuais, que não requerem o uso do uniforme de Gala. Normalmente, visita de altos oficiais. O uniforme é composto por:
  • Camisa cáqui;[5]
  • Calça ou Saia Garança (para meninas, com meia-calça branca);
  • Sapatos pretos ou coturno; e
  • Boina.
Alunos do Colégio Militar do Rio de Janeiro e da Fundação Osório em frente ao busto do Marechal Trompowsky patrono do Magistério do Exército.

Uniforme Diário[5][editar | editar código-fonte]

  • Uniforme diário é o uniforme utilizado diariamente nas atividades regulares dos Colégios Militares. É composto por:
  • Camisa cáqui;
  • Calça ou saia cáqui;
  • Sapatos pretos ou coturno; e
  • Boina.

Abrigos desportivos[editar | editar código-fonte]

  • Eventualmente, podem ser encontrados em alguns CMs os abrigos desportivos, geralmente substituindo o diário em dias que há Ed. Física, quando o aluno permanece em horário contra-turno no colégio ou quando há passeios ou viagens externas ao colégio. É o único traje diferente entre os colégios militares.
  • Calça (cor variada);
  • Camisa (cor variada);
  • Tênis (geralmente preto); e
  • Jaqueta (cor variada).

Embora não previstos na lista oficial de uniformes dos CMs, os abrigos podem sim ser utilizados, sob forma de concessão do comando aos alunos.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em julho de 2015, a DM Revista publicou um artigo denunciando casos de abusos sexuais em três colégios militares de crianças e adolescentes, sendo que um deles é controlado pelo Exército. Um soldado da PM denunciou que seu filho de 12 anos, estudante do Colégio Militar de São Paulo, era abusado sexualmente por um inspetor escolar que não estava registrado na Polícia Militar.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Exercito Brasileiro. «Conheça os 14 Colégios Militares». Consultado em 13 de março de 2021 
  2. Exército do Governo. Ingresso - Colégios Militares Arquivado em 14 de outubro de 2012, no Wayback Machine. Página visitada em 19 de novembro de 2012
  3. Exercito Brasileiro. «Conheça os 14 Colégios Militares». Consultado em 24 de maio de 2022 
  4. «Verba do MEC para escolas cívico-militares vai pagar salário de oficiais da reserva». O Globo. 1 de outubro de 2019. Consultado em 4 de abril de 2022 
  5. a b c d Colégio do Vagão. Uniformes Arquivado em 17 de agosto de 2013, no Wayback Machine. Página visitada em 19 de novembro de 2012
  6. Redação (8 de julho de 2015). «Assédio e o abuso sexual em Colégios Militares». DMRevista. Consultado em 17 de outubro de 2017 
Colégios Militares do Brasil
CM Brasilia.png
Cmbh.jpg
Cmc.jpg
Cmcg.jpg
Cmf brasao.png
Cmjf.jpg
Brasão CMBEL.png
Cmm.jpg
Cmpa.jpg
CM-Recife.png
Cm rj.png
Cms.jpg
Cmsm.jpg
CMB CMBH CMC CMCG CMF CMJF CMBEL CMM CMPA CMR CMRJ CMS CMSM CMSP