Não-Me-Toque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para pelas plantas, veja não-me-toques.
Não-Me-Toque
  Município do Brasil  
Centro de Não-Me-Toque.
Centro de Não-Me-Toque.
Símbolos
Brasão de armas de Não-Me-Toque
Brasão de armas
Hino
Lema Honra e Labor
"Honra e trabalho"
Gentílico não-me-toquense
Localização
Localização de Não-Me-Toque no Rio Grande do Sul
Localização de Não-Me-Toque no Rio Grande do Sul
Mapa de Não-Me-Toque
Coordenadas 28° 27' 32" S 52° 49' 15" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Municípios limítrofes Carazinho, Santo Antônio do Planalto, Victor Graeff, Lagoa dos Três Cantos e Colorado
Distância até a capital 282 km
História
Fundação 18 de dezembro de 1954 (65 anos)
Aniversário 18 de dezembro
Administração
Prefeito(a) Jose Anderson O. Do Nascimento (PP, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 361,670 km²
População total (est. IBGE/2019[2]) 17 624 hab.
Densidade 48,7 hab./km²
Clima subtropical úmido
Altitude 514 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010[3]) 0,765 alto
PIB (IBGE/2017[4]) R$ 1 146 545,55 mil
PIB per capita (IBGE/2017[4]) R$ 66 717,81
Sítio http://naometoquers.com.br/ (Prefeitura)

Não-Me-Toque é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

História[editar | editar código-fonte]

As terras do hoje município de Não-Me-Toque, como em outros municípios da região, tiveram a presença de índios como primeiros habitantes nativos.

A partir de 1827, começaram a chegar na região do Planalto Médio elementos lusos, iniciando a atividade pecuária nas grandes estâncias por eles instaladas.

Em meados do século XX, os descendentes de italianos e alemães buscaram na Colônia Nova do "Alto Jacuhy" (hoje Alto Jacuí) melhores condições de vida e, nos lotes de terras adquiridos, começaram a dedicar-se à agricultura e à extração de madeira, bem como instalação de pequenas fábricas e casas comerciais, tornando Não-Me-Toque sede da Colônia do Alto Jacuhy (1900).

A religião e a educação foram sempre as molas propulsoras do pequeno povoado que passou à vila, fazendo parte das terras de Rio Pardo, Cruz Alta, para posteriormente tornar-se distrito de Passo Fundo e Carazinho.

A partir de 1949 começam a chegar os imigrantes holandeses e o município passa a ser o berço da imigração holandesa no Rio Grande do Sul.[5][6]

Em 18 de dezembro de 1954 foi criado o município de Não-Me-Toque, sendo instalado em 28 de fevereiro de 1955.

A sua população é composta, principalmente, por descendentes de alemães, italianos, holandeses e uma parcela de portugueses.

A origem e troca do nome[editar | editar código-fonte]

Entre as várias versões que explicam a origem de Não-Me-Toque encontram-se:

  • Uma árvore de tronco curto e recorto de espinhos, popularmente conhecido como não-me-toques, de nome científico Dasyphyllum spinescens (Less.) Cabrera, muito abundante na região na época da colonização italo-germânica.
  • A expressão "não me toque nestas terras", ou "não me toque daqui" ditas por um fazendeiro português, referindo-se à sua grande fazenda, da qual nunca pretendia se desfazer.

Entre a variedade de culturas e a produção de boas sementes, o trigo foi considerado por muitos anos o "cereal rei" das plantações, inspirando os munícipes a optarem pela troca do nome de Não-Me-Toque para Campo Real (1971).

Depois de intensas campanhas, a população, através de um plebiscito, optou pela antiga denominação de Não-Me-Toque (1976).

Na Bíblia, "não me toque" é uma frase dita por Jesus no episódio conhecido como Noli me tangere, muito famoso no Cristianismo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 28º27'33" sul e a uma longitude 52º49'15" oeste. Está a uma altitude de 514 metros.

Economia[editar | editar código-fonte]

O município é sede da Expodireto Cotrijal, feira de grande expressão a nível nacional e internacional, onde são realizados anualmente o Fórum Nacional da Soja e da Conferência Mercosul sobre Agronegócio.

Tem em sua principal geração de renda a indústria de máquinas agrícolas.

Eventos turísticos[editar | editar código-fonte]

  • Março: Expodireto Cotrijal;
  • Abril: Baile do Alemão e Páscoa Étnica;
  • Maio: Torneio de Laço (CTG Galpão Amigo);
  • Junho: Noite Italiana Festijanta;
  • Julho: Festa do Imigrante e Festival Municipal de Corais;
  • Setembro: Comemorações Farroupilhas
  • Outubro: Oktoberfest e Encontro Estadual de Corais;
  • Dezembro: Baile do Chope do Clube União, Festa de São Nicolau, Rodeio Crioulo e Natal Étnico;

Agricultura de precisão[editar | editar código-fonte]

Não-Me-Toque já foi conhecida como "Capital da lavoura mecanizada" pois, nas décadas de 1950 e 1960 iniciaram-se grande empreendimentos na agricultura, tornando-a o maior potencial econômico da região.

Em 29 de outubro de 2009 a municipalidade recebeu o título de "Capital Nacional da Agricultura de Precisão".[7]

Referências

  1. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  2. «Panorama de Não-Me-Toque, RS». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2019. Consultado em 2 de março de 2020 
  3. «IDH de Não-Me-Toque, RS». IBGE. 2010. Consultado em 2 de março de 2017 
  4. a b «PIB de Não-Me-Toque, RS». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 2 de março de 2020 
  5. Assembleia destaca Berço da Imigração Holandesa no RS. Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, 2011. Consultado em 18 de julho de 2017
  6. Núcleo de holandeses no Alto Jacuí. Correio do Povo, 22 de julho de 2009. Consultado em 18 de julho de 2017
  7. «Diário do Senado Federal»  Senado Federal do Brasil, junho de 2009

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Não-Me-Toque

Ver também[editar | editar código-fonte]