Rio Claro (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde outubro de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde outubro de 2014). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados de Rio Claro, veja Rio Claro.
Município de Rio Claro
"Cidade Azul"
"Terra dos Indaiás"[1]
"Capital da Alegria"
Skyline de Rio Claro durante o 21º campeonato mundial de balonismo.

Skyline de Rio Claro durante o 21º campeonato mundial de balonismo.
Bandeira de Rio Claro
Brasão de Rio Claro
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 24 de junho
Fundação 9 de dezembro de 1830 (186 anos)[2]
Emancipação 30 de abril de 1857 (160 anos)[2]
Gentílico rio-clarense
Lema Quieta non movere
"Não importune quem está tranquilo"; "não mexa com quem está quieto"; ou "cuidado, deixe este povo em paz".
Padroeiro(a) São João Batista[3]
CEP 13500-001 a 13509-999[4]
Prefeito(a) João Teixeira Junior (DEM)
(2017–2020)
Localização
Localização de Rio Claro
Localização de Rio Claro em São Paulo
Rio Claro está localizado em: Brasil
Rio Claro
Localização de Rio Claro no Brasil
22° 24' 39" S 47° 33' 39" O22° 24' 39" S 47° 33' 39" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Piracicaba IBGE/2015[5]
Microrregião Rio Claro IBGE/2015[5]
Municípios limítrofes Norte: Corumbataí;
Nordeste: Leme;
Leste: Araras;
Sudeste: Santa Gertrudes;
Sul: Iracemápolis e Piracicaba;
Oeste: Ipeúna;
Noroeste: Itirapina.
Distância até a capital 173 km[6]
Características geográficas
Área 498,422 km² (SP: 168º)[7]
Área urbana 28,35 km² (BR: 111º) – Estimativa 2005[8]
Distritos Rio Claro, Ajapi e Assistência [5]
População 201 473 hab. (SP: 41º) –  Estimativa IBGE/2016[9]
Densidade 404,22 hab./km²
Altitude 617 m[10]
Clima Tropical de altitude Cwa[11][12]
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,803 (SP: 19º; BR: 34º) – muito alto PNUD/2010[13]
Gini 0,5081 IBGE/2010[14]
PIB R$ 8 455 120 mil (BR: 101º) – IBGE/2014[15]
PIB per capita R$ 42 613,74 IBGE/2014[15]
Página oficial
Prefeitura www.rioclaro.sp.gov.br
Câmara www.rioclaro.sp.leg.br

Rio Claro é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Localizado na Região Centro-Leste do estado na microrregião homônima e na mesorregião de Piracicaba, a 85 km do Aeroporto Internacional de Viracopos em Campinas e a 173 km da capital São Paulo. Ocupa uma área total de 498,422 km²[7], sendo 28,3500 km² sua área urbanizada[8]. É o 34º município brasileiro com o melhor IDH e 101º município com o melhor PIB do país.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

A cidade foi fundada com o nome de "São João Batista de Rio Claro", por Decreto Imperial, em 9 de dezembro de 1830, subordinado ao município de Piracicaba. Emancipado com a denominação de São João do Rio Claro, pela Lei Provincial n.º 44, de 30 de abril de 1857. Pela Lei Estadual n.º 975, de 20 de dezembro de 1905, sua denominação foi alterada de São João do Rio Claro para Rio Claro.[2]

História[editar | editar código-fonte]

História pré-cabralina[editar | editar código-fonte]

A região de Rio Claro era habitada pelo homem desde, no mínimo, 11 000 AP[16][17]. Os primeiros habitantes ocuparam as regiões próximas aos rios Passa-Cinco, Cabeça e Corumbataí e seus afluentes — em terraços fluviais ou em elevações[18]. Fabricavam artefatos líticos para a caça[18] e provavelmente ocuparam intensivamente a região[16].

Em aproximadamente 1 000 AP, os antigos povos foram substituídos pelos tupis-guaranis, semi-sedentários, que os portugueses encontraram posteriormente disseminados ao longo da costa ao chegarem no Brasil no início do século XVI[19]. Na região de Rio Claro, eles habitavam as áreas próximas aos atuais centros de população (vilas e cidades), coincidindo com eles em alguns casos[16]. Os tupis-guaranis de Rio Claro estariam possivelmente associados etnologicamente aos Guaranis-Kaiowás[20]. É possível, inclusive, que eles tenham disputado territórios na região de Rio Claro com povos de outras culturas, como povos etnologicamente associados aos Jê Meredionais, possivelmente aos Kaingangs[20].

Povoamento luso-afro-brasileiro[editar | editar código-fonte]

Após a chegada dos portugueses no Brasil, as expedições dos séculos XVI, XVII e XVIII para o interior do futuro Estado de São Paulo trouxeram muitos problemas para a população indígena residente. Muitos indígenas eram mortos, escravizados para o trabalho nas lavouras, ou assimilados via cooperação com os europeus ou via catequização. Já os resistentes migravam paulatinamente para o interior, deixando as áreas anteriormente ocupadas para buscar refúgio nas regiões inexplorados pelos europeus, além da de Rio Claro[19].

Em princípios do século XVIII, a população europeizada da Capitania de São Vicente não ultrapassava os 50 mil e se organizava em vilas relativamente próximas ao litoral. Enquanto isso, no interior, pioneiros se arriscavam a viver nos sertões, longe da opressão do domínio colonial e das distinções e de privilégios sociais que os tinham reprimidos em sua antiga pátria. O interior era também escolhido por juízes para exilar criminosos e por escravos para suas fugas[19].

Em 1718, a descoberta de ouro no Mato Grosso acelerou o processo de ocupação do interior de São Paulo e, particularmente, da região de Rio Claro. Moradores de várias vilas, fascinados pelo "Eldorado" de Cuiabá[21], procuraram uma rota alternativa à do rio Tietê, evitando assim o risco das "febres dos pântanos"[19]. Em 1723, a cargo de abrir um caminho oficial a Cuiabá, o governador da Capitania de São Paulo, Rodrigo César de Meneses, enviou o Sargento-Mor Luiz Pedroso de Barros, que concluiu com sucesso sua missão em 1724[21].

Seria natural se imaginar que no caminho — conhecido como "Picadão de Cuiabá"[21][22], houvesse uma parada para que os condutores de mulas pudessem descansar antes das cuestas do Planalto Ocidental paulista. A parada de Ribeirão Claro provavelmente não passava inicialmente de um abrigo coberto de folhas à beira do Córrego da Servidão, mas foi o suficiente para, no decorrer dos anos, formar um núcleo de comerciantes de suprimentos para os tropeiros que se tornaria o futuro povoado[19].

Em 1817 iniciaram-se as concessões de sesmarias do atual município[23]. Com a chegada de grandes fazendeiros, foram trazidos para a região razoável número de africanos e afro-brasileiros, na condição de escravos. A origem desses homens e mulheres com o tempo foi se perdendo, mas no recenseamento de 1822, 81% dos 344 africanos de Rio Claro eram originários de locais sob domínio português, como Reino do Kongo, Cabinda, Benguela e Moçambique[19].

Em 1823 foi celebrada a primeira missa da região numa capela da fazenda Costa Alves[3], próxima à atual estrada entre Rio Claro e o distrito de Ajapi. Algum tempo depois, seria construída uma capela para atender à população do povoado às margens do Córrego da Servidão, no local onde hoje é o Espaço Livre do bairro Santa Cruz e que inicialmente era a parada dos tropeiros[19].

Em 1827, o povoado é elevado à condição de Capela Curada, e a antiga capela dá lugar à Matriz de São João Batista, que seria finalizada em 1828. Em 9 de dezembro de 1830 o povoado seria elevado à categoria de Freguesia com o nome de São João Batista de Rio Claro e, em 30 de abril de 1857, seria emancipado, desmembrando-se dos municípios de Limeira e Mogi Mirim e se tornando o município de São João do Rio Claro[23][24].

Geologia e Geografia Física[editar | editar código-fonte]

Rio Claro se localiza na região Centro-Leste do Estado de São Paulo. Situa-se a 22º24′39” de latitude sul e 47º33′39” de longitude oeste, a 173 km da capital São Paulo. Ocupa uma área total de 498,422 km²[7], sendo 28,35 km² sua área urbanizada[8].

Limita-se com Corumbataí ao norte; Leme a nordeste; Araras a leste; Santa Gertrudes a sudeste; Iracemápolis e Piracicaba ao sul; Ipeúna a oeste; e Itirapina a noroeste. Compõe a microrregião de Rio Claro, a mesorregião de Piracicaba e é formado por três distritos: Rio Claro (distrito-sede), Ajapi e Assistência[5].

Rio Claro se encontra no setor paulista do flanco nordeste da Bacia Sedimentar do Paraná: uma área de rochas sedimentares e vulcânicas das seguintes formações[25]:

Geomorfologicamente, o município está situado na Depressão Periférica Paulista, na Zona do Médio Tietê. Em seu relevo há o predomínio de colinas baixas, formas suavizadas separadas por vales jovens, sem planícies aluviais importantes. A altitude média do município é 617 m do nível do mar, com elevações entre 602 m e 628 m, prioritariamente. As áreas de maior altitude estão localizadas na região nordeste do município e as de menor circundam os cursos d'água, em especial o Rio Corumbataí[11].

A principal calha de drenagem é a Bacia do Corumbataí, que se encontra dentro dos limites da Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos 5 (Piracicaba, Capivari, Jundiaí)[25]. Nela estão presentes as 17 microbacias hidrográficas do município: Alto Ribeirão Claro, Alto Corumbataí, Médio Corumbataí, Jacutinga, Assistência, Baixo Ribeirão Claro, Ibitinga, Sapezeiro, Cachoeirinha, Servidão, Alto Cabeça, Campo do Cocho, Baixo Corumbataí, Baixo Cabeça, Médio Cabeça, Baixo Passa-Cinco e Rio Jacu[11]. O principal rio que banha o território é o Corumbataí, seguido por seu maior afluente — o Passa-Cinco.

Quanto aos solos, em Rio Claro há a presença das classes[11]:

  • Argissolos Vermelho-Amarelos (67,9% da área município): solos que apresentam algumas limitações agrícolas que estão condicionadas à baixa fertilidade, acidez, teores elevados de alumínio e a suscetibilidade aos processos erosivos, principalmente quando ocorrem em relevos mais movimentados.
  • Latossolos Vermelhos (21,3%) e Latossolos Vermelhos-Amarelos (6,9%): de alto potencial, devido às boas condições físicas do solo e ao relevo suave característico. Contudo, para uma fertilidade adequada, é necessário corrigir sua acidez e adubá-los. Normalmente, são resistentes a processos erosivos, mas o uso intensivo de mecanização pode levar à sua compactação.
  • Neossolos Litólicos (3,9%): solos que são encontrados na porção nordeste (com a presença de siltitos e argilitos da Formação Corumbataí) e na área sul (com a Formação Irati e as intrusões de diabásio), além das áreas de maior relevo. Em Rio Claro, são distróficos, apresentando baixa fertilidade natural. Demandam, portanto, uso mais intenso de adubação e de calagem.

O clima no município é classificado como tropical de altitude, ou Cwa, de acordo com a classificação de Köppen-Geiger[11][12]. A temperatura média é de 20,3°C e a pluviosidade média anual é 1 294 mm. O verão é quente e chuvoso, com temperaturas em janeiro ultrapassando a máxima média de 28,2°C e 239 mm de precipitações. O inverno é mais frio e mais seco, com mínimas médias em julho chegando a 9,8°C e 21 mm de precipitações. Julho é também, ao lado de agosto, o mês com maior amplitude térmica — a máxima média é do mês é de 23,1°C[10].

Dados climatológicos para Rio Claro
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 28,2 28 27,9 26,6 24,4 22,8 23,1 24,5 25,7 26,6 27,2 28 26,1
Temperatura média (°C) 23 22,8 22,6 20,9 18,3 16,5 16,4 17,8 19,5 20,9 21,8 22,5 20,3
Temperatura mínima média (°C) 17,8 17,7 17,3 15,2 12,2 10,2 9,8 11,2 13,3 15,3 16,5 17,1 14,5
Precipitação (mm) 239 211 150 49 45 33 21 25 53 125 141 202 1 294
Fonte: Climate-Data.org[10]

A vegetação natural do município é predominantemente formada por floresta estacional semidecidual. Há também focos de cerrado, cerradão e floresta paludosa[25]. A vegetação natural ocupa 3,7% da área total do município, enquanto as áreas de reflorestamento, 7,3%[11].

Demografia[editar | editar código-fonte]

  • População: 201 473 (2016)[9]
  • Taxa de Urbanização (%): 97,60 (2004)
  • Taxa geométrica de crescimento anual da população (em % a.a.): 1,97 (2004)
  • Urbana: 163.477 (2000)
  • Rural: 4.741 (2000)
  • Homens: 82.232 (2000)
  • Mulheres: 85.986 (2000)
  • Densidade demográfica (hab./km²): 382,91 (2013)
  • Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 16,90 (2011)
  • Taxa de Fecundidade Geral: 46,07 por mil mulheres entre 15 e 49 anos (2011)
Coreto no Jardim Público, localizado no Centro da cidade
População residente, por cor ou raça
Cor ou raça Percentual
Branca 75,00%
Negra 4,43%
Amarela 0,50%
Parda 19,94%
Indígena 0,12%

Fonte: IBGE - Censo Demográfico 2010[28]

Economia[editar | editar código-fonte]

O Produto Interno Bruto de Rio Claro é atualmente o maior dos municípios de sua microrregião e é o 101º maior PIB dos municípios do Brasil, totalizando 8 455 120 mil reais em 2014. Naquele ano, o produto interno bruto per capita foi de 42 613,74 reais[15]. O número de empresas atuantes era de 7 226 e o pessoal ocupado total era 74 654 pessoas. O salário médio mensal era aproximadamente 3 salários mínimos [29].

Quanto aos setores econômicos, a agropecuária é atualmente o menos relevante da economia de Rio Claro. De todo o produto interno bruto da cidade, 0,50% é sua participação no valor adicionado bruto[15]. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2014 as produções agrícolas de maior valor foram cana-de-açúcar (46,13%) e laranja (28,93%)[30][31]. Já na pecuária, os destaques eram os galináceos, com 991 345 cabeças, seguidos pelos rebanhos bovinos, com 16 668 cabeças[32].

Atividades Econômicas em Rio Claro no ano de 2014 por total de estabelecimentos.

A indústria é o segundo setor mais relevante para a economia do município (40,48%)[15] e é fortemente influenciada pelo segmento de artigos cerâmicos — Rio Claro e as cidades de Santa Gertrudes, Limeira, Cordeirópolis, Ipeúna, Piracicaba e Araras formam o maior pólo cerâmico das Américas[33]. Há presença também dos segmentos de fibras de vidro, tubos e conexões de PVC (Tigre), eletrodomésticos da linha branca (Whirlpool), produtos químicos leves, metalúrgicas e peças de autos (Torque), cabos e componentes eletrônicos para indústrias (Brascabos), balas e caramelos (Riclan), papelão ondulado e pardo compacto, estamparias, agro avícolas, nutrição de animais, bebidas (Indústrias Reunidas Tatuzinho Três Fazendas), artefatos de borrachas especiais e instrumentos médicos e aparelhos ortopédicos.

A principal fonte econômica, considerando-se o PIB do município, está centrada na prestação de serviços, com seus diversos segmentos de prestação de serviços privados (48,66%) e públicos (10,36%)[15]. O setor é diversificado, mas observa-se relativa concentração, considerando-se os estabelecimentos empregadores, no número de restaurantes, seguido do varejo de artigos de vestuário e de atenção ambulatorial[34]. Destaque para o Shopping Center Rio Claro, um importante centro comercial que ocupa uma área de 47 666m² (com área bruta locável de 15 430,70m²), e que possui lojas dos mais variados segmentos.

O número de trabalhadores empregados em Rio Claro entre 2002 e 2014, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência Social, atingiu seu ápice em 2007 (68,8 mil), seguido por uma queda brusca em 2008 (53,6 mil). Em 2014, o número foi de 66,8 mil. Destes, 7,5% eram vendedores, 6,9% eram assistentes administrativos e 6,2% eram alimentadores de linhas de produção. A renda mensal média dos trabalhadores empregados era de, aproximadamente, 2 140,72 reais[35].

Em relação à balança comercial, as importações superam as exportações desde 2007. Em 2016, o valor das exportações foi 25,1 milhões de dólares contra 42,4 milhões de dólares em importações. Naquele ano, os produtos que mais contribuiram para o valor das exportações no município foram fibras de vidro (19%), artigos cerâmicos vidrados e não vidrados (13,3%) e amino-resinas (12%). Já para as importações contribuiram fortemente máquinas de lavar domésticas (21%), fios com isolamento (7,5%) e aparelhos ortopédicos (7,3%)[36].

Para o incentivo à economia do município, Rio Claro possui um programa de incentivo fiscal para a instalação ou ampliação de empresas, o PRODERC, que possibilita, por exemplo, isenção total ou parcial do Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU); isenção total do preço público, referente à obtenção da licença para construção de obras particulares; isenção total ou parcial do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN); isenção da Taxa de Alvará de Utilização, bem como de todos os impostos e taxas para legalização da inscrição junto ao cadastro municipal; isenção total do Imposto sobre Transmissão de Bem Imóvel adquirido para fins exclusivos de acomodações e instalações operacionais da empresa. Além disso, a prefeitura pode fornecer equipamentos e mão-de-obra para serviços iniciais de terraplanagem da obra necessária à instalação ou ampliação de empresas participantes do programa.

Estrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Infraestrutura urbana[editar | editar código-fonte]

Urbanismo[editar | editar código-fonte]

Distrito industrial

O Distrito Industrial de Rio Claro, criado na década de 1970, localiza-se na zona norte da cidade e é regulamentado por Legislação Municipal. Ocupa uma área total de 11 milhões de m² e oferece excelente infraestrutura como:

  • rede de água,
  • esgoto,
  • energia elétrica,
  • sistema de telefonia,
  • pavimentação,
  • facilidade no combate a incêndios pela proximidade do Corpo de Bombeiros.

O Distrito Industrial tem uma configuração que possibilita a instalação de grandes estruturas (lotes de aproximadamente 25.000 m²), bem como estruturas menores, em lotes que variam de 1.200 m² a 5.000 m².

Energia[editar | editar código-fonte]

Rio Claro foi o segundo município brasileiro a ter energia elétrica (o primeiro foi Campos dos Goytacazes[23]), e foi pioneiro nos estudos a respeito da cultura de eucalipto no Brasil[37], realizados pelo engenheiro florestal Edmundo Navarro de Andrade, no Horto da Cia. Paulista de Estradas de Ferro, que existe até os dias de hoje.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Jardim público com seus bicicletários, que mesmo grandes não aguentam a demanda de veículos por dia
Ciclovias

Em função de seu relevo propício, Rio Claro é uma cidade com condições ideais para a prática do ciclismo, além do uso do transporte através de bicicletas. Rio Claro possui ciclovias e ciclofaixas com pouco mais de 20 km conectando bairros ao Distrito Industrial, localizado na Avenida Brasil. Além dessa faixa, a principal avenida que dá acesso à cidade, Avenida Presidente Keneddy, também tem parte de sua via, protegida e reservada aos adeptos desse transporte.

  • Por sua topografia privilegiada, possui uma das maiores frotas de bicicletas por habitante do país. É a segunda, depois de Joinville.
Rodovias
  • SP-127 - Rodovia Fausto Santomauro (interliga Rio Claro a Piracicaba, pista dupla. Na sequência estão Tietê, Tatuí, Itapetininga e região sul do Estado);
  • SP-191 - Rodovia Wilson Finardi (interliga Rio Claro a Araras com entroncamento para Via Anhanguera a 23 km, dando acesso à região de Ribeirão Preto. A sudoeste Ipeúna, Charqueada e São Pedro);
  • SP-310 - Washington Luís rodovia de maior importância para o município; pista dupla. Faz ligação com o sistema Anhanguera-Bandeirantes no sentido capital, ligando também a noroeste com São Carlos, Araraquara e São José do Rio Preto;
  • SP-316 - Rodovia Constante Peruchi (interliga Rio Claro a Santa Gertrudes e Cordeirópolis).
Ferroviário

O Município é atendido pela linha tronco da América Latina Logística (ALL), que interliga Rio Claro a São Paulo (Estação da Luz); os entroncamentos a partir de Itirapina seguem a Oeste do Estado (Panorama) e Noroeste (São Carlos e São José do Rio Preto).

Hidrovia
Aeródromo

Tradicional "Aeroclube de Rio Claro", fundado em 14 de Abril de 1939, tendo sua primeira turma de pilotos brevetados nesse mesmo ano. Destaca-se pelas belas festas aviatórias promovidas próximas ao aniversário de fundação da cidade.

Trólebus de Rio Claro

O sistema de transporte por trólebus foi inaugurado na cidade de Rio Claro - SP, em 1986. Os veículos, num total de 10, foram adquiridos de segunda mão, vindos do sistema de São Paulo. Possuíam carroceria construída pela CMTC, chassi GMC-ODC e equipamento elétrico Siemens. Até 1992, cinco destes trólebus foram reconstruídos, com a recuperação das carrocerias e dos motores Siemens, além da adaptação de equipamentos Villares, do tipo eletropneumático. A construção e manutenção da rede elétrica e subestações ficou a cargo da CESP - Companhia Energética de São Paulo, totalizando 17,5 km de rede. Sua desativação ocorreu em 1993, após a privatização do sistema de transportes da cidade.

Frota de veículos
Rua 14, uma das principais vias expressas de Rio Claro

Em 2009, Rio Claro possuía uma frota estimada em 115 mil veículos, divididos em 40 mil motocicletas, mais de 60 mil automóveis, além de caminhões. as bicicletas somam 150 mil.

Educação[editar | editar código-fonte]

Indicadores:

Possui também escolas e centros de educação infantis mantidos pela prefeitura, escolas estaduais e particulares, escolas profissionalizantes e unidades do SESI, SENAI, SENAC, SEST/SENAT, ETEC - Centro Paula Souza, com cursos extensivos e profissionalizantes. Além da Guarda Mirim de Rio Claro - desde 1961 - que encaminha jovens e adolescentes ao mercado de trabalho, após os mesmos participarem do Curso Pré-profissionalizante (CPP).

Entre as escolas particulares, destacam-se o Colégio Puríssimo Coração de Maria, o Colégio Koelle, o Colégio Claretiano, Colégio Objetivo, o Colégio COC, Centro Educacional SESI e o Colégio Além.

Entre as escolas públicas, destaque para a Escola Municipal Agrícola "Engenheiro Rubens Foot Guimarães", única escola na zona rural da cidade, que atende crianças da 1.ª a 8.ª série.

Ensino superior

Rio Claro possui a Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", UNESP, com amplo campus universitário e diversos laboratórios de pesquisas. A nível universitário, são oferecidos vários cursos por dois institutos da Universidade Estadual Paulista (pública) e das Faculdades Claretianas, Anhanguera e ASSER (todas privadas).

Saúde[editar | editar código-fonte]

Na saúde pública, o município está dinamizando sua infraestrutura.

  • 5 hospitais (sendo um deles psiquiátrico)
  • Maternidades
  • 7 unidades básicas de saúde
  • 2 centros de saúde
  • Pronto-socorros
  • Centro de vigilância sanitária
  • Centro de vigilância epidemiológica
  • Centro de Zoonoses
  • Centro de habilitação infantil
  • AME (UNICAMP)
  • Saúde do trabalhador
  • Programas específicos para o DST/AIDS
  • SAMU

Indicadores:

  • IDH-M Longevidade: 0,862 (2010)
  • Expectativa de vida: 71,34 anos (2000)
  • Taxas de Mortalidade Infantil: 16,90 (de 1.000 nascidos vivos) (2011)
  • Taxa de Mortalidade Geral: 6,76 (de mil habitantes) (2003)

Esporte e lazer[editar | editar código-fonte]

A cidade possui dois clubes no cenário do futebol estadual: Rio Claro Futebol Clube e o Velo Clube. Nas demais modalidades, destaque para o Rio Claro Basquete que durante o final da década de 80 e meados dos anos 90 conquistou títulos estaduais, nacionais e internacionais.

Em 2014, foi sede do Campeonato Brasileiro de Balonismo e do Campeonato Mundial de Balonismo.

Para o desenvolvimento de sua vida cultural, a cidade possui museus, cinemas, teatro, arquivo público, clubes, casas noturnas, boates, associações recreativas, áreas de lazer, bares e restaurantes.

O Shopping Center Rio Claro, com um área de 47.666 m² (sendo área bruta locável 15.430,70 m²) possui lojas do mais variados segmentos(esta em expansão).

O Boulevard dos Jardins é um pequeno shopping na área nobre da cidade (Bairro Cidade Jardim) e conta com o excelentes restaurantes e lojas.

Lago Azul, ocupando uma área de aproximadamente 130.000 m² e o lago, que é mais um ponto de atração, ocupa uma área de 35.600 m²

Horto Florestal
Casarão onde viveu Edmundo Navarro de Andrade.

O Horto Florestal de Rio Claro foi criado em 1909. Edmundo Navarro de Andrade teve sua residência no Horto, fazendo do local centro de diversas pesquisas sobre o eucalipto, onde foram arquivados os resultados de seus trabalhos, dando origem ao Museu do Eucalipto em 1916.

A partir de 2002, pelo Decreto Estadual nº 46.819, o antigo Horto Florestal de Rio Claro foi classificado na categoria de Florestal, que visa o manejo sustentável dos recursos, a pesquisa e a visitação pública, tornando-se a FEENA (Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade).

É considerado como o maior ponto turístico da região. Um pool de projetos para exploração do parque, vem sendo desenvolvido pela associação denominada "Amigos do Horto". Através da restauração de museus, instalações e remodelação das áreas verdes para exploração do turismo ecológico. Seu acesso, é pavimentado e sua área verde impõe respeito e grandiosidade.

Segurança pública e criminalidade[editar | editar código-fonte]

  • Homicídio doloso: 14,39 (por 100 000 habitantes)
  • Furto: 1 258,23 (por 100 000 habitantes)
  • Roubo: 655,17 (por 100 000 habitantes)
  • Furto/Roubo de veículos: 566,33 (por 100 000 habitantes)

Fonte: Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo - 2016[38]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

População residente por religião
Religião População residente Percentual
Católica Apostólica Romana 109 396 58,73%
Católica Apostólica Brasileira 504 0,27%
Católica Ortodoxa 40 0,02%
Evangélicas 52 799 28,35%
Outras religiosidades cristãs 1 939 1,04%
Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias 345 0,19%
Testemunhas de Jeová 3 125 1,68%
Espiritualista 54 0,03%
Espírita 4 312 2,31%
Umbanda e Candomblé 611 0,33%
Judaísmo 38 0,02%
Budismo 173 0,09%
Novas religiões orientais 558 0,30%
Tradições esotéricas 49 0,03%
Tradições indígenas 31 0,02%
Outras religiosidades 14 0,01%
Sem religião 10 820 5,81%
Não determinada e multiplo pertencimento 1 399 0,75%
Não sabe 46 0,02%

Fonte: IBGE - Censo Demográfico 2010[39]

Igreja Católica

A igreja matriz de Rio Claro, em homenagem a São João Batista com seus jardins

Pertencente à Diocese de Piracicaba, a Região Pastoral de Rio Claro compreende 10 paróquias e uma quase-paróquia no município[40]:

  • Bom Jesus;
  • Espírito Santo;
  • Imaculado Coração de Maria;
  • Nossa Senhora Aparecida;
  • Nossa Senhora da Saúde;
  • Sant'Ana;
  • Santa Cruz;
  • São Francisco de Assis;
  • São João Batista;
  • São José Operário;
  • Quase-Paróquia Santo Antônio (Ajapi).

Patrimônio Cultural[editar | editar código-fonte]

Sítios arqueológicos

Muitos sítios arqueológicos líticos associados aos primeiros habitantes do Estado de São Paulo foram encontrados nas regiões que pertencem hoje a Rio Claro e, principalmente, à Ipeúna, pelos pesquisadores Manuel Pereira de Godoy (1946), Fernando Altenfelder Silva (1959), Maria Beltrão (1964) e Tom Oliver Miller Junior (1965)[16][41][42]. Dada a abundância de artefatos nesses locais, muitos deles podiam ser encontrados facilmente no solo antes mesmo do início das pesquisas profissionais[16]. Um dos sítios arqueológicos mais importantes do Estado de São Paulo — o Sítio Alice Boer, na antiga fazenda Serra D'Água, próximo ao encontro dos rios Cabeça e Passa-Cinco, na divisa do município de Ipeúna com o de Rio Claro — encontra-se naquela área. E a maior concentração de sítios arqueológicos líticos catalogados especificamente no município de Rio Claro está no distrito de Assistência[43].

A ocupação posterior pelos povos tupis-guaranis deixou como legado os sítios arqueológicos cerâmicos da Tradição Tupiguarani, que pelo estilo dos artefatos neles encontrados, indica que Rio Claro seria uma área periférica da ocupação tupi-guarani se comparada a outras, como a de Piracicaba[16]. Os principais trabalhos versando sobre tradições ceramistas tupiguarani em Rio Claro foram os de Manuel Pereira de Godoy (1946) e de Fernando Altenfelder Silva (1967 e 1968)[16][41]. Alguns desses sítios foram até mesmo encontrados em áreas urbanas, como no bairro Vila Paulista[16][43].

Um testamento da ocupação de outros povos na região, possivelmente contemporâneos aos tupis-guaranis, foram os sítios arqueológicos cerâmicos da Tradição Taquara-Itararé, como o encontrado na região do Horto de Camaquã por Tom Oliver Miller Junior (1972)[16]. Esse sítio é considerado um dos mais setentrionais do gênero já encontrados no Estado de São Paulo.

Política e administração[editar | editar código-fonte]

Nome Início do mandato Fim do mandato
1 José Jacynto de Moraes 15 Janeiro 1908 14 Agosto 1910
2 Estevam Ferraz de Toledo 15 Agosto 1910 14 Janeiro 1911
3 Major Ignácio de Mesquita Corrêa 15 Janeiro 1911 04 Dezembro 1921
4 Esperidião Prado 05 Dezembro 1921 21 Dezembro 1921
5 Irineu Torres Penteado 22 Dezembro 1921 28 Julho 1924

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Rio Claro

Referências

  1. Prefeitura Municipal de Rio Claro. «Bandeira, Brasão e Hino». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  2. a b c «Rio Claro - Histórico»  IBGE Cidades
  3. a b Paróquia São João Batista (Rio Claro, São Paulo). «História de São João Batista». Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  4. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios). «Busca CEP - Faixas de CEP». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  5. a b c d Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (24 de maio de 2016). «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Consultado em 1 de agosto de 2017 
  6. Departamento de Estradas de Rodagem (DER-SP). «Web Rotas». Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  7. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (4 de dezembro de 2015). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 7 (R. PR-07/2015). Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  8. a b c MIRANDA, E. E. de; GOMES, E. G.; GUIMARÃES, M. (2005). «Mapeamento e estimativa da área urbanizada do Brasil com base em imagens orbitais e modelos estatísticos.». Embrapa Monitoramento por Satélite. Consultado em 11 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 20 de maio de 2016 
  9. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2015). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Estimativa da População 2016». Consultado em 1 de março de 2017 
  10. a b c «Clima: Rio Claro». Climate-Data.org. Consultado em 17 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  11. a b c d e f Prefeitura Municipal de Rio Claro (2014). Diagnóstico Ambiental e Desenvolvimento de Sistemas de Implementações de Projetos de Recuperação da Qualidade dos Corpos D'Água (PDF). 1. Rio Claro, São Paulo, Brasil: [s.n.] 
  12. a b ALVARES, C. A.; et al. (2014). «Köppen's Climate Classification Map for Brazil» (PDF) 6 ed. Stuttgart, Baden-Württemberg, Alemanha: Gebrüder Borntraeger. Meteorologische Zeitschrift. 22: 711–728. ISSN 0941-2948. Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  13. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 2013. Consultado em 1 de agosto de 2017 
  14. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Índice de Gini da renda domiciliar per capita - São Paulo». Ministério da Saúde. Consultado em 20 de janeiro de 2016 
  15. a b c d e f Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Produto Interno Bruto dos Municípios - 2014». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  16. a b c d e f g h i ARAUJO, A. G. M. (2001). «A Arqueologia da Região de Rio Claro: Uma Síntese». São Paulo, São Paulo, Brasil: Universidade de São Paulo. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. 11: 125–140. ISSN 0103-9709 
  17. SANTOS, F. G. dos (2009). «Os Habitantes Mais Antigos do Centro-Oeste Paulista» (PDF) 1 ed. Bauru, São Paulo, Brasil: Universidade Sagrado Coração. Mimesis. 30: 25–29. ISSN 0102-7484 
  18. a b FACCIO, N. B.; et al. (2008). «Os Sítios Históricos Itatiba e Itatiba II: Interpretação a Partir dos Registros Líticos e Cerâmicos» 1 ed. Presidente Prudente, São Paulo, Brasil: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Tópos. 2: 42-83 
  19. a b c d e f g DEAN, W. (1977). Rio Claro: Um Sistema Brasileiro de Grande Lavoura. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil: Paz e Terra 
  20. a b MANO, M. (2006). Os Campos de Araraquara: Um Estudo de História Indígena no Interior Paulista (Tese). Campinas, São Paulo, Brasil: Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  21. a b c MARTINS, I. A. O. «História Que o Povo Conta». História de Ipeúna por Idajar Martins (site desenvolvido por Alex de Camargo). Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  22. LIMA, R. P. (2007). O Processo e o (Des)Controle da Expansão Urbana de São Carlos (1857-1977) (Tese). São Carlos, São Paulo, Brasil: Universidade de São Paulo. Consultado em 21 de janeiro de 2016 
  23. a b c Rio Claro Sesquicentenária. Rio Claro, São Paulo, Brasil: Museu Histórico e Pedagógico "Amador Bueno da Veiga". 1978 
  24. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Histórico». Consultado em 11 de janeiro de 2016 
  25. a b c MEDEIROS, C. B. (2012). Avaliação da Vulnerabilidade à Contaminação das Águas Subterrâneas do Aquífero Rio Claro na Mineração Mandu, Distrito de Ajapi - Rio Claro - SP (PDF) (Graduação). Rio Claro, São Paulo, Brasil: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  26. «Clima: Ajapi». Climate-Data.org. Consultado em 17 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  27. «Clima: Assistência». Climate-Data.org. Consultado em 17 de janeiro de 2016. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2016 
  28. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Tabela 136 - População Residente, por Cor ou Raça». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  29. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Estatísticas do Cadastro Central de Empresas - 2014». Consultado em 9 de agosto de 2017 
  30. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Produção Agrícola Municipal - Lavoura Temporária - 2014». Consultado em 9 de agosto de 2017 
  31. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Produção Agrícola Municipal - Lavoura Permanente - 2014». Consultado em 9 de agosto de 2017 
  32. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2014). «IBGE: Cidades: São Paulo: Rio Claro: Pecuária - 2014». Consultado em 9 de agosto de 2017 
  33. Governo do Estado de São Paulo (2005). «Interior de SP Abriga Pólos Especializados». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  34. Ministério do Trabalho e Previdência Social (2014). «Atividades Econômicas em Rio Claro (2014): Total de Estabelecimentos». DataViva. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  35. Ministério do Trabalho e Previdência Social (2014). «Ocupações em Rio Claro (2014): Total de Empregos». DataViva. Consultado em 8 de agosto de 2017 
  36. Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (2016). «Exportações de Rio Claro (2016)». DataViva. Consultado em 9 de agosto de 2017 
  37. Embrapa Florestas. «Eucalipto - Perguntas e Respostas». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  38. Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) (2016). «Dados Estatísticos do Estado de São Paulo». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  39. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2010). «Tabela 137 - População Residente por Religião». Consultado em 1 de agosto de 2017 
  40. Diocese de Piracicaba. «Rio Claro». Consultado em 17 de fevereiro de 2016 
  41. a b GALHARDO, D. A. (2010). «Revisitando Obras: Histórico das Pesquisas Arqueológicas na Região Nordeste do Estado de São Paulo» 1 ed. Presidente Prudente, São Paulo, Brasil: Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Tópos. 4: 32-59 
  42. BELTRÃO, M. C. M. C. «Produção Acadêmica: Sítios». Consultado em 14 de janeiro de 2016 
  43. a b SILVA, A. E. (18 de agosto de 2004). «Sítios Arqueológicos». Guia Rio Claro. Consultado em 14 de janeiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]