Jandira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Jandira
"Cidade favo de mel"
Jandira.jpg

Bandeira de Jandira
Brasão de Jandira
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 8 de Dezembro
Emancipação 28 de fevereiro de 1964 (55 anos)
Gentílico jandirense
Lema Se o senhor não guardar esta cidade, em vão vigiará a sentinela
Prefeito(a) Paulo Barufi (PTB)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Jandira
Localização de Jandira em São Paulo
Jandira está localizado em: Brasil
Jandira
Localização de Jandira no Brasil
23° 31' 40" S 46° 54' 10" O23° 31' 40" S 46° 54' 10" O
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária

São Paulo IBGE/2017 [1]

Região imediata

São Paulo IBGE/2017

Região metropolitana São Paulo
Municípios limítrofes 4
Norte: Barueri
Leste: Carapicuíba
Sul: Cotia
Oeste: Itapevi
Distância até a capital 32 km[2]
Características geográficas
Área 17,523 km² [3]
População 123,481 hab. IBGE/2018[4]
Densidade 7,05 hab./km²
Altitude 720 m
Clima Subtropical Cwa
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,760 alto PNUD/2010 [5]
PIB R$ 3 419 632,28 mil IBGE/2016[6]
PIB per capita R$ 28 454,96 IBGE/2016[6]
Página oficial
Prefeitura www.jandira.sp.gov.br
Câmara www.camarajandira.sp.gov.br

Jandira é um município da microrregião de Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo, no estado de São Paulo, no Brasil. Localiza-se na Zona Oeste da Grande São Paulo, em conformidade com a lei estadual nº 1.139, de 16 de junho de 2011[7] e, consequentemente, com o Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo (PDUI)[8].

A sua população estimada em 2018 é de 123.481 habitantes e a área é de 17,5 quilômetros quadrados, o que resulta numa densidade demográfica de 6.933,29 habitantes por quilômetro quadrado. Seus limites são Barueri a norte e nordeste; Carapicuíba a leste; Cotia a sul; e Itapevi a oeste.

O município é servido pelos trens da linha 8 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos. Tornou-se município em 28 de fevereiro de 1964, com o desmembramento de Cotia, após a emancipação político-administrativa ser aprovada pelos moradores através de plebiscito realizado em 8 de dezembro de 1963.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Existem pelo menos duas explicações etimológicas para a origem do topônimo "Jandira"ː

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade, como em toda a Região Metropolitana de São Paulo, é o clima subtropical, tipo Cwa, com invernos secos sendo as vezes frios ou na maioria amenos, e verões úmidos ,relativamente quentes, com temperaturas raramente ultrapassando os 35 °C e chuvosos. Em resumo, o verão é quente e chuvoso. E o inverno é ameno e subseco. A média de temperatura anual gira em torno dos 18 graus centígrados, sendo o mês mais frio julho (média de 14 graus centígrados) e o mais quente fevereiro (média de 22 graus centígrados). O índice pluviométrico anual fica em torno de 1 381 milímetros.

Gráfico climático para Jandira
JFMAMJJASOND
 
 
241
 
27
18
 
 
222
 
27
18
 
 
156
 
27
17
 
 
82
 
25
15
 
 
64
 
23
13
 
 
59
 
21
12
 
 
42
 
21
11
 
 
44
 
23
12
 
 
74
 
23
13
 
 
127
 
24
14
 
 
128
 
25
16
 
 
142
 
26
17
Temperaturas em °CPrecipitações em mm
Fonte: Canal do Tempo

História[editar | editar código-fonte]

Primórdios[editar | editar código-fonte]

A área onde se situa o atual município de Jandira era ponto de passagem da antiga Estrada de Itu, sendo o local ponto de paragem de viajantes que rumavam da capital da província de São Paulo para o oeste paulista (rumo a Sorocaba, Itu, entre outros centros regionais). O panorama dessa região iria mudar com a chegada dos trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana em julho de 1875. [10] A partir de então, a região passa a ser loteada e um dos primeiros proprietários de terras da localidade era José de Oliveira e Silva. Morto em 1894, seu inventário foi solicitado apenas em 1921 e se arrastou por várias décadas, de forma que suas terras acabaram mudando de mãos até serem adquiridas por Nicola Beneducci e Miguel Samarone.[11]

Assim, a história dos municípios dessa região se confunde com os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana, que trouxeram Antonio Agù (pioneiro fundador de Osasco) e Henrique Sammartino (pioneiro-fundador do município), imigrante italiano que adquiriu, em 11 de abril de 1912, glebas de terra de Beneducci e Samarone, e deu a elas o nome de Sítio das Palmeiras, devido à existência de grandes palmeiras nativas existentes no local.[12]

Apesar da existência de outros proprietários de terras naquela região (como as famílias Góis e Leite [13]), a chegada de Sammartino acabaria sendo fundamental para o desenvolvimento daquela então inóspita região. Pouco tempo após se estabelecer no sítio das Palmeiras, Sammartino entrou em conflito com alguns de seus vizinhos[14] (por questões diversas, incluindo a demarcação de terras de suas propriedades), sendo que esse conflito acabou chegando aos tribunais e se arrastou até o final da década de 1920.

Até então, a atividade principal de Sammartino era a administração de uma mercearia especializada em produtos importados, localizada no bairro da Santa Ifigênia (São Paulo), de forma que o sítio das Palmeiras era uma mera propriedade de recreação. Com a deflagração da Primeira Guerra Mundial, a importação de víveres da Europa entra em declínio e Sammartino acaba indo à bancarrota.[15][16] Endividado, ele vende sua mercearia e volta-se para a única propriedade que ainda possui: o sítio das Palmeiras.

Sammartino e o progresso[editar | editar código-fonte]

Em meados de 1919, Sammartino instala-se com sua família definitivamente no sítio das Palmeiras. Com o pouco dinheiro que possui, adquire animais e planta árvores frutíferas. A necessidade de manutenção de sua produção de leite, queijo, frutas etc. o obriga a contratar lavradores e uma olaria é criada para fornecer tijolos para a construção de casas para os mesmos. O transporte dos produtos do sítio era feito por carros de boi por estradas de terra batida, de relevo acidentado e contrastava com a moderna linha da Estrada de Ferro Sorocabana que margeava o sítio. Para facilitar o transporte de seus produtos, Sammartino procura a direção da empresa ferroviária e propõe a doação de uma área de 58 470,87 metros quadrados para a implantação de uma parada (posteriormente classificada pela Sorocabana como posto de abastecimento de locomotivas). A Sorocabana propõe que Sammartino invista no plantio de eucalipto para servir de lenha para as locomotivas a vapor da empresa. Após o acordo celebrado entre o fazendeiro e a empresa, o posto km 32 (localizado ao lado das terras do sito das Palmeiras) é implantado em março de 1925. Posteriormente, foi construído um pequeno desvio até a olaria de Sammartino, que, assim, viu seus negócios prosperarem.[10]

A instalação do posto de abastecimento facilitou a chegada de novos moradores para a região, como o engenheiro e pastor presbiteriano estadunidense William Alfred Waddell (1862-1939)[17]. Diretor do Colégio Mackenzie, Waddell estudava a criação de uma missão presbiteriana no caminho para Sorocaba. Em 1928, ele persuadiu a igreja presbiteriana a adquirir terras na região do quilômetro 32 da Estrada de Ferro Sorocabana. Em outubro daquele ano, era instalado o Instituto José Manuel da Conceição e uma missão presbiteriana.[18] Os filhos dos fazendeiros da região acabariam estudando no instituto, assim como os filhos dos recém-chegados. Waddell, utilizando de seu prestígio junto ao Colégio Mackenzie, solicitou aos diretores da companhia ferroviária a realização de melhoria das instalações do posto do km 32. Atendendo ao pedido, a Sorocabana eleva o posto de abastecimento do km 32 a posto telegráfico e constrói novas instalações, plataformas e implanta um vagão de carga adaptado como bilheteria. Segundo a tradição da época, o doador das terras necessárias para a construção dos postos e estações tinha o direito de batizar o posto/estação. No dia 20 de março de 1931, durante a inauguração do posto telegráfico do quilômetro 32, a direção da Sorocabana convidou Sammartino a batizá-lo. Sammartino resolve homenagear sua sobrinha e batiza o posto com o nome de Jandira (que se tornaria o nome daquela região).[19]

Três anos depois, o posto telegráfico de Jandira é elevado a posto telegráfico de categoria A (uma espécie de estação de terceira classe).[20] As sucessivas ampliações do posto telegráfico obrigam a transferência de cada vez mais funcionários da ferrovia para a região onde engrossam o número cada vez crescente de habitantes, dando origem a chamada vila Jandira. O crescimento da região faz surgir outros postos telegráficos e estações e o tráfego de trens se intensifica. Em agosto de 1942, uma fagulha provocada por uma locomotiva a vapor inicia um grande incêndio nas terras de Sammartino. Apesar dos esforços de sua família e vizinhos, o fogo destrói seu imenso pomar. Transtornada pelo acontecimento, a esposa de Sammaritno, Conceição Desidério sofre um derrame cerebral e morre em setembro de 1943.[10]

Transtornado pela perda de boa parte de sua produção e pela morte de sua esposa, Sammartino inicia a venda e doação de lotes, criando o primeiro loteamento de Vila Jandira (atual Vila Anita Costa). Cerca de 100 lotes de 1000 m² foram comercializados, cada um a um preço de Cr$ 3 mil, enquanto que outros lotes foram doados para a construção de um posto de puericultura (atual Associação de Proteção à Maternidade e a Infância de Jandira-APAMI), posto de polícia, escola (atual Themudo Lessa) e uma igreja católica romana (atual Matriz de Jandira). Esse loteamento deu origem às primeiras ruas e trouxe novos moradores para Vila Jandira. Henrique Sammartino faleceu em 1947 e não pôde vislumbrar o crescimento do loteamento iniciado por ele.[10]

A emancipação[editar | editar código-fonte]

Até então, Vila Jandira era um mero subdistrito do município de Cotia. A grande distância geográfica entre o então distrito e o centro de Cotia era um empecilho para o desenvolvimento do subdistrito. Assim, Cotia foi abandonando vila Jandira aos poucos. Essa situação de abandono e descaso por parte das autoridades de Cotia também ocorria com a vila de Itapevi, que conseguiu sua emancipação no final da década de 1950. Em 1951, Jandira é elevada a distrito de Cotia. No dia 25 de janeiro de 1951, é fundada a União Pró-Jandira, entidade criada com o intuito de reivindicar melhorias ao distrito. O distrito abandonado de Jandira chamou a atenção da recém-emancipada Barueri, que tentou anexá-la em 1958 por meio da lei de número 170/53 de 28 de abril de 1958, chamada de lei Quinquenal. Por conta da intervenção de Cotia, a tentativa de anexação não logrou êxito.

Desde o final da década de 1940, o então governador Adhemar de Barros incentivava a emancipação de distritos e a criação de novos municípios sob argumentos político-partidários. Assim, aos poucos, a região sofre um processo de emancipação de diversos distritos, iniciado no final de década de 1940 com Itapevi e Barueri e que alcançaria seu auge no início da década de 1960, quando Osasco, Carapicuíba e Jandira se emanciparam de São Paulo, Barueri e Cotia.

Vila Jandira realizou seu plebiscito sobre a emancipação no dia 8 de dezembro de 1963. Após a abertura das urnas, o resultado foi uma esmagadora vitória do grupo emancipacionista. O resultado foi homologado em 28 de fevereiro de 1964 pelo governador Adhemar de Barros. Após essa data, vila Jandira passou a ser um pequeno município.

Em 7 de março de 1965, tomou posse o primeiro prefeito de Jandira, Oswaldo Sammartino, filho do pioneiro Henrique Sammartino.

Décadas de 1960 e 1970[editar | editar código-fonte]

A emancipação político-administrativa de Jandira ocorreu em um momento conturbado da história brasileira. Em 28 de fevereiro de 1964, Jandira se tornava município. Em 31 de março de 1964 um golpe de estado derruba a presidência de João Goulart e mergulha o país em uma ditadura que irá durar 21 anos.

Em 1965 ocorre a primeira eleição municipal, tendo sido eleito Oswaldo Sammartino, filho do pioneiro Henrique Sammartino.[21] O mandato de Sammartino (1965-1969) é modesto, com poucas realizações, dado que a cidade estava sendo implantada. Um dos primeiros serviços da prefeitura foi cadastrar os 2600 proprietários do município para o recolhimento de impostos. Em 28 de março de 1966 foi aberta a primeira creche da cidade, a APAMI (Associação de Proteção à Maternidade e a Infância de Jandira). Ainda assim, Jandira tinha uma população de 1285 crianças em idade escolar, das quais apenas 827 frequentavam regularmente uma escola. Sammartino iniciou as tratativas com o estado para a construção do Centro Educacional de Jandira (atual EE Professor Vicente Themudo Lessa), cujas obras se iniciaram em sua gestão. [22]Diante de um cenário pouco promissor para investimentos do estado, os prefeitos de Osasco, Carapicuíba, Barueri, Jandira, Itapevi e Santana de Parnaíba tentam lançar um consórcio regional em 1967.[23] Apesar da iniciativa ter fracassado, lançou as bases para futuras iniciativas como a Câmara Oeste (1998)[24] e o Cioeste-Consórcio Intermunicipal da Região Oeste Metropolitana de São Paulo (2013).[25]

Nas eleições de 1968 Clécio Soldé venceu João Ribeiro Júnior, sendo empossado em 31 de março de 1969[26]Em fevereiro de 1970 a cidade enfrenta uma grande enchente dos rios Barueri Mirim e Córrego dos Vessoni, que inunda quase todo o centro da cidade (chegando até mesmo a danificar os trilhos da ferrovia Sorocabana). Vários dias se passaram sem que a prefeitura tivesse capacidade de conseguir reparar os danos, de forma que a população local protestou contra a gestão Soldé. O prefeito Soldé (que havia trocado o MDB pela Arena) preferiu denunciar o líder dos protestos, Edemar Maciel (que integrava o MDB na cidade), ao DOPS por subversão.[27] Apesar da tensão política, o primeiro serviço público de saúde foi aberto pela gestão Soldé em 1972. Após a abertura da Rodovia Castello Branco em 1968, Jandira pleiteia uma via de acesso com a nova rodovia. Soldé, que havia sido diretor do DER-SP, negocia a construção da Via de Acesso João de Góes (SPA-032/280) aberta em janeiro de 1973. A gestão Soldé iniciou também a pavimentação da cidade, cobrada dos moradores, e lançou as bases para a industrialização da cidade. [28][29]

Em 1972 é eleito Alan Kardec Roberto de Albuquerque. Em sua gestão (1973-1977), é iniciada a industrialização da cidade-impulsionada pela abertura do Trevo de Jandira à Castello.[30] Até então, Jandira possuía apenas o Frigorífico Jandira (aberto em 1961). Num período de 18 meses (entre 1974 e 1975) a cidade ganha trinta novas indústrias, destacando-se na região oeste da Grande São Paulo. Essas e outras empresas se instalaram na cidade por conta da lei municipal 273, que garantia a isenção fiscal por 15 anos. Apesar da atração de empresas, a cidade sofre com a falta de infraestrutura agravada pela baixa arrecadação. Através da doação de uma área pública de1000m2, Kardec consegue a implantação de uma central telefônica junto à CTB/Telesp. Isso permitiu que a cidade recebesse suas primeiras 10 mil linhas telefônica s. Outro problema grave, o abastecimento regular de água, teve lenta resolução. Apenas em 1976 foram inauguradas as primeiras redes de água e reservatórios da Sabesp, de forma que apenas em 1983 a água chegou ao distrito industrial da cidade.[31]

Com o recrudescimento da Ditadura Militar, em 1976 foi eleito pela primeira vez um político de origem humilde, Dorvalino Abílio Teixeira. A gestão de Teixeira foi marcada por obras de pavimentação, iluminação pública e ligações de esgoto em dezenas de vias (com o próprio Teixeira-tratorista de profissão-conduzindo alguns dos trabalhos), a regularização dos serviços de transporte público (com a contratação da empresa Benfica), a construção da área de Lazer do Trabalhador (Tablado), do Hospital Municipal, o início das obras da Via Expressa, a reurbanização da região central, entre outras obras. Seu trabalho acabou reconhecido em âmbito estadual após receber em 25 de maio de 1981 o título de melhor prefeito da Região Oeste, concedido pela Associação Paulista de Municípios. Teixeira também se notabilizou por acionar judicialmente os ex prefeitos Clécio Soldé e Alan Kardec, acusados de não pagarem asfalto e outras melhorias feitas pela prefeitura nas ruas de suas casas.[32][33]

Educação[editar | editar código-fonte]

As primeiras pequenas escolas rurais de vila Jandira eram pequenas salas de aula improvisadas em casas alugadas, sempre muito distantes umas das outras. Em 1922, foi criada a primeira delas, chamada de "escolinha do quilômetro 32", em um grande casarão colonial localizado em uma chácara às margens do Rio Barueri-Mirim, de propriedade de Hipólita Santana de Figueredo. A primeira instituição de ensino oficial foi o Instituto José Manuel da Conceição (que encerrou suas atividades em 1970), tendo sido inaugurado por missionários presbiterianos estadunidenses em 8 de fevereiro de 1928.[34][35]

Nos anos 1930, foi constituída a primeira instituição pública de ensino: a "Escolhinha Mista da parada Jandira". Na década de 1950, Jandira ganha mais 2 escolas, sendo a última um galpão de madeira localizada na praça Nilo de Andrade Amaral (hoje praça Anielo Gragnano). Essa escola era a mais importante do distrito, recebendo o nome de "Grupo Escolar Professor Vicente Themudo Lessa". Em 1966, o Grupo Escolar já estava saturado, sendo necessária a construção de um anexo no jardim das Palmeiras, até a construção do Centro Educacional de Jandira (atual EE Professor Vicente Themudo Lessa) em 12 de novembro de 1972.[36]

Hoje, Jandira conta com 14 escolas estaduais, 15 escolas municipais, uma unidade do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial ("Escola SENAI Professor Vicente Amato CFP 1.27", fundada em 25 de maio de 1994 [37][38]), uma unidade da Escola Técnica Estadual (instalada no prédio Harper, construído originalmente para o Instituto J.M.C. na década de 1940)[39], um polo da Universidade Aberta do Brasil[40][41] e uma instituição particular de ensino superior (Faculdade Eça de Queiroz).[42][43]

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB)[editar | editar código-fonte]

Através do IDEB, o governo federal pode avaliar a qualidade do ensino público nos municípios do Brasil. Os números de Jandira no IDEB são[44]:

4ª série / 5º ano[editar | editar código-fonte]

Ano Ideb observado Meta
2005 4,2 -
2007 4,6 4,2
2009 4,7 4,6
2011 4,5 5,0
2013 4,8 5,2
2015 5,5 5,6
2017 6,0 5,8

8ª série / 9º ano[editar | editar código-fonte]

Ano Ideb observado Meta
2005 3,7 -
2007 3,7 3,7
2009 3,8 3,9
2011 4,0 4,2
2013 4,0 4,6
2015 4,3 4,6
2017 4,5 5,2

3º Ano do Ensino Médio[editar | editar código-fonte]

Ano Ideb observado Meta
2017 3,8 -

Saúde[editar | editar código-fonte]

Apesar da chegada de novos moradores a região, os serviços de saúde tiveram uma lenta evolução. Até meados da década de 1960 era comum que pessoas gravemente enfermas fossem transportadas (de automóvel, trem e até carro de boi) para postos de saúde em Barueri ou hospitais em Osasco (como o Cruzeiro do Sul[45]) e até mesmo São Paulo (caso do Hospital Sorocabana- exclusivo para os funcionários da ferrovia e seus familiares[46]).

A rede de atendimento de saúde de Jandira só seria criada após a emancipação do município. Nos anos 1970 surgem o pimeiro posto de saúde público e o hospital. Atualmente a cidade conta com 1 hospital, 1 pronto socorro, 1 policlínica, 1 unidade de saúde especializada, 2 farmácias populares e 9 postos de saúde.[47]

Hospital de Jandira[editar | editar código-fonte]

Com o crescimento da população na década de 1970, a necessidade da ampliação da rede de atendimento de saúde,composta até então por um único posto de saúde torna-se essencial para o futuro do município (que até o início da década de 1980 não tinha pronto socorro e hospital).[48] No final da década, a prefeitura desapropria as instalações do extinto Instituto J.M.C. e as transforma em repartições públicas. Uma dessas instalações é reformada e transformada em hospital e maternidade e inaugurada no início da década de 1980.[49] Por conta da cidade possuir poucos recursos, o hospital passa a atender seus pacientes de forma precária. A situação se agrava após indícios de corrupção surgirem na imprensa.[50][51] Em 1995, as péssimas condições provocam a interdição do hospital. A partir desse momento, as condições do hospital levariam a sucessivas interdições e reformas da edificação.[52]

Em 2014, o governo do estado prometeu investir na construção de um novo hospital para substituir o atual, considerado durante a década de 1990 um dos piores do estado.[53] No entanto, as obras não saíram do papel. Em 9 de março de 2019, a prefeitura inaugurou a Unidade de Pronto Atendimento, desativando o hospital municipal.[54]

Infraestrutura e Transporte[editar | editar código-fonte]

Estação Jandira.

O distrito de Jandira contava com rústicas estradas de terra batida, muitas das quais abertas por Henrique Sammartino desde sua chegada em 1912, onde carros de boi exerciam a função de transporte da produção dos sítios da região para ser comercializada na estação de Barueri. Com o crescimento da extração de lenha para as locomotivas a vapor da Estrada de Ferro Sorocabana, os carros de boi passaram a transportar lenha para a estação de Barueri, até março de 1925, quando a Sorocabana instalou um posto telegráfico no distrito. Dois anos depois, a Sorocabana iniciou a construção de uma estação (inaugurada em 20 de março de 1931) e de um desvio, em terreno doado por Henrique Sammartino, para transportar lenha, a produção agrícola e tijolos de sua olaria. Esse desvio mais tarde seria desmontado e sua área se tornaria a parte inicial da 1ª rua do distrito, a Rua Conceição Sammartino.

Na década de 1940, inicia-se um tímido crescimento urbano que iria se intensificar nas 3 décadas seguintes. Algumas imobiliárias começaram a lotar as áreas do pequeno distrito, sendo que em 1946 chega a Jandira o primeiro topógrafo, José Albino Pereira, que inicia a demarcação de ruas e loteamentos. Nessa mesma época, começam a aparecer os primeiros automóveis e caminhões (que iriam substituir os carros de boi) que assim impulsionam a abertura de novas ruas. Nos anos 1950, é inaugurada, pela Sorocabana, a estação Coração de Jesus (atual estação Sagrado Coração). Entre 1948 e 1956, a Light instala a rede elétrica no distrito.

Com a emancipação político-administrativa de Jandira em 1964, a cidade ganha uma nova estação ferroviária (construída em 1962), além de um departamento de trânsito: o Serviço Municipal de Estradas de Rodagem de Jandira. A construção da Autopista Oeste (atual rodovia Castelo Branco) impulsionou o crescimento industrial do município. Até 1972, Jandira não possuía rede telefônica o que obrigava seus moradores se utilizarem dos telefones públicos de Barueri. Em 20 de dezembro de desse ano, é inaugurado pela Companhia Telefônica Brasileira o primeiro telefone da cidade, localizado na praça Aniello Gragnano, sendo inaugurada posteriormente pela Telesp (atual Telefonica) a central telefônica de Jandira, ao lado da escola estadual professor Vicente Themudo Lessa.

Em 1973, é inaugurada, pelo estado, a Via de Acesso SP-032/280 "João de Góes", ligando a rodovia Castelo Branco ao município. Em 1977, a empresa Benfica Barueri Transporte e Turismo inicia a operação das linhas de ônibus municipais, partindo da praça Anielo Gragnano para os bairros de Sagrado Coração, Jardim Gabriela e Parque Santa Tereza. Em 1976, é inaugurada, pelo governo do estado, a rede de abastecimento de água além de um reservatório localizado no Jardim Sorocabano, capaz de atender a maior parte da cidade. O restante da cidade, incluindo o distrito industrial do Jardim Alvorada recebeu a rede de abastecimento de água em abril de 1983.

Nos anos 1980, é construída a Via Expressa Mauri Sebastião Barufi ligando Jandira a Itapevi, o centro de Jandira é reorganizado com a inauguração dos novos prédios das estações Jandira em 1983 e Sagrado Coração (em 1987) e do Terminal Rodoviário Intermunicipal em 1986 (atualmente denominado Reverendo Virgílio dos Santos Rodrigues).

Apesar desses avanços, o acesso à rodovia Castelo Branco e ao distrito industrial era feito utilizando-se a passagem de nível sobre os trilhos da ferrovia, o que ocasionava muitos acidentes. Com isso, é iniciada a construção de um viaduto sobre os trilhos da Fepasa em 1988, sendo concluídas as obras 10 anos depois. Nos anos 1990, a cidade inaugura a estrada intermunicipal Barueri–Itapevi, localizada na região sul de Jandira, e a subestação de eletricidade Sagrado Coração, da Eletropaulo, que garante o abastecimento elétrico na cidade. No projeto da estrada intermunicipal, estava incluída a construção de um novo terminal intermunicipal de ônibus que iria ser concluído em 2002.

Transporte público municipal[editar | editar código-fonte]

Ônibus municipais de Jandira
Informações
Proprietário Prefeitura de Jandira
Tipo de transporte ônibus urbano
Número de linhas 12
Número de estações 2 terminais (Central e Nsa. Senhora de Fátima)
Tráfego 31.613 viagens por dia (outubro de 2016)
/incluindo linhas da EMTU
Website Benfica Barueri-Linhas de Jandira
Funcionamento
Início de funcionamento c.1975
Operadora(s) Benfica

Os primeiros ônibus de transporte municipal surgiram em Jandira por volta da década de 1970. Em dezembro de 1976, o prefeito Alan Kardec publica a Lei Municipal nº 406 que autoriza a exploração de serviços de transporte público no município.[55] No ano seguinte, a empresa Benfica Barueri Transporte e Turismo Ltda. assinou um contrato permissionário da prefeitura para explorar o transporte público por até 15 anos. Em 1982, na gestão de Dorvalino Teixeira ocorre uma tentativa de licitação do transporte público, abrindo a alternativa de implantação de trólebus na cidade. No entanto, a concorrência 002/82 foi anulada em julho de 1982, sem ter selecionado nenhuma empresa.[56]

Desde então a empresa Benfica opera o transporte público na cidade, tendo sua permissão renovada por mais 15 anos em 1997, na gestão Braz Paschoalin. Em 2013, a gestão de Geraldo Teotônio (Gê) realizou um processo de licitação, posteriormente anulado. Pouco tempo depois, dispensou licitação e contratou novamente a empresa Benfica por mais alguns anos. Apesar de o contrato ter sido julgado irregular pelo Tribunal de Contas do Estado, o mesmo continua em vigor até os dias atuais.[57][58]

Segundo o Plano Diretor de mobilidade de Jandira, divulgado em 2017[59], os ônibus (municipais + intermunicipais) correspondem a 62,7% das viagens diárias realizadas por meios de transporte público na cidade[60]:

Modo Viagens/dia
outubro de 2016
%
Ônibus (municipais e intermunicipais) 31.613 62,7
Trem Metropolitano 12.897 25,6
Transporte fretado 4.366 8,7
Transporte escolar 1.524 3,0
Total 50.400 100 %

Em 22 de julho de 2019, a 4ª Câmara de Direito Público, do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou a redução da tarifa em 30 centavos em relação ao reajuste realizado em dezembro de 2016 de R$ 3,70 para R$ 4,00. Apesar da tarifa vigente em 2019 ser de R$ 4,40, a empresa Benfica reduziu a mesma para R$ 3,70.[61]

Evolução da tarifa[editar | editar código-fonte]

Valor Período Gestão
R$ 1,30 dezembro 2003/dezembro de 2004 Paulo Henrique Barjud
R$ 1,60 dezembro 2004/dezembro de 2005
R$ 2,50 [62] dezembro 2008/dezembro de 2009
R$ 2,70 [63] dezembro 2009/dezembro de 2010 Braz Paschoalin
R$ 3,00 [64] dezembro 2011/dezembro de 2012 Anabel Sabatine
R$ 3,30 janeiro/junho de 2013 Geraldo Teotonio da Silva
R$ 3,00 [65] junho/dezembro de 2013
R$ 3,40 [66] janeiro/dezembro de 2014
R$ 3,70 janeiro/dezembro de 2016
R$ 4,00 dezembro de 2016
R$ 3,70 [67] janeiro/março de 2017 Paulo Fernando Barufi da Silva
R$ 4,00 [68] março/dezembro de 2017
R$ 4,40 [69] maio 2018- atualmente
R$ 3,70 [70] 23 de julgo de 2019-atualmente
redução após decisão judicial.

Segurança Pública[editar | editar código-fonte]

Guarda Civil Municipal[editar | editar código-fonte]

Em 5 de julho de 1998, foram apresentados, em formatura solene, os alunos do 1º Pelotão que iniciaram o curso de formação. O curso teve duração de três meses. Na época, não existia a Base, nem sala de instrução, tendo sido utilizada uma sala no Teatro Municipal. Os instrutores convidados da Guarda Civil Municipal de Barueri auxiliaram na formação dos guardas civis municipais. No dia 1 de outubro de 1998, foi realizado a formatura de 46 agentes. Atualmente a Guarda Civil Municipal possui 123 agentes.[71]

Comandante[72] Período Gestão
Benedito Edson Siqueira 5 de julho de 1998
até 31 de dezembro de 2000
Braz Paschoalin
Geraldo Marques janeiro 2001
até 2 de janeiro de 2004
Paulo Henrique Barjud
Marcelo Rodrigues 2 de janeiro de 2004
até 31 dez 2008
Pedro Amorim 01 de janeiro de 2009
até julho 2010
Braz Paschoalin
Vanderlei Maratta julho 2010
até outubro de 2010
José Carlos Querato [73] outubro de 2010
até 31 de dezembro de 2012
Braz Paschoalin/Anabel Sabatine
Renilson Pereira Mendes 1 de janeiro
até abril de 2013
Geraldo Teotonio da Silva
Norimar Helena Domingues Conde[74] 30 de abril 2013
até 14 de maio de 2014
Gilberto Ribeiro de Souza[75] 14 de maio de 2014
até 31 de dezembro de 2016
Joylton Catai[76] 2017-atualemente Paulo Barufi

Cidadãos Ilustres[editar | editar código-fonte]

  • José Albino Pereira - Loteador, Emancipador
  • Nicanor Filadelfo Pereira - Primeiro presidente da câmara (deu posse ao primeiro prefeito)
  • Anthero de Godoy Filho (Biguá) repórter fotográfico
  • Padre Angelo Bertolli - religioso católico
  • Pastor Samuel Rodrigues dos Santos - religioso evangélico
  • Waldomiro da Silva Prado - Jornalista, escritor, historiador
  • Leopoldino dos Santos - Orador, político
  • Nicolau Maevsky - Emancipador
  • Manoel Alves dos Santos - Emancipador

Comunicação e imprensa[editar | editar código-fonte]

O município possui 5 veículos de comunicação social:

  • Jornal Folha de Jandira - Quinzenal - (www.folhadejandira.com.br)
  • Informativo da Prefeitura de Jandira - semanal
  • Jornal Imprensa - Quinzenal
  • Radio Comunitária Astral FM 87,5 - 24h
  • Jornal A Comunidade - Mensal

Telefonia[editar | editar código-fonte]

A cidade foi atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB) até 1973[77], quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[78], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[79] para suas operações de telefonia fixa.

Rodovias e estradas de acesso[editar | editar código-fonte]

Bairros[editar | editar código-fonte]

Vista do condomínio Belas Artes no Centro
Vista do condomínio Belas Artes no Centro
  • Açude Velho
  • Altos De São Fernando
  • Centro
  • Chácara do Peroba
  • Infant's Garden
  • Jardim Alvorada
  • Jardim Antônio Porto
  • Jardim Belmont
  • Jardim Bolívia
  • Jardim Brotinho
  • Jardim Centenário
  • Jardim Cristino
  • Jardim Esmeralda
  • Jardim Europa
  • Jardim Gabriela
  • Jardim Heneide
  • Jardim Jandira
  • Jardim Lindomar
  • Jardim Mackenzie[80]
  • Jardim das Margaridas
  • Jardim Do Golf 1
  • Jardim Marília
  • Jardim Masé
  • Jardim Mercúrio
  • Jardim Nossa Senhora de Fátima
  • Jardim Novo Horizonte
  • Jardim Patrícia
  • Jardim Rosa Emília
  • Jardim São João
  • Jardim São Luiz
  • Jardim São Nicolau
  • Jardim São Paulo
  • Jardim Sorocabano
  • Jardim Stella Maris[81]
  • Mirante de Jandira
  • Nova Higienópolis
  • Núcleo Micro Industrial Presidente Wilson
  • Parque Nova Jandira
  • Parque Santa Tereza
  • Parque Iglesias
  • Parque dos Lagos
  • Sagrado Coração[82] - Um dos bairros mais antigos de Jandira , dispõe da Estação Sagrado Coração da CPTM.
  • Velho Sanazar
  • Vila Analândia
  • Vila Anita Costa
  • Vila Dolores
  • Vila Eunice[80]
  • Vila Ferraz
  • Vila Godinho
  • Vila Ipê[83] - Possui o Centro de Referência da Mulher " Josefa Pereira de Oliveira".
  • Vila Jandira
  • Vila Lucinda
  • Vila Márcia
  • Vila Mercedes
  • Vila Ouro Verde
  • Vila Popi
  • Vila Rolim
  • Vila Santo Antônio
  • Vila Santa Rosa
  • Vale do Sol
  • Vila da Amizade
  • Vila da Pedreira
  • Vila Industrial[80]

Fotos da Praça central de Jandira no Natal de 2014[editar | editar código-fonte]

Lista de governantes[editar | editar código-fonte]

Lista de subprefeitos[editar | editar código-fonte]

Jandira foi distrito de Cotia até 28 de fevereiro de 1964. Os subprefeitos do distrito foram:

  1. José de Albuquerque (1949-1952)
  2. José Alípio Sampaio (1952)
  3. Joaquim Nicolau Salum Filho (1952-1956)
  4. Anthero Correia de Godoy (1956-1958)
  5. João Ribeiro (1958-1962)

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  1. Oswaldo Sammartino (1965-1969)
  2. Clécio Soldé (1969-1973)
  3. Alan Kardec Roberto de Albuquerque (1973-1977)
  4. Dorvalino Abílio Teixeira (1977-1983) Foi assassinado a tiros 4 meses após o término de seu mandato. Teixeira levou dez tiros quando chegava em casa.
  5. José Roberto Piteri (1983-1988)[nota 1]
  6. Walderi Braz Paschoalin (1988-1992)
  7. José Roberto Piteri (1993-1996)
  8. Walderi Braz Paschoalin (1997-2000)
  9. Paulo Henrique Barjud (2001-2004)
  10. Paulo Henrique Barjud (2005-2008)
  11. Walderi Braz Paschoalin (2009-2010)[nota 2] Durante seu governo foi assassinado a tiros quando chegava à rádio Astral FM.
  12. Anabel Sabatine (2010-2012)[nota 3]
  13. Geraldo Teotonio da Silva "Gê" (2013-2016)
  14. Paulo Fernando Barufi da Silva (2017 - Atualmente)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010

População total: 108 436

  • Urbana: 108 436
  • Rural: 0
  • Homens: 53 105
  • Mulheres: 55 331

densidade demográfica (hab./km²): 5 246,11 Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 11,62 Expectativa de vida (anos): 71,35 Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,58 Taxa de alfabetização: 93,37% Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,801

  • IDH-M Renda: 0,720
  • IDH-M Longevidade: 0,772
  • IDH-M Educação: 0,911

(Fonte: IPEADATA)

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikivoyage Guia turístico no Wikivoyage

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Em 1986, foram adiadas as eleições municipais em vários municípios do Brasil, sendo que os governantes tiveram dois anos acrescidos em seus mandatos.
  2. Foi assassinado em Jandira, em 10 de dezembro de 2010.
  3. Vice-prefeita eleita em sufrágio universal, assumiu o cargo em virtude do assassinato do então prefeito Walderi Braz Paschoalin

Referências

  1. «O recorte das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias de 2017» (PDF). Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2017. p. 20–34. Consultado em 10 de agosto de 2017 
  2. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Estimativas populacionais para os municípios brasileiros em 1º de julho de 2017». Estimativa populacional 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2017. Consultado em 31 de dezembro de 2017 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil» (PDF). Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de julho de 2013 
  6. a b «Produto interno bruto dos municípios referente a 2016». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 5 de março de 2019 
  7. «Lei Complementar nº 1.139, de 16 de junho de 2011». Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017 
  8. «Região Metropolitana de São Paulo». Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado da Região Metropolitana de São Paulo. Consultado em 1 de fevereiro de 2017. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2017 
  9. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo. São Paulo. Global. 2013. p. 580.
  10. a b c d PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 19 a 21, 28 a 30 
  11. Imprensa Oficial do estado de São Paulo (12 de dezembro de 1956). «Citação com o prazo de 30 (trinta dias) dos réus João Zancaner, Alfredo Polizio e espolio de Jacinto De Barros,por si ou seus sucessores nos Autos De Ação Revisora N.O 78.797 da Comarca de São Paulo» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo. Consultado em 8 de novembro de 2017 
  12. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 17 a 19 
  13. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 31 a 34 
  14. «Carta de Francisco de Campos Pimentel contra Henrique Sammartino». Correio Paulistano, edição 18189, página 7/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. 11 de março de 1914. Consultado em 7 de julho de 2014 
  15. «Concordata». Jornal do Brasil, Ano XXIV, edição 130, página 18/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. 10 de maio de 1914. Consultado em 7 de julho de 2014 
  16. «Declaração da falência de Henrique Sammartino». Correio Paulistano, edição 19748, página 8/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. 29 de junho de 1918. Consultado em 7 de julho de 2014 
  17. Alderi Souza de Matos. «Os Edifícios do Mackenzie e seus Nomes». portal Mackenzie. Consultado em 16 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  18. Alderi Souza de Matos. «Vultos da História Presbiteriana no Cemitério dos Protestantes de São Paulo». Portal Mackenzie. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  19. PEREIRA, Nicanor (2007). Jandira Favo de Mel-crônicas, poesias e relatos. [S.l.]: Otoni. 58 páginas. ISBN 978-85-7464-350-2 
  20. Ralph Mennucci Giesbrecht (14 de dezembro de 2013). «Jandira». Estações Ferroviárias do Brasil. Consultado em 7 de julho de 2014 
  21. «Municípios paulistas elegem prefeitos em pleito calmo». Folha de S.Paulo, Ano XLV,edição 13050, página 16. 9 de março de 1965. Consultado em 16 de maio de 2019 
  22. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 82 a 83 
  23. «Zona Oeste tem conselho de prefeitos». Folha de S.Paulo, Ano XLVI, edição 13877, Seção Folha Ilustrada página 17. 14 de junho de 1967. Consultado em 17 de maio de 2019 
  24. Maximiliano Soriani (2 de março de 2017). «Vereadores articulam a retomada do projeto Câmara Oeste». Diário da Região (Osasco). Consultado em 17 de maio de 2019 
  25. «Institucional-Histórico». Cioeste. 2013. Consultado em 17 de maio de 2019 
  26. «Sumário-Umas e outras». Folha de S.Paulo, Ano XLIX, edição 14532, página 3. 30 de março de 1969. Consultado em 17 de maio de 2019 
  27. «Jandira, 7 dias de calamidade pública». Folha de S.Paulo, Ano XLIX, edição 14856, página 7. 17 de fevereiro de 1970. Consultado em 17 de maio de 2019 
  28. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 85 a 86 
  29. «Hoje o sexto aniversário de Jandira». Folha de S.Paulo, ano L, edição 15150, página 33. 8 de dezembro de 1970. Consultado em 17 de maio de 2019 
  30. «Jandira-Trevo para a Castello canalizou indústrias». Folha de S.Paulo, Ano LIV, edição 16780, página 31. Consultado em 17 de maio de 2019 
  31. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 89 a 94 
  32. «Ex prefeito de Jandira diz que é vítima». Folha de S.Paulo, Ano 59, edição 18822, Seção Interior, página 13. 14 de outubro de 1980. Consultado em 5 de junho de 2019 
  33. PRADO, Waldomiro da Silva (1991). Jandira, Memória de uma Cidade. [S.l.]: Empresa das Artes. pp. 95 a 97 
  34. Alderi Souza de Matos (2011). «Rev. José Manoel da Conceição». Portal Mackenzie. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  35. Frank L. Arnold (2009). «Long Road to Obsolescence: A North American Mission to Brazil». Google Books. Consultado em 16 de julho de 2014 
  36. «Laudo Natel inaugura novo centro». Folha de S.Paulo, Ano LII, edição 15853, página 8. 11 de novembro de 1972. Consultado em 7 de julho de 2014 
  37. Fiesp (25 de maio de 1994). «Propaganda SENAI Jandira». Folha de S.Paulo, Ano 74, edição 23793, caderno Brasil página 1-8. Consultado em 7 de julho de 2014 
  38. «Histórico». SENAI-SP. Consultado em 7 de julho de 2014 
  39. «Etec Prefeito Braz Paschoalin». Centro estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS). Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  40. CAPES. «Polo UAB:Jandira». Consultado em 7 de julho de 2014 
  41. «Universidade Aberta». Prefeitura de Jandira. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  42. Ministério da Educação (MEC). «Portaria nº 3.086, de 9 de setembro de 2005» (PDF). Unasp - Centro Universitário Adventista de São Paulo. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original (PDF) em 26 de dezembro de 2014 
  43. «A Faculdade». Uniesp - Faceq. Consultado em 7 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  44. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. «IDEB - Resultados e Metas- Jandira SP». Ministério da Educação. Consultado em 14 de julho de 2014 
  45. Robson Donizete (9 de janeiro de 2014). «Dr. Denir do Nascimento o diretor geral do Cruzeiro do Sul-Um dos mais tradicionais hospitais da região que no ano que vem, completará 50 anos em osasco, tem em sua presidência administradores que estão desde a inauguração, um deles é o diretor geral». Correiio Paulista. Consultado em 16 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  46. Subprefeitura Lapa (18 de janeiro de 2012). «Hospital Sorocabana deve voltar a funcionar em julho deste ano». Prefeitura de S. Paulo. Consultado em 16 de julho de 2014 
  47. «Secretaria Municipal de Saúde». Prefeitura de Jandira. Consultado em 16 de julho de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  48. «Jandira quer seu hospital esse ano». Folha de S.Paulo, ano 58, edição 18292, seção Interior, pagina 22. 3 de maio de 1979. Consultado em 26 de dezembro de 2014 
  49. José Aparecido (28 de maio de 1981). «Falta quase tudo para os moradores de Jandira». Folha de S.Paulo Ano 61, número 19048, seção Interior, página 17. Consultado em 26 de dezembro de 2014 
  50. «Hospital de Jandira é acusado de criar 'paciente fantasma'». Diário da Região (Osasco). Setembro de 2008. Consultado em 26 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 26 de dezembro de 2014 
  51. Jornal Nacional (2 de março de 2011). «Corrupção no setor da saúde é flagrada em Jandira (SP)». Portal G1. Consultado em 26 de dezembro de 2014 
  52. «Sem médicos e infra-estrutura hospital continua fechado». Diário da Região. 16 de fevereiro de 2008. Consultado em 16 de julho de 2014 
  53. Carol Nogueira (25 de abril de 2014). «Hospital estadual substituirá problemática unidade municipal». Visão Oeste. Consultado em 26 de dezembro de 2014 
  54. «Já inaugurada, UPA de Jandira inicia atendimentos dia 25». Diário da Região (Osasco). 12 de março de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  55. Prefeitura de Jandira (13 de dezembro de 1976). «Lei Municipal nº 406». Leis Municipais. Consultado em 10 de maio de 2019 
  56. Prefeitura de Jandira (15 de julho de 1982). «Concorrência 002/82» (PDF). Diário oficial do estado de São Paulo, Caderno Executivo I, página 31. Consultado em 10 de maio de 2019 
  57. «TC-006451/026/14» (PDF). Tribunal de Contas do estado de São Paulo. 2 de junho de 2015. Consultado em 10 de maio de 2019 
  58. «TC-006451/026/14» (PDF). Tribunal de Contas do estado de São Paulo. 29 de março de 2017. Consultado em 10 de maio de 2019 
  59. «Plano de Mobilidade Urbana». Prefeitura de Jandira. Consultado em 26 de julho de 2019 
  60. Tranzum Planejamento E Consultoria De Transito S/s Ltda (2017). «Plano de Mobilidade Urbana de Jandira» (PDF). Prefeitura Municipal de Jandira. Consultado em 26 de julho de 2019 
  61. SP2 (22 de julho de 2019). «Justiça determina que prefeitura de Jandira reduza passagem de ônibus em R$ 0,30». G1-SP. Consultado em 26 de julho de 2019 
  62. Grupo Benfica (25 janeiro de 2009). «Itinerário». Internet Archive. Consultado em 17 de maio de 2019 
  63. Grupo Benfica (30 de novembro de 2009). «Reajuste tarifário». Internet Archive. Consultado em 17 de maio de 2019 
  64. «Aumento nas tarifas de ônibus surpreende passageiros». Visão Oeste (Osasco). 7 de janeiro de 2012. Consultado em 17 de maio de 2019 
  65. «Cidades da Grande SP também têm redução na tarifa; confira mudanças». G1 São Paulo. 20 de junho de 2013. Consultado em 19 de maio de 2019 
  66. Carol Nogueira (5 de janeiro de 2014). «Passagem de ônibus aumenta nas cidades da região nesta terça, 6». Visão Oeste (Osasco). Consultado em 17 de maio de 2019 
  67. «Prefeito que revogou aumento da passagem admite agora que reajuste é "inevitável"». Visão Oeste (Osasco). 13 de fevereiro de 2017. Consultado em 17 de maio de 2019 
  68. Maximiliano Soriani (9 de março de 2017). «Barufi reajusta tarifa de ônibus em Jandira». Diário da Região (Osasco). Consultado em 17 de maio de 2019 
  69. «Itinerário». Grupo Benfica. Consultado em 17 de maio de 2019 
  70. «Jandireneses estão pagando mais barato pela passagem de ônibus». Jornal Página Zero, edição 1405, página 1 e B6. 25 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  71. «Jandira comemora 21 anos de existência da Guarda Municipal». Jornal Página Zero, edição 1405, página A4. 25 de julho de 2019. Consultado em 26 de julho de 2019 
  72. gcmjandira.blogspot.com/p/secoes-da-gcm.html
  73. «Itapevi e Jandira formam 52 novos Guardas Municipais». Portal Viva Cotia. 16 de agosto de 2011. Consultado em 26 de julho de 2019 
  74. «Prefeito anuncia novos comandante e subcomandante da GCM de Jandira». Jornal da Gente, edição 463, página 4. 10 de maio de 2013. Consultado em 26 de julho de 2019 
  75. «Projeto "Guardiã Maria da Penha" apresenta resultados positivos». Portal Região Oeste. 11 de maio de 2016. Consultado em 26 de julho de 2019 
  76. «Joylton Catai é o novo comandante da Guarda Civil Municipal de Jandira». Visão Oeste. 6 de janeiro de 2017. Consultado em 26 de julho de 2019 
  77. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  78. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  79. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 
  80. a b c Folha de Jandira (23 de Setembro de 2011). «Três bairros de Jandira convivem com córrego cheio de ratos, baratas e até cobras». Consultado em 22 de abril de 2013. Arquivado do original em 10 de maio de 2013 
  81. Consultar Cep. «Jardim Stella Marias, Jandira - SP». Consultado em 22 de abril de 2013 
  82. «Moradores do Sagrado Coração reclamam da segurança e poucas linhas de ônibus para servir o bairro». 5 de Maio de 2011. Consultado em 22 de abril de 2013. Arquivado do original em 11 de maio de 2013 
  83. Folha de Jandira (2 de agosto de 2012). «Dr Sato segue com campanhas pelo município». Consultado em 20 de abril de 2013. Arquivado do original em 11 de maio de 2013 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • PRADO, Waldomiro da Silva; Jandira- Memória de uma cidade Jandira: editora Empresa das Artes, 1991.
  • PEREIRA, Nicanor; Jandira favo de mel- crônicas, poesia, relatos Jandira: editora Ottoni,2007

Ligações externas[editar | editar código-fonte]