Estrada de Ferro Sorocabana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo extinto time de futebol, veja Estrada de Ferro Sorocabana Futebol Clube.


Estrada de Ferro Sorocabana
EstacaoPrestes1.jpg
Estação Júlio Prestes, em São Paulo, marco zero e sede da ferrovia.
Sigla ou acrônimo EFS
Área de operação São Paulo
Tempo de operação 18751971
Sucessora Fepasa
Bitola 1,000 m
Frota 233 (1971) locomotivas
8590 (1971) vagões
639 (1971) carros
9229 (1971) vagões e carros
Extensão 2017 km (1971) [1]
Sede Sorocaba, Brasil[2]

A Estrada de Ferro Sorocabana foi uma companhia ferroviária brasileira.[3] Permaneceu em atividade de julho de 1875 até outubro de 1971, quando foi extinta e incorporada à FEPASA - Ferrovia Paulista S/A.[4]

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Sorocaba em 1827, retratada por Jean-Baptiste Debret.

Em 1589 o bandeirante Afonso Sardinha, o velho, chegou à região do morro de Araçoiaba da Serra liderando uma empresa em busca de ouro. Ali, porém, encontrou apenas minério de ferro. Com isso, tentou aproveitar a abundância desse mineral e instalou-se no chamado Vale das Furnas com um primitivo forno com o intuito de produzir artefatos de ferro. A abertura de caminhos para os bandeirantes/tropeiros rumo ao interior do Brasil transformou a pequena fundição de Sardinha em um núcleo urbano primitivo, usado para as tropas como ponto de abastecimento e paragem. Em 15 de agosto de 1654 o capitão Baltasar Fernandes instalou-se às margens do Rio Sorocaba e deu origem ao povoado homônimo. Com o passar dos tempos, Sorocaba tornou-se ponto de encontro de tropeiros e comerciantes que ali realizam trocas comerciais. Esse movimento deu origem a Feira de muares de Sorocaba, criada em 1733. Com a chegada da Família Real ao Brasil, Dom João Vi mandou que os fornos primitivos de Sardinha fossem transformados na Real Fábrica de Ferro São João do Ipanema. Para implantá-la, trouxe ao Brasil os engenheiros metalúrgicos Carl Gustav Hedberg e Friedrich Ludwig Wilhelm Varnhagen. A ampliação da fábrica tornou próspera a região e intensificou o comércio na feira de muares. Com os recursos auferidos, os comerciantes sorocabanos lançaram-se ao cultivo de algodão herbáceo cru. Com a Guerra de Secessão nos Estados Unidos, a produção de algodão do sul daquele país não poderia ser comercializada com a Europa, que buscou outros mercados (incluindo o brasileiro). Assim a cultura do algodão em Sorocaba alcançou seu auge na década de 1860, quando o fazendeiro local Roberto Dias Baptista se tornou o maior produtor de algodão de toda a província de São Paulo.[5][6][7][8]

Projeto e Implantação da ferrovia[editar | editar código-fonte]

Fundação da Estrada de Ferro Sorocabana, obra de Ettore Marangoni, c. 1969/1977.
Real Fábrica de Ferro São João do Ipanema, 1884.
Locomotiva exposta na sede do jornal Cruzeiro do Sul em Sorocaba, que foi usada pela ferrovia

Em 1866 chegou a Sorocaba o imigrante austro-húngaro Luís Mateus Maylasky. Com conhecimentos em engenharia, encontrou na empresa de Batista uma maquina quebrada de descaroçar algodão (por falta de mão-de-obra para repará-la) e a colocou em funcionamento. Isso fez com que o processamento do algodão fosse mais rápido. Batista convidou Maylasky para ser gerente de sua empresa. Em pouco tempo Maylasky tornou-se sócio de Batista. No entanto, o transporte do algodão para São Paulo era precário e limitava os lucros da empresa.[8]

Assim Maylasky propôs a construção de uma estrada de ferro ligando Sorocaba à São Paulo, com conexão com a ferrovia inglesa que dava acesso ao porto de Santos. Inicialmente Maylasky juntou seus esforços a um grupo de fazendeiros de Itu que possuíam o mesmo interesse. Após a constituição da Companhia Ytuana de Estradas de Ferro em 20 de janeiro de 1870, Maylasky foi à Câmara Municipal de Itu e propôs a expansão dos trilhos da Ituana até Sorocaba. Após a recusa da Companhia Ytuana (que tinha o objetivo de atender apenas as demandas de Itu e ligá-la a Jundiaí onde seus trilhos iriam encontrar os das companhias São Paulo Railway e Paulista), Maylaski e Batista reuniram um grupo de produtores de algodão, fazendeiros, e comerciantes que incluiu Antônio Lopes de Oliveira, Francisco Ferreira Leão, Olivério Pilar, Vicente Eufrásio da Silva Abreu, Ubaldino Amaral, entre outros e abriu a Companhia Sorocabana de Estrada de Ferro de Ypanema a São Paulo em 2 de fevereiro de 1870 com um capital inicial de 1 200 contos de réis, posteriormente elevado para 4 mil contos. Maylasky obteve da então província de São Paulo uma garantia de juros de 7% ao ano sobre o capital que fosse investido na ferrovia. Para angariar investidores, Maylasky percorreu os arredores de Sorocaba e região à cavalo e convenceu até pequenos produtores rurais da importância da estrada de ferro.[9]

Para angariar interesse do Império do Brasil, foi proposta a extensão da ferrovia até a Real Fábrica de Ferro São João do Ipanema, que também poderia fornecer parte do material necessário para a construção. As obras da ferrovia foram iniciadas em 13 de junho de 1872.

Para financiar as obras, Mailasky obteve um empréstimo junto ao banco alemão Deutsch Brasilianische Bankum. As obras foram prejudicadas pela falência do banco alemão (causada pelo Pânico de 1873), por uma greve dos fornecedores de locomotivas e equipamentos na Europa e por um surto de febre amarela na província de São Paulo. Ainda assim, a ferrovia foi inaugurada em 10 de julho de 1875 após 37 meses de obras.[12][13] Após a inauguração, ocorreu uma disputa entre os sócios. Um pequeno grupo queria a venda da estrada para um grupo estrangeiro ou a encampação pelo Império, com uma lei provincial sendo discutida sobre o assunto. No final de 1876 Mailasky conseguiu manter o controle sobre a empresa e a lei acabou rejeitada.[14]

Em 1877 a ferrovia alcançou Ipanema e já se estudava sua ampliação para a região do Paranapanema[15], embora o presidente da província de São Paulo Sebastião José Pereira tivesse rejeitado uma liberação de cem contos de réis criada pela assembleia provincial para patrocinar a realização do projeto. A Sorocabana envolveu-se em uma disputa judicial com a Companhia Ituana, que desejava ampliar sua linha de Piracicaba até Botucatu e obter os cem contos de réis. Com isso, a Sorocabana não poderia ser ampliada além daquela cidade. Enquanto a Ituana havia angariado apoio do presidente Pereira, a Sorocabana buscou como apoiador e acionista Joaquim Manuel Gonçalves de Andrade, vice-presidente da província. A disputa ocorreu por todo o ano de 1877 e só foi encerrada quando Pereira deixou o cargo. Assim, a Sorocabana pôde iniciar seu projeto de ampliação até Botucatu e a Ituana (que também após envolveu-se na mesma época em outra disputa com a Companhia Paulista de Estradas de Ferro) acabou entrando em decadência.[16]

Primeira crise e falência[editar | editar código-fonte]

Estação de Maylasky, entre 1885/1889, retratada por Julio Wieczerski Durski. Acervo do Arquivo Nacional.

A conclusão da obra coincidiu com o fim do ciclo do algodão e o rescaldo do Pânico de 1873. Esses eventos causaram seguidos prejuízos anuais que a gestão de Mailasky não pôde conter. Isso fez com que os acionistas o destituíssem da presidência da ferrovia em dezembro de 1880 e nomeassem o conselheiro Francisco de Paula Mayrink para o cargo. Maylasky tentou retomar a presidência da empresa, utilizando-se até de meios judiciais, porém acabou derrotado e mudou-se para Mogi Mirim. Mayrink realizou uma auditoria e, com seus resultados, acusou Mailasky de má gestão e malversação dos recursos.[17]

Apesar de Mayrink realizar ações para minimizar os prejuízos da empresa, a Sorocabana acabou sofrendo problemas econômicos e políticos, permanecendo instável por todo o século XIX. Após a proclamação da República, Mayrink adquiriu a Companhia Ytuana de Estradas de Ferro e rebatizou a nova empresa de Companhia União Sorocabana e Ytuana de Estradas de Ferro. Essa aquisição aumentou o déficit financeiro da Sorocabana. O fracasso da política do Encilhamento (apoiada por Mayrink) o levou a renunciar ao controle da Sorocabana em 1893, sendo substituído brevemente pelo Visconde de Socorro João José Pereira Júnior. O Visconde, abalado por problemas de saúde, deixou o cargo em 1895. O maior acionista da companhia era o jornalista João Pinto da Costa Ferreira Leite (1850-1905), que assumiu a direção da empresa em 1 de março de 1895 com o plano ambicioso de tornar a Sorocabana a maior ferroviária da América do Sul. Dirigindo a Sorocabana a partir do Rio de Janeiro, Ferreira Leite não possuía experiência e acumulou muitas dívidas na gestão da empresa. Outra de suas empresas, a Companhia Viação Paulista de bondes em São Paulo acabou liquidada por má gestão pela província de São Paulo em 1899. Ferreira Leite deixou a administração da Sorocabana em 19 de janeiro de 1901 após intervenção do Tesouro Nacional, que temia a falência da ferrovia. Além disso, o governo federal era o maior credor das dívidas da empresa. Em seu lugar assumiu o interventor nomeado pelo governo,o comendador Francisco Casimiro Alberto da Costa.[18]

O Comendador Costa descobriu diversas irregularidades nas contas da Companhia União Sorocabana e Ytuana de Estradas de Ferro. Apesar de ter tentado uma venda ou concordata, injetando 4 100:000$000 da Companhia Edificadora-presidida por ele, a Sorocabana acabou liquidada por meio de sentença judicial e o arresto de seus bens ao Tesouro Nacional. Posteriormente o comendador tentou reaver a quantia investida, apresentando-se como credor ao Tesouro. O governo federal nomeou Alfredo Eugênio de Almeida Maia como diretor da Superintendência da Companhia Sorocabana em 10 de janeiro 1903. Almeida Maia, um experiente engenheiro ferroviário, conseguiu regularizar o funcionamento da ferrovia e acabou resgatando as finanças da empresa. Com isso, foi possível retomar a expansão da ferrovia, reaparelha-la e sanear suas contas. Em janeiro de 1904 o governo federal vendeu a ferrovia para o governo do estado de São Paulo. Apesar do negócio, Almeida Maia foi mantido à frente da Sorocabana. Posteriormente o governo paulista negociou a concessão da Estrada de Ferro Sorocabana, por um período de 60 anos, ao grupo Brazil Railway Company (de Percival Farquhar) em 1907. Apesar de ser convidado a permanecer no cargo pelos novos donos, Maia preferiu deixar o cargo em 30 de junho de 1907. [18][19]

Sorocabana Railway Company[editar | editar código-fonte]

Malha da Brazil Railway Company, 1913. A Sorocabana era a principal e mais lucrativa ferrovia da empresa.

A Companhia Sorocabana foi concedida por 60 anos para a Brazil Railway Company do capitalista estadunidense Percival Farquhar. Renomeada Sorocabana Railway Co., a empresa acabou adquriida por Farquhar como ponto de partida para a criação de uma rede ferroviária no Centro-Sul do Brasil. A Brazil Railway Company adquiriu outas ferrovias e concessões nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul e lançou obras de ampliação de suas ferrovias. Em 1916, o grupo detinha 11 mil dos 23 mil quilômetros da rede ferroviária brasileira.[20]

Ao assumir a Sorocabana em 1907 , Farquhar nomeou o estadunidense Frank Joseph Egan para dirigí-la inicialmente. Egan, alinhando com os objetivos de Farquhar, trabalhou com o governo do estado para a ampliação da ferrovia entre Manduri e Ourinhos para se integrar ao ponto inicial da futura Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande (outra concessão da Brazil Railway). Em 1912, com a Sorocabana superavitária, Egan foi substituído por H.M Taylor. Foi o início de gestões caóticas, com a ferrovia sofrendo falta de vagões (supostamente desviados para a E.F.São Paulo Rio Grande), problemas de manutenção, atrasos no transporte de passageiros e mercadorias e descumprimento de cláusulas contratuais em nome de uma política de maximização dos lucros (desviados para outros empreendimentos de Farquhar) e minimização de investimentos, iniciada em 1911. Taylor acabou substituído em 1913 pelo superintendente da Light T.R.Ryan. Ryan pouco pôde fazer, por conta do início da Primeira Guerra Mundial. Como Farquhar dependia da injeção de capitais europeus para a manutenção da Brazil Railway (com o banqueiro francês Hector Legrú encabeçando o maior grupo europeu financiador da empresa), ela entrou em crise durante o período. Ao mesmo tempo, eclodiu a Guerra do Contestado. Causada pelo projeto ferroviário de Farquhar na região, causou muitos prejuízos para a Brazil Railway e aos governos da época.[21]

Para tentar conter a crise, Farquhar nomeou diretor da Sorocabana o engenheiro Rudolf Oscar Kesselring em 15 de agosto de 1915. Kesselring, engenheiro civil, foi um dos projetistas e construtores das Estrada de Ferro Madeira Mamoré e Noroeste do Brasil, trabalhava com Farquhar desde 1906. Apesar de diagnosticar os problemas da Sorocabana (falta de vagões, manutenção de vias e trens, entre outros[22]), Kesselring não conseguiu convencer os investidores da ferrovia a recuperá-la minimamente. A degradação da empresa provocou protestos nos meios públicos e entre autoridades. O deputado Julio Prestes passou a ser o líder de um grupo que desejava o fim da concessão da Sorocabana. Com a decretação de concordata da Brazilian Railway em 1917, a pressão sobre o fim da concessão da Sorocabana cresceu até que em 1919 o presidente do estado, Altino Arantes, conseguiu encerrar o contrato de forma amigável através da Lei Estadual 1643/1918. A mesma lei autorizou o estado a encampar a Southern San Paulo Railway (medida efetivada apenas na década de 1920, quando essa ferrovia acabou incorporada à Sorocabana).[23][21][24]

Em setembro de 1919, o governo de São Paulo assumiu novamente o controle da ferrovia, que passou a se chamar Estrada de Ferro Sorocabana (EFS).[25]

Calisto de Paulo Souza, o segundo "inspetor geral" da Sorocabana nomeado pelo governo do estado, assim descreveu a situação da ferrovia em agosto de 1919:

Evolução da Sorocabana Railway Company (1908-1919)
Ano 1908 1910 1914 1919
Extensão 1144,2 1707,3 1864,4 1670,4
Locomotivas 83 140 259 124
Vagões 1285 2082 2970 2035
Carros de
passageiros
83 198 244 174
Fontes:Relatórios Anuais da Estrada de Ferro Sorocabana de 1908[26]
1910[27], 1914 e 1920[28]

Estatização[editar | editar código-fonte]

Emblema da E.F. Sorocabana, adotado após a sua segunda estatização.
Vista da Estação São Paulo, 1938. O governo do estado de São Paulo construiu ente 1926 e 1938 uma nova estação terminal para abrigar a sede da Sorocabana e rivalizar com a Estação da Luz.
Arquivo Nacional

Após o governo paulista reassumir o controle da ferrovia, foi nomeado inspetor inicialmente inspetor da ferrovia Jose de Góis Artigas. Uma das primeiras medidas de Artigas foi restabelecer a operação segura da empresa ferroviária. Artigas deixou o comando da ferrovia em pouco tempo e Calisto de Paula Souza assumiu como novo inspetor geral. Em sua gestão a Sorocabana iniciou a aquisição de novas locomotivas e vagões e a reparação de carros de passageiros e das vias férreas, graças a um investimento de 30 contos de réis obtidos junto ao orçamento do estado. Em 1921 a Sorocabana incorporou a ferrovia da Companhia Agrícola Funilense.[18]

Ainda sob a administração de Francisco de Paula Mayrink, convencido que o sucesso da ferrovia estava condicionado ao transporte do café, a expansão da linha tronco foi projetada na direção do Oeste Paulista para atingir regiões cafeeiras. A partir de Sorocaba, a ferrovia se expandiu chegando a Botucatu e posteriormente a Ourinhos, na divisa com o estado do Paraná. A pequena estação de Ourinhos, aberta em 1908 principalmente para atender cargas vindas da região do Norte Pioneiro do Paraná, a partir de 1924 transformou-se em entroncamento com a Companhia Ferroviária São Paulo-Paraná, que fazia a ligação com o estado vizinho. Com o tempo, Ourinhos transformou-se em uma das principais estações de cargas e passageiros da EFS, devido ao grande fluxo trazido pela SPP, especialmente após 1932, quando esta ferrovia alcançou Jataizinho, já próxima da nascente cidade de Londrina. Após o estado assumir a Sorocabana, a expansão da linha tronco prosseguiu e em 1922, chegou às margens do rio Paraná - seu ponto final - em Presidente Epitácio, limite oeste do estado paulista.[29]

Durante a década de 1920 a Sorocabana iniciou dois grandes projetos: a retificação do trecho inicial da Linha Tronco entre São Paulo e Cotia e o início da construção da Linha Mairinque-Santos. Além disso, a ferrovia Southern San Paulo Railway foi incorporada pela Sorocabana para permitir o acesso desta ao Porto de Santos[30]

A descida da Serra do Mar[editar | editar código-fonte]

Estação Ferroviária de Sorocaba atualmente

Foram feitas inúmeras tentativas e vários projetos para levar os trilhos da Sorocabana até o porto de Santos que era servido - em regime de monopólio - apenas pela São Paulo Railway (SPR), popularmente conhecida com A Inglesa. Muitos alegavam que A Inglesa sufocava o desenvolvimento do porto com suas altas tarifas. Mas todas essas tentativas de levar novos trilhos até o porto de Santos esbarravam no sistema de privilégios de zona. A zona por onde os trilhos teriam que passar pertencia à Southern San Paulo Railway Co. Ltd.

O governo de Altino Arantes Marques (1916 a 1920) muito se empenhou para que a Sorocabana conseguisse descer a Serra do Mar, realizando várias gestões para que o estado encampasse a Southern San Paulo RailwayCompany.

Em 1926, ao assumir o governo do estado, Júlio Prestes de Albuquerque, finalmente, consegiu comprar a Southern San Paulo Railway Co. Ltd., incorporando suas linhas à Sorocabana, sob a designação de linha do Juquiá.

A vila de Mairinque foi escolhida como ponto inicial do ramal, partindo da linha tronco da ferrovia e seguindo para se encontrar com a linha do Juquiá, já na Baixada Santista. O trecho ficou conhecido como Linha Mairinque-Santos.

No dia 10 de outubro de 1927 começaram as difíceis e demoradas obras de construção da ferrovia que desceria a Serra do Mar, os quais exigiram a execução de complexos serviços de cortes, aterros, túneis, viadutos e pontes.

A 2 de dezembro de 1937, correu entre São Paulo e Santos, via Mairinque, em viagem experimental, a primeira composição de passageiros, conduzindo toda a administração da Sorocabana e representantes da imprensa de São Paulo, Rio de Janeiro e Santos.

No dia 10 de dezembro de 1937 começaram a correr, normalmente os trens de carga e passageiros, iniciando assim o tráfego regular, que pôs fim ao monopólio - por muitos considerado odioso- da São Paulo Railway.

Ramais[editar | editar código-fonte]

Além da Linha Tronco, a Estrada de Ferro Sorocabana construiu vários outros ramais.

Estrada de Ferro Sorocabana.
Estrada de Ferro Sorocabana

Em 1909, a Sorocabana construiu o Ramal de Itararé, que ligava Iperó a Itararé, conectando a rede ferroviária paulista às estradas de ferro do Paraná, pelo antigo caminho dos tropeiros que viajavam até o sul do Brasil. A partir de Itararé, se iniciava a Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande.

Em 1957, inaugurou o Ramal Dourados, no oeste paulista, que ligava Presidente Prudente a Teodoro Sampaio. Originalmente foi projetado pela Sorocabana, em 1953, para chegar a Dourados e Ponta Porã, no hoje estado de Mato Grosso do Sul, para aproveitar o potencial madeireiro da região ainda desabitada e ter um transporte mais fácil para os grandes centros.

Entre 1952 e 1957, foi construído pela Sorocabana o ramal de Jurubatuba com o proposito de encurtar a distância entre a Capital e Santos. Partindo da linha tronco na Estação Imperatriz Leopoldina, o ramal seguia até a estação Evangelista de Souza, no entroncamento com a Mairinque-Santos, no alto da Serra do Mar, para dali descer para o porto de Santos. Transportando passageiros e cargas que saíam da Estação Júlio Prestes, no centro de São Paulo, e iam até o extremo sul na Estação Evangelista de Souza, desde a abertura em 1957, o ramal acabou por se tornar uma das linhas de subúrbio da Capital. Com a criação da Fepasa, em 1971, o ramal deu origem a Linha Sul da Fepasa.

A partir dos anos 20, em seu trecho inicial - primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno - passaram a circular, principalmente, trens de subúrbio.[31]

Extinção[editar | editar código-fonte]

A Sorocabana permaneceu até 1971 sob o controle direto do estado de São Paulo, quando foi incorporada à Fepasa. A partir de 1996, as linhas suburbanas da antiga Sorocabana passaram a ser administradas pela CPTM.

Em 1998, o governador de São Paulo, Mário Covas, transferiu a Fepasa para a União, dentro do processo de renegociação das dívidas do estado.[32] Posteriormente a União transferiu a empresa para a RFFSA, passando a ser denominada Malha Paulista, e com a extinção da RFFSA, as linhas foram transferidas sob regime de concessão para a iniciativa privada.[33]

Dirigentes da Sorocabana[editar | editar código-fonte]

Antigo túnel da Estrada de Ferro Sorocabana - EFS (Itu-Mairinque) próximo à Estação Moreiras em Mairinque
Antigo túnel da EFS , próximo a Mairinque.

Companhia Sorocabana[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Mandato
Luís Mateus Maylasky c.1870-1880 (1928).jpg Luís Mateus Maylasky 2 de fevereiro de 1870 a
15 de maio de 1880
Boris, Franco Sá - Retrato do Conselheiro Francisco de Paula Mayrink (cropped).jpg Francisco de Paula Mayrink 4 de dezembro de 1880 a
7 de dezembro de 1893
Joao Jose Pereira Junior (data desconhecida).jpg João José Pereira Júnior 8 de dezembro de 1893 a
1 de março de 1895
João Pinto da Costa Ferreira Leite 1 de março de 1895 a
1900
Armando da Rosa Pereira De 1900 a 19 de janeiro de 1901

Intervenção federal[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Mandato Governo
Francisco Casemiro Alberto da Costa 19 de janeiro de 1901 a
10 de janeiro de 1903
Campos Sales
Lançamento do Edital do Programa Ponto de Cultura. (40204405175).jpg Alfredo Eugênio de Almeida Maia 10 de janeiro de 1903 a
30 de junho de 1907
Rodrigues Alves

Brazilian Railway[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Mandato
Frank Joseph Egan (data desconhecida).png Frank Joseph Egan 30 de junho de 1907 a 1912
H. M. Taylor 1912 a 1913
10º T. R. Ryan 1913 a 15 de agosto de 1915
11º Rudolf Oscar Kesselring 15 de agosto de 1915 a
15 de agosto de 1919

Período estatal[editar | editar código-fonte]

Imagem Nome Mandato Governo
12º José de Góes Artigas 16 de agosto de 1919 a
5 de maio de 1920
Altino Arantes
13º Calisto de Paulo Souza 6 de maio de 1920 a
23 de junho de 1924
Washington Luís
14º Arlindo Luz (Década de 1920).jpg Arlindo Gomes Ribeiro da Luz 23 de junho de 1924 a
15 de julho de 1927
Carlos de Campos
Dino Bueno
15º Gaspar Ricardo Junior (1927).jpg Gaspar Ricardo Junior 16 de agosto de 1927 a
31 de outubro de 1930
Julio Prestes
16º Luis Orsini de Castro (1930).jpg Luis Orsini de Castro 1 de novembro de 1930 a
26 de janeiro de 1931
Heitor Teixeira Penteado
Hastínfilo de Moura
José Maria Whitaker
Plínio Barreto
João Alberto Lins de Barros
Laudo de Camargo
Manuel Rabelo
17º Francisco de Monlevade (1921).jpg Francisco de Monlevade 26 de janeiro de 1931 a
7 de julho de 1931
18º Gaspar Ricardo Junior (1927).jpg Gaspar Ricardo Junior 8 de abril de 1931 a
1 de junho de 1932
19º Francisco de Monlevade (1921).jpg Francisco de Monlevade 1 de junho de 1932 a
4 de outubro de 1932
Pedro de Toledo
Herculano de Carvalho e Silva
Valdomiro Castilho de Lima
Manuel Daltro Filho
20º Gaspar Ricardo Junior (1927).jpg Gaspar Ricardo Junior 7 de outubro de 1932 a
9 de março de 1934
Armando Salles
21º Antonio Prudente de Moraes Neto (1937).jpg Antônio Prudente de Morais Neto 26 de abril de 1934 a
16 de janeiro de 1936
22º Mario Salles Souto (1936).jpg Mário Salles Souto 17 de janeiro de 1936 a
3 de maio de 1938
Armando Salles
Henrique Smith Bayma
José Cardoso de Melo Neto
Francisco José da Silva Júnior
23º Acrísio Paes (1939).jpg Acrísio Paes Cruz 4 de maio de 1938 a
28 de fevereiro de 1940
Ademar de Barros
24º Orlando Drumond Murgel (1940).jpg Orlando Drummond Murgel 29 de fevereiro de 1940 a
14 de julho de 1941
25º Acrísio Paes (1939).jpg Acrísio Paes Cruz 15 de julho de 1941 a
25 de novembro de 1943
Fernando Costa
Sebastião Nogueira de Lima
Macedo Soares
26º Ruy Costa Rodrigues (1943).jpg Rui Costa Rodrigues 26 de novembro de 1943 a
27 de março de 1946
27º Jarbas Trigo 27 de março de 1946 a
18 de março de 1947
28º Luiz Antonio de Mendonça Júnior 19 de março de 1947 a
8 de outubro de 1947
Ademar de Barros
29º Armando Ciampolini e Luiz Philippe Araújo de Paiva Meira (1948).jpg Armando Ciampolini 8 de outubro de 1947 a
18 de março de 1948
30º Mário Cabral Júnior 19 de março de 1948 a
19 de maio de 1948
31º Armando Ciampolini e Luiz Philippe Araújo de Paiva Meira (1948).jpg Armando Ciampolini 19 de maio de 1948 a
12 de outubro de 1948
32º Armando Ciampolini e Luiz Philippe Araújo de Paiva Meira (1948).jpg Luiz Philippe Araújo de Paiva Meira 13 de outubro de 1948 a
17 de fevereiro de 1949
33º Ruy Costa Rodrigues (1943).jpg Ruy Costa Rodrigues 28 de fevereiro de 1949 a
8 de junho de 1949
34º Abeylard Netto Amarante 28 de junho de 1949 a
7 de novembro de 1949
35º Alvaro Pereira de Souza Lima (1949).jpg Álvaro Pereira de Sousa Lima 7 de novembro de 1949 a
1 de fevereiro de 1951
36º Durval Martins Muylaert 23 de fevereiro de 1951 a
1 de fevereiro de 1955
Lucas Nogueira Garcez
37º Newton de Uzêda Moreira 3 de março de 1955 a
28 de janeiro de 1958
Jânio Quadros
38º Orlando Drumond Murgel (1940).jpg Orlando Drummond Murgel 29 de janeiro de 1958 a
23 de setembro de 1959
39º Hermínio Amorim Júnior 28 de setembro de 1959 a
20 de fevereiro de 1961
Carvalho Pinto
40º Armando Zenesi 20 de fevereiro de 1961 a
9 de fevereiro de 1963
41º Urbano Pádua Alves Araújo 12 de fevereiro de 1963 a
18 de julho de 1966
Ademar de Barros
42º Luiz Leite Bandeira de Mello 18 de julho de 1966 a
16 de fevereiro de 1967
Laudo Natel
43º Francisco de Sales Oliveira Júnior 17 de fevereiro de 1967 a
30 de março de 1971
Abreu Sodré
44º Chafic Jacob 1 de abril de 1971 a
10 de novembro de 1971
Laudo Natel

Frota[editar | editar código-fonte]

Dados estatísticos[editar | editar código-fonte]

Ano[34][35][36][37] Passageiros
Longo Percurso
(em milhões)
Passageiros
Subúrbios
(em milhões)
Cargas
(em milhões de TKU)
1954 6.491.045 9.714.471 2.379.754
1955 7.661.949 9.633.430 1.996.871
1956 10.148.270 11.184.776 2.261.213
1957 8.570.635 11.878.542 2.084.465
1958 9.833.604 11.471.232 1.835.003
1959 8.697.000 16.107.000 2.095.812
1960 8.552.000 19.268.000 1.893.193
1961 9.064.000 18.784.000 1.830.006
1962 10.745.000 17.317.000 1.752.940
1963 9.527.000 16.329.000 1.792.595
1964 8.496.000 18.818.000 1.671.858
1965 11.093.000 20.911.000 1.782.859
1966 10.671.000 20.894.000 1.708.243
1967 11.384.000 23.048.000 1.729.547
1968 11.833.000 25.743.000 1.969.660
1969 10.039.000 25.455.000 1.928.396
1970 7.561.000 26.330.000 1.808.002
1971 5.466.000 27.822.000 1.914.275

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (GEIPOT) (1973). «Capitulo 3 - Transporte Ferroviário». Anuário Estatísticos dos Transportes, páginas 115 a 183/Memória Estatística do Brasil - Biblioteca do Ministério da Fazenda no Rio de Janeiro - republicado no Internet Archive. Consultado em 1 de junho de 2020 
  2. «Museu da Estrada de Ferro Sorocabana reabre ao público na próxima quarta-feira» 
  3. «Sorocaba -- Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo». www.estacoesferroviarias.com.br 
  4. «LEI N. 10.410, DE 28 DE OUTUBRO DE 1971 - Constituição da FEPASA - Ferrovia Paulista S. A. e dá providências relacionadas com essa constituição». Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Consultado em 19 de fevereiro de 2019 
  5. Hugo Augusto Rodrigues. «A Real Fábrica de Ferro de Ipanema». Cidade de Iperó. Consultado em 9 de maio de 2020 
  6. Casarão Brigadeiro Tobias – Centro Nacional de Estudos do Tropeirismo. «O Tropeirismo». Prefeitura de Sorocaba. Consultado em 9 de maio de 2020 
  7. Daniela Jacinto (18 de agosto de 2018). «Ponte de Sorocaba é considerada o marco do tropeirismo no Brasil». Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba). Consultado em 9 de maio de 2020 
  8. a b Daniela Jacinto (27 de agosto de 2018). «Especial de aniversário: Sorocaba ganha indústrias e trens». Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba). Consultado em 9 de maio de 2020 
  9. FERROVIA PAULISTA SOCIEDADE ANÔNIMA (1983). Dirigentes da Sorocabana e Fepasa. [S.l.]: gráfica Fepasa. pp. 1 a 3 
  10. «A Centenária Sorocabana». Jornal da Tarde/republicado pelo site Novo Milênio. 24 de março de 1970. Consultado em 7 de maio de 2020 
  11. «Memória de ferroviário resgata tempos áureos da Sorocabana:Com trens parados e estações desativadas, linha férrea completa 130 anos de existência». Acervo Estadão. 13 de junho de 2002. Consultado em 9 de maio de 2020 
  12. Gazetilha (13 de julho de 1875). «Teve lugar no sábado último...». Diário de S.Paulo, Ano X, edição 2896, página 2/republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 9 de maio de 2020 
  13. José Tomazela (10 de julho de 2015). «Estrada de Ferro Sorocabana era inaugurada há 140 anos». O Estado de S.Paulo. Consultado em 9 de maio de 2020 
  14. Companhia Sorocabana (1876). «Encampação» (PDF). Relatório da Companhia Sorocabana, páginas 7 e 8/republicado pelo Arquivo Público do Estado de São Paulo. Consultado em 9 de maio de 2020 
  15. «lei nº 83». Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. 3 de abril de 1876. Consultado em 9 de maio de 2020 
  16. Companhia Sorocabana (1878). «Exploração» (PDF). Relatório da Companhia Sorocabana, páginas 5 e 6/republicado pelo Arquivo Público do Estado de São Paulo. Consultado em 9 de maio de 2020 
  17. «Relatório da Companhia Sorocabana» (PDF). Arquivo Público do Estado de São Paulo. 1882. Consultado em 8 de maio de 2020 
  18. a b c d FERROVIA PAULISTA SOCIEDADE ANÔNIMA (1983). Dirigentes da Sorocabana e Fepasa. [S.l.]: gráfica Fepasa. pp. 8 a 11 
  19. «História». Sala São Paulo. Consultado em 8 de maio de 2020 
  20. CORREA, Lucas Mariani (5 de setembro de 2019). «A atuação do holding Brazil Railway Company no Brasil (1904-1920)» (PDF). Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"/Faculdade de Ciências e Letras de Assis- Pós-Graduação em História. Consultado em 12 de maio de 2020 
  21. a b FERROVIA PAULISTA SOCIEDADE ANÔNIMA (1983). Dirigentes da Sorocabana e Fepasa. [S.l.]: gráfica Fepasa. pp. 12 a 14 
  22. «A Sorocabana foi multada». O Imparcial, ano VII, edição 1890, página 11/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 9 de março de 1918. Consultado em 12 de maio de 2020 
  23. Altino Arantes (31 de Dezembro de 1918). «Lei Estadual 1643/1918». Assembléia Legislativa de São Paulo. Consultado em 12 de maio de 2020 
  24. Washington Luís (14 de julho de 1920). «Rescisão de contratos». Mensagem apresentada ao Congresso Legislativo, em 14 de julho de 1920, pelo Dr. Washington Luís Pereira de Souza, presidente do estado de São Paulo, página 17/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 12 de maio de 2020 
  25. «Estrada Sorocabana:Foi assinada a escritura de rescisão do arrendamento da importante via-férrea». Correio Paulistano, edição 20199, página 3/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 27 de setembro de 2019. Consultado em 12 de maio de 2020 
  26. Sorocabana Railway Company (1909). «Relatório apresentado à diretoria da Sorocabana Railway Company por seu superintendente (1908)». Memória Estatística do Brasil-Biblioteca do Ministério da Fazenda no Rio de Janeiro/republicado no Internet Archive. Consultado em 6 de julho de 2020 
  27. Sorocabana Railway Company (1911). «Relatório apresentado à diretoria da Sorocabana Railway Company por seu superintendente (1910)» (PDF). Arquivo Público do Estado de São Paulo. Consultado em 6 de julho de 2020 
  28. Estrada de Ferro Sorocabana (1920). «Relatório da Estrada de Ferro Sorocabana referente ao ano de 1919» (PDF). Arquivo Público do Estado de São Paulo. Consultado em 6 de julho de 2020 
  29. Ralph Mennucci Giesbrecht. «Presidente Epitácio». Estações ferroviárias do Brasil. Consultado em 30 de julho de 2020 
  30. Fernando Martins Lichti. «História da Estrada de Ferro Sorocabana (1)». Novo Milênio. Consultado em 30 de julho de 2020 
  31. «Estações ferroviárias da Linha Tronco da Estrada de Ferro Sorocabana em 1960». vfco.brazilia.jor.br 
  32. «Relatório do secretário de finanças do estado de São Paulo para o ano de 1999» (PDF). Consultado em 24 de abril de 2007 
  33. «Histórico do processo de desestatização do setor ferroviário» (PDF). Consultado em 24 de abril de 2007 
  34. Apenas anos disponíveis corroborados por fontes oficiais
  35. Estrada de Ferro Sorocabana (14 de março de 1959). «Rede Sorocabana». Mensagem anual do governador Carvalho Pinto apresentada à Assembléia Legislativa do estado de São Paulo, página 212/republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 29 de abril de 2020 
  36. Geipot (1970). «Transporte de passageiros (interior e subúrbios) e cargas (TKU entre 1959-1968». Anuário Estatístico dos Transportes. Consultado em 20 de janeiro de 2020 
  37. Geipot (1970). «Transporte de passageiros (interior e subúrbios) e cargas (TKU entre 1968-1972». Anuário Estatístico dos Transportes. Consultado em 20 de janeiro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CANABRAVA, Alice Piffer; O desenvolvimento da cultura de algodão na província de São Paulo: 1861-1875; São Paulo; Ind. Gráfica Siqueira; 1951
  • COMPANHIA SOROCABANA; Relatorio apresentado pela directoria da Companhia Sorocabana á assembléa dos accionistas (vários anos)
  • FERROVIA PAULISTA SOCIEDADE ANÔNIMA; Dirigentes da Sorocabana e Fepasa;Gráfica Fepasa; Jundiaí;1983
  • SAES, Flávio de Azevedo Marques; As ferrovias de São Paulo: Paulista, Mogiana e Sorocabana (1870- 1940); 1974; Dissertação (Mestrado)Universidade de São Paulo, São Paulo;
  • SANTOS, Francisco Martins dos, e LICHTI, Fernando Martins;História de Santos/Poliantéia Santista;Editora Caudex Ltda.; São Vicente-SP; volume III;1996
  • SIQUEIRA, Augusto Primeiro traslado da escriptura de arrendamento da Estrada de Ferro Sorocabana; São Paulo; 1907.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Estrada de Ferro Sorocabana