Luís Mateus Maylasky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela passarela das escolas de samba, veja Sambódromo da Marquês de Sapucaí.
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo nobre brasileiro, visconde e, posteriormente, marquês de Sapucaí, veja Cândido José de Araújo Viana.


Luís Mateus Maylasky
Nascimento 21 de agosto de 1838 (182 anos)
Košice
Morte 15 de novembro de 1906 (68 anos)
Nice
Nacionalidade austríaca/brasileira
Principais trabalhos Fundação das
E.F. Sorocabana (1870) e
V.F.Sapucaí (1887)
Título 1º Visconde de Sapucaí (1891-1906)

Luís Mateus Maylasky, visconde de Sapucaí (Košice, 21 de agosto de 1838Nice, 15 de novembro de 1906), foi um militar austríaco, empresário no Brasil e nobre em Portugal. Sua cidade natal se localiza, atualmente,no território da Eslováquia.[1]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Chegou a Sorocaba em janeiro de 1866 e trabalhou como gerente da fábrica de algodão de Roberto Dias Baptista e mais tarde se tornou sócio de Roberto.

Viveu em Sorocaba, e, por volta de 1869, (época da 'febre do ouro branco') a cidade era conhecida como 'A capital do algodão'. Roberto e Maylaski em 24 de maio de 1871 inauguraram a Companhia da Estrada de Ferro, que se chamaria mais tarde Estrada de Ferro Sorocabana. Casou-se com Ana Franco de Andrade.[2]

Em 1876, o meu intimo amigo Sr. Roberto Dias Baptista, um dos mais distinctos chefes do Partido Liberal, e outros cidadãos considerados lembraram-se de propor-me para o cargo de vereador. (Maylasky, Jornal Gazeta, Sorocaba, 26 de julho de 1878). Roberto Dias Baptista seu fiel amigo, era um homem muito rico, inclusive empregou sua fortuna na fundação da Estrada de Ferro Sorocabana e tinha intenção de eleger Maylasky deputado. No entanto, o Partido Liberal negou a candidatura de Maylasky por conta de sua condição de estrangeiro naturalizado e Baptista deixou o partido em protesto.[3]

Foi o primeiro dirigente da Estrada de Ferro Sorocabana, mas em assembleia geral, em 15 de maio de 1880, Maylasky foi demitido. Seu sucessor, Francisco de Paula Mayrink, o acusou de gestão ilegal, malversação de fundos e, inclusive, de desfalque. Em 1880, Maylasky deixa Sorocaba.[4]

Posteriormente foi um dos fundadores e diretor também da Viação Férrea Sapucaí, em Minas Gerais.[1]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Adquiriu os títulos de Fidalgo cavaleiro da Casa Real e visconde por decreto real de 29 de maio de 1891 do rei Dom Carlos I de Portugal.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • LESSA, Francisco de Paula Mayrink. Vida e Obra do Conselheiro Mayrink (completada por uma genealogia da família). Rio de Janeiro: Pongetti, 1975, pág. 84.
  • Enciclopédia Sorocabana on line, biografia de Roberto Dias Baptista, citando o discurso de Posse de Claudio Dias Batista em setembro de 1995, ("Roberto Dias Baptista, o amigo fiel"), no Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba.

Referências

  1. a b FERROVIA PAULISTA SOCIEDADE ANÔNIMA (1983). Dirigentes da Sorocabana e Fepasa. [S.l.]: gráfica Fepasa. pp. 1 a 3 
  2. «Há 136 anos, tinha início a Estrada de Ferro Sorocabana». Jornal Cruzeiro do Sul (Sorocaba). 10 de julho de 2011. Consultado em 7 de maio de 2020 
  3. Luís Mateus Maylasky (3 de agosto de 1878). «Explicações necessárias». A Gazeta de Sorocaba- Republicado por A Província de São Paulo, Ano IV, número 1034/Republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca digital brasileira. Consultado em 7 de maio de 2020 
  4. «Relatório da Companhia Sorocabana» (PDF). Arquivo Público do Estado de São Paulo. 1882. Consultado em 7 de maio de 2020 
  5. GOMES, Laurentino (2013). 1889 (livro). [S.l.]: Editora Globo. 416 páginas. ISBN 978-85-250-5446-3 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
-
Dirigentes da Estrada de Ferro Sorocabana
18701880
Sucedido por
Francisco de Paula Mayrink