Escola Técnica Estadual (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Escola Técnica Estadual
Etec
Informação
Localização 165 municípios, São Paulo,
Tipo de instituição pública
Fundação 23 de novembro de 1911
(como Escola Profissional Feminina e Escola Profissional Masculina-atual Etec's Carlos de Campos, Getúlio Vargas e Martin Luther King)[1][2]
Cursos técnicos 151 cursos técnicos
Afiliações Centro Paula Souza
Número de estudantes 208 mil

As Escolas Técnicas Estaduais (ETECs) são instituições de ensinos técnico, médio e técnico integrado ao médio (ETIM), pertencentes ao Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS), autarquia da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECTI) do estado de São Paulo.[3].

História[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960 houve reuniões entre o Conselho Educacional para a criação de instituições que atendessem à necessidade do acompanhamento profissional e expansão industrial de São Paulo. A partir de 1967, quando Roberto Costa de Abreu Sodré assumiu o governo do estado, foi que a ideia de se criarem escolas técnicas foi se tornando cada vez mais concreta. Em 6 de outubro de 1969, o Centro Paula Souza iniciou suas atividades. Atualmente são 198 escolas, que ministram cursos técnicos e de ensino médio em 150 municípios do estado. As ETEC estão entre as melhores escolas públicas do Brasil, quando comparadas com outras escolas de ensino médio.

Unidades[editar | editar código-fonte]

As Etecs estão distribuídas em 156 municípios paulistas, como o total de 212 Etecs no Estado de São Paulo. Abaixo a lista das Etecs existentes divididas por regiões administrativas.

Região administrativa de São Paulo
Região administrativa de Araçatuba
Região administrativa de Barretos
Região administrativa de Bauru
Região administrativa de Campinas
Região administrativa Central
Região administrativa de Franca
Região administrativa de Marília
Região administrativa Metropolitana de São Paulo
Região administrativa de Presidente Prudente
Região administrativa de Ribeirão Preto
Região administrativa de Santos
Região administrativa de São José do Rio Preto
Região administrativa de São José dos Campos
Região administrativa de Sorocaba

Extensões das Etecs[editar | editar código-fonte]

O Centro Paula Souza mantém uma parceria com a Secretaria de Educação e prefeituras dos municípios paulistas para oferecer cursos técnicos em salas de aulas que não estão em uso em Escolas Estaduais e Escolas Municipais no período noturno.

Processo Seletivo[editar | editar código-fonte]

Para ingressar numa Etec, o candidato deve passar por um vestibulinho, processo seletivo aplicado para quem pretende estudar em Escolas Técnicas Estaduais. As Etecs possuem o "Sistema de Pontuação Acrescida", no qual os candidatos que se declararem afro–descendentes recebem 3% de bônus sobre a nota, e aqueles que cursaram o ensino fundamental integralmente em escola pública ganham 10%, percentuais que são cumulativos.[4]

Etecs no Enem[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente, os alunos de Etecs (etequianos) têm desempenho destacado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Resultados divulgados em 2011 pelo Ministério da Educação, referentes à última prova, realizada em 2009, apontam que, entre as 50 escolas públicas estaduais do Brasil com melhor pontuação, 34 são Etecs. Das 50 melhores escolas públicas paulistas, 41 são Etecs. Das 50 escolas estaduais mais bem classificadas no Estado de São Paulo, 44 são Etecs. A Etec de São Paulo (Etesp) é a melhor escola estadual paulista. No ranking nacional, é a 2ª entre as estaduais e na capital, está em 17º lugar entre públicas e privadas, à frente de colégios particulares tradicionais. Na capital, das 10 escolas públicas com melhor pontuação, 9 são Etecs. Das 89 Etecs que participaram do Enem, 11 ficaram em primeiro lugar em seus municípios, entre públicas e privadas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Os nossos bairros: No Brás- Escola Profissional Feminina». Correio Paulistano, edição 17358, página 9/ republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 24 de novembro de 1911. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  2. «Histórico da Escola Técnica Estadual Carlos de Campos». Escola Técnica Estadual Carlos de Campos. Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  3. «Perfil e Histórico». CPS - Centro Paula Souza 
  4. «Vestibulinho». CPS - Centro Paula Souza 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]