Empresa Metropolitana de Águas e Energia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
EMAE
Empresa Metropolitana de Águas e Energia
Razão social Empresa Metropolitana de Águas e Energia S/A
Empresa estatal de capital aberto (SEM)
Cotação B3EMAE3, EMAE4
Atividade
Fundação 1998 (26 anos)
Fundador(es) Mário Covas
Sede São Paulo,  São Paulo
 Brasil
Área(s) servida(s)  São Paulo
Proprietário(s) Governo do Estado de São Paulo
Produtos Produção de energia elétrica e controle de cheias
Subsidiárias Pirapora Energia
Antecessora(s) Eletropaulo
Website oficial www.emae.com.br

A EMAE - Empresa Metropolitana de Águas e Energia[1][2][3] é uma empresa estatal brasileira vinculada ao governo do estado de São Paulo, encarregada de controlar o volume de água do Rio Pinheiros, através da Usina Elevatória de Traição, da Represa de Guarapiranga e da Represa Billings, além da geração de energia elétrica na Usina Hidrelétrica Henry Borden, entre outras usinas paulistas.[4][5]

História[editar | editar código-fonte]

A EMAE foi fundada em 1º de janeiro de 1998, a partir da cisão da antiga estatal Eletropaulo. Além desta, que continuou sendo estatal, foram criadas (e posteriormente privatizadas) as empresas abaixo citadas.

Privatização[editar | editar código-fonte]

Em 18 de março de 2024, o governo do estado de São Paulo publicou o edital de privatização da EMAE, com base na lei do Programa Estadual de Desestatização – PED.

Em 19 de abril, foi realizado o leilão para venda do controle acionário na B3,[10] com o fundo Phoenix – que conta com a participação de Nelson Tanure[11] arrematando a estatal por 1 bilhão de reais, com ágio 33 por cento superior ao preço mínimo previsto.[12][13][14][15][16] A celebração do contrato deve ser realizada até setembro.[12]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A EMAE possui a seguinte base estrutural operacional.

Usinas Hidrelétricas[editar | editar código-fonte]

Usinas Termelétricas[editar | editar código-fonte]

Barragens[editar | editar código-fonte]

Canais[editar | editar código-fonte]

Represas e Reservatórios[editar | editar código-fonte]

Usinas Elevatórias[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «EMAE PN (EMAE4) Preço da ação». www.br.advfn.com. ADVFN. Consultado em 1 de abril de 2018 
  2. Ryngelblum, Ivan (9 de agosto de 2018). «Emae reverte prejuízo e tem lucro de R$ 16,3 milhões no 2º trimestre». www.valor.com.br. Valor Econômico (salvo em Wayback Machine). Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  3. «Emae reverte prejuízo e tem lucro de R$ 16,3 milhões no 2º trimestre» (PDF). www.empresaspublicas.imprensaoficial.com.br. Governo do Estado de São Paulo - Secretaria da Fazenda. 14 de março de 2018. Consultado em 3 de fevereiro de 2019 
  4. «EMAE - Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A.». EMAE - Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A. Consultado em 1 de abril de 2018 
  5. «Empresa Metropolitana de Águas e Energia S.A.» (PDF). Governo do Estado de São Paulo - Secretaria da Fazenda. 2010. Consultado em 1 de abril de 2018 
  6. Mendonça de Barros, Luiz Carlos (1 de março de 2005). «A privatização da Eletropaulo e o BNDES». www1.folha.uol.com.br. Tendências/Debates - Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de dezembro de 2018 
  7. Maia, Camila (3 de dezembro de 2018). «Eletropaulo muda de nome e se torna Enel Distribuição São Paulo». Valor Econômico. Consultado em 4 de dezembro de 2018 
  8. Trevisan, Cláudia (18 de setembro de 1998). «Sem disputa, Bandeirante é vendida pelo preço mínimo». www1.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de dezembro de 2018 
  9. Portes, Ivone (28 de junho de 2006). «São Paulo privatiza empresa de transmissão de energia por R$ 1,193 bilhão». www1.folha.uol.com.br. Folha Online - Dinheiro - Folha de S.Paulo. Consultado em 1 de dezembro de 2018 
  10. «Privatização da Emae, estatal de energia do governo de São Paulo, acontece na B3 e é prévia da Sabesp». O Globo. 19 de abril de 2024. Consultado em 20 de abril de 2024 
  11. «Nelson Tanure atraiu entrada do Fundo Phoenix no leilão da Emae, diz Banco Master»Subscrição paga é requerida. Valor Econômico. 19 de abril de 2024. Consultado em 20 de abril de 2024 
  12. a b «SPI | EMAE». Secretaria de Parcerias em Investimentos (SPI) 
  13. «Phoenix FIP vence leilão bilionário do Governo de SP para privatização da Emae». Governo do Estado de São Paulo. 19 de abril de 2024. Consultado em 20 de abril de 2024 
  14. «Governo de SP marca privatização da estatal de energia Emae». Poder360. 18 de março de 2024. Consultado em 20 de março de 2024 
  15. «Em 1ª privatização do governo Tarcísio, Emae é vendida por R$ 1 bilhão para fundo Phoenix». Exame. 19 de abril de 2024. Consultado em 20 de abril de 2024 
  16. «Emae, última estatal de energia de SP, é vendida por R$ 1,04 bilhão para Fundo Phoenix». G1. 19 de abril de 2024. Consultado em 20 de abril de 2024 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]