Aster Petróleo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2018).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Aster
File:aster.png
Razão social Aster Petróleo Ltda.
Empresa de capital fechado
Atividade Petróleo
Gênero Limitada
Fundação 7 de setembro de 1980 (38 anos)
Sede São Paulo, SP,  Brasil
Produtos Postos de combustíveis
Website oficial www.asterpetroleo.com.br

Aster Petróleo (conhecida como Aster) é uma empresa brasileira especializada no armazenamento, distribuição e venda de combustíveis. Sediada em São Paulo, a empresa mantém uma rede de quase 50 postos de gasolinas.[1]

As origens da Aster datam de meados dos anos 80, quando os sócios do Grupo Aster fundaram uma rede de postos de gasolina em São Paulo. No início dos anos 90, a pequena rede de revendedores decidiu dar um passo ousado: tornar-se um distribuidor para entrega em sua própria rede de postos de combustíveis e para parceiros no estado de São Paulo, Brasil. As atividades de distribuição de combustíveis começaram em 1996. A transportadora do grupo foi criada com a aquisição dos primeiros caminhões-tanque. A Aster, então, deu o primeiro passo para a independência operacional, construindo sua primeira unidade de armazenamento, (interligada à Petrobras por meio de dutos), localizada em Guarulhos, na Grande São Paulo.[2]

Desde o início, a empresa é presidida por Carlos Alberto de Oliveira Santiago, que em 1997 foi preso em flagrante por participação em um esquema de prostituição infantil.[3]

Em 2015 na Operação Politéia, a Polícia Federal apreendeu R$3,67 milhões em um cofre na sede da empresa em São Paulo. A suspeita é que o dinheiro era de intermédio de propina de 1% para Collor.[4]

Carlos Alberto de Oliveira Santiago morreu em 2016 em decorrência de problemas de saúde.

Referências