Grupo CEEE

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Grupo CEEE
Razão social Companhia Estadual de Energia Elétrica
Empresa de capital fechado
Atividade Eletricidade
Gênero Sociedade de economia mista
Fundação 01 de dezembro de 2006 (15 anos)
Destino Privatizado
Encerramento 2022
Sede Porto Alegre,  Rio Grande do Sul,  Brasil
Área(s) servida(s) RS
Locais Porto Alegre e outras cidades gaúchas
Proprietário(s) CEEE Par (67,05%)

Eletrobras (32,23%)

Presidente Rodrigo Gomes Wallau
Empregados 3.342ː[1]
  • 2.271 na CEEE-D
  • 1.071 na CEEE-GT
Produtos Potência elétrica
Faturamento Baixa R$ 278,896 milhões (2020) (CEEE-GT)

BaixaR$ 1.622,898 milhões (2020) (CEEE-D) [2]

Significado da sigla Companhia Estadual de Energia Elétrica
Antecessora(s) Companhia Estadual de Energia Elétrica (1943-2006)
Website oficial www.ceee.com.br

O Grupo CEEE era constituído por empresas oriundas do processo de reestruturação societária da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE).

Em 2021, a CEEE-D foi vendida em um leilão para a Equatorial pelo valor de R$ 100 mil reais[3][4]. No mesmo ano, a CEEE-T foi vendida em um leilão para a CPFL pelo valor de R$ 2,6 bilhões de reais.[5] Em julho de 2022, a CEEE-G foi vendida para a Companhia Florestal do Brasil, vinculada à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) por R$ 928 milhões.[6]

Origem[editar | editar código-fonte]

Em atendimento à Lei Federal 10.848/04, que determina que as atividades de geração, transmissão e distribuição de energia devem ser alocadas em empresas diferentes, o Grupo CEEE passou a operar em dezembro de 2006. Acumulou uma experiência de quase 80 anos no setor elétrico, atuando nos segmentos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica destinados ao suprimento do Rio Grande do Sul.

O Grupo CEEE foi originalmente formado pela empresa holding denominada Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações - CEEE Par e suas duas controladas: a Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica - CEEE-GT e a Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica - CEEE-D, permanecendo o Governo do Estado do Rio Grande do Sul com o controle acionário e o poder de gestão de todas as empresas oriundas do processo de reestruturação.

Desde a sua fundação, o grupo sempre se posicionou como um dos 10 maiores entre as empresas do Rio Grande do Sul em termos de receita e ativo, bem como um dos maiores da Região Sul e também do Brasil, conforme ranking da Fundação Getúlio Vargas.

Produzia 75% da energia hidrelétrica gerada no RS, possuía 5.781 km em linhas de transmissão de energia no Estado e distribuía energia elétrica para um terço do mercado gaúcho através de 47.000 km de redes urbanas e rurais, localizadas em 72 municípios, fornecendo eletricidade a cerca de 3,5 milhões de pessoas. Atuava, também, em programas de combate ao desperdício de energia e eletrificação rural, além de diversos projetos sociais, culturais e ambientais, destacando-se no panorama nacional e latino-americano pelo elevado índice de satisfação manifestado por seus clientes e consumidores.

Privatização[editar | editar código-fonte]

A privatização da CEEE foi elaborada no contexto das negociações do governo do estado junto ao governo federal para adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, nas gestões dos governadores José Ivo Sartori (MBD), Eduardo Leite (PSDB) e Ranolfo Vieira Júnior (PSDB).[7]

Em maio de 2019, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou a a PEC 272/2019 que retira da Constituição Estadual a obrigatoriedade da realização de plebiscito para a venda da CEEE, da Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás).[8]

Em julho de 2019, a Assembleia Legislativa do Estado autorizou o Poder Executivo do Estado do Rio Grande do Sul a promover medidas de desestatização da Companhia Estadual de Energia Elétrica – CEEE, sancionada e promulgada pela lei n°. 15.298, de 04 de julho de 2019.[9]

Com a autorização legislativa, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) foi contratado pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul, em 16 de agosto de 2019, para conduzir o processo de privatização das empresas do Grupo CEEE.[9]

No 1º trimestre de 2021, a CEEE-D foi vendida em um leilão para a Equatorial pelo valor de R$ 100 mil reais[3][4]. A prioridade do grupo Equatorial é pagar o passivo financeiro da distribuidora gaúcha, que chega ao montante de R$ 4,1 bilhões.[10][11]

No mesmo ano, a CEEE-T foi vendida em um leilão para a CPFL pelo valor de R$ 2,6 bilhões de reais.[5]

Em julho de 2022, a Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica (CEEE-G) foi vendida para a Companhia Florestal do Brasil, vinculada à Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) por R$ 928 milhões.[6]

Referências

  1. https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/pol%C3%ADtica/funcion%C3%A1rios-da-ceee-rebatem-dados-do-governo-sobre-companhia-1.334284
  2. https://planejamento.rs.gov.br/upload/arquivos/202109/22160830-estatais.PDFf
  3. a b «Governo Eduardo Leite vende a CEEE-D por R$ 100 mil em leilão com proposta única». Sul 21. 31 de março de 2021. Consultado em 3 de setembro de 2021 
  4. a b «Estado repassa o controle da CEEE-D ao Grupo Equatorial». Portal do Estado do Rio Grande do Sul. 8 de julho de 2021. Consultado em 3 de setembro de 2021 
  5. a b «CPFL Energia assume controle do setor de transmissão da CEEE». GZH. 14 de outubro de 2021. Consultado em 20 de maio de 2022 
  6. a b «Companhia Estadual de Geração de Energia Elétrica do RS é vendida por R$ 928 milhões em leilão de privatização». G1. Consultado em 26 de setembro de 2022 
  7. «Governo do RS encaminha à Assembleia projeto prevendo privatizações sem plebiscito». G1. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  8. «Assembleia aprova em 2º turno retirada de plebiscito para venda de três estatais». GZH. 7 de maio de 2019. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  9. a b «Privatizações». Sema - Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura. 9 de novembro de 2022. Consultado em 18 de novembro de 2022 
  10. «Equatorial diz que renegociação de passivos da CEED-D será uma das prioridades iniciais». globo.com. Consultado em 4 de abril de 2021 
  11. «Equatorial expande para o Sul compra da CEEE». globo.com. Consultado em 4 de abril de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.