Mafersa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Mafersa
Material Ferroviário S/A
Sede da Mafersa na Lapa, 1980.
Razão social Material Ferroviário S/A
Empresa de capital aberto
Atividade Transporte de ferrovias
Fundação 31 de janeiro de 1944
Fundador(es) Lauro Parente (??-1986)
Destino falência
Encerramento
  • 1997 (equipamentos ferroviários)
  • 1999 (fundição e rodas)
Sede Lapa, São Paulo.
Locais Belo Horizonte, Caçapava
Empregados 360 (1997)
Produtos Veículos ferroviários
Receita R$ 54.483.000,00 (1997)[1]
LAJIR R$ 10.622.000,00 (1997)
Sucessora(s)
  • Alstom (equipamentos ferroviários)
  • MWL (fundição e rodas)

A Material Ferroviário S/A, mais conhecida como Mafersa foi a maior e mais importante fabricante brasileira da indústria de material ferroviário, tendo produzido desde a sua fundação mais de 1200 carros ferroviários[2].

História[editar | editar código-fonte]

Início e expansão (1944–1963)[editar | editar código-fonte]

A Mafersa foi fundada em 31 de janeiro de 1944 pelo empresário Lauro Parente e seu grupo familiar.[3] Seu endereço telegráfico, Mafersa, acabou sendo adotado como nome da nova empresa, cujo primeiro presidente foi Luiz Pinto Thomaz, fundador da siderúrgica sorocabana Nossa Senhora Aparecida e seus diretores Lauro Parente e Fernand Van Calster.[4] Um dos seus primeiros acionistas foi Roberto Simonsen, que havia acabado de formar a Fábrica Nacional de Vagões.[5] Em 1948 a Mafersa acabou contratada sem licitação para administrar o programa de eletrificação e os serviços de manutenção da Viação Férrea Federal do Leste Brasileiro. Apesar de protestos do engenheiro Rodrigues Monteiro, o contrato foi celebrado com grande vantagem financeira para a Mafersa.[6] A empresa defendeu essa forma de contratação direta, sem concorrência, embora os serviços realizados por ela já fossem realizados por empregados próprios das ferrovias anteriormente.[7] Em 1951, após uma alteração no seu quadro acionário, foi incluído entre seus acionistas o engenheiro Renato de Azevedo Feio. Naquele momento Azevedo Feio era, ao mesmo tempo, diretor da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí e a ferrovia passou a encomendar vagões para a Mafersa com maior frequência.[8][9]

Até o início da década de 1950, a Mafersa era uma pequena importadora de equipamentos da indústria estadunidense e indústria de reparação de vagões de carga instalada em Belo Horizonte, que se aproveitava da falta de peças de equipamentos ferroviários causada pela Segunda Guerra Mundial.[10] A situação da Mafersa mudou após o governo Vargas implantar a Comissão Mista Brasil-Estados Unidos para o Desenvolvimento Econômico. Uma das recomendações da comissão foi o investimento no setor de transportes.[11] Assim, o governo federal decidiu pela modernização dos subúrbios da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, incluindo a aquisição de 30 trens-unidade elétricos. Por pressão estadunidense, foi exigido pela Santos-Jundiaí que a carroceria dos carros fosse de aço inoxidável. A fabricação de trens de aço inoxidável era liderada por empresas estadunidenses, com destaque para Budd Company. No Brasil, até então nenhuma empresa possuía capacidade técnica para produzir carros de aço inoxidável, porém durante o lançamento da concorrência a Mafersa apresentou uma carta de representação da Budd Company obtida pelo engenheiro Azevedo Feio em 1954.[12] Com a carta de representação aceita pela Santos-Jundiaí, presidida pelo próprio Azevedo Feio, a Mafersa foi a única concorrente e venceu o contrato.[13]

O possível conflito de interesses entre a Mafersa e o engenheiro Azevedo Feio passou a ser apontado pelas demais empresas ferroviárias como FNV, Santa Matilde e Cobrasma, preteridas pela Mafersa em diversas concorrências da Santos-Jundiaí e da Central do Brasil e levou o Congresso Nacional a criar a Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Mafersa. Os relatórios da CPI terminaram de forma inconclusiva e a Mafersa passou a receber cada vez mais contratos da recém-criada Rede Ferroviária Federal (presidida novamente por Azevedo Feio).[12]

Capacidade de produção das fabricantes ferroviárias brasileiras (1955)
Empresa Vagões/ano
Fábrica Nacional de Vagões (FNV) 3000
Companhia Industrial Santa Matilde 2000
Companhia Brasileira de Material Ferroviário (Cobrasma) 1200 (1)
Material Ferroviário S/A (Mafersa) 1200
Companhia Sorocabana de Material Ferroviário (Soma) 600 (2)
Fonte:O Observador Econômico e Financeiro, 1956 [14]
Observações: (1) A Cobrasma possuía uma forja, equipamento que a FNV, Mafersa e Santa Matilde só obtiveram na década de 1960;
(2) - A Soma era uma empresa dedicada a fabricação e aluguel de vagões para cargas especiais/superdimensionadas.

No ano de 1954 já começavam a ser produzidos os primeiros carros de passageiros para operar na Viação Férrea Federal Leste Brasileiro na fábrica de Contagem.[15] Em fevereiro de 1956 a unidade da Grande Belo Horizonte produz para a Central do Brasil 1372 vagões de carga, entre eles unidades frigoríficas de 50 toneladas[16]. Em 1957 é inaugurada a filial de Caçapava, responsável pela fabricação de truques, eixos, rodas e engates. Em 25 de janeiro de 1958 é inaugurada pelo então presidente da República Juscelino Kubitschek a fábrica de carros de passageiros no bairro paulistano da Lapa, responsável por montar 20 TUE's e fabricar outras 36 composições da então Série 101 da EFSJ (um anúncio da empresa publicado na Folha da Manhã de 28 de julho de 1957 fala que 34 trens desta série foram importados diretamente da Budd Company em Filadelfia, PA, EUA[17]).[18][19]

Em 1960 a empresa começa a fabricar caixilhos de alumínio extrudado, cortinas, ferragens (sob licença da americana The Adams & Westlake Company),[20] poltronas (sob licença da também americana Hey-Wood Wakefield)[21] e se uniu com a The Chain Belt Company para fabricar caminhões-betoneira, usinas de concreto e caminhões-basculantes e "super-dumpers" com o objetivo de expandir as operações além da indústria ferroviária[22] e nesse mesmo ano chega à fábrica de Caçapava uma forja pesada (inaugurada em julho de 1961[23] que na época era a maior da América Latina [capacidade de forjamento de 6000 toneladas]), com a capacidade para produzir 30.000 toneladas de forjados por ano e foi instalada com a colaboração do BNDE (atual BNDES).[24]

No entanto, nos anos 1950, a indústria automobilística se instalava com mais força no Brasil e o transporte rodoviário ganhava incentivos do governo. Esta situação começou a ser sentida pelas companhias ferroviárias a partir dos anos 1960. Os investimentos em trilhos caíram e a Mafersa, como outras empresas, enfrentavam dificuldades.

Estatização e auge (1964 – 1980)[editar | editar código-fonte]

Anúncio publicitário sobre a entrega de uma encomenda de trens-unidade elétricos para a Rede Ferroviária Federal, 1976.

Pouco antes do golpe militar de 1964 a Mafersa é estatizada[25] devido a falta de recebimentos e de novos pedidos do governo, até então seu maior cliente. Em novembro daquele ano alguns funcionários da empresa foram processados pelo antigo DOPS porque havia uma célula comunista.[26] Foi nessa epoca que se iniciou a produção de carros de passageiros série 800 (baseados na série Pioneer III da Budd Company) para a Estrada de Ferro Sorocabana e Estrada de Ferro Araraquara. Em 1968 são fabricados TUE’s[27] para a EFSJ baseados na série Pioneer III da mesma empresa americana e entregues em julho do ano seguinte para operar em médio percurso (nomeados Série 141) no lugar da Série 101 que ficou restrita as operações de subúrbio.[28]

Em novembro de 1969 a empresa assina um contrato com a siderúrgica Mannesmann e forneceu 54000 toneladas de aço para forjar rodas de carros de passageiros, vagões de carga e locomotivas. No dia 14 do mesmo mês foi produzida a 100000ª roda na fábrica de Caçapava.[29]

Na década de 1970, a fabricante teve o seu auge, começando a vender para o exterior rodas forjadas da fábrica de Caçapava para o Paquistão em junho de 1972;[30][31] também fabrica TUE’s da Frota A para o Metrô de São Paulo entre este mesmo ano e 1974 (sob licença da Budd Company); Metrô do Rio (Série 1000, em consórcio com a Villares e Westinghouse em 1978); para a RFFSA entre 1976 (série 401) e 1978 (neste ano a Série 431, mais conhecida como "Marmitão" e semelhante ao TUE Série 500 [fabricado no Japão em 1977 pela Hitachi] começou a rodar em caráter experimental em março de 1978 no trecho suburbano da Estrada de Ferro Leopoldina [atual Linha Saracuruna da SuperVia], mas o leito ferroviário desta linha não aceitou essa frota e todos os TUE's desta série foram para os subúrbios de São Paulo[32]) e para a Fepasa (em consórcio com a Villares, ACEC e Sorefame entre 1978/1980 e houve uma tentativa de testar uma composição da Série 9500 no subúrbio carioca no final de 1979[33]).

Em maio de 1979 começou as primeiras tentativas de privatização da empresa e um dos interessados era Marcos Vianna, ex-presidente do BNDE (atual BNDES).[34] Em novembro de 1980 2200 rodas ferroviárias feitas na fábrica de Caçapava são exportadas para a Índia e entregues no porto de Bombaim para o Ministério das Estradas de Ferro do país asiático.[35]

Declínio (Anos 1980)[editar | editar código-fonte]

Durante a década de 1980 a Mafersa sofre um duro golpe com a falência da The Budd Company, sendo que fica impedida de fabricar trens utilizando os métodos da empresa americana. A última encomenda utilizando esse processo foram os TUE Série 700 para a RFFSA, fabricados entre 1983 e 1987. Houve uma tentativa de utilizar um processo de fabricação francês (sob licença Francorail), mas o único projeto que a Mafersa utilizou esse processo foram as frotas C e D do metrô de São Paulo (construída em conjunto com a Cobrasma).

Em setembro de 1981 a empresa assina um contrato com o governo de Moçambique para vender 200 vagões de carga e 3000 rodas destinados a malha ferroviária do país africano que passam na capital Maputo e também aos países vizinhos.[36]

Em março de 1982 ocorre a primeira tentativa de privatização da Mafersa e os interessados na desestatização eram: o antigo banco Bozano, Simonsen (atual Santander), Indústrias Villares, Fábrica Nacional de Vagões[37] e até empresários como Roberto Naufal (ele desiste da ideia em outubro daquele ano[38]). No mesmo ano a empresa venceu licitação para fabricar os trens do Metrô de Porto Alegre, mas o Banco Mundial não aceitou o resultado e declarou como vencedor da concorrência internacional as japonesas Kawasaki e Mitsui.[39]

Além disso, crises econômicas impedem o governo brasileiro (que respondia pela maioria de suas encomendas) de adquirir novos trens, o que obriga a Mafersa (e sua concorrente Cobrasma) a iniciar a fabricação de ônibus e trólebus em 1985[40] como um meio de diversificar seus produtos para fugir da crise econômica. Praticamente ninguém mais aplicava em ferrovia. A inflação e o desemprego nesta época não só afetavam o bolso dos trabalhadores, como do próprio governo, que ainda era o maior investidor em sistemas de trilhos.

Em março de 1987 mais dois países importam 405 rodas ferroviárias laminadas e forjadas na fábrica de Caçapava: Mauritânia (noroeste da África) e Jordânia (Oriente Médio), fazendo da Mafersa um dos principais fornecedores mundiais deste produto que foi importado por 29 países (em 1986 a Índia foi o maior importador juntamente com os EUA).[41] Em agosto do mesmo ano a empresa desenvolve vagão-tanque maior sem a longarina e pesa seis toneladas a menos que os convencionais. O projeto levou 8 anos de pesquisas e foi desenvolvido através de computadores e segundo o diretor de divisão de vagões de carga na época, o Brasil se equiparará a tecnologia internacional de fabricação.[42] Nesta mesma época a empresa exporta 200 rodas de vagões de carga fabricados em Caçapava do Porto de Santos para a Austrália[43].

No segundo semestre de 1989 o governo tentou leiloar a Mafersa pela segunda vez (as propostas começaram em janeiro de 1986[44] e se arrastaram por três anos), mas a campanha de Lula para as eleições daquele ano fez o então presidente José Sarney suspender a privatização da empresa no dia 10 de outubro.[45][46][47] A decisão saiu após uma audiência com a Confederação Nacional dos Metalúrgicos. Para o ex-presidente do BNDES Márcio Fortes a decisão de suspender o leilão da empresa foi mais politica do que técnica. Já Ney Tavora, presidente do banco na época, disse que a venda causaria prejuízo por causa dos investimentos necessários para saneá-la, apesar do BNDES defender a desestatização.[48]

Produção de ônibus (anos 80)[editar | editar código-fonte]

O ônibus M-210 era monobloco, ou seja, a carroceria e o chassi formavam um mesmo conjunto e foi lançado em outubro de 1987 após projetado por computador com tecnologia nacional.[49] O motor era o Cummins 6CT8.3 210, o mesmo que equipava o caminhão Volkswagen 14.210. A transmissão era ZF S 6-90  e o eixo de tração era feito pela Mafersa, com tecnologia licenciada da Europa. A empresa foi uma das pioneiras na aplicação de freio ABS e controle de estabilidade em ônibus urbanos. Posteriormente, outra versão mais sofisticada era o M-240 com opção de transmissão automática Alisson, com mais potência e conforto para motorista e passageiros.

Os ônibus e trólebus da Mafersa começaram a ganhar o mercado tanto pelo crescimento do setor de transportes urbanos e metropolitanos, como também pela credibilidade que tinham as marcas Mafersa e Cummins. Ambas empresas que atuavam em parceria começaram a utilizar a reputação que tinham no mercado e a boa aceitação dos empresários como estratégia de negócios.

Uma propaganda da Cummins, por exemplo, trazia o depoimento do empresário Alfredo Willy Isaak, fundador da Leblon Transporte de Passageiros, que comprou 28 Mafersa e com os veículos ligava os municípios de Curitiba e Fazenda Rio Grande, no Paraná e a fabricante do motor fazia questão de trazer o depoimento empresário dizendo que depois de 400 mil quilômetros rodados os motores dos ônibus não tiveram de ser abertos para passar por retífica.

No entanto, os ônibus da Mafersa começaram a apresentar diversos problemas, principalmente quando circulavam fora de corredores. [50]De acordo com o site Caminhão Antigo Brasileiro, havia problemas com a ingestão de poeira por causa da inadequada tomada de ar de admissão e também o desgaste excessivo no mancal de encosto do virabrequim.

Os problemas começaram a ser corrigidos no início dos anos 1990. Para se ter uma ideia, foram feitos testes na rodovia Mogi-Bertioga como relata um dos participantes do site Caminhões Antigos Brasileiros (arquivado), Evandro Fullin:[51]

“À volta de 1992, no papel de engenheiro de aplicações da citada casa norte-americana de motores diesel, este que aqui escreve teve o prazer de trabalhar em vários desenvolvimentos do M210 e do M240, tendo inclusive participado de um memorável teste de “cooling” (arrefecimento) na serra da Rodovia Mogi-Bertioga, SP-098, ocasião em que dois Mafersa foram acoplados por um cambão, de modo a simular carga no veículo anterior do comboio.”


A Mafersa também ganhou mercado em trólebus. Entre 1986 e 1988, em parceria com a Villares, a empresa, por exemplo, forneceu 78 trólebus para a CMTC – Companhia Municipal de Transportes Coletivos, e a maior parte operou no corredor Santo Amaro-Nove de Julho entre as zonas sudoeste e central da Capital.[52][53][54][55]

Em 1987, a empresa desenvolveu um protótipo de trólebus articulado, que chegou a ser testado no Corredor Metropolitano São Mateus - Jabaquara, hoje operado pela Metra (posteriormente Next Mobilidade) e diversos sistemas de São Paulo e de outros estados já contavam com ônibus da fabricante.

Em 1988, a empresa forneceu seis trólebus para a CSTC, que era a Companhia Santista de Transporte Coletivo, empresa pública. Os veículos operam pela Viação Piracicabana em uma linha histórica de Santos, mas a prefeitura já assinou decreto para que passem a integrar o patrimônio público.

No início dos anos 1990, a Mafersa transferiu sua produção de ônibus diesel para a unidade de Contagem, em Minas Gerais, e lança a Série S de ônibus, com design mais moderno e algumas diferenciações na parte mecânica. A produção inicial na unidade de Contagem era de 30 ônibus por mês. Em 1993, a empresa tinha aproximadamente mil veículos de transporte coletivo sobre pneus rodando no país. Foi na fábrica de Contagem que a fabricante produziu não apenas ônibus monoblocos, mas também chassis e plataformas para receberem carrocerias de outras empresas. Com o início da produção na cidade mineira a empresa lançou o M-210S com câmbio manual. Já o M-240S tinha câmbio automático.

A empresa também atuou na fabricação de chassis para ônibus articulados. Foi o M-290, com motor Cummins de 290 cavalos. O ônibus não teve a mesma aceitação dos seus antecessores pelo fato de a Mafersa já estar caminhando para o seu final por causa da crise econômica e no setor ferroviário. Algumas empresas de ônibus chegaram a circular com o M-290, como a Viação Januária, em Mauá, na Grande São Paulo, cuja unidade foi encaroçada pela Ciferal.

A Mafersa também apresentou ao mercado, sem grande sucesso, o modelo de ônibus rodoviário MR1-320 que foi um protótipo, no entanto, não houve tempo para comercialização em linha, já que a empresa entrava em declínio. A Leblon Transporte de Passageiros, a mesma que apareceu na propaganda da Cummins, tinha uma divisão de ônibus de fretamento e chegou a operar em Fazenda Rio Grande e em Curitiba com uma unidade do Mafersa rodoviário.[56]

Privatização e falência (anos 90)[editar | editar código-fonte]

Miniatura do Trem 1125, proposta da Mafersa para os trens do Metrô de Medellín, exposta no Museu SPTrans dos Transportes Públicos - Gaetano Ferolla.[57].

No início dos anos 90 a Mafersa fabrica trens para o metrô do Distrito Federal, com novo processo de fabricação (já utilizado nos trens do metrô Rio). Em abril de 1991 a empresa faz parceria com a empresa norte americana Morrison-Knudsen Co. Essa parceria resulta na fabricação de 256 caixas para TUE's de aço inox para o metrô de Chicago (3200-series),[58] 38 carros de passageiros (chamados nos EUA de Mafersa Coaches) para a Virginia Railway Express.

Em 11 de novembro de 1991 a empresa é privatizada,[59][60][61][62] sendo que a Refer (associação dos funcionários da Rede Ferroviária Federal) adquiriu o controle acionário com 90% das ações. Em 1994 o consórcio Morrison-Knudsen Co. / Mafersa vence licitação nos EUA que prevê a fabricação de carros de 2 andares para a Caltrain nos EUA. O contrato é cancelado em 1995 com a falência da Morrison-Knudsen Co., detentora do contrato nos EUA.

Em julho de 1992 a empresa teve um projeto de produzir um motor a gás natural desenvolvido pelo Centro Tecnológico de Aeronáutica que seria testado num ônibus mas a ideia não foi levada adiante.[63]

Em junho de 1993 a fabricante exportou rodas ferroviárias à Arábia Saudita a partir do Porto de São Sebastião por causa do baixo custo.[64]

No início dessa década o governo brasileiro não faz nenhuma encomenda de trens o que leva a empresa à nova crise que atingiu o seu ápice em 1995, com a falência da parceira Morrison-Knudsen Co., com a fábrica parando a produção por três meses sendo vendida ao Clube de Investimentos dos Funcionários.[65][66] No fim desse ano os 1.820 empregados foram demitidos e a dívida da Mafersa atingia R$ 2,6 milhões. A fábrica foi reaberta em 1996 com 360 funcionários e recebeu apenas encomendas de reformas, tendo reformado a antiga série 101 da EFSJ (agora pertencente à CPTM).

A matriz industrial no bairro da Lapa em São Paulo foi adquirida pela multinacional francesa Alstom em 1997.

A filial de Caçapava atinge a marca de 2 milhões de rodas produzidas em 21 de agosto de 1998 e em maio de 1999 mudou o nome para MWL Brasil Rodas e Eixos (funcionou até setembro de 2022 quando a justiça decretou a falência da fábrica após constantes atrasos no pagamento de salários dos empregados[67]).[68]

Legado[editar | editar código-fonte]

A Mafersa foi um marco na história dos transportes do Brasil. Apesar de fabricar por menos de 10 anos os ônibus, também trouxe importantes contribuições para este meio nas ruas e avenidas das principais cidades do país. A exemplo de outra fabricante ferroviária, Cobrasma, os ônibus uniam a praticidade do transporte sobre pneus incorporando elementos de qualidade dos transportes ferroviários.

As linhas de desenho, as soluções de ergonomia e a durabilidade da carroceria tinham padrões até então pouco vistos na indústria de ônibus brasileira.

Ao lado dos trólebus da Cobrasma e do Monobloco Urbano O-371, da Mercedes Benz, os ônibus da Mafersa realmente representavam inovações na mobilidade urbana. Algumas foram seguidas, outras, por questões de custos, dispensadas.

Produção[editar | editar código-fonte]

Produção Até 1978 [69] 1979-1990[70] 1991-1997
Vagões de carga 7523 396
(jan. 1986-jul. 1989)
Carros de passageiros 623 726 80
Rodas 737.000 250.919
(jan. 1986-jul. 1989)
Eixos ferroviários 36.000 4665
(jan. 1986-jul. 1989)
Ônibus/Trólebus - - c.1000
Total

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Mafersa (23 de setembro de 1998). «Relatório da Administração, 1997» (PDF). Diário Oficial do estado de São Paulo, Caderno Ineditoriais, página 2. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  2. «MAFERSA». Lexicar Brasil. 31 de março de 2015 
  3. TÁVORA, Ney (17 de outubro de 1989). Esclarecimento sobre a Privatização da Mafersa. Acervo Estadão. O Estado de S. Paulo. São Paulo, ano 110, nº 35.173. Economia & Negócios, p. 03 (35 da edição). Consultado em 16 de janeiro de 2016 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  4. Material Ferroviário S/A (21 de março de 1945). «Relatório para 1944». Correio Paulistano. São Paulo, ano XCI, nº 27300. Caderno único, p. 14 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  5. Material Ferroviário S/A (28 de abril de 1945). «Ata da primeira assembléia geral ordinária». Correio Paulistano. São Paulo, ano XCI, nº 27332, Caderno único, p. 14 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  6. MONTEIRO, A. Rodrigues (14 de novembro de 1948). «Falência de uma administração». Diário de Notícias. Rio de Janeiro, ano XIX, nº 7994. Primeira seção, p. 3 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  7. «FALÊNCIA de uma administração: Esclarecimentos da Material Ferroviário S/A». Diário de Notícias. Rio de Janeiro, ano XIX, nº 8000. Primeira seção, p. 6 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 21 de novembro de 1948. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  8. «Na Câmara Federal - Continua retendo a atenção da Casa o inquérito do Banco do Brasil: outra denúncia». Correio Paulistano. São Paulo, ano XCIX, nº 29546. Caderno único, p. 3 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 5 de agosto de 1952. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  9. NEIVA, Carlos J. (6 de fevereiro de 1954). «O Brasil constrói os seus vagões». Manchete. Rio de Janeiro, Bloch Editores. Edição 94, p. 48-49 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  10. Material Ferroviário S/A (17 de janeiro de 1947). «Anúncio». Correio da Manhã. Rio de Janeiro, ano XLVI, nº 16014. Caderno único, p. 9 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  11. Maria Celina D’Araujo. «Comissão Mista Brasil-Estados Unidos». Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  12. a b «O Inquérito parlamentar sobre a Rede Ferroviária». O Semanário. Rio de Janeiro, ano III, nº 140. Pag. 14 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 18 de dezembro de 1958. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  13. NERY, Adalgisa (16 de maio de 1958). «Fortunas pessoais através de atos danosos às nossas ferrovias». Última Hora. Rio de Janeiro, ano VIII, nº 2412, Primeiro Caderno, p. 3 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 26 de dezembro de 2021 
  14. «Material Ferroviário para a Argentina». O Observador Econômico e Financeiro. Rio de Janeiro, ano XX, edição 239. Pag. 82 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. Janeiro de 1956. Consultado em 12 de outubro de 2021 
  15. «ANÚNCIO dos trens-unidade para a Viação Ferrea Federal Leste Brasileiro». Folha da Manhã. São Paulo, ano XXX, nº 9291. Caderno Único. Assuntos Especializados, p. 11. 9 de julho de 1954. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  16. «MAIS uma partida de de 1.372 vagões nacionais acaba de ser entregue à Central do Brasil». Acervo Folha. Folha da Manhã. São Paulo, ano XXXI, n.º 9758. Assuntos Especializados, p. 1. 29 de fevereiro de 1956. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  17. «Anúncio dos 90 carros de aço inoxidável para trens-unidades elétricos de subúrbios da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí». Acervo Folha. Folha da Manhã. São Paulo, ano XXXIII, n.º 10201. 3.º Caderno, Assuntos Especializados, p. 03. 28 de julho de 1957. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  18. Anúncio da inauguração da fábrica de carros de passageiros da Mafersa no bairro paulistano da Lapa. Acervo O Globo. O Globo, Rio de Janeiro, Ano XXXIII, nº 9732. Primeiro caderno, p. 05. 25 de janeiro de 1958. Consultado em 05 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  19. «São Paulo é o único produtor latino-americano de modernos carros de aço inoxidável para ferrovias». Acervo Folha. Folha da Manhã. São Paulo, ano XXXIII, nº 10354. 3º Caderno, Assuntos Especializados, p. 01. 26 de janeiro de 1958. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  20. «Caixilhos Mafersa de alumínio extrudado». Diário de Notícias. Rio de Janeiro, ano XXX, nº 11397. Economia e Finanças, p. 01 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 10 de janeiro de 1960. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  21. «Poltronas Mafersa». Diário de Notícias. Rio de Janeiro, ano XXX, nº 11403. Economia e Finanças, p. 01 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 17 de janeiro de 1960. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  22. Anúncio da parceria da Mafersa com a The Chain Belt Company. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano XXXVI, nº 10373. Primeiro Caderno, p. 03. 26 de Fevereiro de 1960. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo)
  23. «INAUGURA a Mafersa em Caçapava sua moderna e grande forjaria pesada». Acervo Folha. Folha de S.Paulo. São Paulo, ano 40, nº 11.724. Primeiro Caderno, p. 14. 18 de julho de 1961. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  24. Usina de Forja Pesada Mafersa. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano XXXVII, nº 10741. Primeiro Caderno, p. 15. 10 de maio de 1961. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  25. «DÍVIDA faz Mafersa mudar controle». Portal ValeParaibano. 3 de março de 2002. Consultado em 10 de agosto de 2008. Arquivado do original em 26 de março de 2008 
  26. PRISÃO preventiva para três responsáveis pela agitação na Mafersa. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janero, ano XXXIX, nº 11809. Primeiro Caderno, p. 18. 05 de novembro de 1964. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  27. ANÚNCIO publicitário "A Estrada de Ferro Santos-Jundiaí aumenta sua frota". Acervo Estadão. O Estado de S. Paulo. São Paulo, ano 89, nº 28514. Primeiro Caderno, p. 13. 26 de março de 1968. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  28. «MAFERSA entrega 6 carros-trem à Estrada de Ferro Santos-Jundiaí». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 49, nº 14.635. Primeiro Caderno, p. 9. 11 de julho de 1969. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  29. «MAFERSA e Mannesmann assinam importante contrato». Acervo Folha. Folha de S.Paulo. São Paulo, ano 49, nº 14.754. Primeiro Caderno, p. 13. 7 de novembro de 1969. Consultado em 14 de outubro de 2022 
  30. PELAS empresas - Locomotivas. Acervo Estadão. O Estado de São Paulo. São Paulo, ano 93, nº 29.826. Caderno Geral, p. 65. 25 de junho de 1972. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  31. «RODAS ao Paquistão». A Tribuna. Santos, ano LXXVIII, edição 95. Primeiro Caderno, Porto e Mar, p. 16 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 29 de junho de 1972. Consultado em 19 de outubro de 2022 
  32. Mauá-Caxias com quatro trens novos. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano LIII, nº 16.221. Primeiro Caderno, Rio, p. 15. 14 de Março de 1978. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  33. «PASSAGEIROS depredam trem após paralisação por falta de energia». Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, ano LXXXIX, edição 247. Primeiro Caderno, p. 20 / republicado pela Biblioteca Nacional, Hemeroteca Digital Brasileira. 11 de dezembro de 1979. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  34. «MARCOS Vianna quer comprar a Mafersa». Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, ano LXXXIX, edição 24. Primeiro Caderno, Economia, p. 17 / republicado pela Biblioteca Nacional, Hemeroteca Digital Brasileira. 2 de maio de 1979. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  35. «RODAS ferroviárias para a Índia». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 59, nº 18.858. Primeiro Caderno, Transportes, p. 21. 19 de novembro de 1980. Consultado em 17 de outubro de 2022 
  36. O Negócio é Notícia - Em Pauta: Mafersa vende 200 vagões a Moçambique. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano 57, n.º 17.479. Primeiro Caderno, Economia, p. 16. 04 de Setembro de 1981. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  37. Seis grupos se candidatam para comprar a Mafersa. Acervo O Globo. O Globo, Rio de Janeiro, ano LVII, nº 17.672. Primeiro Caderno, Economia, pag. 21. 20 de março de 1982. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  38. Naufal desiste e Mafersa é colocada outra vez a venda. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano LVIII, Nº 17.882. Primeiro caderno, Economia, p. 22. 16 de outubro de 1982. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  39. «GOVERNO pode pedir revisão ao Bird em defesa da Mafersa». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 62, nº 19.384. Primeiro Caderno, Economia, p. 19. 29 de abril de 1982. Consultado em 17 de outubro de 2022 
  40. STIEL, Waldemar Corrêa. «NOVOS Passos - Carrocerias: Mafersa, Cobrasrna e Santa Matilde». MILBUS. Consultado em 5 de setembro de 2022. Arquivado do original em 19 de março de 2005 – via Ônibus: uma história do transporte coletivo e do desenvolvimento urbano no Brasil. São Paulo: Comdesenho Estúdio e Editora, 2001. 
  41. «MAFERSA na Mauritânia». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 67, nº 21.162. Primeiro Caderno, Transporte Marítimo, p. A-35. 12 de março de 1987. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  42. O Negócio é Notícia - Mafersa desenvolve vagão-tanque maior. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano LXIII, nº 19.632. Primeiro Caderno, Economia, pag. 28. 20 de agosto de 1987. Consultado em 6 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  43. MAFERSA embarca rodas de vagões para a Austrália. Acervo Estadão. O Estado de S. Paulo. São Paulo, ano 108, nº 34494. Primeiro Caderno, Marinha Mercante em todo o Mundo, p. 28. 11 de agosto de 1987. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  44. «PRIVATIZAÇÃO da Mafersa foi aprovada por Sarney». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 65, nº 20.743. Primeiro Caderno, Economia, p. 15. 17 de janeiro de 1986. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  45. «PRESIDENTE Sarney manda suspender leilão para privatizar a Mafersa». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 69, nº 22.106. Economia, p. C-1. 11 de outubro de 1989. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  46. BNDES suspende suas privatizações. Acervo Estadão. O Estado de S. Paulo. São Paulo, ano 110, nº 35.168. Economia & Negócios, p. 01 (33 da edição). 11 de outubro de 1989. Consultado em 5 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  47. «SARNEY determina a suspensão do leilão da Mafersa». Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, ano XCIX, edição 186. Primeiro Caderno, Economia, p. 16 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 11 de outubro de 1989. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  48. SUSPENSA a privatização da Mafersa. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano LXV, nº 20.412. Primeiro Caderno, Economia, p. 21. 11 de outubro de 1989. Consultado em 6 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  49. TEIXEIRA, J. E. (18 de outubro de 1987). «Lançamento de ônibus marca diversificação da Mafersa». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 67, nº 21.381. Negócios, p. 1. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  50. «Mafersa M210-A difícil sobrevivência:Reclamações de frotistas são incontáveis, mas a Mafersa vai manter o veículo em produção». Transporte Moderno, ano 27, edição 315, páginas 28-33. Abril de 1990 
  51. FULLIN, Evandro (19 de fevereiro de 2014). «Mafersa M210». Caminhões Antigos Brasileiros. Consultado em 5 de setembro de 2022. Arquivado do original em 3 de julho de 2017 
  52. «ANÚNCIO publicitário "Prefeitura de São Paulo continua trabalhando sério: CMTC compra mais 78 trólebus brasileiros!"». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 65, nº 20.673. Primeiro Caderno, Economia, p. 15. 8 de novembro de 1985. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  53. «SÃO PAULO pode ter mais 78 tróleibus em 86». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 65, nº 20.674. Primeiro Caderno, Cidades, p. 19. 9 de novembro de 1985. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  54. «DROPES: Teste dos trólebus monobloco». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 66, nº 20.941. Classifolha Veículos, p. 96. 3 de agosto de 1986. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  55. «TRÓLEBUS em série». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 66, nº 21.015. Finanças/Empresas, p. 85. 16 de outubro de 1986. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  56. Adamo Bazani (1 de janeiro de 2016). «Vídeos, fotos e informações sobre a história da Mafersa como produtora de ônibus». Diário do Transporte. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  57. Fundação Bienal de São Paulo (1984). «Bensde Capital». Sala Especial Desenho industrial:tradição e ruptura 
  58. «MAFERSA exporta vagão para metrô de Chicago». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 71, nº 22.647. Dinheiro, p. 3-4. 5 de abril de 1991. Consultado em 19 de outubro de 2022 
  59. «EMPRESAS ESTATAIS FEDERAIS PRIVATIZADAS DESDE 1990». Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (atual Ministério da Economia). Consultado em 10 de agosto de 2008. Arquivado do original em 12 de setembro de 2008 
  60. «MAFERSA é privatizada por Cr$ 35,94 bi». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 71, nº 22.868. Primeiro Caderno, Brasil, p. 1-8. 12 de novembro de 1991. Consultado em 5 de setembro de 2022 
  61. REFER leva Mafersa pagando mais 161%. Acervo O Globo. O Globo. Rio de Janeiro, ano LXVII, nº 21.174. Primeiro Caderno, Economia, p. 23. 12 de novembro de 1991. Consultado em 6 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  62. «FUNDAÇÃO da Rede compra Mafersa por Cr$ 35,9 bilhões». Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, ano CI, edição 218. Negócios e Finanças, p. 7 / republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira. 12 de novembro de 1991. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  63. «MAFERSA desiste de projeto de motor a gás feito pelo CTA». Acervo Folha. Folha de S.Paulo. São Paulo, ano 72, nº 23.113. Folha Vale, p. 6-4. 14 de julho de 1992. Consultado em 24 de maio de 2019 
  64. «Mafersa exporta rodas de trem para a Arábia». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 73. nº 23.435. Folha Vale, p. 6-4. 1 de junho de 1993. Consultado em 24 de maio de 2019 
  65. ALMEIDA, Maria Regina (18 de novembro de 1995). «Mafersa fecha em Caçapava e demite 210». Acervo Folha. Folha de S. Paulo. São Paulo, ano 75, nº 24.335. Folha Vale, p. 7-1. Consultado em 6 de setembro de 2022 
  66. HORITA, Nilton. Funcionários compram controle da Mafersa. Acervo Estadão. O Estado de S. Paulo. São Paulo, ano 116, nº 37.194. Economia & Negócios, p. B-11. 19 de agosto de 1995. Consultado em 6 de setembro de 2022 (é necessária uma assinatura para visualizar o artigo completo).
  67. «Justiça decreta falência da fábrica MWL em Caçapava». G1. Consultado em 18 de outubro de 2022 
  68. [1][ligação inativa]
  69. «Mafersa atinge índice de nacionalização de 95% sem qualquer auxílio externo». Jornal do Brasil, ano LXXXVIII, edição 163, página 13/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. 18 de setembro de 1978. Consultado em 3 de janeiro de 2020 
  70. Mafersa-Programa Nacional de Desestatização (2 de setembro de 1989). «Informação ao público». Jornal do Brasil, ano XCIX, edição 147, página 9/republicado pela Biblioteca Nacional-Hemeroteca Digital Brasileira. Consultado em 3 de janeiro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BUZELIN, José Emílio de Castro Horta; Carros Budd no Brasil - Os trens que marcaram época; Rio de Janeiro: editora Memória do Trem, 2002.
  • Folha de S. Paulo. Vários números.
  • O Globo. Idem.
  • O Estado de S. Paulo. Ibidem.
  • Jornal do Brasil. Ibidem (republicado pela Biblioteca Nacional - Hemeroteca Digital Brasileira).
  • Diário de Notícias. Ibidem (Ibidem).