Departamento de Águas e Energia Elétrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
DAEE - Departamento de Águas e Energia Elétrica
Autarquia
Atividade Gerenciamento de recursos hídricos
Fundação 12 de dezembro de 1951 (67 anos)
Fundador(es) Lucas Nogueira Garcez
Sede São Paulo
Área(s) servida(s)  São Paulo
Proprietário(s) Governo do Estado de São Paulo

O Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) é uma autarquia do governo do estado de São Paulo, sendo responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos do Estado de São Paulo. Para melhor desenvolver suas atividades, e exercer suas atribuições conferidas por lei, atua de maneira descentralizada, no atendimento aos municípios, usuários e cidadãos, executando a Política de Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, bem como coordenando o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Hídricos, adotando as bacias hidrográficas como unidade físico - territorial de planejamento e gerenciamento[1].

História[editar | editar código-fonte]

Foi criado em 12 de dezembro de 1951[2] pelo governador Lucas Nogueira Garcez, onde o modelo para sua criação foi a Tennessee Valley Authorithy, estabelecida nos Estados Unidos em 1933 pelo presidente Franklin Roosevelt. Assim como a agência americana, deveria ser um órgão capaz de gerir o planejamento do uso da água de uma forma geral em todo o estado[3].

Foi responsável, entre outras, pela construção das usinas hidrelétricas Limoeiro, mais tarde renomeada Armando de Salles Oliveira (1953), e Euclides da Cunha (1954), ambas no Rio Pardo[4]. Em 1964, promoveu a retificação do Rio Tietê, onde mais tarde criou o Parque Ecológico[5].

Também construiu e opera barragens no Estado de São Paulo, as quais possuem múltiplas funções, entre elas duas principais: a contenção de enchentes e o abastecimento público para a RMSP (Região Metropolitana de São Paulo)[6].

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O DAEE possui a seguinte estrutura operacional:[6]

Barragens[editar | editar código-fonte]

  • Barragem da Penha - localizada no rio Tietê, na altura da divisa entre São Paulo e o município de Guarulhos;
  • Barragem Móvel (conhecida como Barragem do Cebolão) - também no rio Tietê, na altura da foz do rio Pinheiros
  • Barragem do Valo Grande - no rio Ribeira de Iguape, município de Iguape
  • Barragem do Ribeirão dos Mottas - no município de Guaratinguetá
  • Barragem do Ribeirão Taboão - no município de Lorena
  • Barragem do Ribeirão Santa Lucrécia - no município de Lorena

A Barragem da Penha e a Barragem Móvel foram construídas exclusivamente para controle da vazão do rio Tietê.

Reservatórios[editar | editar código-fonte]

Todos os reservatórios fazem parte do Sistema Alto Tietê para abastecimento de água da Região Metropolitana de São Paulo, administrado pela SABESP.

Referências

  1. «O que é o DAEE ?». www.daee.sp.gov.br. Consultado em 28 de março de 2019 
  2. Lei N. 1.350, de 12 de dezembro de 1951. Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo
  3. ESPECIAL DAEE - Uma agenda integrada para cuidar das águas. Parque Ecológico do Tietê
  4. História da empresa - CESP
  5. «Histórico do Parque Ecológico do Tietê». Consultado em 25 de maio de 2012. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  6. a b «Barragens». www.daee.sp.gov.br. Consultado em 28 de março de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre administração pública é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.