Instituto Geológico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Instituto Geológico (IG) é um órgão público do estado de São Paulo, responsável por realizar pesquisas científicas em geociências e meio ambiente, gerando conhecimentos necessários à implementação de políticas públicas no território paulista. Tem sua origem na Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo, o mais antigo órgão de pesquisa do poder executivo paulista, fundado em 1886. Sendo esta comissão substituída, em meados de 1931 [1], pelo Departamento Geográfico e Geológico que foi transformado, em 1938, no Instituto Geográfico e Geológico - IGG [2] sendo este posteriormente desmembrado repassando parte das atribuições ao Instituto Geológico[3], Instituto Geográfico e Cartográfico[4] e DAEE. Desde 1986, encontra-se vinculado à Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.[5]

O instituto desenvolve pesquisas em diversos temas e áreas, tais como geotecnia, geomorfologia, água subterrânea, recursos minerais, desastres naturais, poluição, zoneamento, gestão de unidades de conservação, levantamentos básicos em geociências, sistemas gerenciadores de informação e educação ambiental, visando sua aplicação na solução de problemas ambientais emergentes ou que demandam soluções a médio e longo prazo, bem como na prestação de serviços à população e de assessoria técnica às prefeituras, curadorias de meio ambiente e outras instituições congêneres.[6]

O instituto também estuda e viabiliza projetos em parcerias com órgãos da iniciativa pública e privada e executa serviços de perfuração de poços profundos para o abastecimento de água em municípios do interior paulista[6], além de ministrar diversas modalidades de cursos e treinamentos, de palestras a disciplinas de pós-graduação, e organizar eventos voltados à difusão e transferência de tecnologia nas áreas de geociências e meio ambiente.[7]

O IG está sediado na cidade de São Paulo, no bairro da Vila Mariana. Conserva vastas coleções referentes às suas áreas de atuação institucional[8] (destacando-se os acervos de mineralogia e paleontologia) e mantém o Museu Geológico Valdemar Lefèvre, (MUGEO) no Parque da Água Branca. Possui uma biblioteca especializada com cerca de 12.000 títulos de livros e 800 títulos de periódicos[9], mapoteca com cerca de 10.000 mapas[10], acervo de documentação técnico-científica e histórica na área de geociências (cerca de 15.000 itens)[11] e uma coleção de fotografias áereas do território paulista (10.000 itens).[12] Publica regularmente a Revista do Instituto Geológico, com artigos científicos de diversas áreas das geociências, de pesquisadores do instituto e de outras organizações, e o Boletim do Instituto Geológico, destinado à publicação de trabalhos mais diretamente relacionados aos projetos internos. Eventualmente, o IG edita publicações especiais, na forma de livros, folhetos e mapas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. LUCIO, SILVIA (2014). João Pedro de Cardoso e a Ação na Comissão Geográfica e Geológica. São Paulo: USP - ECA. 178 páginas 
  2. http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1938/decreto-9871-28.12.1938.html
  3. http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1975/decreto-6822-26.09.1975.html
  4. http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/1979/decreto-13413-13.03.1979.html
  5. «IG - Instituto Geológico». FAPESP. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  6. a b «Conheça o IG». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  7. «Transferência de Conhecimento». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  8. «Acervo». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  9. «Biblioteca». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  10. «Mapoteca». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  11. «Histórico». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 
  12. «Imagens». Instituto Geológico. Consultado em 4 de janeiro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]