BRK Ambiental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
BRK Ambiental
Razão social BRK Ambiental Participações S.A
Privada
Indústria Saneamento Básico
Gênero Sociedade anônima de capital fechado
Fundação 01 de janeiro de 2008 (10 anos)
Sede São Paulo,  São Paulo
 Brasil
Proprietário(s) Brookfield Asset Management (70%) e Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (30%)
Presidente Teresa Vernaglia
Empregados 6.000
Produtos Água e Esgoto, Utilities, Resíduos
Website oficial [1]

A BRK Ambiental é uma das primeiras empresas brasileiras privadas de saneamento básico e foi criada em janeiro de 2008 para prestar serviços nos segmentos de água e esgoto, utilities e resíduos. A BRK Ambiental atua por meio de parcerias com empresas públicas e privadas e municípios e estados.[1]

Como sociedade anônima de capital fechado, a empresa integrava a Organização Odebrecht que, em outubro de 2016, vendeu sua participação na subsidiária para o grupo Brookfield. Hoje, a empresa possui capital social composto exclusivamente de ações ordinárias, com 70% de participação da Brookfield e 30% do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS).[2] Até 2017, a empresa se chamava Odebrecht Ambiental.

A empresa tem hoje 6 mil funcionários e atua em mais de 186 municípios, onde atende cerca de 17 milhões de pessoas.[3]

A BRK Ambiental tem como presidente a engenheira elétrica Teresa Vernaglia, que assumiu o comando da empresa em maio de 2017, após a conclusão da aquisição da Odebrecht Ambiental, pela canadense Brookfield, por R$ 2,9 bilhões.[4]

Setores[editar | editar código-fonte]

A empresa atua em três segmentos – água e esgoto, utilities e resíduos – e desenvolve tecnologias para atender as demandas de seus clientes de forma sustentável.[5]

Água e esgoto

No segmento de água e esgoto, a BRK Ambiental é a maior prestadora privada de serviços do Brasil, atendendo a cerca de 17 milhões de pessoas em mais de 180 municípios. Nesse segmento, a empresa complementa investimentos públicos para universalização dos serviços de abastecimento de água e tratamento de esgoto em parceria com companhias públicas e privadas e administrações estaduais e municipais.[6]

Utilities

No segmento utilities, a BRK Ambiental foi a primeira a fornecer água de reúso para a indústria, atendendo a clientes de setores como siderurgia, petróleo e petroquímica e papel e celulose.[7]

Resíduos

No segmento resíduos, a empresa opera no tratamento e na destinação de resíduos industriais e da construção civil, além da prestação de serviços de resposta a emergências marítimas, diagnóstico e remediação de áreas degradadas e gerenciamento total de resíduos (TWM – total waste management), dentre outros.[8]

Histórico[editar | editar código-fonte]

2008[editar | editar código-fonte]

É criada a Odebrecht Ambiental por meio de spin-off do segmento ambiental da Organização Odebrecht. A nova empresa assume as unidades de Limeira (SP), Rio Claro (SP), Rio das Ostras (RJ), Campinas (SP), Jaguaribe (BA), Lumina (BA), além da Unidade de Valorização de Resíduos da Construção Civil (UVR) em Grajaú (SP). A nova empresa também incorpora as unidades de Cachoeiro de Itapemirim (ES) e Mauá (SP).[9]

2009[editar | editar código-fonte]

Entrada do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) como sócio e início das atividades do segmento utilities, com a central de utilidades para VSB (MG).[10] Início do projeto Aquapolo (SP), fruto de parceria entre a Sabesp e a Odebrecht Ambiental para tratar a água de esgoto e abastecer o Polo Petroquímico do ABC Paulista, constituído por 12 empresas. Trata-se da primeira operação do tipo no País e quinta maior do mundo.[9][11][12][13]

2010[editar | editar código-fonte]

Conquista das operações de Blumenau (SC), Mairinque (SP), Santa Gertrudes (SP) e incorporação dos projetos da ThyssenKrupp Companhia Siderúrgica do Atlântico e Klabin no portfólio de utilities. Conquista de clientes como a Petrobras, no segmento de resíduos.[9]

2011[editar | editar código-fonte]

Concessão de serviços de água e esgoto em Porto Ferreira (SP) e Uruguaiana (RS), além da entrada no bloco privado da SANEATINS (TO). Em utilities, início das operações da central de utilidades da VSB e estudos para o desenvolvimento de sistemas de produção e fornecimento de água industrial para o Comperj.[9]

2012[editar | editar código-fonte]

Início das operações de Área de Planejamento 5 (AP-5), que compreende 21 bairros da Zona Oeste do Rio de Janeiro[14] e Aquapolo (SP), além da conquista da concessão da primeira cidade no Pará e da PPP em Macaé (RJ). Nesse ano, há também a inclusão da Cetrel e Distribuidora de Águas Camaçari no portfólio de utilities e a conquista do contrato de total waste management (gerenciamento total de resíduos), com a Vale S.A., no portfólio de resíduos.[9][15]

2013[editar | editar código-fonte]

Mobilização e início da operação na Região Metropolitana do Recife (PE)[16]; conquista e mobilização do contrato de subdelegação para prestação de serviços de esgotamento sanitário em Goiás[17] e do contrato para a ampliação do sistema produtor de Rio Manso (MG). Reestruturação societária dos ativos industriais na Odebrecht utilities ─ que em 2013 aumentou em 40% o volume de efluentes tratados ─ com a capitalização de 17,2% de participação pela Fundação dos Economiários Federais (Funcef)[18] e incorporação da Distribuidora de Águas Triunfo no portfólio. Capitalização na Odebrecht Ambiental, com o aumento de participação societária do sócio FI-FGTS de 26,5% para 30%.

2014[editar | editar código-fonte]

Conquista das operações de Sumaré (SP)[19] e Maranhão, incorporação das concessões de quatro cidades no Pará pela Odebrecht Ambiental Araguaia Saneamento, representante da companhia no estado, além da conquista de novos contratos.

2016[editar | editar código-fonte]

A Brookfield Asset Management compra 100% da participação da Odebrecht Ambiental, por R$ 2,8 bilhões, desta forma  a composição acionária da empresa passa a ser de 70% para a Brookfield e 30% para o FI-FGTS.[20]

2017[editar | editar código-fonte]

A Brookfield conclui a compra da Odebrecht Ambiental, assume a operação e troca a marca da empresa para BRK Ambiental.[21]

2018[editar | editar código-fonte]

Em 27 de fevereiro, a Vara de Interesses Difusos e Coletivos do Tribunal de Justiça do Maranhão suspende os contratos de concessão do serviço de saneamento básico da BRK Ambiental com os municípios de Paço do Lumiar e São José de Ribamar, após uma ação civil pública do Ministério Público apontar irregularidades na formação do consórcio CISAB e a contratação da empresa em 2014.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Acionista | Aquapolo». www.aquapolo.com.br (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2017 
  2. «Histórico». ri.brkambiental.com.br. Consultado em 7 de julho de 2017 
  3. Hoje, Porto Ferreira. «Concluída a venda da Odebrecht Ambiental à Brookfield; a companhia passará a se chamar BRK Ambiental». Porto Ferreira Hoje 
  4. «A nova CEO da Odebrecht Ambiental | VEJA.com». VEJA.com. 1 de maio de 2017 
  5. «Quem Somos | BRK Ambiental». www.brkambiental.com.br (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2017 
  6. «Água e Esgoto | BRK Ambiental». www.brkambiental.com.br (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2017 
  7. «Utilities | BRK Ambiental». www.brkambiental.com.br (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2017 
  8. «Resíduos | BRK Ambiental». www.brkambiental.com.br (em inglês). Consultado em 7 de julho de 2017 
  9. a b c d e «Linha do Tempo - Odebrecht Ambiental». www.odebrechtambiental.com. Consultado em 24 de maio de 2016 
  10. «Fundo FI-FGTS, da Caixa, procura empreiteiras para investir R$ 7 bi». Folha online. Consultado em 24 de maio de 2016 
  11. «Água boa é de reúso - ISTOÉ DINHEIRO». www.istoedinheiro.com.br. Consultado em 24 de maio de 2016 
  12. «Notícias - Portal do Governo do Estado de São Paulo». Portal do Governo do Estado de São Paulo. Consultado em 24 de maio de 2016 
  13. «Aquapolo». www.aquapolo.com.br. Consultado em 7 de julho de 2017 
  14. «Zona Oeste do Rio tem nova operadora no tratamento de esgoto». www.ademi.org.br. Consultado em 24 de maio de 2016 
  15. «Braskem vende ativos no polo de Camaçari por R$ 652 milhões». Negócios. 28 de dezembro de 2012. Consultado em 24 de maio de 2016 
  16. «Portal Saneamento Básico - Odebrecht Ambiental vai administrar R$ 4.5 Bi na PPP do Recife». www.saneamentobasico.com.br. Consultado em 24 de maio de 2016 
  17. «Odebrecht Ambiental investirá aproximadamente R$ 1 bilhão em Goiás». Minuto Engenharia. Consultado em 24 de maio de 2016 
  18. «Funcef entrará no capital da Odebrecht Ambiental - EXAME.com». Exame. Consultado em 24 de maio de 2016 
  19. «Portal Saneamento Básico - SP: Odebrecht oferece melhor proposta em Sumaré». www.saneamentobasico.com.br. Consultado em 24 de maio de 2016 
  20. «Odebrecht fecha venda de empresa da área ambiental para canadenses». Folha de S.Paulo 
  21. «Odebrecht conclui venda por R$ 2,9 bi de divisão ambiental - Economia - Estadão». Estadão 
  22. «Justiça anula contrato da BRK em Ribamar e Paço do Lumiar». O Imparcial. 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 24 de março de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.