Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


A Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro - CEDAE foi fundada com o objetivo de prestar serviços de saneamento no estado do Rio de Janeiro. É uma empresa estatal de economia mista. O maior acionista é o governo do estado do Rio de Janeiro.


História[editar | editar código-fonte]

Criada por Decreto-Lei em 24 de março de 1975, e constituída em 1º de agosto daquele ano, logo após a fusão do estado do Rio com o da Guanabara, que trouxe consigo a união das três empresas que atuavam, no âmbito estadual, da nova unidade da federação: a SANERJ (Companhia de Saneamento do Estado do Rio de Janeiro), a CEDAG (Companhia Estadual de Águas e Esgotos da Guabanabara) e a ESAG (Empresa de Saneamento da Guanabara).

Tão logo se deu a sua implantação, ficou patente o desafio que se apresentava diante da nova empresa, já que fora a cidade do Rio, que se encontrava em situação confortável com relação a sua estutura de abastecimento e saneamento, o interior fluminense e a nova região metropolitana por sua vez tinham uma estrutura bastante deficitária nesse sentido.

Optou-se então por aproveitar parte da estrutura existente, principalmente a montada no Rio Guandu e que já atendia à cidade do Rio, para que esta fornecesse água para a Baixada Fluminense, em situação emergencial, mas que mostrou-se mais viável ao longo dos anos, pois veio a melhorar as condições de vida da população ali residente em um período mais breve.

Nos demais municípios, foram implantadas redes de coleta de esgoto sanitário e abastecimento de água a medida da demanda e disponibilidade de recursos, o que fez com que muitos municípios interioranos decidissem por criar sua própria estrutura de água e esgotos.

Atualmente, a empresa é responsável pelo abastecimento de água tratada em 65 dos 92 municípios fluminenses e 17 com coleta de esgoto sanitário, atendendo cerca de 9 milhões das 15 milhões residentes no estado.

Em 1997, o Governador do Rio de Janeiro, Marcello Alencar, a incluiu no Programa Estadual de Desestatização, porem a proposta era ousada, propondo vender até os Mananciais d´água do estado para duas firmas francesas de saneamento, alem de vender as reservas sobressalentes para uma firma dos Estados Unidos, isso desencadeou uma crise na empresa, culminando com a retirada da CEDAE do PED, e o Indeferimento do Processo de Privatização pelo STF.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]